Língua mandan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mandan (Nų́ų́ʔetaa íroo)
Falado em: Estados Unidos
Região: Dakota do Norte
Total de falantes: extinta em Dez. 2016[1]
Família: Sioux
 Sioux Ocidental
  Mandan
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: mhq

Mandan (Mandan: Nų́ų́ʔetaa íroo) é uma língua Sioux extinta do Dakota do Norte, Estados Unidos.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, pensou-se que Mandan estava intimamente relacionado com a Hidatsa e Crow. No entanto, desde que os falantes de Mandan tiveram contatos com falantes de Hidatsa e Crow por muitos anos, a relação exata hoje entre Mandan e outras línguas Sioux (incluindo Hidatsa e Crow) foi obscurecida e atualmente é indeterminada. Assim, Mandan é mais frequentemente considerado como um ramo separado da família Sioux.

Mandan tem dois dialeto s principais: Nuptare e Nuetare.

Apenas a variedade Nuptare sobreviveu até o século XX e todos os falantes eram bilíngües em Hidatsa. Em 1999, havia apenas seis falantes fluentes de Mandan ainda vivos.[2] Edwin Benson, o último falante Mandan fluente sobrevivente, morreu em 2016.[3]

A língua recebeu muita atenção dos americanos brancos por causa da cor da pele supostamente mais clara do povo Mandan, que eles especularam ser devido a uma origem européia. Na década de 1830 o príncipe Maximilian zu Wied-Neuwied passou mais tempo gravando Mandan sobre todas as outras línguas Siouan e preparou uma lista de comparação de palavras Mandan e a língua galesa (ele pensou que o Mandan poderia ter relações com o Galês).[4] A ideia de uma conexão Mandan / Galês também foi apoiada por George Catlin.[5]

A obra de Will e Spinden relata que os “homens de medicina” Mandan tinham sua própria linguagem secreta.

Uso e revitalização[editar | editar código-fonte]

Em 2009, há apenas um falante fluente de Mandan, dr. Edwin Benson (1931-2016).[6] A língua está sendo ensinada num programa de uma escola local, para que encoraje seu uso.[7]

Mandan é ensinado no “Fort Berthold Community College” junto com Hidatsa e Arikara s.[6] O linguista Mauricio Mixco, da Universidade de Utah, tem estado envolvido no trabalho de campo com os falantes remanescentes desde 1993. A partir de 2007, materiais extensos na língua Mandan no “North Dakota Heritage Center]”, em Bismarck (Dacota do Norte), continuam a ser processados, segundo os linguistas.[8]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Mandan tem as seguintes consoantes:

Labial Alveolar Post-alveolar Velar Glotal
Oclusiva p t k ʔ
Fricativa s ʃ x h
Nasal [m] [n]
Sonorante w r

/w/ e /r/ se tornaram [m] e [n] antes de vogais nasais e /r/ é [ⁿd] no início de palavras.[9]

Anterior Central Posterior
Oral Nasal Oral Nasal Oral Nasal
Extensão longa curta longa curta longa curta longa curta longa curta longa
Fechada i ĩ ĩː u ũ ũː
Meio fechada e o
Aberta a ã ãː

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Mandan é uma linguagem Sujeito-Objeto-Verbo.

Mandan tem um sistema de acordo de alocação e formas gramaticais diferentes podem ser usadas dependendo do gênero do destinatário. Perguntas feitas aos homens devem usar o sufixo -oʔsha: o sufixo -oʔną é usado para perguntar às mulheres. Da mesma forma, o sufixo indicativo é -oʔsh para dirigir-se aos homens, o're para tratar das mulheres. O mesmo vale para o modo imperativo: -ta (masculino), -ną (feminino).[10]

Os verbos Mandan incluem um conjunto de verbos posturais, que codificam as formas do sujeito do verbo:[11]

wérex ną́koʔsh
wérex ną́k-oʔsh
panela sentar-presente
'Uma panela estava ali (“sentada”).'
mį́ʔtixteną roomąkoʔsh
mį́ʔti-xte-ną -roomąkoʔsh
aldeia-grande-empático stand-narrativo.passado
'Ali havia uma grande aldeia.'
mą́ątah mą́komąkoʔsh
mą́ątah mą́k-omąkoʔsh
rio estar-narrativa.passado
'O rio ali estava.'

As traduções para o português são "Uma panela estava ali", "Uma grande aldeia estava lá" ou "O rio estava lá". Isso reflete o fato de que a categorização postural é requerida em tais declarações locativas Mandan.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Mandan, como muitas outras línguas indígenas norte-americanas, tem elementos de simbolismo sonoro em seu vocabulário. Um som / s / denota frequentemente pequenez / menos intensidade, / ʃ / denota medium-ness, / x / denota grandeza / maior intensidade:[12]

  • síire "amarelo"
  • shíire "fulvo"
  • xíire "marrom"
  • seró "tinido"
  • xeró "chocalho"

Compare os exemplos semelhantes em língua Lakhota.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. «Edwin Benson, last-known fluent speaker of Mandan, passes away at 85». Consultado em 10 de novembro de 2016 
  2. Personal communication from Mauricio Mixco in 1999, reported in Parks & Rankin. 2001. p. 112.
  3. Skurzewski, Joe (9 de dezembro de 2016). «Edwin Benson, last-known fluent speaker of Mandan, passes away at 85». kfyrtv.com. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  4. Chafe. 1976b. p. 37-38.
  5. Catlin, G. Die Indianer Nordamerikas Verlag Lothar Borowsky
  6. a b The Missoulian. 11 May 2009. Jodi Rave. "The last speaker: UND to honor Mandan, last to speak Nu'eta as 1st language."
  7. «Last known fluent Mandan speaker honored». News From Indian Country. Consultado em 27 de setembro de 2012 
  8. «Rancher, linguist working to preserve Mandan language». News From Indian Country. 7 de agosto de 2007. Consultado em 27 de setembro de 2012 
  9. Wood & Irwin 2001, p. 349
  10. Hollow. 1970. p. 457 (in Mithun 1999. p. 280).
  11. Mithun, Marianne (2001). The Languages of Native North America. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 115–116. ISBN 978-0-521-29875-9 
  12. Hollow & Parks 1980. p. 82.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Carter, Richard T. (1991a). Old Man Coyote and the wild potato: A Mandan trickster tale. In H. C. Wolfart & J. L. Finlay (Ed.), Linguistic studies presented to John L. Finlay (pp. 27–43). Memoir (No. 8). Winnipeg: Algonquian and Iroquoian Linguistics. ISBN 0-921064-08-X.
  • Carter, Richard T. (1991b). Maximilian's Ruptare vocabulary: Phililogical evidence and Mandan phonology. In F. Ingemann (Ed.), 1990 Mid-America Linguistics Conference: Papers (pp. 479–489). Lawrence, KS: Department of Linguistics, University of Kansas.
  • Chafe, Wallace. (1973). Siouan, Iroquoian, and Caddoan. In T. A. Sebeok (Ed.), Current trends in linguistics (Vol. 10, pp. 1164–1209). The Hague: Mouton. (Republished as Chafe 1976a).
  • Chafe, Wallace. (1976a). Siouan, Iroquoian, and Caddoan. In T. A. Sebeok (Ed.), Native languages of the Americas (pp. 527–572). New York: Plenum Press. ISBN 0-306-37157-X. (Originally published as Chafe 1973).
  • Chafe, Wallace. (1976b). The Caddoan, Iroquoian, and Siouan languages. Trends in linguistics: State-of-the-art report (No. 3). The Hague: Mouton. ISBN 90-279-3443-6.
  • Coberly, Mary. (1979). A text analysis and brief grammatical sketch based on 'Trickster challenges the buffalo': A Mandan text collected by Edward Kennard. Colorado Research in Linguistics, 8, 19–94.
  • Hollow, Robert C. (1970). A Mandan dictionary. (Doctoral dissertation, University of California, Berkeley).
  • Hollow, Robert C.; & Parks, Douglas. (1980). Studies in plains linguistics: A review. In W. R. Wood & M. P. Liberty (Eds.), Anthropology on the Great Plains (pp. 68–97). Lincoln: University of Nebraska. ISBN 0-8032-4708-7.
  • Kennard, Edward. (1936). Mandan grammar. International Journal of American Linguistics, 9, 1–43.
  • Lowie, Robert H. (1913). Societies of the Hidatsa and Mandan Indians. In R. H. Lowie, Societies of the Crow, Hidatsa, and Mandan Indians (pp. 219–358). Anthropological papers of the American Museum Of Natural History (Vol. 11, Part 3). New York: The Trustees. (Texts are on pp. 355–358).
  • Mithun, Marianne. (1999). The languages of Native North America. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-23228-7 (hbk); ISBN 0-521-29875-X.
  • Mixco, Mauricio C. (1997a). Mandan. Languages of the world series: Materials 159. Münich: LINCOM Europa. ISBN 3-89586-213-4.
  • Mixco, Mauricio C. (1997b). Mandan switch reference: A preliminary view. Anthropological Linguistics, 39, 220–298.
  • Parks, Douglas R.; Jones, A. Wesley; Hollow, Robert C; & Ripley, David J. (1978). Earth lodge tales from the upper Missouri. Bismarck, ND: Mary College.
  • Parks, Douglas R.; & Rankin, Robert L. (2001). The Siouan languages. In R. J. DeMallie (Ed.), Handbook of North American Indians: Plains (Vol. 13, Part 1, pp. 94–114). W. C. Sturtevant (Gen. Ed.). Washington, D.C.: Smithsonian Institution. ISBN 0-16-050400-7.
  • Will, George; & Spinden, H. J. (1906). The Mandans: A study of their culture, archaeology and language. Papers of the Peabody Museum of American Archaeology and Ethnology, Harvard University (Vol. 3, No. 4, pp. 81–219). Cambridge, MA: The Museum. (Reprinted 1976, New York: Kraus Reprint Corporation).
  • Wolvengrey, Arok. (1991). A marker of focus in Mandan discourse. In F. Ingemann (Ed.), 1990 Mid-America Linguistics Conference: Papers (pp. 584–598). Lawrence, KS: Department of Linguistics, University of Kansas.
  • Wood, Raymond W.; & Irwin, Lee. (2001). "Mandan". In "Plains", ed. Raymond J. DeMaille. Vol. 13 of Handbook of North American Indians, ed. William C. Sturtevant. Washington, D.C.: Smithsonian Institution.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]