Língua nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Língua da nação, nem com Língua oficial, nem com Língua regional.

Uma língua nacional é uma língua (ou variação linguística, como um dialeto) que tem alguma conexão – de facto ou de jure – com uma nação. Há pouca consistência no uso deste termo. Uma ou mais línguas faladas como maternas no território de um país podem ser referidas informalmente ou designadas na legislação como línguas nacionais do país, mencionadas em mais de 150 constituições mundiais.[1]

C.M.B. Brann, com referência particular à Índia, sugere que existem "quatro significados bastante distintos" para a língua nacional em uma política:[2]

  • "Linguagem territorial" (ctonoleto[3]) de um determinado povo
  • "Língua regional" (coraleto)
  • "Língua em comum ou da comunidade" (demoleto) usado em todo o país
  • "Língua central" (politoleto) usada pelo governo e talvez tendo um valor simbólico

A última geralmente recebe o título de língua oficial. Em alguns casos (por exemplo, nas Filipinas), vários idiomas são designados como oficiais e um idioma nacional é designado separadamente.

Línguas oficiais versus línguas nacionais[editar | editar código-fonte]

"Língua nacional" e "língua oficial" são melhor entendidas como dois conceitos ou categorias jurídicas com alcances de significado que podem coincidir, ou podem ser intencionalmente separados. As nações apátridas não estão em posição de legislar uma língua oficial, mas suas línguas podem ser suficientemente distintas e bem preservadas para serem línguas nacionais. Algumas línguas podem ser reconhecidas popularmente como "línguas nacionais", enquanto outras podem gozar de reconhecimento oficial em uso ou promoção.

Em muitos países africanos, algumas ou todas as línguas indígenas africanas são oficialmente usadas, promovidas ou expressamente autorizadas a serem promovidas (geralmente ensinadas nas escolas e escritas em publicações importantes) como línguas semioficiais, seja por legislação de longo prazo ou de curto prazo, medidas executivas (governamentais) caso a caso. Para ser oficial, as línguas faladas e escritas podem gozar de uso governamental ou federalizado, grande promoção financiada por impostos ou pelo menos tolerância total quanto ao seu ensino e reconhecimento dos empregadores na educação pública, em pé de igualdade com a(s) língua(s) oficial(ais). Além disso, eles podem ser reconhecidos como uma língua usada na escolaridade obrigatória e o dinheiro do tesouro pode ser gasto para ensinar ou encorajar adultos a aprender uma língua que é minoritária em uma área específica para restaurar sua compreensão e espalhar suas histórias morais, rimas, poemas, frases, canções e outras heranças literárias que promovam a coesão social (onde outras línguas permanecem) ou promovam a diferenciação nacionalista onde outra língua não indígena é preterida.[4][5]

Referências

  1. «Jacques Leclerc». Consultado em 15 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 28 de maio de 2019 
  2. Brann, C.M.B. 1994. "The National Language Question: Concepts and Terminology." Logos [University of Namibia, Windhoek] Vol 14: 125–134
  3. Wolff, H. Ekkehard "African Languages: An Introduction Ch./Art: Language and Society p. 321 pub. Cambridge University Press 2000
  4. 20 Year Strategy for the Irish Language http://www.plean2028.ie/en/node/14[ligação inativa]
  5. Williams, Colin H. (1990), «The Anglicisation of Wales», in: Coupland, Nikolas, English in Wales: Diversity, Conflict, and Change, ISBN 9781853590313, Clevedon, Avon: Multilingual Matters, pp. 38–41