Língua neo-aramaica betanure judaica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Neo-Aramaico Betanure Judaico (lišānā deni / lišā́n huðāye / huðəθ~huðəθkí / amrāni~amrāní)
Falado em: Israel, antes Betanure (antigo Iraque
Total de falantes: ~35 (2008) [1]
Família: Afro-asiática
 Semítica
  Semítica Central
   Aramaica
    Aramaica Oriental
     Aramaica Central
      =Aramaica Nordeste
       Neo-Aramaico Betanure Judaico
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O Neo-Aramaico Betanure Judaico é o dialeto local da vila de Betanure, Iraque, sendo atualmente uma das línguas de origem aramaica mais ameaçadas de extinção.[1] É também a mais conservadora das línguas judaicas neo-aramaicas e também dentre as línguas neo-aramaicas do nordeste.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1940, o Neo-Aramaico Betanure Judaico era falado por dezessete grandes famílias da cidade judia de Betanure.[1] Essa comunidade migrou inteiriamente para Israel em 1951.[1] Desde então o dialeto veio se erodindo com a presença da língua hebraica e de outras variantes Neo-aramaicas presentes no país.[1]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Consoantes
Labial Dental/Alveolar Postalveolar/Palatal Velar Uvular Faringeal Glotal
Plosiva/Africada p (ṗ) b (ḅ) t ṭ d (ḍ) č č̣ j k g q ʼ
Fricativ f (v) θ ð (ð̣) s ṣ z (ẓ) š ṣ̌ ž (ẓ̌) x ɣ ḥ ʻ h
Nasal m ṃ n
Líquida w n l ḷ r ṛ y

Registros[editar | editar código-fonte]

O registro literário do dialeto apresenta algumas diferenças register no vocabulário, Ex.: ʼāhu p/ ʼāwa 'ele', ʼāhi p/ ʼāya 'ela', məskenūθa p/faqirūθa 'pobreza'.

Um registro especial secreto chamado lišanəd ṭəšwa era usado para tornar a palavra não inteligível para muçulmanos e cristãos que viviam nas proximidades. Para isso se usavam palavras criptográficas substituindo outras que precisavam ser usadas.

Regular Criptografada Português
surāya dlá-gzāra,čila Cristão
gfāhəm gdāqe ele entende
lá-mḥākət lá-mharbət não fale
dugle šinqoreš mentira
pāre č̣oʼe dinheiro
yabiše məšxuryāθa uvas
beʼe baʻšāne ovos

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f Mutzafi (2008):xii-xiii

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]