Língua palaica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Palaico ou palaíta (palaumnili )
Falado em: Turquia (noroeste da Anatólia, região conhecida como Palā)
Extinção: antes do Sec. XIV a.C.
Família: Indo-europeia
 anatólias
  indo-européias
   Palaico ou palaíta
Escrita: cuneiforme
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: plq
ISO 639-3: plq
Mapa mostrando a extensão da língua palaica.

Palaico é uma língua extinta do tronco Indo-Europeu, presente em tabletes com escrita cuneiforme da Idade do Bronze de Hattusa, a capital dos Hititas. Seu nome em Hitita é palaumnili, ou "do povo de Pala"; Palā foi, provavelmente, um reino ao noroeste do núcleo de governo hitita, ou seja, no noroeste da Anatólia na atual Turquia. Essa região foi invadida pelo Kaskas no século 15 A.C., e a língua provavelmente caiu em desuso nos dicionários desse tempo.[1]

Usos[editar | editar código-fonte]

Todo o uso da língua palaica abrange um período  aproximadamente entre 751 a.C. e 754 a.C.. Além disso, Emmanuel Laroche cita em seu Catálogo de Textos Hititas que passagens de outros textos em outros lugares citam que o palaico é utilizado para referenciar o deus Zaparwa (conhecido pelos hititas como Ziparwa), o principal deus da região de Pala.[2] Em particular, aproximadamente em 750 a.C., um festival para Ziparwa e divindades associados inclui passagens afirmando que "A Velha Mulher fala as palavras do pão em palaico," ou, alternativamente, "as palavras da refeição", apesar de não ocorrerem citações de passagens em palaico. Os textos idioma possuem todos um cunho religioso, ritualístico e mitológico.[3] Além de Zaparwa, os falantes do Palaumnili adoravam o deus do céu Tiyaz (conhecido no luvita como Tiwaz).[4]

Influências[editar | editar código-fonte]

O palaico é uma amostra típica de língua do tronco Indo-Europeu. Os hititas tinham o característico sufixo -as como usado num período próximo a 1600 A.C. (comparado ao sufixo Proto-Indo-Europeu *-os); onde tabletes cuneiformes luvitas utilizam, ao invés disso, o sufixo adjetivo -ass. Palaico, na fronteira norte de ambos, como o Luvita Hieroglífico tardio tem tanto  -as como genitivo e -asa como sufixo adjetivo. O idioma também mostra a mesma distinção de gênero, como visto no Hitita, por exemplo, seres animados e inanimados; e tem formas pronominais similares. Portanto o Palaico é pensado como pertencente às Línguas da Anatólia, embora o fato de pertencer como uma língua irmã para o Hitita Antigo ou para o Luvita Cuneiforme seja desconhecido.[5][6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Anatolian languages-Britannica». Consultado em 18 de Novembro de 2016 
  2. Burney, Charles (2004). Historical Dictionary of the Hittites. [S.l.]: Scarecrow Press. p. 223. ISBN 0810865645 
  3. Carruba, O. Das Palaische. Texte, Grammatik, Lexikon. Wiesbaden: Harrassowitz, 1970. StBoT 10
  4. Maciej Popko: Völker und Sprachen Altanatoliens. Wiesbaden 2008, p. 61.
  5. Melchert H. C. (2008). The Ancient Languages of Asia Minor. Cambridge; New York: Cambridge University Press. p. 43. ISBN 978-0-511-39353-2 
  6. Каsyan А. С., Shatskov А. В. (2013). Línguas do Mundo: Antigas Línguas do tronco Indo-Europeu do Sudoeste e da Ásia Central. М.: Academiadata. p. 101. ISBN 978-5-87444-370-2 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]