Língua piripkúra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Piripkúra
Falado em: Brasil (Mato Grosso)
Total de falantes: 3 (?)
Família: Tupi
 Oriental
  Mawetí-Guaraní
   Tupí-Guaraní
    Kawahíwa
     Piripkúra
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O Piripkúra é uma língua da família linguística tupi-guarani, pertencente ao tronco tupi. É falada pelos piripkuras da Terra Indígena Piripkura, no noroeste de Mato Grosso.[1]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Os Piripkúra foram contactados em 1984, e outra vez em 2007 (Aguilar 2015: 135).[1]

Há três sobreviventes Piripkura:[2]

  • Dois homens chamados Tikum e Monde’i. Vivem em isolamento voluntário no norte de Mato Grosso.
  • Uma mulher chamada Rita Piripkura (ou Rita Kawahiva[3]), casada com um homem Karipúna em Rondônia (Denófrio, 2013, p.11[4]).[1]

Segundo Christ 2009, p. 130:[3]

[O Piripkura] é um grupo Tupi Kawahib localizado entre os rios Branco e Madeirinha, afluentes da margem esquerda do rio Roosevelt, nos municípios de Colniza e Rondolândia (MT). São conhecidos pela denominação Piripkúra, dada pelos seus vizinhos Gavião-Ikoleng, do povo Mondé e significa borboleta, mariposa. ... Uma integrante do grupo, Rita Kawahiva, informou que o grupo era de dez a quinze pessoas.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O Piripkúra pertence ao complexo linguístico Kawahíwa.[1]

Segundo Ana Cabral (2009: 8), a língua Piripkúra "apresenta características que, por um lado a aproxima do Uru-Eu-Wau-Wau, do Amondáwa e do Karipúna, mas possui outras características que a aproximam do grupo Parintintín, Jiahói e Tenharim."[1]

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Algumas palavras Piripkura segundo a informante Rita Piripkura (Santos, Candor & Cabral 2017):[2]

Animais[editar | editar código-fonte]

Alguns nomes de animais:[2]

Piripkura Português
nambúa nambú
mutúa mutum
jakúa jacu
tapi'íra anta
tajaúa queixada
taitúa cateto
ywýrapára arco
'y'ýwa flecha
akará cará
pijawá piau
tare'ýra traíra
tijú jeju
ijĩ'á bodó
txawe'wýra arraia
ambuatá camboatá
juparáju'ía jandaíra
heíra po'á espécie de abelha
ywahúa abelha pai
heiretéa uruçu
borouhúa espécie de abelha pequena
tata'íra abelha de fogo
heiryy'ría espécie de abelha que fica no cipó (no chão)
akupytanuhúa abelha grande que produz mel no mês de janeiro
tapemánga espécie de abelha
jakaré jacaré (Caiman spp., Paleosuchus spp.)
karuwáruhúa paca (Agouti paca)
txautxía jabuti (Geochelone spp.)
tajahúa porco-do-mato (Tayassu pecari; Pecari tajacu)
ijĩ'á peixe bodó

Plantas[editar | editar código-fonte]

Alguns nomes comuns de plantas:[2]

nome Piripkura nome comum nome científico uso
aju'ybá abiu Pouteria sp. 1; Pouteria sp. 2 fruto
owetíngapauhúa abiu Pouteria torta fruto
aju'ybá ipotýra abiu-cotite Pouteria macrophylla fruto
aju'ybárána abiurana Pouteria caimito fruto
yway'áka angelim Dinizia excelsa conhece
bureápikía araça Eugenia sp. 1 fruto
pubururéa piránga araça Eugenia sp. 2 fruto
hemu'y'ýwa araça-de-anta Bellucia grossularioides fauna
oký ta'a i'a arariúba Minquartia guianensis conhece
Inatáuhúa babaçu Orbignya phalerata fruto; tapiri
panakúpupéja bacaba Oenocarpus bacaba fruto
yhýka/jutahýka breu Protium heptaphyllum fruto; resina
majĩkujýwa buriti Mauritia flexuosa fruto; artesanato
jumitauhúa cacau (tem na terra) Theobroma sp. 1 fruto
tarapúa cacau Theobroma sp. 2 fruto
kupu'ía cacauí Theobroma speciosum fruto
txitykywýwa cachimbeira Cariniana rubra fruto
akajáb cajá Spondias mombin fruto
akajuhúa cajuí Anacardium giganteum fruto
aerembíwe'ýma cambuí Psidium sartorianum fauna
castanha Bertholletia excelsa fruto
timó/moapáwuhúa cipó-timbó (não identificado) pesca
ipóa cipó-titica Heteropsis flexuosa utensílio
txyrykytíwopéa copaíba Copaifera langsdorffii fauna
ejoybába píra copiúva Tapirira guianensis fruto
jumitahýma cupuaçu Theobroma grandiflorum fruto
makawa'ýwuhúa embaúba Cecropia sp. 1 corda para arco; rede
amba'ýwa embaúba (pequena) Cecropia sp. 2 corda para arco; rede
? envira-preta Bocageopsis multiflora conhece
inamburú'ywopéa faveiro Gleditschia sp. conhece
hea'netangiwauhúa guanandi Calophyllum brasiliensis fruto
amba'ýwarána imbaubarana Pourouma guianensis fruto
inata'ýwa inajá Maximiliana maripa fruto
ykangaká ingá Inga edulis fruto
ingáperemu'húa ingá Inga sessilis fruto
paji'ýja ingá-feijão Inga cylindrica fruto
ynga'ía ingá-mirim Inga laurina fruto
ywyruajirána ingarana Dimorphandra macrostachya conhece
? ipê-amarelo Handroanthus ochraceus arco; ponta de flecha
kujapi'ýwa itaúba Mezilaurus itauba fauna
juta'ýwa jatobá Hymenaea sp. fruto
piraiwýwa jatobá-mirim Guibourtia sp. conhece
jandypáwa jenipapo Genipa americana fruto
juta'ía jutaí-pororoca Dialium guianense fruto
aweting'ýwa/howetxiby'ría maçaranduba Manilkara huberi fruto
ywotyrýwa matamatá Lecythis chartacea fauna
ywarapi'yja muirapinima Brosimum guianense fruto
manikujúwa murici-da-capoeira Byrsonima sp. fruto
kwarámandyjúwa paineira-barriguda Ceiba sp. conhece
apirahya pajurá Couepia bracteosa fruto
pindóab patauá Oenocarpus bataua fruto
kwapaýwa'uhúa pau-breu Symphonia globulifera fauna
embýra'ýwa pau-de-embira Xylopia frutescens conhece
makwawa'ywuhúa pequiarana Caryocar microcarpum fauna
peki'á piquiá Caryocar villosum fruto
ipykáwa pupunha-brava Bactris sp. arco
akajárána pupunharana Duckeodendron cestroides fauna
? rebenta-laço Banara arguta fauna
txúwa sorva Couma utilis fruto
? taxi-branco Sclerolobium paniculatum conhece
timbo'ýwopéa tamboril Enterolobium timbouva fauna; pesca
kirupina'é tarumã Vitex cymosa fruto
ywaputuka'ýwa tatajuba Bagassa guianensis fauna
jityky'wýba tauari (não identificado) embira para rede
? umari Poraqueiba sericea fruto
urukú urucum Bixa orellana pintura
muntu'úba uxi Endopleura uchi fruto
witirána uxirana Sacoglottis guianensis fruto

Referências

  1. a b c d e AGUILAR, Ana Maria Gouveia Cavalcanti. Contribuições para os estudos histórico-comparativos sobre a diversificação do sub-ramo VI da família linguística Tupí-Guaraní. 2015. 223 f., il. Tese (Doutorado em Linguística)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015. (PDF)
  2. a b c d Santos Júnior, T. da S., Candor, J. C., & Cabral, A. S. A. C. (2017). Uso de recursos naturais pelos Índios Piripkura no Noroeste de Mato Grosso: uma análise do Conhecimento Ecológico Tradicional no contexto da política expansionista do Brasil na Amazônia Meridional. Revista Brasileira De Linguística Antropológica, 8(2), 73-104. https://doi.org/10.26512/rbla.v8i2.16301 (PDF)
  3. a b CHRIST, C. L. Grupos de indígenas isolados no Mato Grosso. In: Relatório 2009: violência contra os povos indígenas no Brasil. Brasília: CIMI, 2009, p.132-141. Acesso em: out. 2015.
  4. DENÓFRIO, J. P. M. La mort est dans la vie: contre-métamorphose et ascension Kagwahiva. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), París: École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AZANHA, Gilberto. 2006. Relatório antropológico de identificação de delimitação da Terra Indígena Kawahíwa do Rio Pardo. Relatório técnico elaborado sob a coordenação da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Disponível na biblioteca da Diretoria de Assuntos Fundiários da FUNAI.
  • DENÓFRIO, J. P. M. Breve contribuição etnográfica sobre os Kagwahiva: O Coletivo Piripkúra. Relatório – Etnologia e Antropologia Social. FUNAI, 2012.
  • DENÓFRIO, J. P. M. La mort est dans la vie: contre-métamorphose et ascension Kagwahiva. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), París: École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), 2013. (em francês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]