Língua récia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Récio (Rhaetic)
Falado em: Récia antiga
Região: Alpes Orientais
Total de falantes: extinta séc.. III d.C
Família: Tyresiana?
 Récio (Rhaetic)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: xrr

O Récio /ˈrʃən/ ou Rhaetic (Raetic) /ˈrtk/ foi uma língua falada na antiga região de Récia, nos Alpes orientais, nos tempos pré-romano e romano. Está documentado por trezentas inscrições, encontradas em no norte da Itália, sul da Alemanha, leste da Suíça, Eslovênia e oeste da Áustria,[1] em duas variantes do alfabeto etrusco.

A antiga língua Rética não é a mesma que uma das modernas línguas românicas da mesma região alpina, conhecida como Rhaeto-Romance, mas ambas às vezes são chamadas de "Rhaetian".

Família das línguas Tyrrhenianas conforme Simone and Marchesini (2013)

Classificação[editar | editar código-fonte]

O linguista alemão Helmut Rix propôs que o Récio, juntamente com a língua etrusca, fosse membro de uma família proposta das [[línguas tirrenaso)] possivelmente somente influenciada por línguas indo-européias vizinhas. { {Sfn | Rix 1998}} [2] Robert Beekes também não o considera indo-europeu.[3] pelo contrário, sugere que seja mesmo uma língua indo-européia, com links para línguas ilírias e línguas celtas. [4] No entanto, a maioria dos estudiosos hoje acredita que é provavelmente uma língua tirrena e, portanto, mais intimamente relacionada a línguas etruscas.

A família Tyrsenian (Tirrena) de Rix foi confirmada por Stefan Schumacher,[5][6][7][8] Carlo De Simone[9] e Simona Marchesini.[10] Características comuns entre etrusco, récio e língua lemniana foram encontrados na morfologias, fonologia e sintaxe. Por outro lado, poucas correspondências lexicais são documentadas, pelo menos em parte devido ao número escasso de textos Récios e Lemnianos.[11][12] A família Tyrsenian, ou Tyrrhenic comum, neste caso é frequentemente considerada como uma língua paleo-europeia e anterior à chegada das Indo-Europeias no sul da Europa.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Inscrições a cultura Récia

É claro que, nos séculos que antecederam a época do império romano, os récios sofreram pelo menos influência etrusca, pois as inscrições réticas são escritas no que parece ser uma variante setentrional do alfabeto etrusco. As fontes romanas antigas mencionam o povo rético como sendo de origem etrusca; portanto, pode haver pelo menos alguns etruscos étnicos que se estabeleceram na região naquela época.

Em sua História Natural (século I dC), Plínio, o Velho escreveu sobre os povos alpinos contíguos a esses Noricano são os Récios e Vindelici Todos estão divididos em vários estados. Acredita-se que os Récios fossemm pessoas da raça toscana [a]


O comentário de Plínio sobre um líder chamado Rhaetus é típico das origens mitologizadas dos povos antigos e não necessariamente confiável. O nome da deusa venética Reitia tem sido comumente discernido nos achados Rhaetic, mas os dois nomes não parecem estar ligados. A grafia como Raet- é encontrada nas inscrições, enquanto Rhaet- foi usada nos manuscritos romanos; se este Rh representa uma transcrição precisa de um R aspirado R em Récio (Rhaetic) ou se é um erro.

Muitas inscrições são conhecidas, mas a maioria delas é curta e bastante repetitiva, provavelmente principalmente textos votivos. O Rhaetic se tornou extinto no século III dC, com seus falantes adotando eventualmente o latim vulgar no sul e línguas germânicas no norte, e possivelmente o celta antes disso. .[15]

Uma variedade alterada do Récio é "falada" no filme de 2017 Iceman de Felix Randau. [16]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. «The Raetic alphabets» 
  2. Schumacher 1998.
  3. Robert S.P. Beekes, Comparative Indo-European Linguistics: an introduction, 2nd ed. 2011:26: "It seems improbable that Rhaetic (spoken from Lake Garda to the Inn valley) is Indo-European, as it appears to contain Etruscan elements."
  4. Scullard 1967 43.
  5. Schumacher, Stefan (1994) Studi Etruschi in Neufunde ‘raetischer’ Inschriften Vol. 59 pp. 307-320 (German)
  6. Schumacher, Stefan (1994) Neue ‘raetische’ Inschriften aus dem Vinschgau in Der Schlern Vol. 68 pp. 295-298 (German)
  7. Schumacher, Stefan (1999) Die Raetischen Inschriften: Gegenwärtiger Forschungsstand, spezifische Probleme und Zukunfstaussichten in I Reti / Die Räter, Atti del simposio 23-25 settembre 1993, Castello di Stenico, Trento, Archeologia delle Alpi, a cura di G. Ciurletti - F. Marzatico Archaoalp pp. 334-369 (German)
  8. Schumacher, Stefan (2004) Die Raetischen Inschriften. Geschichte und heutiger Stand der Forschung Archaeolingua. Innsbrucker Beiträge zur Kulturwissenschaft. (German)
  9. de Simone Carlo (2009) La nuova iscrizione tirsenica di Efestia in Aglaia Archontidou, Carlo de Simone, Emanuele Greco (Eds.), Gli scavi di Efestia e la nuova iscrizione ‘tirsenica’, TRIPODES 11, 2009, pp. 3-58. Vol. 11 pp. 3-58 (Italian)
  10. Carlo de Simone, Simona Marchesini (Eds), La lamina di Demlfeld [= Mediterranea. Quaderni annuali dell'Istituto di Studi sulle Civiltà italiche e del Mediterraneo antico del Consiglio Nazionale delle Ricerche. Supplemento 8], Pisa – Roma: 2013.
  11. Simona Marchesini (translation by Melanie Rockenhaus) (2013). «Raetic (languages)». Mnamon - Ancient Writing Systems in the Mediterranean. Scuola Normale Superiore. Consultado em 26 July 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  12. Kluge Sindy, Salomon Corinna, Schumacher Stefan (2013-2018). «Raetica». Thesaurus Inscriptionum Raeticarum. Department of Linguistics, University of Vienna. Consultado em 26 July 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  13. Mellaart, James (1975), "The Neolithic of the Near East" (Thames and Hudson)
  14. Pliny, «XX», Naturalis Historia (em latim), III, Loeb .
  15. Encyclopædia Britannica, 1911 .
  16. https://www.economist.com/blogs/prospero/2017/08/bewitching-and-bewildering

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Scullard, HH (1967), The Etruscan Cities and Rome, Ithaca, NY: Cornell University Press .
  • Morandi, Alessandro (1999), «Il cippo di Castelciès nell'epigrafia retica», Rome: Bretschneider, Studia archaeologica, 103 .
  • Rix, Helmut (1998), Rätisch und Etruskisch [Rhaetian & Etruscan], Vorträge und kleinere Schriften (em alemão) (68), Innsbruck: Innsbrucker Beiträge zur Sprachwissenschaft: Institut für Sprachwissenschaft der Universität Innsbruck .
  • Schumacher, Stefan (1998), «Sprachliche Gemeinsamkeiten zwischen Rätisch und Etruskisch», Der Schlern (em alemão), 72: 90–114 .
  • Schumacher, Stefan (2004) [1992], Die rätischen Inschriften. Geschichte und heutiger Stand der Forschung, Sonderheft (79) 2nd ed. , Innsbruck: Innsbrucker Beiträge zur Kulturwissenschaft: Institut für Sprachwissenschaft der Universität Innsbruck .
  • Prosdocimi, Aldo L. (2003-4). "Sulla formazione dell'alfabeto runico. Promessa di novità documentali forse decisive". Archivio per l'Alto Adige 97–98.427–440
  • de, Simone, Carlo; Marchesini, Simona (2013). La lamina di Demlfeld. Rome-Pisa: Fabrizio Serra Editore 
  • Roncador, Rosa; Marchesini, Simona (2015). Monumenta Linguae Raeticae. Rome: Scienze e Lettere 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "lower-alpha", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="lower-alpha"/> correspondente