Língua tlapaneca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tlapaneca

Me̱ꞌpha̱a̱

Falado em: México
Região: Guerrero, Morelos
Total de falantes: 120 mil (2010)
Família: Oto-Mangueana
 Tlapanecana
  Tlapaneca
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: vários:
tcf — Malinaltepec (east)
tpc — Azoyú (south)
tpl — Tlacoapa (central)
tpx — Acatepec (west)

Tlapaneca /ˈtlæpənɛk/, ou Meꞌphaa, é uma línguas indígena do México falada por cerca de 120 mil pessoas Tlapanecas no estado de Guerrero.[1] Como outras línguas Oto-Mangueanas, é uma língua tonal e tem morfologia flexional complexa. O próprio grupo étnico se refere à sua identidade étnica e linguagem como Me̱ꞌpha̱a̱ [meʔpʰaː].[2]


Antes que muitas informações fossem conhecidas, o Tlapaneco foi considerado como língua não-classificada ou ligado à controversa família das Hokanas. É agora definitivamente considerado parte da família de línguas Oto-Mangueanas, da qual forma seu próprio ramo junto com uma língua extinta e muito intimamente relacionada “a Nicarágua .[3]


Muitos dos Meꞌphaa se mudam temporariamente para outros locais, incluindo Cidade do México, Morelos e vários locais nos Estados Unidos, por motivos de trabalho .

Tlapaneco (Ocre, número 13) e o resto das modernas línguas otomangueanas

Variantes[editar | editar código-fonte]

[[Ethnologue] distingue quatros línguas tlapanecas:[4]

  • Acatepec (dialetos de Acatepec propriamente dito, Huitzapula, Nanzintla, Teocuitlapa, Zapotitlán Tablas)
  • Azoyú
  • Malinaltepec (dialeto Huehuetepec / Zilacayotitlán)
  • Tlacoapa (Tlacoapa, dialetos próprios, Tenamazapa)

Outras fontes de informação, incluindo falantes nativos e o Instituto Nacional de Lenguas Indígenas do governo mexicano, identificam oito ou nove variedades que receberam o status oficial: Acatepec, Azoyú, Malinaltepec, Tlacoapa, Nancintla, Teocuitlapa, Zapotitlán Tablas (com Huitzapula às vezes considerado distinto), Zilacayotitlán.[5] Há inteligibilidade mútua de 50% entre Malinaltepec e Tlacoapa, embora o Acatepec tenha uma inteligibilidade de 80% de ambos.

A variedade Azoyú é a única língua natural relatada para ter usado o caso pegativo, embora seja um caso verbal como outros marcadores de 'caso' em Tlapanec.[6]

Gramática[editar | editar código-fonte]

Tlapanec é uma língua ergativa-absolutiva. No entanto, embora a maioria dos idiomas desse tipo possua um caso ergativo, o Tlapanec é um dos raros exemplos de uma língua de caso absolutivo], ou seja, uma língua ergativa que marca abertamente o absoluto e deixa o ergativo desmarcado.[7]

Media[editar | editar código-fonte]

Uma programação em língua tlapaneca é realizada pela estação de rádio do Instituto Nacional dos Povos Indígenas)CDI) - XEZV-AM, transmitida pela Tlapa de Comonfort, Guerrero.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Da variante Malinaltepec do Tlapanec:[8]

Vogais[editar | editar código-fonte]

Vogais Orais
Anterior Central Posterior
Fechada i iː u uː
Medial e eː o oː
Aberta a aː
Vogais Nasais
Anterior Central Posterior
Fechada ĩ ĩː ũ ũː
Medial ẽ ẽː õ õː
Aberta ã ãː

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Alveolar Pós-
alveolar
Palatal Velar Glotal
Oclusiva surda p t k ʔ
aspirada
sonora b d ɡ
Africada surda t͡s t͡ʃ
sonora d͡ʒ
Fricativa s ʂ h
Nasal m n ɲ
Rótica r
Aproximante l j w

Alofones de /v b ɡ ʂ n r/ são [f β ɣ ʃ ŋ ɾ~ʐ]. Na presença de /hw/, um alofone [ɸ] pode ser ouvido.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Nákhí rí ginii ne’ne Ana̱’ló’ mikhu jma̱á ju̱ba̱’. Mbá nikhuáa kri̱ga̱ ju̱ba̱’, nda̱a̱ dríga̱, jamí kri̱ga̱ jínuune̱. I̱ndo̱ó Xu̱u’ Ana̱’ló’ ngrámuu na̱ke̱e̱ na̱’kha̱a̱ inuu iya. Ni’thán Ana̱’ló’: “A̱kujmaa agu”. Jngó xkua’nii niríga̱ agu rí nambi’i.

Português

No princípio, Deus criou o céu e a terra. A terra era sem forma e vazia, e a escuridão cobria a água profunda. O espírito de Deus estava pairando sobre a água. Então Deus disse: "Haja luz!" Então houve luz.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. INEGI 2005: http://cuentame.inegi.org.mx/impresion/poblacion/lindigena.asp
  2. Instituto Nacional de Lenguas Indígenas. 2008. Catálogo de las lenguas indígenas nacionales: Variantes lingüísticas de México con sus autodenominaciones y referencias geoestadísticas. Diario Oficial 14 enero, Primera Sección: 31-78, Segunda Sección: 1-96, Tercera Sección: 1-112.
  3. See Suárez (1977; 1986).
  4. Computer-generated list of Tlapanec languages at Ethnologue (2013)
  5. A 2008 proposal to divide the ISO code for Acatepec into Acatepec proper, Teocuitlapa, Zapotitlan Tablas, and Huitsapula was rejected.[1]
  6. Wichmann (2005).
  7. Donohue, Mark (2008).
  8. Weathers, Mark and Esther L. (1984). A Sketch of Malinaltepec Tlapanec Phonology. [S.l.: s.n.] 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Donohue, Mark (2008). «Semantic alignment systems: what's what, and what's not». In: Donohue, Mark & Søren Wichmann. The Typology of Semantic Alignment. Oxford: Oxford University Press. p. 27 
Fernández de Miranda, María Teresa (1968). «Inventory of Classificatory Materials». In: Norman A. McQuown (volume editor). Handbook of Middle American Indians, Vol. 5: Linguistics. Austin: University of Texas Press. pp. 63–78. ISBN 0-292-73665-7. OCLC 277126 
Instituto Lingüístico de Verano (n.d.). «Tlapanecan family». El Instituto Lingüístico de Verano en México. Consultado em 13 de março de 2007  Verifique data em: |ano= (ajuda)
Marlett, Stephen A. (Ed.) (2011). «Los archivos lingüísticos meꞌphaa.». SIL International 
Sapir, Edward (1925). «The Hokan affinity of Subtiaba in Nicaragua». American Anthropologist. New Series. 27 (3,4): 402–435, 491–527. doi:10.1525/aa.1925.27.3.02a00040 
Suárez, Jorge A. (1977). El tlapaneco como lengua Otomangue (MS) (em espanhol). México, D.F.: Universidad Nacional Autónoma de México 
Suárez, Jorge A. (1983). La lengua tlapaneca de Malinaltepec (em espanhol). México, D.F.: Universidad Nacional Autonoma de México, Instituto de Investigaciones Filologicas. ISBN 968-5805-07-5 
Suárez, Jorge A. (1986). «Elementos gramaticales otomangues en tlapaneco». In: Benjamin F. Elson (ed.). Language in global perspective (Papers in honor of the 50th anniversary of the Summer Institute of Linguistics 1935-1985. Dallas: The Summer Institute of Linguistics. ISBN 9780883126622 
Swadesh, Morris (1968). «Lexicostatistic Classification». In: Norman A. McQuown (volume editor). Handbook of Middle American Indians, Vol. 5: Linguistics. Austin: University of Texas Press. pp. 79–116. ISBN 0-292-73665-7. OCLC 277126 
Weathers, Mark L. (1976). «Tlapanec 1975». International Journal of American Linguistics. 42 (4): 367–371. JSTOR 1264270. doi:10.1086/465442 
Weathers, Mark L.; Abad Carrasco Zúñiga (1989). Xó nitháán mèꞌphàà: Cómo se escribe el tlapaneco. México, D.F.: Editorial Cuajimalpa 
Wichmann, Søren (2005). «Tlapanec Cases» (PDF). In: Rosemary Beam de Azcona and Mary Paster (eds.). Report 13, Survey of California and Other Indian Languages. Conference on Otomanguean and Oaxacan Languages, March 19–21, 2004. Berkeley CA: University of California at Berkeley. pp. 133–145. Consultado em 12 de março de 2007. Arquivado do original (PDF) em 2 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]