Língua tongva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tongva (Gabrielino)
Falado em: Estados Unidos
Região: Los Angeles, Ilha de Santa Catalina
Total de falantes: extinta ~ 1900, revivida 2004
Família: Uto-Asteca
 Uto-Asteca setentrional
  Serrana
   Tongva (Gabrielino)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: xgf
área da língua Tongva


A língua Tongva (também chamada Gabrielino) é uma língua Uto-Asteca já extinta, mas antes muito falada pelo povo Tongva] que vivia nos arredores de Los Angeles, Califórnia. A língua é muito relacionada com a língua serrano.

Os últimos falantes nativos de Tongva viveram no início do século XX, mas nenhuma evidência sobre essa data pode comprovar um falante fluente nos últimos 150 anos. A linguagem é documentada principalmente nas notas de campo não publicadas de John Peabody Harrington feitas durante esse tempo. O "J.P. Harrington Project", desenvolvido pela Smithsonian Institut através da UC Davis. Suas notas da língua Tongva, aproximadamente 6.000 páginas foram codificadas para documentação por um membro Tongva que levou 3 anos para realiza isso.

Há reivindicações de falantes nativos de Tongva que viveram até a década de 1970, mas não há nenhuma verificação independente desses indivíduos tendo sido falantes fluentes.

Evidências[editar | editar código-fonte]

Evidência da língua sobrevive na toponímia da moderna Califórnia do sul, incluído Pacoima - Los Angeles, Tujunga, Topanga, Califórnia, Azusa, Azusa, Cahuenga (no Cahuenga Pass) e Cucamonga no Rancho Cucamonga. Além disso, o planeta menor 50000 Quaoar foi nomeado a partir de ‘’Quaoar’’, deus criador Tongva]. [1]

Revitalização[editar | editar código-fonte]

Desde 2012, os membros do conselho tribal contemporâneo de Tongva (Gabrieleño) estão tentando o revival linguístico, fazendo uso de vocabulários escritos, em comparação aos membros melhor atestados das línguas Takicas, ao o Tongva pertencia,[2] e proporcionando aulas. [3][4] O Comitê de Línguas Gabrielino-Tongva criou lições de gramática Tongva e canções, e uma página de Tongva no Facebook apresenta diariamente um áudio de uma nova palavra, frase ou música."[5]

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Tongva é uma língua aglutinante, as palavras são formadas pela junção de sufixos e muitos morfemas.

Amostra de textos[editar | editar código-fonte]

Pai Nosso[editar | editar código-fonte]

'Eyoonak

'Eyoonak, 'eyooken tokuupanga'e xaa;
hoyuuykoy motwaanyan;
moxariin kinswomen Tokugawa;
maay mo'wiishme limey 'xor 'Freya Tokugawa.


Hamaare, 'eyoone' maxaare' 'wee taamet,
koy 'oovonre' 'eyoomamaayntar momoohaysh, miyii 'eyaare
'oovonax 'eyoohiino 'eyooyha';
koy xaare' maayn 'iitam momoohaysh,
koy xaa mohuu'esh.
'Wee menee' xaa'e. hey

Poema[editar | editar código-fonte]

Mopuushtenpo xaa mochoova! May your strength be with you!

Yaraarkomokre'e. I remember you.

Totaara'e piik. He is throwing the rock.

Paararne xaa. I'm thirsty.

Conforme C. Hart Merriam (1903)[editar | editar código-fonte]

Números
  1. Po-koo
  2. Wěh-hā
  3. Pah-hā
  4. Wah-chah
  5. Mah-har
  6. Pah-vah-hā
  7. Wah-chah-kav-e-ah
  8. Wa-ha's-wah-chah
  9. Mah-ha'hr-kav-e-ah
  10. Wa-hās-mah-hah'r
  11. Wa-hā's-mah-hah'r-koi-po-koo
  12. Wa-hā's-mah-hah'r-koi-wěh-hā
Urso Grizzly
hoó-nahr
hoon-nah (se for sujeito)
hoon-rah (se for objeto)
Urso Negro Americano
pí-yah-hó-naht

Conforme Alexander Taylor (1860)[editar | editar código-fonte]

Números
  1. po-koo
  2. wa-hay
  3. pa-hey
  4. wat-sa
  5. mahar
  6. pawahe
  7. wat-sa-kabiya
  8. wa-hish-watchsa
  9. mahar-cabearka
  10. wa-hish-mar

Taylor disse "eles não contam acima de dez"

Conforme Dr. Oscar Loew (1875)[editar | editar código-fonte]

Números
  1. pu-gu'
  2. ve-he'
  3. pa'-hi
  4. va-tcha'
  5. maha'r
  6. pa-va'he
  7. vatcha'-kabya'
  8. vehesh-vatcha'
  9. mahar-kabya'
  10. vehes-mahar
  11. puku-hurura
  12. vehe-hurura
urso
unar

Collected by Charles Wilkes, USN (1838-1842)[6][editar | editar código-fonte]

Numbers
  1. pukū
  2. wehē
  3. pāhe
  4. watsā
bear
hundr

Outros autores[editar | editar código-fonte]

  • raposa do deserto: erow[7]
  • Pacoima = da palavra raiz Pako entrar, significa entrada
  • Tujunga = da raiz mulher velha tux'uu; Tujunga significa Mountains of Health conforme antigos nativos.
  • Azusa = da palavra -shuuk 'Ashuuksanga = avó dele

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Nome de diversas missões.[8]

Inglês Tongva
Los Angeles Yaa
San Bernardino Wa'aach
San Gabriel Shevaa
San Pedro, Los Angeles Chaaw
Santa Ana, Califórnia Hotuuk
Santa Mônica Kecheek
Ilha de Santa Catalina Pemu

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

A seguir está uma lista das consoantes e vogais da língua Tongva. Entre parênteses está a ortografia do som específico. Observe que existem várias ortografias para a linguagem Tongva e certas letras representam mais de um som, portanto certos sons podem ter várias maneiras de ser soletrado.

Bilabial Labio-
dental
Alveolar Postalveolar Palatal Velar Uvular Glotal
plana lab.
Nasal m (m) ɱ (m) n (n) ŋ (ng~n)
Plosiva tênue p (p) t (t) k (k~c~qu) kʷ (kw) ʔ (ʼ)
forte b (b) d (d) ɡ (g~gu)
Fricativa tênue ɸ (p) f (p~v~f) s (s) ʃ (sh) tʃ (ch) ç (h~r) x (x) xʷ (xw) χ (x) h (h)
forte β (b~v) v (v) z (z) ʒ (x~sh) ʝ (y~x~j) ɣ (x~h) ʁ (r) ɦ (h)
Vibrante r~ɾ (r)
Aproximante w-ʋ-ʍ (w) l (l) j (y~j)

Vogais[editar | editar código-fonte]

Anterior Central Back
curta longa curta curta longa
Fechada iː (ii) ɨ~ə (i) u (u) uː (uu)
Meio-fechada o (o) oː (oo)
Meio-aberta ɛ (e) eː (ee)
Aberta a (a) aː (aa)

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Byrd, Deborah (19 de fevereiro de 2013). «Quaoar, a rocky world orbiting beyond Neptune». EarthSky. Consultado em 31 de agosto de 2014 
  2. The Limu Project (active language revitalization)
  3. Keepers of Indigenous Ways: Tongva Language History & classes
  4. R. Plesset (1 de junho de 2012). «San Pedro: Science Center Endangered/Tongva Village Site Revitalization». Indymedia Los Angeles. Consultado em 26 de agosto de 2012 
  5. Marquez, Letisia (1 de julho de 2014). «Social media used to revive extinct language». Phys.org. Consultado em 3 de julho de 2014 
  6. McCawley, William. The First Angelinos: The Gabrielino Indians of Los Angeles. Malki Museum Press, 1996
  7. Native Languages of the Americas
  8. Munro, Pamela, et al. Yaara' Shiraaw'ax 'Eyooshiraaw'a. Now You're Speaking Our Language: Gabrielino/Tongva/Fernandeño. Lulu.com: 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]