Línguas coreánicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Línguas coreánicas

한국말‎ (Hanguk-mal), 한국어‎ (Hanguk-eo)

Falado(a) em: Coreia do Sul, Coreia do Norte, Manchuria
Total de falantes: Cerca de 81,5 milhões (2020)
Família: Coreânica
Códigos de língua
ISO 639-1: ko
ISO 639-2: kor
ISO 639-3: kore1234 Glottolog kore1234
Koreanic.svg
Koreanic

As línguas coreânicas são uma família de línguas que incluem a Língua Coreana e a Língua Jeju. É uma língua com aproximadamente 81,5 milhões de falantes em 2020.[5] Os falantes fora da Coreia estão concentrados principalmente na China (aproximadamente 2,2 milhões), Estados Unidos (aproximadamente 1,3 milhões), Japão (cerca de 700.000) e na região central da Ásia (aproximadamente 500.000).[1]

O coreano tem sido amplamente documentado desde a introdução do alfabeto Hangul no século XV. As versões anteriores de coreano usando caracteres chineses são muito mais difíceis de interpretar. Todas as variedades modernas descendem do coreano antigo do Estado de Silla.

A origem[editar | editar código-fonte]

A teoria mais popular sobre as origens da língua coreânica afirma que o coreano é um membro da família da língua altaica.[6] Alexander Vovin[2] observa que o coreano compartilha algumas características tipológicas com as quatro famílias de línguas paleosiberianas e sugere que, na verdade, tem mais em comum com a família da língua paleosiberiana (que é geográfica e agrupamento de áreas, em vez de genético) do que com a suposta língua altaica.

Atualmente, os linguistas históricos classificam a língua coreânica como uma língua isolada. Houve muitas tentativas de vincular o coreano com outras famílias de línguas, na maioria das vezes com as línguas tungústicas (também chamadas de Manchu-Tungus) ou com as línguas japônicas, mas nenhuma ligação genética foi demonstrada de forma conclusiva. Entre os linguistas, o professor Alex Baratta[3] da Universidade de Manchester do Reino Unido, o professor Stefan George[4] da Universidade de Cambridge e o professor Mauricio J. Mixco,[5] da Universidade de Utah são acadêmicos representativos que apoiam a classificação da língua coreânica como uma língua isolada. Os estudiosos que apoiam a teoria da língua isolada enfatizam que o vocabulário comum entre as línguas altaica e coreânica é pequeno ou difícil de reconstruir.

Línguas existentes[editar | editar código-fonte]

Coreano (Língua Coreana)[editar | editar código-fonte]

O Coreano é uma língua relativamente homogênea, com pequenas diferenças dialéticas baseadas na geografia. Sete zonas dialetais são frequentemente reconhecidas. A península é extremamente montanhosa e o "território" de cada dialeto corresponde intimamente às fronteiras naturais entre as diferentes regiões geográficas da Coreia.

A língua padrão (pyojun-eo ou pyojun-mal) da Coreia do Sul é baseada no dialeto da área ao redor de Seul, capital da Coreia do Sul e a língua padrão da Coreia do Norte é influenciado pelo dialeto de P'yŏngyang[6] após a Guerra da Coreia. Os dois padrões têm diferenças fonéticas e lexicais. Muitos empréstimos foram eliminados do padrão norte-coreano, enquanto a Coreia do Sul expandiu o vocabulário sino-coreano e adotou empréstimos, especialmente do inglês.[7][8]

No final do século XIX e início do século XX, em resposta às colheitas ruins e à anexação japonesa da Coreia, muitos trabalhadores foram transferidos à força para a Manchúria como parte da ocupação japonesa da Manchúria e emigraram do norte da península para a parte sul de Primorsky Krai, no Extremo Oriente da Rússia.[9][10] Atualmente cerca de 2,2 milhões de coreanos habitam na China, principalmente na província fronteiriça de Yanbian, onde o idioma oficial é coreano.

Cerca de 250.000 coreanos que viviam em Primorsky Krai na década de 1930 foram levados à força pelo Governo Soviético para a Ásia Central Soviética, particularmente Uzbequistão e Cazaquistão[11] Há pequenas comunidades coreanas espalhadas por toda a Ásia central, mantendo formas de coreano conhecidas coletivamente como Koryo-mar.[12] Há também uma população coreana em Sakhalin, descendente de pessoas transferidas à força pelos japoneses antes de 1945.

A maioria dos coreanos no Japão são descendentes de imigrantes durante a ocupação japonesa. A forma do coreano falado no Japão também mostra a influência do japonês, por exemplo, em um sistema vocálico reduzido e algumas simplificações gramaticais.[13] Os falantes de coreano também são encontrados em todo o mundo, por exemplo na América do Norte, onde o Coreano de Seul é aceito como padrão.[13]

Dialetos do Coreano[editar | editar código-fonte]

Korean dialect zones (Ogura).svg

Todos dialetos do coreano são semelhantes entre si (com exceção de frases específicas do dialeto ou vocabulário não padrão exclusivo para dialetos), embora o dialeto da Ilha de Jeju seja divergente o suficiente para ser às vezes classificado como um idioma separado. A maioria dos dialetos tem o nome de uma das oito províncias tradicionais da Coreia.

  • Hamgyong (Nordeste);
  • Pyongan (Noroeste);
  • Região Central (Seul);
  • Chungcheong;
  • Gyeongsang (Sudeste): Esse dialeto é facilmente distinguido do dialeto de Seul porque seu tom é mais variado. Seis vogais, i, e, a, eo, o, u.
  • Jeolla (Sudoeste); 10 vogais: i, e, ae, a, ü, ö, u, o, eu, eo.
  • Jeju.

Os dialetos de Yanbian na província chinesa de Jilin são incluídos no grupo de Hamgyong[14][11] do nordeste. Os dialetos diferem na palatalização e nos retroflexos do acento do coreano médio, vogais, fricativas sonoras, no meio de palavra /k/ e começo de palavra /l/ e /n/. Uma das diferenças mais salientes entre os dialetos é o uso do tom: os falantes do dialeto da Região Central usam a duração da vogal, enquanto os falantes do dialeto Gyeongsang mantêm o acento do coreano médio. Alguns dialetos são conservados, mantendo sons do coreano médio (como s, z, β, ə) que foram perdidos da linguagem padrão, enquanto outros são altamente inovadores.

Jeju[editar | editar código-fonte]

A Língua Jeju (제주어 Jeju-eo, 제줏말 Jejun-mal ou 제주말 Jeju-mal), é uma língua coreana tradicionalmente falado na Ilha de Jeju, Coreia do Sul. Embora classificado frequentemente como um dialeto Jeju (coreano: 제주 방언 Jeju bang'eon) da língua coreana, Jeju é diferente dos dialetos de continente da Coreia do Sul e pode ser considerada como uma língua separada.

A língua Jeju surgiu em meados do fim do século 11 e acredita-se que tenha surgido do coreano antigo ou do coreano médio que veio de Goryeo. A língua Jeju compartilha bastante vocabulário básico e gramática com a língua coreana. Isso sugere que a língua Jeju claramente compartilha as mesmas raízes do coreano. A língua Jeju já era divergente do Coreano de Seul por volta do século XV e era incompreensível para os visitantes coreanos do continente no século XVI.

Kim Sang-heon[15] (金尙憲, 1570~1652), que serviu como comissário de pacificação (coreano: 안무어사 anmueosa) na ilha de 1601 a 1602, fornece seis palavras na "língua provinciana" com cognatos claros no Jeju moderno e também escreve no diário Namsarok[16] (南槎錄 - Records of Namsa) em agosto de 1601:

"귀양살이를 한 신장령(申長齡) 역관 이었는데 일찍이 말하기를 '이 섬의 말이 중국말과 아주 흡사하여 소나 말을 몰 때의 소리는 더욱 분간하지 못하겠다..... 대개 기후가 중국과 차이가 없어서 그러한 것인지 일찍이 원나라가 점거 하여 관리를 여기에 둠 때문에 중국말과 서로 섞여서' 하였다. 내가 들은 바는 지지(地誌)에 이르지 못하나 소위 사투리란 다만 높고 가늘어 알아 듣지 못하여 그럴 것이다. 숲을 곶이라 하고 메뿌리를 오름이라고 하는 등의 말은 앞서 얘기했다."

Ele disse:

'A língua desta ilha é muito semelhante à língua chinesa, por isso nem consigo distinguir o som enquanto conduz o gado ou cavalos. Talvez seja porque a dinastia Yuan o ocupou e colocou funcionários aqui, então foi misturado com chinês. ' O que ouvi não chega ao solo, mas o chamado dialeto é apenas agudo e fino, então não consigo entender. Mencionei antes que a floresta se chama 'gôt' e Meppuri se chama 'oreum'.

A língua Jeju permaneceu como a língua dominante nas esferas pública e privada mesmo sob o domínio colonial japonês (1910-1945), embora muitos empréstimos japoneses tenham entrado no léxico.[17] A migração em grande escala do povo Jeju para o Japão começou em 1911, e 38.000 habitantes da Ilha de Jeju viviam apenas em Osaka em 1934. A imigração para o Japão continuou mesmo após a independência coreana na década de 1980. Jeju ainda é falado por membros mais velhos dessas comunidades da diáspora, embora indivíduos mais jovens falem japonês como sua língua nativa e não sejam fluentes em Jeju.[18]

A lingua Jeju foi severamente prejudicada pelo Incidente de Jeju de 1948,[19] a Guerra da Coreia[20] e a modernização da Coreia do Sul [7]. Todos os falantes fluentes que permaneceram na Ilha de Jeju agora têm mais de setenta anos. A maioria das pessoas na Ilha de Jeju agora fala uma variedade de coreano com substrato de Jeju. As organizações não governamentais e com a Lei da Língua para a Preservação e Promoção da Língua Jeju em 2007 (coreano: 제주어 보전 및 육성 조례 Jeju-eo bojeon mit yukseong jorye) trabalham para preservar essa língua. Em 2011, a UNESCO classificou a Língua Jeju como língua criticamente ameaçado, o mais alto nível de perigo linguístico possível. Os esforços de revitalização estão em andamento [8].

A língua Jeju tem nove vogais simples [i, e, ɛ, ɨ, ǝ, a, u, o, ᴧ] e 13 ditongos (ye, yɛ, yŏ, ya, yu, yo, yᴧ, wi, we, wɛ, wŏ, wa, ŭy). A característica mais saliente do sistema vocálico é a existência da vogal central posterior não arredondada [ᴧ], um descendente direto do coreano médio ó (escrita com a letra Hangul ⟨ㆍ⟩.[11]

Muitos substantivos terminados em uma vogal mostram traços da adição de -i, que precedeu a vogal original.[11]

Português Língua Jeju Dialeto de Seul
peixe cavalinha kotungey kotunge
vinho de arroz doce kamcwi kamcwu
remo nwuey no

O comportamento de palatalização para língua Jeju é semelhante ao de outros dialetos do sul. Jeju experimentou palatalização de t- e também passou por k- e h-, a palatalização como em cilta (kilta), 'ser longo', sey (hye), 'língua'.[11]

Alguns sufixos fossilizados peculiares da língua Jeju são -ang, - (ay) ngi, e -ayki[11]:

Português Língua Jeju Dialeto Seul
mar patang pata
avô halwupang halapeci
pai apang apeci
pássaro sayngi say
caranguejo keyngi key
filhote de cachorro kangsayngi kangaci
bezerro songayki songaci
concha cokayngi cokay
ovo tᴧksayki talkyal
cabaça paksayki pakaci

E também apresenta a combinação /jʌ/, que o Hunminjeongeum Haerye do século 15 afirma que não era encontrada na linguagem padrão da época, mas ocorria em alguns dialetos.[21] Isso sugere que a língua Jeju divergiu de outros dialetos já algum tempo antes do século 15.[22]

Yukchin map.svg

Yukjin (Ryukchin ou Yukchin)[editar | editar código-fonte]

O dialeto Yukjin (육진방언 Yukjin bang'eon 六鎭方言), significa literalmente “Seis guarnições” ou “여섯 고을” (seis aldeias) em coreano nativo, é um dialeto do coreano ou uma língua coreana falada na região histórica de Yukjin no nordeste da Coreia, ao sul do rio Tumen.

Quando o Rei Sejong expulsou os Jurchen do que agora é a parte mais ao norte da província de Hamgyong do Norte em 1434, ele estabeleceu seis guarnições (Yukchin) na curva do rio Tumen - Kyŏnghŭng, Kyŏngwŏn, Onsŏng, Chongsŏng, Hoeryŏng e Puryŏng - povoadas por imigrantes do sudeste da Coreia.

É um dialeto bem conservador em termos de fonologia e léxico, preservando muitas formas do coreano médio. Em particular, Yukjin não foi afetado pela palatalização encontrada na maioria dos outros dialetos. Assim, alguns linguistas classificam-no como uma língua distinta. Os falantes de Yukjin atualmente vivem não apenas na região do rio Tumen, agora parte da Coreia do Norte, mas também em comunidades da diáspora no nordeste da China e na Ásia Central que se formaram nos séculos XIX e XX. Cerca de 10 por cento dos falantes de coreano na Ásia central usam o dialeto Yukjin.

O dialeto Yukjin tem oito vogais, correspondendo às oito vogais do coreano padrão de Seul.[23] Em Yukjin, a vogal wo (padrão Seul [o]) é mais aberta e u (Seoul [ɨ ~ ɯ]) é mais posterior.[24] Ao contrário do coreano de Seul, onde a vogal do coreano médio /ʌ/ quase sempre mudou para /a/ na primeira sílaba de uma palavra, Yukjin mudou /ʌ/ para /o/ após consoantes labiais.[7]

Muitas características do coreano médio são preservadas no dialeto:

  • O acento tonal caso contrário, encontrado apenas em outras variedades de Hamgyong e no sul do Dialeto Gyeongsang[25]
  • a distinção entre s- e sy-, é preservada em Yukjin[25]
  • uma falta de palatalização do t(h)i-, t(h)y- para c(h)i-, c(h)[7]
  • preservação no início n- antes de i e y[12][7]

A preservação da raiz de substantivos alternativos do coreano médio que aparecem quando seguidos por um sufixo inicial de vogal, por exemplo Yukjin namwo "árvore" mas nangk-ey "na árvore" (coreano médio namwo e namk-oy, Seul namwu e namwu-ey)

Em alguns aspectos, Yukjin é mais conservador do que o coreano médio do século XV. Por exemplo, o coreano médio expressou fricativas vozeadas /ɣ/, /z/ e /β/, que desapareceram na maioria dos dialetos modernos.[6] Provas de reconstrução interna sugere que essas consoantes surgiram de lenição do /k/, /s/ e /p/ em ambientes dublados. Yukjin costuma manter /k/, /s/ e /p/ nestas palavras:

Correspondências com consoantes com processo de lenição.[26]
Português Coreano Médio Coreano de Seul Yukjin
para informar 알외 alGwoy- /alɣoj/ 아뢰   alwoy- /alwe/ 알귀   alkwuy- /aɾkwi/
outono ᄀᆞᅀᆞᆯ   kozol   /kʌzʌl/ 가을   kaul   /kaɯl/ 가슬   kasul   /kasɯɾ/
bicho de seda *누ᄫᅦ   *nwuWey   *nuβəj 누에   nwuey   /nue/ 느베   nupey   /nɯpe/

Protocoreano[editar | editar código-fonte]

O Protocoreano é a protoforma das línguas coreânicas que era falada nas Idades do Bronze (por volta de 2500 a.C). A história da Coreia tem o início a partir da Dinastia Gojoseon, o legendário Dangun, o primeiro rei que governou a partir do ano 2333 a.C. O protocoreano evoluiu para o coreano antigo que foi quando os Três Reinos da Coreia foram formados (668 a 935).[22] Tradicionalmente, o coreano antigo termina com a queda de Silla em 935. O coreano médio é o período da história da língua coreana que sucedeu do coreano antigo e cedeu em 1600 ao período moderno. A fronteira entre os períodos Antigo e Médio é tradicionalmente identificada com o estabelecimento de Goryeo em 918, mas alguns estudiosos defendem a época das invasão dos mongóis na Coreia (meados do século 13). O coreano médio é frequentemente dividido em períodos inicial e tardio correspondentes a Goryeo (até 1392) e Joseon, respectivamente. É difícil extrair informações linguísticas de textos do período inicial, que são escritos usando adaptações de caracteres chineses. A situação foi transformada em 1446 com a introdução do alfabeto Hangul, de modo que o Coreano Médio tardio fornece os dados essenciais para a história da Coreia.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

O sistema fonológico do coreano antigo não pode ser estabelecido "com certeza", e seu estudo baseia-se principalmente no rastreamento de elementos da fonologia da Coreia do Sul.[27] Os linguistas como Lee Ki-Moon e S. Roberts Ramsey argumentam que o coreano antigo tinha uma prosódia mais simples que o coreano médio, e que a influência dos tons chineses estava entre as razões da tonogênese coreana.[7] A hipótese de que o coreano antigo originalmente não tinha tom fonêmico é sustentada pelo fato de que a maioria dos substantivos do coreano médio se conforma a um padrão tonal, a tendência dos escribas coreanos antigos de transcrever substantivos próprios do coreano antigo com caracteres de tom de nível chinês, e os acentos nos substantivos próprios coreanos dados pela história japonesa Nihon Shoki, que sugerem que coreano antigo distinguia apenas o tom de entrada entre os quatro tons chineses.[28]

O sistema fonêmico do coreano do século XV consistia em vinte e duas consoantes e sete vogais: oclusivas surdas /p/, /t/, /c/, /k/, oclusivas aspiradas /ph/, /th/, /ch/, /kh/, oclusivas tensas /p', t', c', k'/, fricativas vozeadas /β, z/, fricativas alveolares /s/, /h/, fricativas tensas /s´/, /h´/, nasais /m, n, ŋ/, líquida /l/, vogais altas /i, ɨ, u/, vogais médias /ə, o/, e vogais baixas /a, ɔ/.[1]

As consoantes aspiradas do coreano médio e moderno também surgiram de grupos com *k ou *h. Parece que o processo começou com *t e *c, estendido para *p e finalmente para *k.[29][30]

O coreano médio tardio tinha uma série de fricativas sonoras, /β/ ⟨ㅸ⟩, /z/ ⟨ㅿ⟩ e /ɦ/ ⟨ㆁ⟩. Eles ocorreram apenas em ambientes limitados e acredita-se que tenham surgido da lenição de / p /, / s / e / k /, respectivamente.[31][32][33][30] Essas fricativas desapareceram na maioria dos dialetos modernos, mas alguns dialetos no sudeste e nordeste (incluindo Yukjin) mantêm /p/, /s/ e /k/ nessas palavras.[7] Algumas, mas não todas, ocorrências de /l/ ⟨ㄹ⟩ são atribuídas à lenição de /t/.[34][35]

Consoantes do Protocoreano[22]
Bilabial Alveolar Palatal Velar
Nasal *m *n
Oclusiva *p *t *c *k
Fricativa *s *h
Tepe *r
Aproximante *j

A consoante *r não ocorre inicialmente em palavras nativas, uma característica tipológica compartilhada com as línguas "altaicas".[10]As distinções no uso fonográfico dos caracteres chineses 乙 e 尸 sugerem que o antigo coreano provavelmente tinha dois líquidos, que se fundiram como coreano médio l.[6][36]

Com base do empréstimo do Mongol médio e transcrições no Jìlín lèishì, Lee Ki-Moon[21] defendeu uma mudança vocálica coreana entre os séculos 13 e 15, uma mudança em cadeia envolvendo cinco dessas vogais. William Labov descobriu que essa mudança proposta seguia princípios diferentes para todas as outras mudanças em cadeia que ele pesquisou.[37] [61] A base filológica da mudança também foi questionada.[38][39] Uma análise baseada em leituras sino-coreanas leva a um sistema mais conservador:[32]

As vogais do coreano antigo e do coreano médio
Frontal Central Posterior
Fechadas *i > [i] ⟨ㅣ⟩ *ɨ > [ɨ] ⟨ㅡ⟩ *u > [u] ⟨ㅜ⟩
Meio *e > [ə] ⟨ㅓ⟩ *ə > [ʌ] ⟨ㆍ⟩ *o > [o] ⟨ㅗ⟩
Abertas *a > [a] ⟨ㅏ⟩

As vogais > [ɨ] e > [ʌ] têm uma distribuição limitada no coreano médio sugerindo que *ɨ e *ə não acentuados sofreram síncope. Eles também podem ter se fundido com *e na posição inicial acentuada ou após *j.[32] Alguns autores propuseram que o coreano médio tardio [jə] ⟨ㅕ⟩ reflete uma oitava vogal protocoreana, com base em sua alta frequência e em uma análise da harmonia da raiz da língua.[30][40] A escrita final do coreano médio atribui a cada sílaba um dos três contornos de altura: baixo (não marcado), alto (um ponto) ou crescente (dois pontos).[21] Acredita-se que o tom ascendente seja secundário, surgindo de uma contração de uma sílaba com tom grave com outra sílaba aguda.[34][21] Há algumas evidências de que os níveis de altura após o primeiro tom agudo não eram distintos, de modo que o coreano médio era uma língua com acento agudo, em vez de uma língua tonal.[41] Na protolíngua, o acento provavelmente não era distinto para os verbos, mas pode ter sido para os substantivos, embora com uma preferência pelo acento na sílaba final.[42]

Morfossintaxe[editar | editar código-fonte]

O coreano usa várias partículas posposicionais para indicar o caso e outras relações.[43] O sufixo de caso nominativo moderno -i é derivado de um marcador de caso ergativo *-i.[44][45]

No coreano moderno, os verbos são formas encadernadas que não podem aparecer sem um ou mais sufixos flexionais. Em contraste, os radicais do verbo do coreano antigo podem ser usados independentemente, particularmente em verbos compostos verbo-verbo, onde o primeiro verbo era tipicamente uma raiz não flexionada.[46]

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Os pronomes do coreano antigo eram escritos com os caracteres chineses para os pronomes chineses correspondentes, portanto, sua pronúncia deve ser inferida das formas do coreano médio. Os pronomes pessoais conhecidos são *na 'eu', *uri 'nós' e *ne 'você'.[31][32]

Os numerais coreânicas
Protocoreano Coreano Médio Jeju
1 *hət(V)- / *hətan hʌnáh hʌna, hana
2 *tupɨr tǔlh tul
3 *se- / *seki sə̌jh set, sit
4 *ne / *neki nə̌jh net, nwit
5 *tasə tasʌ́s tasʌt, tasət
6 *jəsəs jəsɨ́s jəsət, jʌsɨt, jʌsʌt
7 *nilkup nilkúp ilkop
8 *jətərp jətɨ́lp jʌtʌp, jʌtap, jʌtʌl
9 *ahop ahóp ahop, aop
10 *jer jə́lh jəl

Tipologia[editar | editar código-fonte]

As variedades do coreano moderno têm um contraste de três vias entre as oclusivas e africadas simples, aspiradas e tensionadas, mas o protocoreano é reconstruído com um único conjunto, como protojaponês e Ainu, mas ao contrário de tungústica, mongólica e turco, que apresentam um contraste de voz[47] o coreano também se assemelha ao japonês e ao Ainu por ter uma única consoante líquida, enquanto seus vizinhos continentais tendem a distinguir /l/ e /r/.[47]

A maioria das variedades modernas (exceto Jeju e alguns dialetos do norte) tem uma forma de acento, marcada pelo comprimento da vogal em dialetos centrais e acento no nordeste e sudeste.[47] A posição desse acento é determinada pela primeira sílaba aguda do coreano médio.[21] Um acento semelhante é encontrado nas línguas Japônica e Ainu, mas não na Tungústica, Mongólica ou Turco.[47]

Como outras línguas no nordeste da Ásia, o coreano tem morfologia aglutinativa e ordem de palavra de núcleo final, com ordem sujeito-objeto-verbo, modificadores precedendo substantivos e posposições (partículas).[47][10]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Sohn, Ho-min (2013). Korean - KLEAR-RILI Studies in Korean Language and Linguistics. Seoul: Korea University Press 
  2. Vovin, Alexander (2015). "Korean as a Paleosiberian Language". 알타이할시리즈 2. ISBN 978-8-955-56053-4. Retrieved 2016-11-06.
  3. Kun-ha, Yu (8 de março de 2012). «Is the Korean language really an orphan?». The Korea Herald (em inglês). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  4. Georg, Stefan; Michalove, Peter A.; Ramer, Alexis Manaster; Sidwell, Paul J. (março de 1999). «Telling general linguists about Altaic». Journal of Linguistics (em inglês) (1): 65–98. ISSN 1469-7742. doi:10.1017/S0022226798007312. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  5. Campbell, Lyle;, Mixco, Mauricio J (2007). A Glossary of Historical Linguistics. Salt Lake City: Edinburgh University Press. pp. 90–91 
  6. a b c Lee, Iksop (2000). The Korean language. S. Robert Ramsey. Albany: State University of New York Press. pp. 284, 320. OCLC 50790987 
  7. a b c d e f Lee, Iksop; Ramsey, S. Robert (2000). The Korean Language. [S.l.]: SUNY Press. p. 323. ISBN 978-0-7914-4831-1 
  8. «6Korean dialects: a general survey Jaehoon Yeon». Routledge. 25 de junho de 2012: 184–202. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  9. The handbook of Korean linguistics. Lucien Brown, Jaehoon Yeon First edition ed. Malden, MA: [s.n.] 2015. pp. 181–182. OCLC 902141658 
  10. a b c Sohn, Ho-min (1999). The Korean language. Cambridge, UK: Cambridge University Press. p. 89. OCLC 40200082 
  11. a b c d e f Yeon, Jae-hoon (2012). «Korean dialects: a general survey». In: Nicolas Tranter. The Languages of Japan and Korea. (PDF). Col: Routledge Language Family Series. Abingdon and New York: Routledge. pp. 168–185. ISBN 9781138107373 
  12. a b King, J. R. P. (1987), "An introduction to Soviet Korean", Language Research, 23 (2): 233–274, hdl:10371/85771 [1]
  13. a b Brown, Lucien; Yeon, Jaehoon (2015), "Varieties of contemporary Korean", in Brown, Lucien; Yeon, Jaehoon (eds.), The Handbook of Korean Linguistics, Wiley, pp. 459–476, ISBN 978-1-118-35491-9.
  14. Sohn, Ho-Min (1999). The Korean Language. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 57–59 
  15. «김상헌(金尙憲) - 한국민족문화대백과사전». encykorea.aks.ac.kr. Consultado em 27 de outubro de 2021 
  16. «한국향토문화전자대전». www.grandculture.net. Consultado em 26 de outubro de 2021 
  17. ——— (November 2014). Jeju-eo: yeoksa geurigo taedo 제주어: 역사 그리고 태도 [Jejueo: History and Attitudes] (PDF). 7th World Congress of Korean Studies. Honolulu, Hawaii.
  18. 김보향 (Kim Bo-hyang) (August 2014). "Osaka Ikuno-ku jiyeok jaeil-Jeju-in-ui Jeju bang'eon sayong siltae-e gwanhan yeon'gu" 오사카 이쿠노쿠 지역 재일제주인의 제주방언 사용 실태에 관한 연구 [A Study on the Jeju Dialect Used by Jeju People Living in Ikuno-ku, Osaka, Japan] (PDF). 영주어문. 28: 111–136. ISSN 1598-9011. Retrieved May 14, 2020.
  19. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 21 de setembro de 2015. Consultado em 13 de outubro de 2021 
  20. «Guerra da Coreia». Wikipédia, a enciclopédia livre. 7 de outubro de 2021. Consultado em 13 de outubro de 2021 
  21. a b c d e Lee, Ki-Moon; Ramsey, S. Robert (2011), A History of the Korean Language, Cambridge University Press, ISBN 978-1-139-49448-9.
  22. a b c Whitman, John (dezembro de 2011). «Northeast Asian Linguistic Ecology and the Advent of Rice Agriculture in Korea and Japan». Rice (em inglês) (3-4): 149–158. ISSN 1939-8425. doi:10.1007/s12284-011-9080-0. Consultado em 14 de outubro de 2021 
  23. Piao, Meihui (2019), "Hambuk Yukjin bang'eon-ui moeum johwa silhyeon yangsang-e daehayeo" 咸北 六鎮方言의 母音調和 實現 樣相에 대하여 [On the aspects of the realization of vowel harmony in the Yukjin dialect of North Hamgyong], Eomun Yeon'gu (in Korean), 47 (4): 67–87, doi:10.15822/skllr.2019.47.4.67
  24. ——— (2018), "Dongbuk bang'eon-gwa gugeo-gukmun-hak" 동북방언과 국어국문학 [The northeastern dialects and Korean language studies], Gaesin Eomun Yeon'gu (in Korean), 43: 5–42.
  25. a b ——— (1992), "Archaisms and Innovations in Soviet Korean dialects", Language Research, 28 (2): 201–223
  26. Kwak, Chung-gu (2012), "Yukjin bang'eon-ui eumseong-gwa eumunsa" 육진방언의 음성과 음운사 [The phonology and phonological history of the Yukjin dialect], Bang'eonhak (in Korean), 16: 121–154.
  27. Nam, Pung-hyun (2012). «Chapter 3: Old Korean». In: Tranter, Nicolas.The Languages of Japan and Korea. London and New York: Routledge. pp. 41–73. ISBN 978-0-4154-6287-7 
  28. Kwon, In-han (2005). «A Study on Tone Marks of the Iwasaki Manuscript of Nihon Shoki - Focusing on the Proper Nouns of Korean Origin». www.riss.kr. pp. 317–345. Consultado em 27 de outubro de 2021 
  29. Lee, Ki-Moon; Ramsey, S. Robert (2011), A History of the Korean Language, Cambridge University Press, ISBN 978-1-139-49448-9.
  30. a b c ——— (2015), "Old Korean" [2], in Brown, Lucien; Yeon, Jaehoon (eds.), The Handbook of Korean Linguistics, Wiley, pp. 421–438, ISBN 978-1-118-35491-9.
  31. a b ——— (2010), Korea-Japonica: A Re-Evaluation of a Common Genetic Origin, University of Hawaii Press, ISBN 978-0-8248-3278-0.
  32. a b c d ——— (2012), "The relationship between Japanese and Korean" [3], in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 28, ISBN 978-0-415-46287-7.
  33. Lee, Ki-Moon; Ramsey, S. Robert (2011), A History of the Korean Language, Cambridge University Press, ISBN 978-1-139-49448-9.
  34. a b Martin, Samuel E. (1996), Consonant Lenition in Korean and the Macro-Altaic Question, University of Hawaii Press, ISBN 978-0-82481-809-8.
  35. ——— (2012), "The relationship between Japanese and Korean" [4], in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 24–38, ISBN 978-0-415-46287-7.
  36. ——— (October 2013), "Mongolian names for 'Korea' and 'Korean' and their significance for the history of the Korean language", in Sohn, Sung-Ock; Cho, Sungdai; You, Seok-Hoon (eds.), Studies in Korean Linguistics and Language Pedagogy: Festschrift for Ho-min Sohn, Korea University Press, pp. 200–206, ISBN 978-89-7641-830-2.
  37. Labov, William (1994), Principles of Linguistic Change, Volume 1: Internal Factors, Cambridge, Massachusetts: Blackwell, ISBN 978-0-631-17913-9.
  38. ——— (2013), "A History of the Korean Language, by Ki-Moon Lee and Robert Ramsey", Korean Linguistics, 15 (2): 246–260, doi:10.1075/kl.15.2.05whi.
  39. ——— (2015), "Old Korean" (PDF), in Brown, Lucien; Yeon, Jaehoon (eds.), The Handbook of Korean Linguistics, Wiley, pp. 421–438, ISBN 978-1-118-35491-9.
  40. Cho, Sungdai; Whitman, John (2019), Korean: A Linguistic Introduction, Cambridge University Press, ISBN 978-0-521-51485-9.
  41. Lee, Ki-Moon; Ramsey, S. Robert (2011), A History of the Korean Language, Cambridge University Press, ISBN 978-1-139-49448-9.
  42. Martin, Samuel E. (1996), Consonant Lenition in Korean and the Macro-Altaic Question, University of Hawaii Press, ISBN 978-0-82481-809-8. p 60.
  43. ——— (2012), "The relationship between Japanese and Korean" (PDF), in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 24–38, ISBN 978-0-415-46287-7.
  44. ——— (2012), "The relationship between Japanese and Korean" (PDF), in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 24–38, ISBN 978-0-415-46287-7.
  45. ——— (2010), Korea-Japonica: A Re-Evaluation of a Common Genetic Origin, University of Hawaii Press, p. 45. ISBN 978-0-8248-3278-0.
  46. Nam, Pung-hyun (2012), "Old Korean", in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 64-65, ISBN 978-0-415-46287-7.
  47. a b c d e Tranter, Nicholas (2012), "Introduction: typology and area in Japan and Korea", in Tranter, Nicolas (ed.), The Languages of Japan and Korea, Routledge, pp. 3–23, ISBN 978-0-415-46287-7.