Línguas galo-românicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Línguas galo-românicas
Falado(a) em:  França, Portugal Portugal, Flag of Spain.svg Espanha, Suíça ,  Itália,  San Marino,  Bélgica, Mónaco,  Andorra, Jersey, Guernsey
Total de falantes:
Família: Indo-européia
 Itálica
  Românica
   Italo-Ocidental
    Galo-ibérica
     Línguas galo-românicas
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

As línguas galo-românicas abrangem as línguas, em sentido mais restrito, francesa, franco-provençal, occitana.[1][2][3] Como todas as línguas românicas, estas derivam do Latim. A maioria de todas essas línguas tem grande influência das línguas celtas e germânicas, tanto no léxico quanto no sistema fonológico.

Principais características das línguas galo-românicas[editar | editar código-fonte]

  • A principal característica é a perda das vogais latinas finais especialmente foram perdidos (/e/, /i/) latinas. Algumas linguagens como o francês são alteradas por (e) que em muitos casos não são pronunciadas.
  • Evolução da vogal latina (/u/) para (/y/) como ü em alemão. Isso aconteceu nas línguas de oïl, línguas galo-itálicas, franco-provençal, romanche e occitano. Duas vogais (ø/, /œ/) também foram desenvolvidas, representadas com as grafias (eu, ö). Está presente nas línguas de oïl, línguas galo-itálicas, romanche e alguns dialetos do ladino e occitano.
  • Presença de uma vogal neutra ou silenciosa (/ə/) que aparece como alofôno de (e, a). Está presente em as linguas de oïl, franco-provençal, romanche, occitano, catalão e algumas línguas galo-itálicas.
  • Perda do infinitivo latino (re) especialmente nas línguas galo-itálicas e as línguas reto-românicas. Em francês, francoprovenzal, occitano e catalão, o infinitivo termina com (r) mas não é pronunciado.
  • Conservação dos grupos latinos (cl, fl, pl) exceto para as línguas gallo-itálicas.
  • Palatalização de (ca /ka/) inicial a (/ʃa /t͡ʃa/ e /ca/) pronunciado (ch, tch em português). Este fenômeno aconteceu no francoprovençal, nas línguas de oïl, nas línguas reto-românicas e nos dialetos setentrionais do occitano.
  • Não desenvolveram ditongação nas vogais curtas (e, o) latinas.
  • Lenição o perda das oclusivas surdas vocálicas (/p/, /k/, /t/).

Lista de línguas consideradas galo-românicas[editar | editar código-fonte]

Línguas de oïl[editar | editar código-fonte]

Grupo franco-provençal[editar | editar código-fonte]

Línguas galo-itálicas[editar | editar código-fonte]

Línguas reto-românicas[editar | editar código-fonte]

Línguas occitano-românicas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Charles Camproux, Les langues romanes, PUF 1974. p. 77–78.
  2. Pierre Bec, La langue occitane, éditions PUF, Paris, 1963. p. 49–50.
  3. Ledgeway, Adam; Maiden, Martin (5 de setembro de 2016). The Oxford Guide to the Romance Languages (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. pp. 292 & 319. ISBN 9780191063251 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.