Línguas gestuais maias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Línguas de sinais maias em Iucatã
Utilizado em: Iucatã, México
Total de usuários: Cerca de 400 a 500 surdos em apenas uma vila.
Posição: Vilas isoladas- Região sul e central de Iucatã
Família:
Códigos de língua
ISO 639-1: nenhum
ISO 639-2: sgn-MX-YUC
ISO 639-3: msd
;Lista de Língua de Sinais

As Línguas gestuais maias (no Brasil: Línguas de sinais maias) são línguas gestuais usadas no México e na Guatemala, por comunidades maias (essas sociedades têm altas taxas de surdez hereditária, não habituais). Em alguns casos, tanto ouvintes como surdos podem usar a língua gestual. Pensa-se que este conjunto de línguas gestuais não esteja relacionado com as línguas gestuais nacionais, como a Língua Gestual da Guatemala e a Língua Gestual Mexicana.

Língua Gestual Iucatã[editar | editar código-fonte]

A Língua Gestual Iucatã (no Brasil: Língua de sinais Iucatã) é usada tanto por ouvintes como por surdos maias no Iucatão. É uma língua que surgiu naturalmente, não ligada à Língua Gestual Mexicana mas poderá ter similaridades com línguas gestuais de perto da Guatemala.

Uma vez que os vilarejos de ouvintes sabem a língua gestual, os surdos estão perfeitamente integrados na comunidade - ao contrário da marginalização sofrida pelos surdos da comunidade maior e também em contraste com a Língua Gestual das Terras Altas, a qual parece ser usada numa vila, pelo menos, como meio de segregação e de opressão sociais.

Língua Gestual das Terras Altas[editar | editar código-fonte]

A Língua Gestual das Terras Altas (no Brasil: Língua de Sinais das Terras Altas) é o nome dado ao "complexo linguístico" usado pelos surdos nas terras altas da Guatemala, também conhecida localmente como "língua muda".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fontes e Referências[editar | editar código-fonte]

  • Patricia Valdata
  • Fox Tree, Erich (2004). Meemul Ch'aab'al (Língua Gestual das Terras Altas): The Invisible Visible Vernacular of an Indigenous Underclass. Society for Linguistic Anthropology.
  • Johnson, Robert E. (1991). Língua gestual, cultura & communidade numa vila Iucatã tradicinal, em Sign Language Studies 73:461-474 (1991).
  • Shuman, Malcolm K. & Mary Margaret Cherry-Shuman. (1981). Breve anotação de Língua Gestual Iucatã Language Sciences, 3, 1 (53), 124-185.
  • Shuman, Malcolm K. (1980). O som do silêncio em Nohya. Ciências da Linguagem, 2, 1 (51), Mar, 144-173.
  • Du Bois, John W. (1978). Língua gestual maia. Apresentado no 77º encontro anual da Associação Antropológica Americana, Los Angeles.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]