Lúcio Cornélio Cipião Asiático

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Lúcio Cornélio Cipião Asiático (em latim Lucius Cornelius Scipio Asiaticus; morto em 183 a.C.) foi um general e político da República Romana.

Filho de Públio Cornélio Cipião [carece de fontes?] e irmão de Públio Cornélio Cipião o Africano.[1] [Nota 1] Alcançou o consulado em 190 a.C.,[carece de fontes?] recebendo o comando da campanha asiática, aonde levou o seu irmão como legado; segundo Jerônimo de Estridão, Cipião Africano o acompanhou porque Lúcio era lento e o Senado Romano não queria confiar a ele uma guerra contra um rei poderoso e Públio não queria que seu irmão fosse insultado.[1] Feroz inimigo da Liga Etólia, aliada de Antíoco III, opôs-se à paz negociada por Públio. A seguir, passou para a Ásia, vencendo Antíoco III [1] na Batalha de Magnésia. Antíoco foi obrigado pelos romanos a restringir seu reino ao outro lado das Montanhas Taurus.[1] Após voltar para Roma, recebeu um triunfo, e o cognome de Asiático, como reconhecimento à sua vitória na Ásia Menor.

Os irmãos Cipião tinham um formidável inimigo na pessoa de Marco Pórcio Catão, que odiava a sua família. Em 187 a.C., Catão acusou Lúcio de apropriação em nome da indenização de guerra paga por Antíoco III. Cipião Africano sentiu-se ultrajado, e desafiando o senado, destruiu os documentos financeiros da campanha, entre os aplausos da multidão. Catão voltou à carga e em 184 a.C., citou Lucia frente da assembleia da plebe. Públio lembrou ao povo que os salvara do inimigo várias vezes, o que não impediu que o seu irmão fosse condenado a uma forte multa, que recusou pagar. Tão só a intervenção do tribuno Tibério Graco evitou que fora para o cárcere.

Desalentado da vida pública, retirou-se à sua vila da Campânia, falecendo ao ano seguinte.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Historia universal siglo XXI.La formación del imperio romano ISBN 84-323-0168-X

Notas e referências

Notas

  1. Jerônimo de Estridão chama-o de L. Cipião Násica

Referências

  1. a b c d Jerônimo de Estridão, comentando Porfírio, Contra os Cristãos, Livro XII [em linha]
Precedido por:
Mânio Acílio Glábrio e
Públio Cornélio Cipião Násica
Cônsul da República Romana
com Caio Lélio

190 a.C.
Sucedido por:
Marco Fúlvio Nobilior e
Cneu Mânlio Vulsão

Referências