Lúcio Cornélio Lêntulo Caudino (cônsul em 275 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Lúcio Cornélio Lêntulo.
Lúcio Cornélio Lêntulo Caudino
Cônsul da República Romana
Consulado 275 a.C.

Lúcio Cornélio Lêntulo Caudino (em latim: Lucius Cornelius Lentulus Caudinus) foi um político da gente Cornélia da República Romana, eleito cônsul em 275 a.C. com Mânio Cúrio Dentato. Era neto de Sérvio Cornélio Lêntulo, cônsul em 303 a.C. através de seu filho Tibério[1]. Os irmãos Públio Cornélio Lêntulo Caudino e Lúcio Cornélio Lêntulo Caudino, cônsules em 237 e 236 a.C. respectivamente eram seus filhos. O agnome "Caudino" foi assumido pela primeira vez pelo seu bisavô, Lúcio Cornélio Lêntulo, cônsul em 327 a.C., e era uma referência à vitória que se seguiu à derrota na Batalha das Forcas Caudinas em 320 a.C.[2].

Consulado (275 a.C.)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Benevento (275 a.C.)

Em 275 a.C. foi eleito cônsul com Mânio Cúrio Dentato[3]. Neste ano, Pirro retornou da Sicília e as hostilidades da Guerra Pírrica recomeçaram. Dentato marchou até Sâmnio e derrotou o exército invasor na Batalha de Benevento (que se chamava "Malevento" na época e mudou seu nome depois desta vitória) obrigando o soberano grego a abandonar definitivamente a Itália.

Sobre Lêntulo Caudino, nada de nota foi lembrando pelos autores antigos e seu nome é lembrado apenas pela citação nos Fastos Consulares.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Quinto Fábio Máximo Gurges II

com Caio Genúcio Clepsina

Mânio Cúrio Dentato II
275 a.C.

com Lúcio Cornélio Lêntulo Caudino

Sucedido por:
'Mânio Cúrio Dentato III

com Sérvio Cornélio Merenda


Referências

  1. Fastos Capitolinos
  2. (em alemão) Lucius Cornelius Lentulus. In: Der Neue Pauly (DNP). Volume 3, Metzler, Stuttgart 1997, ISBN 3-476-01473-8, Pg. 174.
  3. cfr. pág. 98 de Saturnales Ambrósio Aurélio Teodósio Macróbio. Ed. Akal, 2009

Bibliografia[editar | editar código-fonte]