Lúcio Tarquínio Colatino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lúcio Tarquínio Colatino
Efígie de Tarquínio Colatino segundo o Promptuarii Iconum Insigniorum de Guillaume Rouillé
Cônsul do Império Romano
Período 509 a.C.

Lúcio Tarquínio Colatino (século VI a.C.) foi um dos quatro líderes da revolução que derrubou a monarquia romana, e se tornou um dos dois primeiros consul de Roma, em 509 a.C, juntamente com Lúcio Júnio Bruto. Ele também foi o marido de Lucrécia (Roma), a nobre estuprada por Sexto Tarquínio.

Colatino era filho de Egério, ele próprio era filho de Aruns (filho de Demarato) irmão de Tarquínio Prisco (que foi o quinto rei de Roma). O nome Colatino surgiu, quando seu pai Egério foi colocado no comando da cidade de Colácia que tinha sido capturada por Tarquínio Prisco. Assim, o filho foi apelidado de Colatino para indicar o seu local de nascimento, ou de origem ou por associação.

Segundo a lenda, a Roma antiga teve sete reis. O último destes reis, Tarquínio, o Soberbo, foi derrubado no ano de 510 a.C, depois que seu filho Sexto Tarquínio havia estuprado Lucrécia, a mulher de Colatino. Esta revolta foi liderada pelo já mencionado Lúcio Júnio Bruto (que Marco Júnio Bruto, um dos que conspiraram para matar Júlio César quase 500 anos mais tarde, alegava ser seu ancestral). Depois de derrubar o sétimo rei de Roma, a República Romana foi fundada. Lúcio Tarquínio Colatino juntou-se com Lúcio Júnio Bruto no primeiro consulado compartilhado.

O tempo de Colatino como cônsul foi curto. Tito Lívio afirma que as pessoas não podiam suportar qualquer regra da raça odiada dos Tarquínios, e assim o inocente Colatino foi persuadido por seu colega e os outros nobres a renunciar ao cargo, aposentar-se e partir de Roma. Ele retirou-se de Roma, levando suas posses para Lavínio[necessário esclarecer].[1] Seu colega, Bruto, escapou deste estigma, apesar de também ser um descendente da dinastia, só porque seu nome de família era Júnio e não Tarquínio. Colatino retirou-se com todos os seus bens para a cidade de Lavínio, e Públio Valério Publícola foi eleito em seu lugar, que então escolheu Espúrio Lucrécio Tricipitino como o outro cônsul, o pai de Lucrécia que já estava bem idoso, logo após a morte de Bruto".

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Cargos políticos


Precedido por
Nova criação
Cônsul da República Romana
com Lúcio Júnio Bruto
509 a.C
Sucedido por
Lúcio Júnio Bruto e Públio Valério Publícola 509 a.C