Lúcio Valério Flaco (cônsul em 100 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Denário de L. Valério Flaco.

Lúcio Valério Flaco (Latim clássico: Lucius·Valerius Flaccus) foi um político e militar romano que viveu entre os séculos II a.C. e I a.C., ocupando o consulado em 100 a.C.

Família e carreira[editar | editar código-fonte]

Filho provavelmente do cônsul de 131 a.C. Lúcio Valério Flaco.

De acordo com Theodor Mommsen, ele foi provavelmente o pai Lúcio Valério Flaco, que foi cônsul em 86 a.C. e avô de Lúcio Valério Flaco, que foi defendido por Cícero em pro Flaccus.[1]

Quando era edil curul, o tribuno Deciano, apresentou uma acusação contra ele. Foi nomeado cônsul em 100 a.C., com Caio Mário como colega consular.

Durante os distúrbios de Lúcio Apuleio Saturnino os cônsules receberam ordens de apoiar os tribunos e pretores para manter a dignidade da república. Como consequência disto, Valério Flaco condenou à morte a Saturnino, Gláucia e outros do partido revolucionário.

Fatos posteriores[editar | editar código-fonte]

Censor em 97 a.C., junto a Marco Antônio Orador, no 65o lustrum,[2] posto desde o que ajudou à incorporação de italianos como cidadãos romanos. Converteu-se em princeps senatus à morte do mítico Marco Emílio Escauro, em 86 a.C. ao ser o consular de maior idade.

Passou a fazer parte da facção de Lúcio Cornélio Sula, assegurando a sua escolha como ditador com a apresentação da Lex Valeria, que lhe concedeu poderes omnímodos.[3] Sula, ao exercer a ditadura, fez-lhe o seu magister equitum.[4]

Referências

  1. Theodor Mommsen, The history of Rome: Volume 3 (1865), p.327
  2. Fasti Capitolini [em linha]
  3. Tito Lívio Epítome 82; Apiano De bello Mithridatico 51, & c., De bellis civilibus livro i. 75; Plutarco Sula 33; Orósio História livro vi. 2, Cícero Pro Flaccus 23, 25, 32, Pro Rabirius perd. 7, 10; in Catilinam i. 2, Brutus 62; Valério Máximo Fatos e ditos memoráveis livro ii. 9 § 5; Dião Cássio Períocas Fragmento N º 127, p. 51, ed Reimar
  4. Plutarco, Sula, de 33; Apiano, De bellis civilibus livro i. 97, & c.; Cícero, de Leg. Agr livro iii. 2, Epistulae ad Atticum livro viii. 3
Precedido por
Caio Mário e Mânio Aquílio
Cônsul da República Romana
com Caio Mário

100 a.C.
Sucedido por
Marco Antônio Orador e Aulo Póstumo Albino
Precedido por
(?)
Censor da República Romana
com Marco Antônio Orador

65o lustrum (97 - 90 a.C.)
Sucedido por
Públio Licínio Crasso Dives e Lúcio Júlio César