Lúpus eritematoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
O lupus discoide se restringe a danos na pele

Existem 3 tipos de lúpus eritematoso: o lúpus eritematoso discoide, o lúpus eritematoso sistêmico e o lúpus eritematoso induzido por drogas.

Lúpus eritematoso discoide[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lúpus eritematoso discoide

É sempre limitado à pele. É identificado por inflamações cutâneas que aparecem na face, nuca e couro cabeludo. Aproximadamente 10% dos casos de lúpus discoide podem evoluir para lúpus sistêmico, o qual pode afetar quase todos os órgãos ou sistemas do corpo.[1][2]

Lúpus eritematoso sistêmico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lúpus eritematoso sistémico

Costuma ser mais grave que o lúpus discoide e pode afetar quase todos os órgãos e sistemas. Em algumas pessoas predominam lesões apenas na pele e nas articulações, em outras pode haver acometimento dos rins, coração, pulmões ou sangue.[3]

Lúpus induzido por drogas[editar | editar código-fonte]

O lúpus eritematoso induzido por drogas ocorre como consequência do uso de certas drogas ou medicamentos. A lista atual de possíveis responsáveis inclui quase uma centena de drogas sendo os mais conhecidos a procainamida e a hidralazina. Os sintomas são muito parecidos com o lúpus sistêmico. Os próprios medicamentos para lúpus também podem levar a um estado de lúpus induzido. Com a suspensão do medicamento responsável os sintomas normalmente desaparecem.[4]

Referências

  1. FREITAS, Thaís Helena Proença de and PROENCA, Nelson Guimarães. Lúpus eritematoso cutâneo crônico: estudo de 290 pacientes. An. Bras. Dermatol. [online]. 2003, vol.78, n.6 [cited 2011-03-13], pp. 703-712 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962003000600005&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0365-0596. doi: 10.1590/S0365-05962003000600005.
  2. Del Rei M, Pirmez R, Sodré CT, Tosti A. Coexistence of frontal fibrosing alopecia and discoid lupus erythematosus of the scalp in 7 patients: just a coincidence? J Eur Acad Dermatol Venereol. 2014 Jul 30. doi: 10.1111/jdv.12642. [Epub ahead of print] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25074431
  3. James, William; Berger, Timothy; Elston, Dirk (2005). Andrews' Diseases of the Skin: Clinical Dermatology. (10th ed.). Saunders. ISBN 0-7216-2921-0.
  4. MOTA, Licia Maria Henrique da et al. Lúpus Induzido por Drogas: da Imunologia Básica à Aplicada. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 47, n. 6, p. 431-437, 2007. Disponível em: [1]. Acesso em: 25 nov. 2009.