La Amistad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o navio argentino, veja Amistad (1813).


La Amistad
La Amistad no primeiro plano, USS Washington ao fundo.
Carreira BandMercante1785.svg
Construção 1836
Características gerais
Classe escuna de dois mastros
Tonelagem 70/95 t
Comprimento 37 m

La Amistad foi um navio veleiro do tipo escuna que navegava sob a bandeira da Espanha. O barco era utilizado no tráfico negreiro. O veleiro foi tomado após rebelião dos escravos quando o navio estava viajando na costa da ilha de Cuba.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1839, Sengbe Pieh e outros cinquenta e dois africanos tomaram o controle do navio enquanto estavam acorrentados, matando toda a tripulação mas poupando os navegadores Ruiz e Montez para que eles pudessem pilotar o navio.

Gravura da época, ilustrando a revolta.

Antes da rebelião, o La Amistad tinha como destino Camagüey, em Cuba. Após o levante, os navegadores conseguiram enganar os escravos, que acreditavam que voltariam para Serra Leoa, na África.[2] O navio foi apreendido em 26 de agosto de 1839, em águas territoriais dos Estados Unidos pelo navio USS Washington,[3] enquanto a tripulação buscava mantimentos.

Depois da captura houve um longo julgamento sobre o destino dos africanos, acusados de assassinato (considerado fora da jurisdição americana), e dos navegadores, que utilizaram documentos de nascença forjados (uma prática comum) e violaram leis internacionais entre a Inglaterra e a Espanha, que proibia a captura de novos escravos (apenas filhos de escravos já nasciam sem liberdade, e portanto eram os únicos que poderiam ser comercializados).[4]

A Corte norte-americana concordou que a captura dos africanos fora ilegal, e declarou que eles poderiam permanecer nos Estados Unidos ou voltar para a África. O presidente Martin Van Buren lançou um recurso de apelação, mas a Corte continuou defendendo a sua decisão. Entretanto, devido à importância do caso decidiu que a Suprema Corte deveria ter a palavra final. A Suprema Corte confirmou a decisão de libertar o grupo.[4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cláudio Rebello (12 de maio de 2010). «La Amistad». Consultado em 28 de julho de 2013 
  2. «Um Jovem Homem Não Identificado». World Digital Library. 1839–1840. Consultado em 28 de julho de 2013 
  3. «Revenue Cutter Peter G. Washington» (em inglês). National Oceanic & Atmospheric Administration (NOAA). 8 de junho de 2006. Consultado em 14 de maio de 2012 
  4. a b Douglas O. Linder (2000). «The Amistad Case» (em inglês). University of Missouri-Kansas City. Consultado em 14 de maio de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com La Amistad
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre La Amistad