La Amistad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o navio argentino, veja Amistad (1813).
La Amistad
La Amistad no primeiro plano, USS Washington ao fundo.
Carreira BandMercante1785.svg
Construção 1836
Características gerais
Classe escuna de dois mastros
Tonelagem 70/95 t
Comprimento 37 m

La Amistad foi um navio veleiro do tipo escuna que navegava sob a bandeira da Espanha. O barco era utilizado no tráfico negreiro. O veleiro foi tomado após rebelião dos escravos quando o navio estava viajando na costa da ilha de Cuba.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1839, Sengbe Pieh e outros cinquenta e dois africanos tomaram o controle do navio enquanto estavam acorrentados, matando toda a tripulação mas poupando os navegadores Ruiz e Montez para que eles pudessem pilotar o navio.

Gravura da época, ilustrando a revolta.

Antes da rebelião, o La Amistad tinha como destino Camagüey, em Cuba. Após o levante, os navegadores conseguiram enganar os escravos, que acreditavam que voltariam para Serra Leoa, na África.[2] O navio foi apreendido em 26 de agosto de 1839, em águas territoriais dos Estados Unidos pelo navio USS Washington [3] , enquanto a tripulação buscava mantimentos.

Depois da captura houve um longo julgamento sobre o destino dos africanos, acusados de assassinato (considerado fora da jurisdição americana), e dos navegadores, que utilizaram documentos de nascença forjados (uma prática comum) e violaram leis internacionais entre a Inglaterra e a Espanha, que proibia a captura de novos escravos (apenas filhos de escravos já nasciam sem liberdade, e portanto eram os únicos que poderiam ser comercializados).[4]

A Corte norte-americana concordou que a captura dos africanos fora ilegal, e declarou que eles poderiam permanecer nos Estados Unidos ou voltar para a África. O presidente Martin Van Buren lançou um recurso de apelação, mas a Corte continuou defendendo a sua decisão. Entretanto, devido à importância do caso decidiu que a Suprema Corte deveria ter a palavra final. A Suprema Corte confirmou a decisão de libertar o grupo.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Cláudio Rebello (12 de maio de 2010). «La Amistad». Consultado em 28 de julho de 2013. 
  2. «Um Jovem Homem Não Identificado». World Digital Library. 1839-1840. Consultado em 28 de julho de 2013. 
  3. «Revenue Cutter Peter G. Washington» (em inglês). National Oceanic & Atmospheric Administration (NOAA). 8 de junho de 2006. Consultado em 14 de maio de 2012. 
  4. a b Douglas O. Linder (2000). «The Amistad Case» (em inglês). University of Missouri-Kansas City. Consultado em 14 de maio de 2012. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre La Amistad