La Violencia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bonde incendiado diante do Capitólio Nacional, durante o Bogotazo, 1948.

La Violencia é um período de conflito civil que se espalhou em áreas rurais da Colômbia, envolvendo apoiadores do Partido Liberal Colombiano e do Partido Conservador Colombiano. O conflito ocorreu aproximadamente entre 1948 e 1958 (a datação varia segundo a fonte).[1][2]

Os historiadores divergem sobre a data de início do conflito: alguns indicam que teria começado em 1946, quando os conservadores voltaram ao governo, e a liderança das forças da polícia e as prefeituras mudaram de mãos, incentivando os camponeses "conservadores" a usurpar as terras dos camponeses "liberais", o que desencadeou uma nova onda de violência bipartidária no campo. Mas, tradicionalmente e segundo a maioria dos historiadores, La Violencia teria sido motivada pelo assassinato de Jorge Eliécer Gaitán,[3] fato que desencadeou uma série de desordens conhecidas como Bogotazo, que se caracterizou por violentos confrontos entre liberais e conservadores - incluindo linchamentos, assassinatos, assaltos, perseguições, destruição de propriedade privada e terrorismo.

Alguns fatores que contribuíram para o prolongamento de La Violencia foram os temores anticomunistas da classe dominante, a privação econômica dos setores populares e as características do sistema partidário forte, que só permitia a participação de dois partidos políticos.

Em 1957, o Partido Liberal e o Partido Conservador formaram uma coligação denominada Frente Nacional, visando acabar com a violência. Através desse acordo, os dois lados concordaram em apoiar um único candidato presidencial, e todos os cargos oficiais foram igualmente divididos. Assim, a estabilidade política foi alcançada por 16 anos. Uma inesperada oposição, envolvendo os partidos não integrantes da coligação, a exemplo da Aliança Nacional Popular (Anapo), foi organizada pelo presidente deposto, Gustavo Rojas Pinilla.

Referências

  1. Stokes, Doug (2005). America's Other War : Terrorizing Colombia. [S.l.]: Zed Books. ISBN 1-84277-547-2  p. 68, Both Livingstone and Stokes quote a figure of 200,000 dead between 1948–1953 (Livingstone) and "a decade war" (Stokes)
    *Azcarate, Camilo A. «Psychosocial Dynamics of the Armed Conflict in Colombia» ([ligação inativa]). Online Journal of Peace and Conflict Resolution  Azcarate quotes a figure of 300,000 dead between 1948–1959
    *Gutiérrez, Pedro Ruz (31 de outubro de 1999). «Bullets, Bloodshed And Ballots;For Generations, Violence Has Defined Colombia's Turbulent Political History». Orlando Sentinel (Florida): G1 Political violence is not new to that South American nation of 38 million people. In the past 100 years, more than 500,000 Colombians have died in it. From the "War of the Thousand Days," a civil war at the turn of the century that left 100,000 dead, to a partisan clash between 1948 and 1966 that claimed nearly 300,000...
  2. Bergquist, Charles; David J. Robinson (1997–2005). «Colombia». Microsoft Encarta Online Encyclopedia 2005. Microsoft Corporation. Consultado em 16 de abril de 2006. Arquivado do original em 1 de novembro de 2009  On April 9, 1948, Gaitán was assassinated outside his law offices in downtown Bogotá. The assassination marked the start of a decade of bloodshed, called La Violencia (the violence), which took the lives of an estimated 180,000 Colombians before it subsided in 1958.
  3. Livingstone, Grace; (Forward by Pearce, Jenny) (2004). Inside Colombia: Drugs, Democracy, and War. [S.l.]: Rutgers University Press. p. 42. ISBN 0-8135-3443-7