Ladakh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a língua, veja Língua ladakhi.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
  • Não tem fontes.
  • Texto necessita de revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa.
Mapa do Ladaque em vermelho

O Ladaque ou Ladakh constitui uma região situada no sudeste da Ásia Central, dividida entre a Índia e a China.

O Ladakh indiano é a maior região do estado de Jammu e Caxemira, situado na sua parte oriental, ocupando uma superfície de 59 343 km², metade da superfície deste estado. Entretanto, é um dos distritos menos populosos do país, com uma população de 132 299 habitantes (1981). Conhecida como “Pequeno Tibete” , é famoso pelas suas paisagens montanhosas e pela sua cultura budista tibetana. Sua capital é a cidade de Leh.

Os chineses ocuparam a parte nordeste durante (Aksai Chin) durante a guerra sino-indiana de 1962.

É uma das regiões habitadas mais altas do mundo. Seus limites são a cordilheira do Himalaia no nordeste e no sudeste e a do Caracórum no norte. A região é extremamente árida. Várias espécies selvagens de ovelhas e cabras vivem nas montanhas.

As zonas norte e leste têm maioria budista, enquanto os muçulmanos predominam no oeste. A língua é o ladakhi, um dialeto tibetano. O cultivo básico é o grim, uma variedade da cevada. O iaque e a cabra-de-Chang-Thang são os principais gados nativos. A região é rica em recursos minerais, embora grande parte ainda não tenha sido explorada.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História do Ladaque

Ladakh foi um reino independente de religião budista. No século XVII, devido a uma ruptura das suas relações com o Tibete, o 5.º Dalai Lama invade o reinado, porém, com a ajuda de Caxemira, a sua soberania é restaurada, com o custo do rei se converter ao islã e a construção de uma mesquita na sua capital, Leh. A Caxemira terminará por invadir o reino, pondo fim à sua independência, provocando deste modo a sua futura integração indireta na Índia britânica.

O território original do reino agora está divido entre a Índia, o Paquistão e a China, que ocupou o Aksai Chindurante a guerra sino-indiana de 1962.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O vale a sul de Khardung La (5 359 m de altitude), por onde passa aquela que alegadamente é a estrada mais alta do mundo transitável por veículos motorizados

Ladakh é o distrito da Índia com as altitudes mais elevadas: uma grande parte do seu território excede os 3 000 m. O território faz parte do Caracórum] e do Himalaia, bem como do vale superior do rio Indo. O Ladakh histórico era formado de várias regiões distintas, a maior parte atualmente sob administração indiana:

  • o vale superior do Indo, uma região pouco povoada ;
  • os vales afastados do Zanskar, ao sul, e o de Nubra, ao norte onde se encontra a via transitável mais elevada do mundo ( 5.602 metros de altitude);
  • o Aksai Chin, sob administração chinesa, praticamente deserto;
  • os vales de Kargil e Suru ao oeste, com uma população maioritariamente xiita, onde se situa Kargil, a segunda cidade mais populosa de Ladakh;
  • a região de Skardu, sob administração paquistanesa e de população inteiramente muçulmana.

População[editar | editar código-fonte]

Ao contrário das outras regiões de de Jammu e Caxemira, que são predominantemente muçulmanaa, o Ladakh é uma região majoritariamente budista, a maioria do ramo Mahayana. Como consequência, existe no Ladakh um grande número de mosteiros budistas.

A maioria dos habitantes da região fala o ladakhi, um dialeto próximo do tibetano.

A população é de aproximadamente 260 000 habitantes, sendo uma mistura de muitas etnias, principalmente tibetanos e dardos. A cultura é muito similar à tibetana.

Até os anos 1950, a educação formal no Ladakh era quase nula, restrita às gompas (mosteiros budistas). Geralmente, um filho de cada família era obrigado a dominar a escrita tibetana para ler os livros sagrados budistas.

Em 1994, iniciou-se em Ladakh uma campanha para revisar o sistema de instrução primária nas escolas do governo. Em 2001, como resultado desta campanha, a taxa de matrículas já havia se elevado a 50%. Uma faculdade do governo foi aberta em Leh, permitindo os estudantes adquirir uma instrução de nível superior sem ter que abandonar Ladakh.

Economia e transportes[editar | editar código-fonte]

A estrada Manali–Leh nas planícies de More (4 800 m de altitude

A conflito na Caxemira, que envolve a região, prejudicou o turismo, antigamente bem desenvolvido. Entretanto, o governo indiano está favorecendo uma transferência de atividades para a parte oriental de Ladakh, permitindo que o turismo se torne a primeira fonte de renda desta região cuja economia, anteriormente, era baseada essencialmente na agricultura de subsistência.

Atualmente, as únicas ligações terrestres do Ladakh são as provenientes de Srinagar e de Manali. A rota tradicional e histórica, Sonamarg-Kargil-Leh, devido à insegurança na Caxemira, foi deslocada para a estrada de altitude Manali-Leh, que liga ao Himachal Pradesh. Leh possui um aeroporto de onde partem voos diários para Nova Deli e Srinagar..

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ladakh


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.