Lady Wonder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lady Wonder
Lady Wonder Horse.png
Informações
Espécie
Sexo
Fêmea
Nascimento
1924
Morte
1957
Ocupação

Lady Wonder (1924–1957) foi uma égua que apresentava supostas habilidades psíquicas.[1]

Mais de 1500 pessoas se consultaram com o animal, pagando US$ 1,00 por três perguntas. Lady Wonder teria ajudado a polícia de Massachusetts a encontrar o corpo de um garoto desaparecido, previsto que Jack Dempsey derrotaria Jack Sharkey em 1927 (além de duas outras lutas de peso-pesado) e ajudado a descobrir petróleo. A treinadora de Lady Wonder, Claudia Fonda, criou o animal com uma garrafa. A égua foi treinada para operar uma máquina que lhe permitia selecionar cartões com as letras do alfabeto.[1]

O animal foi investigado pelo casal de parapsicólogos J. B. Rhine e Louisa E. Rhine,[2][3] que concluiram haver evidências de "percepção extrassensorial entre humano e animal". Martin Gardner, no livro Manias e Crendices em Nome da Ciência, descreve as publicações e os enganos dos Rhine.[4]

O mágico Milbourne Christopher investigou a égua e revelou que o fenômeno era resultado de um sinal dado pela treinadora. Ele constatou que Lady Wonder somente acertou as respostas quando a treinadora sabia a resposta. De acordo com Christopher "Lady foi treinada para movimentar sua cabeça para frente e para trás, acima do quadro com as letras. Quando ela estava sobre o cartão correto, um discreto movimento da treinadora com seu chicote indicava que ela deveria tocar o marcador adequado."[5][6]

O investigador cético Joe Nickell escreveu que "Fonda fazia um "discreto movimento" de sua vara sempre que a cabeça de Lady estava na letra correta. Isso foi o suficiente para avisar a égua, que estava balançando a cabeça, para parar e empurrar a alavanca. Assim, foi revelado que Lady era um animal bem treinado, não um telepático."[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Nickell, Joe. (2002). "Psychic Pets and Pet Psychics". Csicop.org. Acessado 11-10-2014. (em inglês)
  2. Rhine, J. B.; Rhine, L. E. (1929). «An investigation of a "mind reading" horse». The Journal of Abnormal and Social Psychology (em inglês). 23 (4): 449-466. doi:10.1037/h0072225 
  3. Rhine, J. B.; Rhine, L. E. (1929). «Second report on Lady, the "mind-reading" horse». The Journal of Abnormal and Social Psychology (em inglês). 24 (3): 287-292. doi:10.1037/h0073302 
  4. Martin Gardner (1960). Manias e Crendices em Nome da Ciência: as curiosas teorias da falsa ciência; apaixonante estudo da credulidade humana. São Paulo: IBRASA-Instituição Brasileira de Difusão Cultural S.A. p. 310-311. 314 páginas 
  5. Milbourne, Christopher (1970). ESP, Seers & Psychics (em inglês). New York: Crowell 
  6. Scarne, John (1956). The Amazing World of John Scarne: A Personal History (em inglês). New York: Crown Publishers 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • «A different type of horsepower - Lady Wonder, the 'Psychic Mare'». Richmond Times-Dispatch. 18 de outubro de 1993 
  • «The story of Lady Wonder, Richmond's psychic horse». Richmond Times-Dispatch. Richmond Times-Dispatch. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  • Schneider, Caitlin. «The Story of Lady Wonder, the Psychic Horse». Mental Floss. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  • Candland, Douglas K. (1993). Feral Children and Clever Animals: Reflections on Human Nature. New York: Oxford University Press 
  • «Heart attack fatal to Lady Wonder». Richmond Times-Dispatch. 20 de março de 1957 
  • Dinneen, Joseph F. (6 de dezembro de 1952). «'Talking Horse' Gave Tip in Matson Case -- Dewing». The Boston Globe 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]