Lafayette Coelho Varges Limp

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético (desde dezembro de 2018).
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra nº 6 da eliminação rápida.
Lafayette
Lafayette em concerto com Os Tremendões, 2010
Informação geral
Nome completo Lafayette Coelho Varges Limp
Nascimento 11 de março de 1943 (76 anos)
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Rock and Roll, Iê-Iê-Iê, Música latina
Instrumento(s) Piano, órgão, teclado
Afiliação(ões) Lafayette & Os Tremendões

Lafayette Coelho Varges Limp (Rio de Janeiro, 11 de Março de 1943)[1], ou simplesmente Lafayette, é um pianista e organista brasileiro de formação clássica, mais conhecido por seu envolvimento com o movimento Jovem Guarda.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Com apenas cinco anos, começou a ter aulas de piano ministradas por Nair Bevilacqua Barroso Netto e posteriormente, por Zilá Moura Brito, ambas professoras do Conservatório Nacional de Música. Apesar da formação erudita, no final da década de 1950 se tornaria músico de rock.Integrante da célebre turma da Matoso, da Tijuca, composta por jovens que despontariam no cenário da música popular brasileira marcando especialmente os anos 1960/70, como Wilson Simonal, Roberto e Erasmo Carlos, Jorge Bem e Tim Maia. Em 1958, formou com alguns amigos o conjunto "Blue Jeans Rock", no qual participava como pianista. Porém, só obteria sucesso na década seguinte, quando integrou o conjunto "Sambrasa", já como organista. Com arranjos de sua autoria. Foi convidado por Erasmo Carlos em 1964 para tocar piano em uma de suas gravações. No estúdio, deparou-se com um órgão Hammond e começou a experimentar o instrumento. Erasmo gostou do resultado, e no final acabou utilizando o órgão no lugar do piano. Posteriormente foi convidado também por Roberto Carlos, gravando com ele de 1965 a meados de 1970.[2][3]. Tambem gravou mais de 40 discos com outros artistas do movimento musical Jovem Guarda tais como - Golden Boys, Martinha, Wanderlea, Jerry Adriani, Renato e seus Blue Caps, Sergio Reis, J.Neto, Zé Ramalho, etc... Apontado como o organista oficial da Jovem Guarda por muitos que afirmam que a sonoridade daquele movimento não seria a mesma sem Lafayette e seu órgão Hammond B-3, que pode ser ouvido nos discos do Rei dos anos 1960, com destaque, entre outros, para "Quero que vá tudo pro inferno" e "Não quero ver você triste assim", participou de discos importantes de vários nomes da Jovem Guarda, além do trio Roberto Erasmo e Wanderléa, como Trio Esperança, Golden Boys e Renato e seus Blue Caps. Foi no Brasil, o Primeiro a Introduzir o Órgão Eletrônico (Hammond) na Música Popular. Acompanhou, quando de suas Tournés Internacionais, Neil Sedaka e Jimmy Cliff . Ainda em 1965, o músico deu início à série Solo, a convite do diretor da Gravadora CBS Sr. Evandro Ribeiro, a série Lafayette apresenta os sucessos, que rendeu mais de trinta LPs, todos com versões instrumentais de hits contemporâneos, que fizeram muito sucesso, inclusive fora do Brasil com a edição de mais 30 que foram distribuídos para 30 Países, além dos vários compactos também lançados, em um total de mais de 80 discos. Lafayette foi em alguns anos recorde de vendagem e execução tendo sido premiado com vários troféus e discos de Ouro. Além da Gravadora CBS que tinha outras marcas Internacionais. Levado por seu coordenador Artístico Sergio Cruz, passou pelas gravadoras K-Tell, Copacabana, Continental (onde gravou um disco Sertanejo - Sertanejo Feito Para Dançar), Sony Music e Polidysc CDs : Lafayete Interpreta Roberto Carlos, Lafayette Internacional e Lafayette O Eterno Rei dos Bailes.Excursionou em Turnê pela America Latina, apresentando seu Conjunto e seus inúmeros Sucessos. Deixou de gravar em 1989, mas nunca parou de se apresentar, tocando em bailes e shoppings Centers com a formação Lafayette e Seu Conjunto. Em 2004 passou a integrar o conjunto Os Tremendões (Autoramas), e em 2009, já tendo gravado 2 CDS, com preparação de um terceiro, para ser lançado agora, em 2014. Também formou a Lafayette Big Band, dedicada à música latina pop.[2].Recentemente por sua Notória participação na Música Popular Brasileira, foi agraciado com a Comenda "Pedro Ernesto" por Votação Unânime da Câmara Municipal da Cidade do Rio de Janeiro, tornando-se Comendador. Tem ainda participado de Programas de TV como : Altas Horas, Som Brasil, A Grande Família, Encontro com Fátima Bernardes e diversas entrevistas de TV e Rádio em âmbito Nacional. Apresenta-se em Shows Bailes pelo País, com formação de palco que tem além dos músicos de base instrumental, também tem Cantor e Cantora, que interpretam Sucessos Cantados, Nacionais, Internacionais e autorais, além dos do movimento musical Jovem Guarda.

Hoje é considerado o único Organista Solo em atividade, estilo popular, com uma discografia relevante no Mundo. Lafayette mantém-se atualizado quanto às execuções musicais em órgão Hammond, cultuando o insubstituível instrumento B-3 da primeira geração, bem como utilizando novos modelos lançados mais recentemente pela Hammond.^

Referências