Lars Kallings

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lars Kallings
Nome

Lars Olof Kallings

Nascimento

1 de janeiro de 1930 (88 anos)

Estocolmo, Suécia

Nacionalidade

ligação=|borda|20x20px

Licenciatura

Instituto Karolinska

Ano de graduação

1957

Ano de doutorado

1961

Especialidade

Virologia

Anos ativo

1957–atualidade

Sociedades

Sociedade Internacional de AIDS

Gestão

Presidente (1988-1990)

Prémios

22x22px Medalha do Rei (2008)

Lars Olof Kallings (Danderyd, 1 de janeiro de 1930) é um médico sueco especializado em virología e líder da luta contra o HIV/aids em Suécia.[1] Foi presidente da Sociedade Internacional de AIDS de 1988 a 1990.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Recebeu-se de médico no prestigioso Instituto Karolinska em 1957 e aqui obteve sua especialização em virología. Mais tarde se doctoró na mesma instituição em 1961.[2]

Iniciou-se na luta contra o HIV/aids em 1985 e no mesmo ano a Organização das Nações Unidas enviou-o como especialista da pandemia à por então Europa Oriental influenciada baixo o Bloco do Leste. A nacionalidade de Kallings foi o motivo de sua selecção para adentrarse sem conflitos na cortina de Ferro, devido à neutralidade de seu país na Guerra Fria.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1988 durante a IV Conferência Internacional sobre #o Aids realizada em Estocolmo, fundou-se a IAS e fixou-se a sede na cidade. Devido a isto se decidiu eleger como primeiro presidente a um sueco, o experiente na doença mais respeitado e com maior adequação foi Lars Kallings. Depois de finalizar seu mandato, o ex–presidente desempenhou-se até 2003 como secretário da IAS e seu maior lucro foi organizar a XIII Conferência Internacional sobre o Aids no país com mais pessoas com HIV no mundo; África do Sul e é evidente que esta cerimónia conseguiu sensibilizar à população mundial.[3]

O Dr. Kallings actualmente está aposentado como investigador e médico, mas desde 2003 é um dos líderes e contribui como experiente no planejamento da luta contra a doença na frente asiática.

Referências