Latifúndio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Panorâmica de um Canavial no Brasil

Um latifúndio é uma propriedade agrícola de grande extensão[1] pertencente a uma única pessoa, uma família ou empresa e que se caracteriza pela exploração extensiva de seus recursos. A extensão necessária para se considerar uma propriedade como um latifúndio depende do contexto: enquanto na Europa o grande latifúndio pode ter algumas centenas de hectares, na América Latina, pode facilmente ultrapassar os 10 mil. Além da extensão, outras características do que é conhecido como latifúndio são: baixos rendimentos unitários, uso da terra abaixo do nível de exploração máxima e baixa capitalização. O latifúndio tem sido tradicionalmente uma fonte de instabilidade social, associada à existência de grandes massas de camponeses sem terra. Para resolver os problemas causados ​​por grandes propriedades, já se tentou fórmulas diferentes, dependendo do tipo de governo: desde a mudança na estrutura da propriedade (reforma agrária), inclusive com expropriações, até a modernização da exploração agrícola (agricultura de mercado).

Concentração da propriedade rural[editar | editar código-fonte]

A concentração de terras, em posse dos grandes fazendeiros, tem sido com frequência apontada como a principal causa das injustiças sociais,[2] responsável pelo inchaço demográfico das grandes cidades e do aumento da violência como um todo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

O latifúndio e suas consequências confundem-se com os primórdios da agricultura. Historicamente este regime remonta à antiguidade greco-romana. Sabe-se que Platão, na República, defendia que a propriedade da terra deveria ser pela coletividade como um direito comum.[3] O seu discípulo, Aristóteles, ao contrário, recomendava que o método ideal para o desenvolvimento da sociedade agrária deveria ser exercido através da propriedade privada.[4]

Sabe-se também que os romanos tentaram pôr fim aos latifúndios e limitaram a propriedade privada rural em torno de 500 jeiras (cerca de 125 hectares). Eles adotaram de imediato o sistema do latifúndio para atender aos interesses do Estado e a uma minoria de privilegiados. Os latifúndios produziam alimentos para as necessidades do Império, como cereais, legumes, vinho e carne de porco.[5]

Revolução Francesa[editar | editar código-fonte]

Colheita de morangos em Tronville-en-Barrois, Meuse.

Na época da Revolução Francesa, os problemas sociais da estrutura agrária arcaica foram as principais causas da sua eclosão.

Já em torno do século XIX, o Código Napoleônico valorizou a propriedade privada, inspirando desta forma os códigos civis que através da proposta liberal favoreceram a concentração de propriedades rurais a reduzido grupo social.[6] Isto acabou favorecendo o sub-aproveitamento agrícola e aumentando a exploração dos trabalhadores rurais, reduzindo assim as opções de trabalho e aumentando o êxodo rural e a miséria.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o latifúndio ainda é regime próprio de países pobres e subdesenvolvidos e um dos responsáveis pelo atraso e pelo subemprego nos campos e nas cidades. Este sistema de distribuição da propriedade rural ainda é comum no Brasil, com o tema tratado no campo jurídico pelo Estatuto da Terra, legislação estudada no ramo do Direito chamado Direito Agrário, além de interessar às políticas governamentais de reforma agrária que determinam o uso do solo rural no país. O latifúndio tem sido tradicionalmente uma fonte de instabilidade social.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Santiago, Emerson. «Latifúndio» (em inglês). InfoEscola. Consultado em 29 de janeiro de 2014. 
  2. Muaze, Mariana (2008). As memórias da viscondessa: família e poder no Brasil Império Zahar [S.l.] p. 243. ISBN 8537800953. 
  3. Henrique Silva, Maciel; Vanderlei Silva, Kalina (2005). Dicionário de conceitos históricos CONTEXTO [S.l.] p. 72. ISBN 8572442987. 
  4. Werlang, Sérgio Ribeiro da Costa (2004). A Descoberta Da Liberdade FGV Editora [S.l.] p. 72. ISBN 8522504385. 
  5. Mosconi, Luigi. Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos. Edicoes Loyola. pp. 34. ISBN 8515015080
  6. Benedetti Rodrigues, Domingos (2001). Propriedade familiar rural no Brasil Editora Unijuí [S.l.] p. 119. ISBN 857429229X. 
  7. Congresso Nacional. Anais da Câmara dos Deputados, Volume 7,Edição 3. Centro de Documentação e Informação, 1981. pp. 1525.