Laura de Mello e Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Laura de Mello e Souza
Nascimento 1953 (68 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileira
Ocupação Historiadora e professora universitária
Principais trabalhos Desclassificados do Ouro (1983)

O Diabo e a Terra de Santa Cruz (1986)
O sol e a sombra (2006)

Prémios Prêmio Jabuti (2012, 2007 e 1998)

Prêmio ABL de História e Ciências Sociais (2007)

Ordem Nacional do Mérito Científico (2002)

Laura de Mello e Souza (São Paulo, 1953) é uma historiadora e professora universitária brasileira. É autora de estudos pioneiros em áreas como história sócio-cultural e político-cultural[1] de grande importância para a historiografia da História Colonial do Brasil, como por exemplo, o livro O Diabo e a Terra de Santa Cruz (1986). Lecionou por mais de três décadas na Universidade de São Paulo e, atualmente, é professora titular da Cátedra de História do Brasil na Universidade Sorbonne na França[2].

Ao lado de outras historiadoras, faz parte da segunda geração de mulheres atuantes na historiografia brasileira.[3]

Tem três filhas e três netas.

Formação[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Laura de Mello e Souza nasceu na cidade de São Paulo, no ano de 1953 e desde tenra idade esteve ligada ao ambiente acadêmico: filha do crítico literário Antonio Candido e da filósofa Gilda de Mello e Souza, irmã da também historiadora Marina de Mello e Souza e da designer e escritora Ana Luísa Escorel. O fato de seus pais serem intelectuais renomados fez com que a vida de Laura, durante sua infância, se movesse de acordo com os lugares que estes atuavam profissionalmente. Ainda criança morou por pouco tempo em Assis, cidade do interior de São Paulo. Ao retornar à capital com sua família, estudou no colégio italiano Dante Alighieri até o segundo colegial. Depois disso residiu por cerca de dois anos em Paris. Durante a infância e adolescência, frequentou a casa da família de seu pai numa cidadezinha do interior de Minas Gerais.[4]

Estudos[editar | editar código-fonte]

O ambiente intelectual em que cresceu e as experiências na Europa quando ainda criança, foram fatos fundamentais para a posterior vida universitária de Laura de Mello e Souza. Ao ingressar, na década de 1970, no curso de graduação de História na Universidade de São Paulo, Laura já falava três idiomas: inglês, francês e italiano[4]. Nesta primeira etapa acadêmica, na qual bacharelou-se em 1975, teve como professoras Maria Odila Leite da Silva Dias e Anita Novinski e, como professor, Fernando Antonio Novais[5]. Posteriormente, Novais foi seu orientador tanto na dissertação de mestrado, quanto na tese de doutorado, ambos realizados no Programa de Pós-Graduação de História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da mesma Universidade.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Laura de Mello e Souza, ingressou como professora de História Moderna na USP em 1983, posição que ocupou até 2014. Além disso, em 1998, foi professora visitante na Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos, e, ainda, professora na Cátedra Guimarães Rosa da Universidade Nacional Autônoma do México no ano de 2006. Atualmente, é professora titular da Cátedra de História do Brasil na Universidade Sorbonne em Paris, na França, onde reside[5].

Ofício de historiadora[editar | editar código-fonte]

Laura de Mello e Souza fez parte da onda de crescente atuação feminina na historiografia brasileira, ao lado de outras historiadoras como Junia Ferreira Furtado, Mary Del Priore, Maria Fernanda Baptista Bicalho, Margareth Rago, Rachel Soihet, entre outras. Esta geração sucedeu aquela das pioneiras como Alice Piffer Canabrava, Eulália Maria Lahmeyer Lobo, Maria Yedda Linhares e Maria Odila Leite da Silva Dias.[3]

Em certa ocasião, quando questionada sobre "Por que estudar História?"[6], Laura de Mello e Souza associou a importância do trabalho dos historiadores ao de médicos - assim como o fez Carlo Ginzburg, importante historiador. A associação se pauta no fato de que, da mesma maneira que a medicina, o conhecimento histórico ajuda aos seres humanos a enfrentarem a própria condição humana. Ainda sobre isso, ela afirmou:

A História é fundamental para o pleno exercício da cidadania. Se conhecermos nosso passado, remoto e recente, teremos melhores condições de refletir sobre nosso destino coletivo e de tomar decisões.[6]

Principais obras[editar | editar código-fonte]

Entre a produção da autora estão:[7][5][8]

Autoria[editar | editar código-fonte]

  • Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII, 1983.
  • O Diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial, 1986.
  • Feitiçaria na Europa Moderna, 1987
  • Inferno Atlântico: demonologia e colonização (séculos XVI-XVIII), 1993.
  • Norma e conflito: aspectos da história de Minas no século XVIII, 1999.
  • O Sol e a Sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII, 2006
  • Cláudio Manuel da Costa - o letrado dividido, 2011

Co-autoria e organização[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

A autora recebeu os prêmios:

  • Prêmio Jabuti de Biografia - 2º lugar (2012)
  • Prêmio da Academia Brasileira de Letras na categoria História e Ciências (2007)[9]
  • Prêmio Jabuti de Ciências Humanas - 3º lugar (2007)[10]
  • Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico (2002)[5]
  • 44º Prêmio Alejandro José Calassa, União Brasileira de Escritores (2002)[11]
  • Prêmio Jabuti de Ciências Humanas (1998)[12]
  • Prêmio Manuel Bonfim (1998)[5]
  • Prêmio Casa-Grande e Senzala (1994)[11]

Referências

  1. Conselho editorial[ligação inativa] - Revista de História da Biblioteca Nacional, (visitado em 19-3-2010)
  2. Sorbonnes Université Presses (s.d.). «Laura de Mello e Souza». Consultado em 21 de abril de 2021 
  3. a b Liblik, Carmem Silvia da Fonseca Kummer (2017). Uma história toda sua: trajetórias de historiadoras brasileiras (1934-1990). Tese de Doutorado em História (UFPR). Consultado em 21 de abril de 2021.
  4. a b Liblik, Carmem Silvia da Fonseca Kummer (2017). "História de vida e profissional da historiadora brasileira Laura de Mello ee Souza: intersecções entre memória e biografia" Oficina Do Historiador, 10.1: 60-77. Consultado em 21 de abril de 2011.
  5. a b c d e Currículo - Lattes, 10 de junho de 2017 (visitado em 18-6-2017)
  6. a b SOUZA e MELLO, Laura de (13 de maio de 2020). «Por que estudar História». ANPUH. Consultado em 21 de abril de 2021 
  7. História como desenho[ligação inativa] - Revista de História da Biblioteca Nacional, 1 de Julho de 2009 (visitado em 19-3-2010)
  8. Revista de História da Biblioteca Nacional (13 de abril de 2011). Poeta e inconfidente[ligação inativa], acesso em 15 de abril de 2011
  9. Academia Brasileira de Letras divulga os vencedores dos prêmios ABL 2007 - Academia Brasileira de Letras, 2007(visitado em 19-3-2010)
  10. Saem os vencedores do 49º prêmio Jabuti - 2007 - Entre Livros, 21 de agosto de 2007 (visitado em 19-3-2010)
  11. a b Relatório de atividades 2002 - FFLCH-USP, 21 de agosto de 2007 (visitado em 19-3-2010)
  12. Vencedores do 41º Prêmio Jabuti Arquivado em 7 de outubro de 2010, no Wayback Machine. - Prêmio Jabuti, 1998 (visitado em 19-3-2010)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre história das mulheres é um esboço relacionado ao Projeto Mulheres. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.