Laurence Olivier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Laurence Olivier
Olivier in 1972
Nome completo Laurence Kerr Olivier
Nascimento 22 de maio de 1907
Dorking; Surrey
Morte 11 de julho de 1989 (82 anos)
Steyning; West Sussex
Nacionalidade britânico
Cônjuge
Filho(a)(s) 4
Ocupação
Período de atividade 1920 – 1989
Título Barão , recebido em 1970
Causa da morte insuficiência renal
Página oficial
laurenceolivier.com

Sir Laurence Kerr Olivier, Barão Olivier OM (Dorking, 22 de maio de 1907 — Steyning, 11 de julho de 1989) foi um renomado ator, produtor e diretor britânico. Vencedor de quatro Oscars, três Globos de Ouro, três BAFTAs, três prêmios NBR e cinco Emmys, é considerado por muitos como o maior ator de todos os tempos, tanto no cinema quanto no teatro.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Contexto familiar e primeiros anos (1907 - 1924)[editar | editar código-fonte]

A casa em Wathen Road, Dorking, Surrey, onde Olivier nasceu em 1907

Olivier nasceu em Dorking, Surrey, o mais novo dos três filhos do reverendo Gerard Kerr Olivier (1869–1939) e sua esposa Agnes Louise, nascida Crookenden (1871–1920).[3] Seus filhos mais velhos foram Sybille (1901–1989) e Gerard Dacres "Dickie" (1904–1958).[4] Seu tataravô era descendente de huguenotes franceses, e Olivier vinha de uma longa linhagem de clérigos protestantes.[a] Gerard Olivier começou uma carreira como mestre-escola, mas aos trinta anos descobriu uma forte vocação religiosa e foi ordenado sacerdote da Igreja da Inglaterra.[6] Ele teve uma prática religiosa muito forte e gostava de ser tratado como "Padre Olivier". Isso o tornou inaceitável para a maioria das congregações anglicanas,[6] e os únicos cargos da igreja que lhe foram oferecidos eram temporários, geralmente substituindo titulares regulares em sua ausência. Isso significava uma existência nômade, e nos primeiros anos de Laurence, ele nunca viveu em um lugar o tempo suficiente para fazer amigos.[7]

Em 1912, quando Olivier tinha cinco anos, seu pai conseguiu uma nomeação permanente como reitor adjunto de São Salvador, em Pimlico. Ele ocupou o cargo por seis anos, e uma vida familiar estável foi finalmente possível.[8] Olivier era dedicado a sua mãe, mas não a seu pai, a quem ele achava um pai frio e distante.[9] No entanto, aprendeu muito da arte de representar com ele. Quando jovem, Gerard Olivier havia considerado uma carreira nos palcos e era um pregador dramático e eficaz. Olivier escreveu que seu pai sabia "quando abaixar a voz, quando gritar sobre os perigos do fogo do inferno, quando escorregar em uma mordaça, quando de repente se tornar sentimental ... As rápidas mudanças de humor e maneiras me absorveram, e eu nunca os esqueci."[10]

interior of ornate Victorian church
Interior de All Saints, Margaret Street

Em 1916, depois de frequentar uma série de escolas preparatórias, Olivier passou no exame de canto para admissão na escola de coro da "All Saints, Margaret Street", no centro de Londres. Seu irmão mais velho já era aluno, e Olivier gradualmente se adaptou, embora se sentisse como um estranho.[11] O estilo de adoração da igreja era (e continua sendo) anglo-católico, com ênfase em rituais, vestimentas e incenso.[12] A teatralidade dos serviços atraiu Olivier,[b] e o vigário encorajou os alunos a desenvolver o gosto pelo drama secular e religioso.[14] Em uma produção escolar de Júlio César em 1917, o desempenho de Olivier de dez anos como Brutus impressionou um público que incluía Lady Tree, a jovem Sybil Thorndike e Ellen Terry, que escreveu em seu diário: "O garotinho que interpretou Brutus já é um grande ator."[15] Mais tarde, ele ganhou elogios em outras produções escolares, como Maria em Noite de Reis (1918) e Katherine em The Taming of the Shrew (1922).[16]

De All Saints, Olivier frequentou a St Edward's School, Oxford, de 1920 a 1924. Ele fez pouca marca até seu último ano, quando interpretou Puck na produção da escola de Sonho de uma Noite de Verão. Seu desempenho foi um tour de force que lhe rendeu popularidade entre seus colegas.[17][c] Em janeiro de 1924, seu irmão deixou a Inglaterra para trabalhar na Índia como plantador de borracha. Olivier sentiu muita falta dele e perguntou ao pai em quanto tempo ele poderia seguir. Ele lembrou em suas memórias que seu pai respondeu: "Não seja tão tolo, você não está indo para a Índia, você está indo para o palco."[19][d]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Agraciado com o título de sir em 1947, Laurence Olivier foi um dos mais carismáticos atores do século XX. Sua presença em palco fascinava o público e sua credibilidade como intérprete, no drama como na comédia, proporcionou-lhe os maiores êxitos.

Ele participou de 121 peças de teatro, se apresentando nos palcos da Inglaterra, de vários países da Europa e nos Estados Unidos. Sua trajetória no cinema foi extensa mas irregular, tendo feito 65 filmes, alguns deles também como diretor.

No teatro ele conheceu a atriz com quem formaria um dos mais respeitados pares: Vivien Leigh com quem ficaria casado de 1940 até a década de 1960. Eles se conheceram em 1937 em uma montagem de "Hamlet".

Sua primeira premiação com o Oscar foi em 1946, por sua atuação e direção em "Henrique V". Dois anos depois sua produção "Hamlet" levou quatro Oscars: filme, ator principal (para Olivier), direção de arte e figurino. Em 1978 recebeu um Oscar especial pelo conjunto de sua obra e por sua contribuição à arte cinematográfica.

Em 1970, a rainha Elizabeth II lhe outorgou o título de Lorde, com direito a frequentar o Parlamento britânico. Ele morreu, aos 82 anos, de câncer no estômago, dormindo em sua casa ao lado de sua terceira mulher, a atriz Joan Plowright com quem teve três filhos. Ele está enterrado na Abadia de Westminster.[21] Olivier também escreveu dois livros: Confissões de um Ator e Ser Ator, em que descreve sua biografia como ator, desde a infância até o extremo sucesso que alcançou.

Em 1969 foi convidado para narrar o documentário sobre a Segunda Guerra Mundial: The World at War. Produzido de 1969 a 1973, as entrevistas inéditas com testemunhas oculares e personagens históricos, as raras imagens colhidas de diversos países envolvidos no conflito e a narração ímpar de Olivier, fizeram deste documentário o mais expansível e significativo de todos os tempos.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ele também apareceu virtualmente no filme Capitão Sky e o Mundo de Amanhã (2004) interpretando o vilão do filme, graças a imagens de arquivo.

Notas

  1. O pai de Gerard, Henry Arnold Olivier (1826–1912) era um padre que teve oito filhos, seus outros filhos todos alcançando sucesso nas esferas seculares: Sydney tornou-se Governador da Jamaica e mais tarde Secretário de Estado da Índia, Herbert foi um pintor de retratos de sucesso, e Henry (1850–1935) teve uma carreira militar, terminando como coronel.[5]
  2. Em uma biografia de Olivier Melvyn Bragg observa que todos os três da grande trindade teatral do século – Ralph Richardson, John Gielgud e Olivier – passaram por fases profundamente religiosas quando jovens.[13]
  3. Olivier não era especialmente popular até então e anotou em seu diário na época que ele tocava "muito bem, para desgosto de todos".[18]
  4. Olivier disse que ficou surpreso e emocionado com o fato de seu pai, que até então achava que não se importava com ele, ter dedicado bastante atenção ao futuro de seu filho.[20]

Referências

  1. Comentário de Russell Lees para Richard III (1955) Criterion DVD, 2004
  2. Billington, Michael (10 de julho de 2014). «Laurence Olivier: still the actor's actor 25 years after his death». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  3. Billington 2004.
  4. Holden 1988, p. 12.
  5. Holden 1988, p. 11.
  6. a b Darlington 1968, p. 13.
  7. Beckett 2005, p. 2.
  8. Holden 1988, p. 14.
  9. Beckett 2005, p. 6.
  10. Kiernan 1981, p. 12.
  11. Holden 1988, pp. 17–18.
  12. Denny 1985, p. 269.
  13. Bragg 1989, p. 34.
  14. Tynan, Kenneth (1966). «The Actor: Tynan Interviews Olivier». The Tulane Drama Review (11.2): 71–101. JSTOR 1125187 
  15. Findlater 1971, p. 207; Beckett 2005, p. 9.
  16. Kiernan 1981, p. 20.
  17. Holden 1988, p. 26.
  18. Barker 1984, p. 15.
  19. Olivier 1994, p. 15.
  20. Bragg 1989, p. 38.
  21. Laurence Olivier (em inglês) no Find a Grave

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Laurence Olivier