Leônidas Antero de Matos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Crystal Clear app kedit.svg
Este artigo não possui uma seção introdutória ou ela está mal formatada.
Se puder, ajude-nos a melhorar este artigo com uma seção introdutória de qualidade e de acordo com o livro de estilo.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente usando a forma {{Má introdução|{{subst:DATA}}}}
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Leônidas Antero de Mattos
Nascimento 28 de fevereiro de 1894
Cuiabá
Morte 8 de abril de 1936 (42 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Ocupação advogado
Escola/tradição Simbolismo

Leônidas Antero de Mattos nasceu em Cuiabá no dia 28 de fevereiro de 1894, filho de Antero Aprígio Gualberto de Mattos e Francisca de Figueiredo Matos. Seu irmão, João Antero de Mattos, seguiu a carreira militar e chefiou o Comando Militar de Brasília entre 1962 e 1963.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Rio Grande do Sul e em sociedade com o advogado Getúlio Vargas, constituíram em Porto Alegre um escritório de advocacia.

Nomeado chefe de polícia de Mato Grosso no governo Mário Correia da Costa (1926-1930), afastou-se do cargo por divergências pessoais com o presidente do estado. Apoiou a Revolução de 1930 e foi membro do Partido União Liberal de Mato Grosso, fundado no ano seguinte para defender os objetivos revolucionários. Participou do diretório do partido junto com Vespasiano Barbosa Martins, João Leite e Francisco Vilanova.

Ocupou a secretaria-geral do estado de Mato Grosso durante o governo do interventor Artur Antunes Maciel (1931-1932) e, em abril de 1931, na ausência deste, assumiu interinamente o Executivo estadual. Em junho do ano seguinte foi nomeado interventor federal em seu estado, substituindo Antunes Maciel.

No mês seguinte, eclodiu a Revolução Constitucionalista de São Paulo, iniciada em Campo Grande — então no estado de Mato Grosso, e hoje capital de Mato Grosso do Sul — pelo comandante da circunscrição militar ali sediada, general Bertoldo Klinger. Durante os três meses de duração do levante estabeleceram-se no estado dois governos: o do interventor Leônidas de Mattos, fiel ao governo central, em Cuiabá, e o governo revolucionário encabeçado por Vespasiano Barbosa Martins, em Campo Grande. Em outubro de 1932 o movimento rebelde foi definitivamente sufocado.

Em 1933, o Partido União Liberal foi extinto e seus membros se agruparam no Partido Liberal Mato-Grossense e no Partido Evolucionista de Mato Grosso. Leônidas de Mattos tornou-se um dos líderes do Partido Liberal, fundado em março de 1933 para concorrer às eleições à Assembléia Nacional Constituinte, e de cuja comissão executiva participavam Ítrio Correia da Costa e Júlio Müller, entre outros. O partido reafirmava os interesses da Revolução de 1930 e pretendia se ligar a um futuro partido de âmbito nacional.

Em julho de 1934 voltou ao Mato Grosso o ex-presidente do estado, Mário Correia da Costa. Com sua chegada, iniciou-se a campanha oposicionista pela candidatura do então chefe de polícia do Distrito Federal, capitão Filinto Müller, ao governo do estado. A candidatura congregou a maioria do Partido Constitucionalista, do Partido Progressista, do Partido da Mocidade e do Partido Evolucionista de Mato Grosso, que passaram a constituir o novo Partido Evolucionista de Mato Grosso, mas a campanha não chegou a ser concretizada.

Cresceu no estado um descontentamento generalizado com o interventor Leônidas de Mattos devido à precária situação financeira em que seu governo se encontrava e que permanecia desde a administração anterior. Isso determinou o amadurecimento da articulação oposicionista que levou a seu afastamento da interventoria em outubro de 1934, por determinação do chefe do Governo Provisório, Getúlio Vargas. O fato foi também atribuído aos distúrbios causados durante a Revolução de 1932. César de Mesquita Servo o substituiu à frente do Executivo mato-grossense.

Durante seu governo, em agosto de 1934 Leônidas de Mattos fundou a Associação de Imprensa Mato-Grossense. Poeta, foi um dos fundadores da Academia Mato-Grossense de Letras.

Em sua vida pública, Leônidas Mattos foi também juiz municipal de Santiago do Boqueirão (RS), promotor público da comarca de São Borja-Santiago do Boqueirão e de Porto Alegre e juiz de direito de comércio de Porto Alegre e mais tarde, advogado da Caixa Econômica Federal,

Faleceu no Rio de Janeiro, então Distrito Federal, no dia 8 de abril de 1936, com 42 anos de idade.

Era casado com Dalila Frota de Mattos, com quem teve dois filhos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARQ. GETÚLIO VARGAS; ARQ. OSVALDO ARANHA; CONSULT. MAGALHÃES, B.; CORREIA FILHO, V. História; CORRESP. GOV. EST. MT; Grande encic. Delta, MENDONÇA, R. Dic.; MENDONÇA, R. História; PEIXOTO, A. Getúlio; POPPINO, R. Federal.
  • MENDONÇA, Rubens de, História da literatura mato-grossense, Cáceres, Unemat Editora, 2005.