Leandro Lehart

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Leandro Lehart
Informação geral
Nascimento 25 de janeiro de 1972 (46 anos)
Local de nascimento São Paulo, São Paulo,
 Brasil
Gênero(s) Samba,pagode, pagode romântico, samba-rock, soul,[1] funk, hip hop[2]
Ocupação(ões) cantor, compositor, ativista social, escritor
Instrumento(s) Vocal, Cavaquinho, Violão, Percussão
Afiliação(ões) Art Popular
Página oficial leandrolehartoficial.com.br/

Leandro Lehart, nome artístico de Paulo Leandro Fernandes Soares, (São Paulo, 25 de janeiro de 1972), é um cantor, compositor e arranjador musical brasileiro.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Leandro Lehart nasceu na periferia da capital paulista, ao dia 25 de janeiro de 1972. Suburbano, cresceu sob a influência musical da família paterna, nos quais muitos eram notórios seresteiros e chorões. Em sua juventude, os bailes de black music, breakdance e festas de hip-hop, faziam parte do seu cotidiano. Mas foi no Samba, que Lehart manifestou sua musicalidade. Sua identificação com o ritmo era tamanha, que aos 16 anos, já lecionava música em seu próprio quarto, que já tinha o espaço disputado por dezenas de instrumentos musicais.

Multi-instrumentista e autodidata, Lehart facilmente unia o samba de fundo de quintal com as batidas da música pop negra que permearam sua pré-adolescência e adolescência. Estudioso das várias linguagens da percussão musical e da diversidade cultural brasileira, Lehart, não demorou para fundar o Art Popular, na companhia de outros cinco integrantes, com quem veio conhecer sucesso em todo Brasil. Com apenas vinte anos, já se tornará produtor, arranjador e multi-instrumentista.

Lehart foi indicado ao Grammy Latino 2 vezes e vencedor do premio TIM como MELHOR DISCO DE MPB como engenheiro de áudio do disco JAMELÃO 80 anos.

Leandro permaneceu 10 anos como o Maior compositor do Brasil, ficando a frente de Roberto Carlos, Tom Jobim.

Em 1990 fundou o Art Popular, um dos grupos de samba mais famosos do Brasil, vendendo 10 milhões de discos. Lehart é o Compositor mais regravado do samba dos últimos 30 anos.

Leandro em 1997 reuniu 36 personalidades do samba, tais como Fundo de Quintal, Art Popular, Negritude Jr, Molejo, Malícia, Grupo Raça, Os Morenos, Sensação, Exaltasamba, Sem Compromisso, Demônios da Garoa, Muleke Travesso, Tempero, Casa Nossa, Originais do Samba, Cravo e Canela, Só Preto Sem Preconceito, Juventude do Pagode, Pé de Moleque, Arte Final, Puramor, Um Toque a Mais, Samba K, Matéria Prima, Soweto, Afirmação,Gamação, Relíquia, União, Poesia de Nós 2, Começo de Conversa, Família, Nova Cor do Samba, Redenção, Cabeça Feita, Pixote, Swing Tropical, Remix Samba, Jb Samba, compôs uma música chamada "Noite Fria" (com participação de todos os sambistas), criou, dirigiu e produziu um disco intitulado "Samba Cura" que vendeu 150 mil cópias. Disco esse, que teve toda sua renda revertida, para a Ação Solidária contra o Câncer Infantil. Um ano depois (1998) Leandro Lehart recebeu o terreno do então prefeito Paulo Maluf e 3 anos depois o ITACI estava construído com grande participação de Leandro Lehart, embaixador do Samba Cura.

Em 2017 foi reunido todos os participantes de 1997, além dos artistas mais recentes tais como Belo, Bom Gosto, Dilsinho, Ferrugem, Grupo Clareou, Doce Encontro, Fundo de Quintal, Demônios da Garoa, Dose Certa, Leci Brandão, Luis Carlos (Raça Negra), Mumuzinho, Netinho, Reinaldo, Rodriguinho, Royce do Cavaco, Sorriso Maroto, Thiaguinho, Turma do Pagode, fazendo uma nova campanha, com o intuito de realizar a ampliação no número de leitos do hospital ITACI.

Em 1999 foi lançado o videoclipe da música Requebrabum, composta e interpretada por Leandro, com participação do jogador de futebol Ronaldo Nazário, gravado no estádio San Siro em Milão e lançado no Fantástico, transmitido pela TV Globo e com grande circulação em todas as emissoras do gênero, como MTV, Multishow e etc.

Em 2000 Lehart concorreu ao Grammy Latino na categoria de MELHOR ÁLBUM INFANTIL com o CD Primavera da apresentadora Eliana.

Com o Art Popular Leandro também gravou em 2000 o Acústico MTV , o mais caro da história da emissora do Brasil e pioneiro realizado por um grupo de samba.

Em 2008 Leandro Lehart editou e dirigiu um documentário chamado Mestiço - Novo Ritmo do Brasil, onde o intuito é retratar a situação do músico brasileiro, a adaptação dos músicos regionais para as novas mídias, e a mistura da música regional com a música pop. Esse documentário foi selecionado pela Ancine, para representar o Brasil em festivais de documentários na Europa.

Em 2010, sua canção "Vem Dançar o Mestiço" apareceu no vídeo de uma apresentação da Carreta Furacão, grupo de animadores de rua de Ribeirão Preto. Seis anos depois de sua publicação no YouTube, a produção amadora viralisou nos meios digitais, alcançando milhões de visualizações no website. O vídeo ganhou destaque em alguns programas de TV, como o Pânico na Band.

Em 2011 comandou, na Praça da República - São Paulo, durante a Virada Cultural 2011, uma apresentação reunindo 1083 ritmistas de 24 agremiações carnavalescas de São Paulo. Lehart alugou 24 ônibus, que passaram em cada uma das quadras das escolas, para se reunirem no local do evento. Apresentação essa, que acabou entrando para o Guinness Book of Records, como o "MAIOR GRUPO PERCUSSIVO DO MUNDO” de todos os tempos.

Em 2012 recebeu o prêmio FEMADUM em CONTRIBUIÇÃO DA CULTURA AFRICANA NA MÚSICA BRASILEIRA, homenagem feita pelo Olodum.

Em 2012 também foi premiado pelo Instituto Chico Mendes Sócio Ambiental como artista engajado nas questões ambientais e sustentabilidade.

Ainda em 2012 recebeu o prêmio de CIDADÃO DO SAMBA DO RIO GRANDE DO SUL, prêmio concedido apenas aos sulistas, pela produção do primeiro CD e DVD da banda da Saldanha, patrimônio cultural do Rio Grande.

Tornou-se em 2012, embaixador de São Paulo da CUFA (Central Única das favelas).

Em 2013 recebeu o Prêmio COOPERIFA, em contribuição com a música das periferias

Em 2016 MEDALHA NELSON GONÇALVES, que é dada em seu centenário às pessoas de referência na cultura nacional.

No ano de 2017 Leandro Lehart juntamente com Art Popular receberam a placa de honra pela CONTRIBUIÇÃO AO SAMBA pelo bloco Cacique de Ramos

Leandro Lehart recebe em maio/2018, homenagem de Leci Brandão na Assembléia Legislativa de São Paulo em CONTRIBUIÇÃO AO SAMBA BRASILEIRO E PROJETOS SOCIAIS.

Discografia - Solo[editar | editar código-fonte]

  • 2001 - Solo
  • 2002 - Leandro Lehart
  • 2006 - Deixa Eu Ir a Luta
  • 2006 - Let me fight for my right
  • 2007 - Vem Dançar o Mestiço
  • 2009 - Samba Pop Brasil Mestiço (DVD)
  • 2011 - Ensaio de Escola de Samba (DVD)
  • 2015 - SambaDelik (DVD)
  • 2016 - Violão é no Fundo do Quintal

Discografia - (C/ Art Popular)[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Mauro Ferreira]] (24 de junho de 2002). «Leandro Lehart». IstoÉ Gente 
  2. Fabiana Schiavon (29 de julho de 2015). «Leandro Lehart transforma pagode em música pop». Agora São Paulo 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.