Leconte de Lisle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Leconte de Lisle
Retrato de Leconte de Lisle, por Blanquer.
Nome completo Charles Marie René Leconte de Lisle
Nascimento 22 de outubro de 1818
Saint-Paul, Reunião
Morte 17 de julho de 1894 (75 anos)
Voisins
Nacionalidade França Francês
Ocupação Poeta e intelectual
Principais trabalhos Poèmes antiques, Poèmes barbares, Poèmes tragiques
Assinatura de Leconte de Lisle.

Charles Marie René Leconte de Lisle (Saint-Paul, Reunião, 22 de Outubro de 1818Voisins, Yvelines, 17 de Julho de 1894), mais conhecido por Leconte de Lisle, foi um poeta e intelectual francês. Expoente principal da corrente parnasiana, dedicou-se também à tradução da poesia dos autores da Antiguidade Clássica.

Leconte de Lisle nasceu na ilha francesa de La Réunion, no Oceano Índico. Ele passou a infância lá e mais tarde na Bretanha . Entre seus amigos naqueles anos estava o músico Charles Bénézit. Seu pai, cirurgião do exército, que o criou com grande severidade, enviou-o para viajar nas Índias Orientais, com o objetivo de prepará-lo para uma carreira nos negócios. No entanto, depois de voltar dessa jornada, o jovem preferiu concluir seus estudos em Rennes, Bretanha, especializando-se em grego, italiano e história. Em 1845, ele se estabeleceu definitivamente em Paris.

Ele esteve envolvido na Revolução Francesa de 1848, que terminou com a derrubada do rei Louis-Philppe da Orleans, em França, mas não tomou mais parte na política depois que a Segunda República foi declarada.

Como escritor, ele é mais famoso por suas três coleções de poesia: Poèmes antiques (1852), Poèmes barbares (1862), Poèmes tragiques (1884). Ele também é conhecido por suas traduções de trágicos e poetas gregos antigos, como Ésquilo, Sófocles, Eurípides e Horácio. .

Leconte de Lisle desempenhou um papel de liderança no movimento poético parnasiano (1866) e compartilhou muitos dos valores de outros poetas desta geração, unindo os períodos romântico e simbolista.

Embora Leconte de Lisle fosse um republicano fervoroso, durante o reinado de Napoleão III, ele aceitou as pensões e decorações oferecidas a ele pelo imperador. Isso foi realizado contra ele após a queda do Segundo Império e sua substituição pela Terceira República, em 1871.

No entanto, Leconte de Lisle se redimiu com o novo governo escrevendo dois livros de orientação democrática, intitulados História do Povo da Revolução Francesa e História do Cristianismo do Povo , respectivamente. Esses trabalhos lhe renderam um cargo de bibliotecário assistente no palácio do Luxemburgo em 1873; em 1886 ele foi eleito para a Academia Francesa, em sucessão a Victor Hugo.

Leconte de Lisle morreu em Voisins, no município de Louveciennes, a oeste de Paris.

Foi um poeta literariamente satânico. Na sua obra, a figura de Satã aparece 78 vezes.[1]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Poèmes antiques;
  • Poèmes barbares;
  • Poèmes tragiques.

Referências

  1. Revista COLÓQUIO/Letras n.º 75 (Setembro de 1973). A influência de Leconte de Lisle no satanismo de Eça de Queirós, pág. 18.