Legião Urbana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o álbum homônimo desta banda, veja Legião Urbana (álbum).
Legião Urbana
Formação clássica da banda.
Da esquerda para a direita; Renato Rocha, Renato Russo, Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos
Informação geral
Origem Brasília,  Distrito Federal
País  Brasil
Gênero(s) Pós-punk, punk rock, rock alternativo, folk rock, rock progressivo, art rock
Período em atividade 19821996
Gravadora(s) EMI
Afiliação(ões) Aborto Elétrico, Capital Inicial, Dado e o Reino Animal, Os Paralamas do Sucesso, Plebe Rude
Influência(s) Joy Division[1]
The Smiths[1]
The Beatles[2][3]
The Clash[3]
The Cure[4]
Ramones[5]
Joni Mitchell[3]
Gang of Four[6]
Talking Heads[6]
Sex Pistols[3]
The Jesus and Mary Chain[3]
Public Image Ltd[3]
U2[7]
Bob Dylan[8]
Integrantes Dado Villa-Lobos
Marcelo Bonfá
Ex-integrantes Renato Russo
Renato Rocha
Eduardo Paraná (Kadu Lambach)
Paulo Paulista
Ico Ouro-Preto
Página oficial Site oficial

Legião Urbana foi uma banda brasileira de rock fundada em 1982 na cidade de Brasília, DF pelos integrantes Renato Russo (Voz, Letras, Teclas, Violão) e Marcelo Bonfá (Bateria, Percussões). O grupo também contou com Dado Villa-Lobos (Guitarra, Violão) e Renato Rocha (Baixo) em sua formação clássica. Diante do falecimento de Renato Russo em 11 de Outubro de 1996, o grupo encerrou suas atividades 11 dias depois.[9] Possui uma discografia de oito álbuns de estúdio, três compilações e seis álbuns ao vivo (um deles sem a presença de Renato Russo).

Em dados apurados pelo Pro-Música Brasil (ABPD), a Legião Urbana soma um total de mais de 25 milhões de discos vendidos (em uma média de 250 mil por ano), sendo o segundo grupo musical brasileiro que mais vendeu discos de catálogo no mundo,[10] além de fazer parte do chamado "quarteto sagrado" do rock brasileiro, juntamente aos grupos musicais Barão Vermelho, Titãs e Os Paralamas do Sucesso.[11]

Entre outubro de 2015 e dezembro de 2016, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, os dois integrantes remanescentes do grupo, apresentaram juntamente a André Frateschi nos vocais principais e diversos músicos convidados a turnê Legião Urbana XXX Anos, que consistiu na comemoração dos pouco mais de 30 anos de seu primeiro álbum de estúdio. Devido a boa aceitação do público, o grupo resolveu retomar o projeto em 2018, desta vez executando o repertório do segundo e do terceiro álbum do grupo, que continua até os dias atuais.

História[editar | editar código-fonte]

Fundação, início e antecedentes[editar | editar código-fonte]

A banda foi formada em agosto de 1982, pouco menos de um ano após o fim da banda Aborto Elétrico, desencadeado por atritos existentes entre os integrantes Renato Russo e Felipe Lemos. O primeiro atrito foi durante uma execução ao vivo da música "Veraneio Vascaína" (na ocasião, Renato errou a letra e levou uma baquetada em pleno show).[12] O segundo atrito foi quando Renato Russo apresentou "Química" em um ensaio do Aborto e Felipe Lemos criticou a música com veemência. O fim da banda foi no final de 1981, quando Renato Russo cortou pacificamente o seu vínculo com seus colegas de grupo, com direito a uma última reunião poucos meses depois motivada pela negligência de Ico Ouro Preto ao assumir uma apresentação do grupo. [13] Com o fim da banda, Felipe e seu irmão e colega de grupo Flávio Lemos (Baixo), fundaram o Capital Inicial, com sua formação estabelecida juntamente a Dinho Ouro Preto (Voz) e Loro Jones (Guitarra).[14]

Para compor, Renato Russo teve inspiração em muitas bandas estrangeiras como Sex Pistols, The Beatles, Ramones, Gang of Four, The Smiths, The Cure, Talking Heads, Joy Division e nos trabalhos dos filósofos Bertrand Russell e Jean-Jacques Rousseau (dos quais, juntamente ao pintor Henri Rousseau, veio a inspiração para o seu sobrenome artístico).[15][16]

O nome "Legião Urbana" deriva da frase “Urbana Legio Omnia Vincit” (Em Latim, "Legião Urbana a tudo vence"). A sentença é uma referência à frase do imperador romano Júlio César, “Romana Legio Omnia Vincit”, traduzida como “Legionários Romanos a tudo vencem”.[17] O nome também veio pela ideia original de Renato Russo e Marcelo Bonfá na fundação do grupo de revezar guitarristas e tecladistas para completar o grupo. Ou seja, uma "legião" de músicos.[18] A primeira apresentação da Legião Urbana aconteceu em 5 de setembro de 1982 na cidade mineira de Patos de Minas, durante o festival Rock no Parque, que contou com outras oito atrações, entre elas o grupo musical Plebe Rude (banda afiliada e amiga da Legião). Este foi o único concerto em que a banda apareceu com a sua primeira formação: Renato Russo (Voz, Baixo), Marcelo Bonfá (Bateria), Paulo Paulista (Teclado) e Eduardo Paraná (Guitarra).[19] Na verdade, a Cadoro Promoções — empresa responsável pela produção do festival — havia contratado o Aborto Elétrico e impresso centenas de cartazes com o nome da banda formada por Renato Russo, Felipe Lemos, Flávio Lemos, Ico Ouro-Preto e, anteriormente, André Pretorius. Mas como o grupo havia encerrado suas atividades, Renato convenceu o dono da produtora, Carlos Alberto Xaulim, a se apresentar com a banda que tinha acabado de formar com Marcelo Bonfá. Após a apresentação, Paulo Paulista e Eduardo Paraná deixaram a Legião.[20] O próximo guitarrista a participar do grupo seria Ico Ouro Preto (irmão de Dinho Ouro Preto e ex-integrante do Aborto Elétrico), mas, por negligência com o grupo, foi substituído por Dado Villa-Lobos, que assumiu o trabalho de guitarrista da Legião em março de 1983.[12]

Vista de Brasília, cidade do surgimento do grupo.

Brasília era ainda uma ilha cultural em relação ao resto do país. Até 1978, a história curta da nova capital não lhe atribuíra ainda nenhum momento particularmente brilhante nas artes, até porque não havia sido formada a primeira geração de artistas brasilienses.[12] Estes estavam surgindo, justamente ali, com a cara que aquelas duas primeiras décadas tinha tido na cidade. "Química" era um dos hinos do Aborto Elétrico e foi a primeira canção da chamada Turma da Colina a ser gravada em fonograma e lançada em LP e K7 por todo o país. Herbert Vianna (que já havia gravado seu primeiro LP com Os Paralamas do Sucesso pela gravadora britânica EMI) apresentou a Jorge Davidson, agente da gravadora, uma fita cassete [21] com gravações de Renato Russo (correspondentes ao álbum solo O Trovador Solitário), o que interessou ao diretor artístico. A Legião Urbana foi chamada no final do ano de 1983 para gravar três demos, incluindo "Geração Coca-Cola" e "Ainda É Cedo". Logo de início, o som feito pela banda não agradou aos executivos da EMI, que esperavam canções mais próximas ao folk, pois a fita apresentada ao Jorge por Herbert Vianna foi do período em que Renato Russo estava tocando e cantando sozinho (fase esta chamada de O Trovador Solitário). Foi então que o produtor Mayrton Bahia surgiu para intermediar a relação entre a banda e a EMI e favorecer a chegada do grupo à gravadora. Jorge Davidson viria a assinar um contrato com a banda em fevereiro de 1984. [21]

O sucesso[editar | editar código-fonte]

No ano de 1984, alguns meses após o Legião assinar um contrato com a EMI, entra, por indicação de Marcelo Bonfá e em virtude de uma tentativa de suicídio de Renato Russo em junho de 1984 na qual ele cortou o pulso esquerdo e ficou impossibilitado de tocar Baixo por um tempo, [21] o baixista Renato Rocha. Em outubro de 1984, começou a gravação de seu primeiro álbum de estúdio.[22]

Legião Urbana (1985)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Legião Urbana (álbum)

Legião Urbana, lançado em 2 de janeiro de 1985, [21] possui um forte engajamento político-social, com letras que fazem críticas contundentes a diversos aspectos da sociedade brasileira. Paralelo a isso, possui algumas canções de amor que foram marcantes na história da música brasileira, como "Será", "Ainda É Cedo" e "Por Enquanto" - esta última que é considerada como "a melhor faixa de encerramento de um disco", segundo Arthur Dapieve, crítico e amigo de Renato Russo. "Geração Coca-Cola" é outra música famosa deste álbum, pois assumia a voz daqueles que tinham crescido sob o regime militar, chamando-os de “Geração Coca-Cola”. Todas as quatro músicas já citadas foram, juntamente a "Soldados", promovidas como singles.

A Legião Urbana começou a ganhar notoriedade seis meses após o lançamento do álbum, acelerando o andamento da música jovem brasileira.[21] De toda a geração emergida no "boom" do rock nacional naquela década, a Legião Urbana foi particularmente a mais aclamada por público e crítica. Apesar das letras consideradas sérias, por outro lado, o discurso não caía para a facilidade do tom panfletário.

Dois (1986)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dois (álbum)

O segundo álbum do grupo, Dois, foi lançado em Julho de 1986. Um estilo mais próximo do folk com letras mais líricas aflorou mais. Se o primeiro trabalho tinha toda uma urgência pós-punk, "Dois" era um contraponto; a visão complementar de um trovador que já não era mais solitário. A intenção era que o disco fosse duplo sob o nome de "Mitologia E Intuição", mas o projeto foi negado pela gravadora, obrigando que o disco fosse simples.[23] "Daniel Na Cova Dos Leões" abre o disco e no início da gravação, ouve-se uma introdução de um rádio mal-sintonizado tocando um trecho de "Será" e alguns trechos do hino da Internacional Socialista.[24] Este álbum é o segundo mais vendido da banda, com mais de 1,8 milhão de cópias (Ver Discografia).[25][26] "Tempo Perdido", seu primeiro single, fez um grande sucesso e se tornou um dos clássicos da Legião. "Eduardo e Mônica", "Índios" e "Quase Sem Querer" também foram promovidos como singles.[25][26]

Que País é Este 1978/1987[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Que País É Este

O disco seguinte, Que País É Este 1978/1987 foi lançado em dezembro de 1987. O sucesso de Dois fez com que a gravadora pressionasse muito a banda para o lançamento de um novo álbum, sem que houvesse repertório novo para isso.[24] Das nove faixas de Que País É Este, apenas duas foram compostas depois do álbum "Dois" - estas, justamente as duas últimas: Angra dos Reis (em menção à construção de uma usina nuclear na cidade fluminense de mesmo nome) e Mais do Mesmo.[24] A música Que País É Este foi escrita em 1978, na época em que Renato tinha apenas 18 anos e estava começando seu projeto com o Aborto Elétrico. Faroeste Caboclo, por sua vez, foi composta em 1979, mas nunca foi apresentada para o Aborto Elétrico.[27] Esta, com mais de nove minutos de duração, possui 168 versos sem refrão e conta a história do nordestino João de Santo Cristo.[28] Renato a considerava sua Hurricane (música de Bob Dylan sobre boxeador que passou anos injustamente atrás das grades),[28] além de se basear inicialmente como um repente com similaridades com as músicas de Raul Seixas e com "Domingo No Parque", música composta por Gilberto Gil.[29]

Show no Estádio Mané Garrincha e afastamento dos palcos[editar | editar código-fonte]

Estádio Mané Garrincha, local de uma série de graves incidentes que marcaram um novo rumo à Legião Urbana.

Por conta da falta de organização nos shows causada muitas vezes pelos fãs, além das complicações internas em especial com Renato Russo, as turnês do grupo nunca foram longas. Os integrantes da banda se sentiam desgastados física e emocionalmente, principalmente Renato, por ser o líder em quem os fãs depositavam suas expectativas.

Mesmo com toda a expectativa e preparação especialmente de Renato Russo, que acreditava que este seria o show de sua vida,[21] a apresentação que marcava o retorno da banda a Brasília, em 18 de junho de 1988 no Estádio Mané Garrincha acabou em tragédia.[30] Antes do início do show, falhas na organização e na atuação da polícia causaram tumulto no lado de fora do estádio, atrasando a entrada do público de mais de 50 mil pessoas, e o show começou com mais de uma hora de atraso e pessoas ainda na fila para entrar. Com a tensão no ar, uma série de confusões se sucederam. Violência policial, discursos inflamados, bombas caseiras e a invasão do palco por um fã alucinado que se agarrou violentamente ao vocalista. O cenário de caos terminou com a suspensão da apresentação e mais confusão. Cerca de 63 pessoas foram presas, mais de 230 ficaram feridas e uma onda de ódio à banda como resultado. Paredes em torno do estádio e próximas a casa da mãe de Renato Russo amanheceram pichadas com palavras de ordem contra a banda. A turnê foi suspensa e, a partir dali, a Legião nunca mais tocou em sua cidade natal e se voltaria ainda mais aos estúdios.[30]

As Quatro Estações (1989)[editar | editar código-fonte]

O álbum As Quatro Estações, do ano de 1989, levou um ano para ser lançado (o preparo começou em agosto de 1988 e o resultado foi publicado em 30 de outubro de 1989).[21] Por conta de toda a meticulosidade dos arranjos e letras construídos ao decorrer deste tempo, o álbum é considerado por fãs o melhor e mais inspirado trabalho do grupo, e inclusive pelos próprios Dado Villa-Lobos [21] e Renato Russo (que, segundo sua entrevista para a MTV em maio de 1994, passou a considerar o álbum seguinte, "V", o melhor do Legião até então). De todas as 11 músicas do disco, apenas "1965 (Duas Tribos)" e "Maurício" não foram promovidas como singles. É o álbum mais vendido da Legião, com mais de 2,6 milhões de cópias.[31] O baixista Renato Rocha tocou com os demais integrantes nos três primeiros álbuns de estúdio do grupo e chegou a gravar algumas linhas de baixo deste álbum. Porém, foi expulso do grupo em Fevereiro de 1989 por falta de compromisso durante as gravações do álbum.[21] As linhas de baixo originalmente gravadas por Rocha foram descartadas, e novas linhas foram criadas e gravadas tanto por Renato quanto por Dado. A canção "Feedback Song For A Dying Friend" foi composta em homenagem a Cazuza, que, antes de Renato descobrir ser portador da doença, já tinha anunciado ser soropositivo.[32] Uma das canções mais tocadas, "Pais E Filhos", fala sobre o suicídio de uma menina jovem.[32]

V (1991)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: V (álbum de Legião Urbana)

Lançado em novembro de 1991, V é considerado o disco mais melancólico da banda. Renato estava em um momento complicado de sua vida, por conta da descoberta de que era soropositivo um ano e meio antes; problemas no relacionamento com seu namorado, Robert Scott Hickman; e o seu problema com o alcoolismo.[33] Também houve muita influência do então Governo Collor, que teve muito destaque com o bloqueio da poupança de todos os brasileiros.[33] O álbum apresenta um estilo bem atípico do grupo. "Metal Contra As Nuvens" - a música mais longa do grupo, com total de exatamente 11 minutos e 24 segundos de duração - e "O Teatro Dos Vampiros" foram as músicas mais politizadas do disco.[33] "A Montanha Mágica" também se destacou por se tratar da dependência química de Renato. Somente "O Teatro Dos Vampiros", "Vento No Litoral" e "O Mundo Anda Tão Complicado" foram promovidas como singles. O disco teve vendagens muito fracas se comparado principalmente ao disco anterior, não chegando nem a 500 mil cópias vendidas.[34]

O Descobrimento do Brasil (1993)[editar | editar código-fonte]

O álbum O Descobrimento do Brasil (1993) foi lançado na época em que Renato Russo tinha iniciado o tratamento para livrar-se da dependência química e mostrava-se otimista quanto ao seu sucesso. O álbum é dedicado ao músico Tavinho Fialho, baixista que acompanhou a banda na turnê do álbum anterior e que faleceu em um acidente.[35] Desta forma, Descobrimento é um álbum com fortes notas de esperança, mas permeado por tristeza e saudosismo. Ainda assim, é considerado por muitos o álbum mais "alegre" e delicado da Legião Urbana. O art rock passa a ser muito experimentado no disco, em comunhão com o rock alternativo. "Perfeição" - única música de crítica político-social do disco, com fortes traços de pessimismo -, "Giz" - a música pela qual os integrantes do grupo mais se sentem feliz de terem feito, com diversas referências à infância[35] - e "Vinte e Nove" - referência ao ciclo de 29 anos de Saturno como um recomeço para Renato - foram as músicas de maior sucesso.

A Tempestade (1996), morte de Renato Russo e fim das atividades do grupo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: A Tempestade ou O Livro dos Dias
O cantor e compositor Renato Russo, líder da Legião Urbana.

A última apresentação da Legião Urbana aconteceu em 14 de janeiro de 1995, na casa de apresentações Reggae Night em Santos, litoral do estado de São Paulo. No mesmo ano, todos os discos de estúdio da banda até 1993 foram remasterizados no Abbey Road Studios, em Londres, conhecido mundialmente pelas suas gravações para o grupo musical The Beatles; e lançados em uma lata, intitulada "Por Enquanto (1984 - 1995)". A lata também incluía um pequeno livro, com um texto escrito pelo antropólogo Hermano Vianna, irmão do músico Herbert Vianna.[36]

A Tempestade ou O Livro dos Dias, lançado em 20 de setembro de 1996,[37] foi o último álbum da banda publicado com Renato Russo em vida. O mesmo foi marcado por músicas muito introspectivas e depressivas, alternando entre as sonoridades pesadas de "Natália" e "Dezesseis", o lirismo de "L'Avventura" e "O Livro Dos Dias", o experimentalismo de "Música Ambiente", ao sofrimento de "Aloha" e "Esperando Por Mim" e à leveza de "Soul Parsifal" e "1º De Julho" (música composta especialmente para a intérprete Cássia Eller, que a lançou em primeira mão em 1994).[38] As letras, em geral, abordam temas como solidão, passado, amor, depressão, soropositividade, intolerância e injustiça, dito como um disco "melodramático" e de alma triste. "A Via Láctea" e "Dezesseis" foram seus principais singles.

Algumas canções do disco sugerem uma despedida antecipada, como diz o trecho "e quando eu for embora, não, não chore por mim", da canção "Música Ambiente".[38] As fotos do encarte foram tiradas próximas à época do lançamento, exceto a de Renato, que foi aproveitada da sessão de fotos do seu álbum solo Equilíbrio Distante (1995), já que o cantor, bastante debilitado, se recusou a ser fotografado para o disco. O álbum A Tempestade foi lançado inicialmente na época com capa de papel e anos depois relançado com capa de plástico. A foto de Dado Villa-Lobos é diferente entre estas duas versões. Com exceção de "A Via Láctea", as demais faixas do álbum possuem apenas a voz-guia de Renato, que não pôde gravar as vozes definitivas. As vozes-guia foram gravadas no início das gravações do álbum, visto que Renato estava perdendo sua capacidade vocal. Também não foram incluídas as frases "Urbana Legio Omnia Vincit" e "Ouça no Volume Máximo", presentes nos discos do grupo. Em seu lugar, uma frase do escritor modernista brasileiro Oswald de Andrade: "O Brasil é uma República Federativa cheia de árvores e gente dizendo adeus". O fim oficial da banda foi anunciado em 22 de outubro de 1996, onze dias após a morte de Renato Russo. Ele faleceu 21 dias após o lançamento de A Tempestade, no dia 11 de outubro de 1996. Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá seguiram suas carreiras e lançaram discos solo nos anos seguintes.

Por conta de um processo de recuperação judicial do grupo iniciado em 1985 (pelo qual um oportunista registrou a marca do grupo antes de seus integrantes), quando o processo foi concluído, em 1991, o poder da marca Legião Urbana teria que ser centralizado em apenas um integrante, cujo escolhido foi Renato Russo. Um mês depois da morte dele, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá receberam uma ligação movida pelos pais de Renato, através da qual foi anunciado que os dois perderam o direito de dizerem publicamente que participaram da Legião Urbana. Este direito foi recuperado permanentemente em 27 de março de 2015, dia em que Renato faria 55 anos se estivesse vivo.[39][21]

Após o fim[editar | editar código-fonte]

Uma Outra Estação (1997)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Uma Outra Estação

Uma Outra Estação foi um álbum póstumo. A ideia original era de que A Tempestade fosse um álbum duplo. Mas, visto que o custo de venda e produção seria muito alto, a ideia foi descartada pelos integrantes do grupo e o material não lançado foi retrabalhado e lançado neste álbum.[40] Canções como "Clarisse" ficaram de fora do álbum anterior por desejo do próprio Renato, que a considerava muito pesada. A letra de "Sagrado Coração" consta no encarte, porém, Renato não conseguiu gravá-la porque já estava muito debilitado.[21] O álbum conta com participações como Renato Rocha, ex-baixista da Legião e Bi Ribeiro, baixista dos Paralamas do Sucesso.[41][42] "Antes das Seis" e "As Flores do Mal" foram seus principais singles.[43][44] O produtor musical vencedor do Grammy Latino, Tom Capone, trabalhou como coprodutor do álbum e gravou guitarras e efeitos.[45]

Acústico MTV[editar | editar código-fonte]

No ano de 1992, a banda participou da segunda gravação da série Acústico MTV no Brasil.[46] O registro, datado de janeiro de 1992, foi publicado em outubro de 1999 e foi impulsionado por músicas como “Hoje A Noite Não Tem Luar” - versão brasileira de “Hoy Me Voy Para México”, dos Menudos - e releituras de Neil Young, The Jesus And Mary Chain e Joni Mitchell.[47]

Tributos[editar | editar código-fonte]

Membros vivos do Legião Urbana realizando um show tributo em 2012 com o ator Wagner Moura como vocalista.

Em 5 de setembro de 2009, após rumores sobre um possível retorno às atividades, a família Manfredini, Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e a gravadora EMI, alegam que eram infundadas as informações sobre o retorno da banda, esclarecendo que "uma possível volta da banda Legião Urbana é falsa. Não existe possibilidade alguma de uma volta da banda Legião Urbana."[48] Quinze dias após o desmentido, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá fizeram uma participação especial em um concerto do festival Porão do Rock, em Brasília.[49] Em 2011, Dado e Bonfá conduziram, juntamente com a Orquestra Sinfônica Brasileira, um tributo à Legião Urbana durante o Rock in Rio 4. O concerto contou com convidados que cantaram alguns sucessos da banda (entre eles, Rogério Flausino, Pitty e Herbert Vianna), além de um medley especial feito pela Orquestra Sinfônica Brasileira com trechos de músicas do grupo.[50][51] No ano seguinte, a MTV Brasil organizou um novo tributo para a série MTV ao Vivo, em São Paulo, pelos trinta anos de início das atividades do grupo.[52] A homenagem teve a participação do ator e diretor Wagner Moura como vocalista principal, além de participações dos músicos Fernando Catatau & Clayton Martin (Cidadão Instigado), Bi Ribeiro (Os Paralamas do Sucesso) e Andy Gill (Gang of Four), este último guitarrista de uma das maiores influências da Legião.[53]

Legião Urbana XXX Anos[editar | editar código-fonte]

Show da turnê "Legião Urbana XXX anos" na cidade de João Pessoa.

Ao recuperarem permanentemente seus direitos de dizer publicamente que participaram do Legião Urbana em 27 de março de 2015, o guitarrista Dado Villa-Lobos e o baterista Marcelo Bonfá usaram o nome Legião Urbana algumas vezes. A primeira vez foi na gravação do especial "Rock In Rio 30 Anos", uma compilação de vários artistas do rock brasileiro interpretando clássicos de colegas de cena e de influências brasileiras.[54] Dado e Bonfá gravaram, acompanhados de Lucas Vasconcellos (guitarra solo) e Mauro Berman (contrabaixo elétrico), versões para "Toda Forma de Poder", do grupo Engenheiros do Hawaii e "Por Você", do grupo Barão Vermelho.[54] Posteriormente, os mesmos músicos citados se uniram a Roberto Pollo (teclados) e André Frateschi (vocal) com o projeto "Legião Urbana XXX Anos", que consistiu em uma série de shows para comemorar os pouco mais de 30 anos do lançamento do disco "Legião Urbana", reunindo o repertório integral do mesmo e sucessos dos demais álbuns do grupo.[55] Devido a mal-entendidos, Dado e Bonfá esclareceram que o projeto não era uma volta permanente da banda Legião Urbana.[56] A primeira apresentação foi em 23 de outubro na cidade de Santos, SP.[57]

Dado e Bonfá também lançaram um box especial do primeiro álbum do grupo, incluindo a remasterização do Legião Urbana, um disco de gravações extras e um encarte de curiosidades e documentos do grupo. O box contém as faixas "Será", "Geração Coca-Cola" e "Soldados", além de sobras de estúdio e versões que o Legião tocou para mostrar à gravadora no início da carreira. Dado e Bonfá tiveram um grande problema com a faixa "1977", gravada e nunca lançada devido à insatisfação de Renato Russo com o resultado. A canção serviu de base para duas composições de Renato Russo, "Fábrica" e "Tempo Perdido". Quando o box estava pronto para lançamento, Dado e Bonfá foram comunicados de que a música pertencia à Renato Russo com 75% dos direitos e à Legião Urbana Produções Artísticas (em posse do seu filho, Giuliano Manfredini) com 25%, não podendo estar no box sob os seus créditos verídicos (Renato Russo / Dado Villa-Lobos / Marcelo Bonfá). Eles apresentaram um documento oficializado pelo Departamento de Censura de Diversões Públicas (DCDP) do Governo Federal, provando a veracidade dos créditos informados. Ainda assim, descobriram que 1977 foi registrada por Giuliano em 2004 no ECAD. Devido a esse novo impasse, o box foi lançado sem a faixa "1977" em Março de 2016.[58]

A turnê Legião Urbana XXX Anos, segundo o Facebook oficial da mesma, contou com um total de pouco menos de 100 shows feitos nas 5 regiões do Brasil.[59] O último show da turnê foi em 30 de dezembro de 2016, na cidade de Caraguatatuba.[60] Houve outros dois shows do projeto em 2018: o primeiro no dia 19 de maio, no Campus Festival em João Pessoa,[61] e o segundo no dia 20 de maio, na Virada Cultural de São Paulo.[62]

Devido ao grande sucesso de crítica e pedidos dos fãs, a Legião Urbana XXX Anos retornou em setembro de 2018 com uma nova turnê, desta vez para apresentar o segundo e terceiro álbuns de estúdio da banda.[24] A turnê iniciou em 6 de setembro na cidade de Miami e depois voltou ao Brasil para uma série de shows pelo país inteiro.[24]

Acusações de plágio[editar | editar código-fonte]

Há controvérsias de que a música Que País É Este seria plágio de uma canção da banda de punk rock estadunidense Ramones chamada "I Don't Care", notada por muitos fãs e especialistas pela semelhança dos arranjos e melodia (ou "riff"). Ao ser questionado sobre, o vocalista da banda e compositor da música, Renato Russo ironizou respondendo e citando a tradução do nome da música da banda estadunidense: "Eu não ligo!".[63] Logo depois, o mesmo confirmou que se inspirou na canção dos Ramones.[64] O fato, segundo os mesmos fãs e especialistas, não teria chegado ao conhecimento dos Ramones.

Outro caso de plágio, dessa vez assumido, do Legião Urbana foi da letra do duo inglês Soft Cell.[64][65] "Take your hands off me / I don't belong to you", trecho da canção "Say Hello Wave Goodbye", é uma tradução do primeiro verso de "Será", principal single do primeiro álbum da banda de Brasília. Renato Russo disse que realmente se "inspirou" nas palavras do Soft Cell para o trecho "Tire suas mãos de mim / Eu não pertenço a você".[64][65]

Outra canção que supostamente a Legião teria plagiado, foi a versão do grupo escocês The Cartoons para “Love Is The Drug”, do Roxy Music, para criar a sua célebre canção “Ainda é Cedo”.[65] Outros alegam que a canção seria plágio de "A Means To An End", da banda Joy Division.[66]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Somos Tão Jovens
Ver artigo principal: Faroeste Caboclo (filme)

Dois filmes relacionados à banda foram lançados nos cinemas brasileiros, em circuito nacional.

Somos Tão Jovens, de Antônio Carlos da Fontoura, com roteiro de Marcos Bernstein e trilha sonora original de Carlos Trilha, retrata a adolescência de Renato Russo (interpretado pelo ator Thiago Mendonça)[67] e o início de seu interesse pela música, abordando a criação e extinção do Aborto Elétrico e também sua fase como O Trovador Solitário e os dois primeiros anos da Legião Urbana.[68][69] Distribuído pelas empresas Imagem Filmes e Fox Film Brasil, estreou nos cinemas no dia 3 de maio de 2013.[70]

Pouco depois, em 30 de maio,[71] foi lançado Faroeste Caboclo, adaptação da canção homônima de Renato, dirigida por René Sampaio e com roteiro de Victor Atherino e Marcos Bernstein a partir da letra original, e com distribuição da Europa Filmes. No elenco, atuaram Fabrício Boliveira (João de Santo Cristo), Ísis Valverde (Maria Lúcia), Felipe Abib (Jeremias) e César Troncoso (Pablo).[72][73][74]

Em julho de 2018, começaram as gravações para a adaptação cinematográfica de "Eduardo e Mônica". Já foram divulgados Gabriel Leone como Eduardo e Alice Braga como Mônica.[75]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Dado Villa-Lobos
Marcelo Bonfá

Legião Urbana XXX Anos[editar | editar código-fonte]

Formação original (1982 - 1996)[editar | editar código-fonte]

  • Renato Russo - Voz, Letras, Teclas, Violão, Contrabaixo Elétrico, Percussão ("Eduardo E Mônica"), Guitarra ("Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar", "A Canção Do Senhor Da Guerra"), Gaita ("Sete Cidades"), Cítara ("Love In The Afternoon", "Só Por Hoje"), Bateria Eletrônica ("A Canção Do Senhor Da Guerra").
  • Dado Villa-Lobos - Guitarra, Violão, Contrabaixo Elétrico, Teclas (Ao Vivo), Bandolim, Dobro, Percussão ("Angra Dos Reis", "Feedback Song For A Dying Friend"), Craviola ("La Maison Dieu"), Gaita ("La Maison Dieu").
  • Marcelo Bonfá - Bateria, Percussão, Teclas, Rhythm Track, Gaita ("Sete Cidades").

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Renato Rocha (Contrabaixo Elétrico, Teclas - "Acrilic On Canvas") (1984 - 1989)
  • Eduardo Paraná (Guitarra) (1982)
  • Paulo Paulista (Teclas) (1982)
  • Ico Ouro Preto (Guitarra) (1982 - 1983)

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Músicos de apoio[editar | editar código-fonte]

Turnê "As Quatro Estações":[editar | editar código-fonte]

  • Bruno Araújo - Contrabaixo Elétrico

Turnê "V":[editar | editar código-fonte]

  • Carlos Trilha - Teclas
  • Sérgio Serra - Violão, Guitarra
  • Tavinho Fialho - Contrabaixo Elétrico

Turnê "O Descobrimento Do Brasil":[editar | editar código-fonte]

Em Estúdio:[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - Mais Do Mesmo
  • 2011 - Legião Urbana - Perfil
  • 2016 - Legião Urbana 30 Anos

DVDs[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • O Diário da Turma 1976-1986: A História do Rock de Brasília (2001, Conrad Editora)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Pereira Júnior, Álvaro (14 de outubro de 1996). «Cópia e honestidade fizeram o Legião». Folhateen. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  2. Pazcheco, Mário. «A Legião Urbana gravou seu primeiro LP na máquina de som dos Beatles». Do Próprio Bolso. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  3. a b c d e f Borges Teixeira, Lucas (10 de outubro de 2016). «9 artistas que influenciaram Renato Russo». Billboard Brasil. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  4. Vizeu, Vitor (11 de julho de 2017). «5 bandas influenciadas por The Cure». Blog Chico Rei. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  5. Blezer, Débora (20 de março de 2013). «Influência ou plágio? Tire suas conclusões». Revista Cifras. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  6. a b «Guitarrista do Gang of Four participará de tributo à Legião Urbana». ClicRBS. 23 de maio de 2012. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  7. Zero Hora (5 de abril de 2011). «Dado Villa-Lobos fala fala sobre a influência do U2 em Legião Urbana». Consultado em 7 de janeiro de 2014 
  8. Folha de S.Paulo (28 de maio de 2013). «Música Faroeste Caboclo foi escrita na juventude de Renato Russo.». Consultado em 7 de janeiro de 2014 
  9. Ulrich Tavares, Ana Paula. «Em 22/10/1996: Dado e Bonfá anunciavam o fim do Legião Urbana». Whiplash. Consultado em 27 de fevereiro de 2019 
  10. «O cultuado Renato Russo, da banda Legião Urbana, completaria 55 anos». Estadão. 27 de março de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  11. Zun. «Rock nacional dos Anos 80». Consultado em 22 de novembro de 2012 
  12. a b c Escola contemporânea. «Os Filhos da Revolução» (PDF). Jovens dos anos 80. Consultado em 22 de novembro de 2012 
  13. Marcelo, Carlos (2016). Renato Russo - O Filho Da Revolução. [S.l.]: Planeta do Brasil. 464 páginas 
  14. Capital Inicial. «Fê Lemos». Consultado em 22 de novembro de 2012 
  15. Dapieve, Arthur. Renato Russo: o trovador solitário. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000. p. 25.
  16. Conversações com Renato Russo. Revisores: Julio Vasco & Renato Guima. Niterói: Letra Livre, 1996, p. 37.
  17. Alfaro, Erika (11 de outubro de 2016). «Legião Urbana: 6 coisas que você não sabia sobre a banda». Alto Astral. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  18. Araújo, Tarso (31 de outubro de 2016). «Qual a origem dos nomes no rock?». Superinteressante. Consultado em 24 de dezembro de 2018 
  19. Dicionário Cravo Alvim. «Legião Urbana-dados artísticos». Consultado em 21 de janeiro de 2013 
  20. «Biografia de Aborto Elétrico». Letras. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  21. a b c d e f g h i j k Villa-Lobos, Dado (2015). Memórias De Um Legionário. [S.l.]: Mauad X. 256 páginas 
  22. Dicionário Cravo Alvim. «Renato Russo-biografia». Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  23. Fortune. «Legião Urbana». Consultado em 16 de novembro de 2018 
  24. a b c d e Mariana Peixoto (1 de agosto de 2018). «Remanescentes da Legião Urbana anunciam turnê; ingressos já estão à venda». Uai. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  25. a b «DISCOGRAFIA – EDIÇÃO 038 – LEGIÃO URBANA». RadioInterativa. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  26. a b «Discos para história: Dois, da Legião Urbana (1986)». Musicontherun. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  27. MEDEIROS, Estefani (29 de maio de 2013). «Longa, com palavrões e críticas políticas, -Faroeste Caboclo- deu trabalho quando chegou às rádios». UOL. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  28. a b SEELIG, Ricardo (6 de junho de 2013). «Como surgiu a letra de "Faroeste Caboclo", clássico da Legião Urbana?». #CollectorsRoom. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  29. Contemporâneo, Pensar (5 de abril de 2017). «A incrível história por trás da composição de Faroeste Caboclo, de Renato Russo». Pensar Contemporâneo 
  30. a b «O último e histórico show da Legião Urbana em sua cidade natal: 63 presos, 231 feridos e uma onda de ódio à banda». Contramão. 23 de outubro de 2016. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  31. «21 HISTÓRIAS E CURIOSIDADES SOBRE O LEGIÃO URBANA». Maiscuriosidade. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  32. a b Maggio, Sérgio (19 de janeiro de 2019). «10 curiosidades sobre o disco As Quatro Estações, da Legião Urbana». Metrópoles. Consultado em 20 de janeiro de 2019 
  33. a b c Machado, Mairon (10 de abril de 2012). «Os Sete Pecados Do Rock Nacional – Parte VI: A Vaidade (Legião Urbana – V [1991])». ConsultoriaDoRock.com. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  34. «Historia: Legião Urbana». Legiaourbanasite. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  35. a b «O Descobrimento do Brasil». Renato Russo Oficial. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  36. http://www.correio24horas.com.br/blogs/pop-head/?p=841
  37. «Não foi tempo perdido - Cultura - Estadão». estadao.com.br 
  38. a b Barbosa, Marco Antônio. «Legião de A a Z: 103 músicas comentadas, da pior à melhor». Revista Bula. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  39. «Decisão em favor Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá para usar a marca Legião Urbana agora é definitiva». m.jc.ne10.uol.com.br. Consultado em 28 de julho de 2018 
  40. «Uma Outra Estação». Renato Russo Oficial. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  41. Pimentel, Luiz Cesar (2002). «ex-baixista da Legião Urbana, brutalmente honesto». Você Tem que Ler Isso!. R7. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  42. Behenck, Erik (1 de agosto de 2018). «O mediador dos Paralamas». 4oito. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  43. http://www.abpd.org.br/home/certificados/
  44. http://www.abpd.org.br/home/numeros-do-mercado/
  45. «Uma Outra Estação by Legião Urbana». Rate Your Music. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  46. «Acústico MTV». Legião Urbana. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  47. «10 acústicos incríveis da MTV Brasil para assistir na íntegra». Diário Online. 10 de novembro de 2017. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  48. «Gravadora nega volta do Legião Urbana em comunicado». Folha.com. Consultado em 10 de setembro de 2009 
  49. «Legião Urbana renasce no porão do rock». O Globo. 21 de setembro de 2009 
  50. «Show-tributo ao Legião Urbana tem coro de milhares e choro». G1. Consultado em 29 de setembro de 2011 
  51. «Rock in Rio revive Legião Urbana e faz Cidade do Rock cantar em peso». SRZD. Consultado em 29 de setembro de 2011 
  52. «Cheio de falhas, tributo à Legião Urbana é salvo por devoção dos fãs». G1. Consultado em 30 de maio de 2012 
  53. «Wagner Moura compensa com emoção limitações no tributo à Legião Urbana». O Globo.com. Consultado em 30 de maio de 2012 
  54. a b Curvelo, Rakky (7 de setembro de 2015). «Rock in Rio 30 anos: Sky celebra festival e bandas nacionais com box exclusivo». Tenho Mais Discos Que Amigos!. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  55. «Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá esclarecem rumores sobre a volta da Legião Urbana». O Globo. 2 de setembro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  56. Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá (2 de setembro de 2015). «Comunicado de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá». Facebook. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  57. «Primeiro show da turnê Legião Urbana XXX Anos será em Santos». Revista Rolling Stone. 17 de setembro de 2015. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  58. «30 anos depois, álbum de estreia do Legião Urbana ganha edição comemorativa». epoca.globo.com 
  59. «Legião Urbana XXX anos». www.facebook.com. Consultado em 28 de julho de 2018 
  60. «Legião Urbana XXX anos». www.facebook.com. Consultado em 28 de julho de 2018 
  61. «Veja como foram shows de Legião Urbana, Anavitória, 3030 e Val Donato no Campus Festival 2018». G1 
  62. «Com um dos maiores públicos desta Virada, homenagem ao Legião empolga em SP». Folha de S.Paulo. 20 de maio de 2018 
  63. «Plágio e Companhia: Os maiores casos de plágio do mundo do rock». www.entreattos.com.br. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  64. a b c «Folha Online - Pensata - Lúcio Ribeiro - Os grandes plágios da música brasileira (Parte 1)». www1.folha.uol.com.br. 27 de fevereiro de 2003. Consultado em 22 de abril de 2016 
  65. a b c Tadeu, Régis (10 de outubro de 2014). «Tio Régis traz algumas idéias "emprestadas" pelo rock nacional para divertir o seu final de semana». Yahoo. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  66. Ribeiro, Lúcio (5 de março de 2003). «Novo Blur e novos plágios». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  67. «Somos tão Jovens - elenco». Filme de Cinema. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  68. «Somos tão jovens - um filme para ser cantado». Site oficial. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  69. «Somos tão Jovens - Filme sobre a vida de Renato Russo». Link Atual. 7 de maio de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  70. «Estréia Somos Tão Jovens». Site oficial. 4 de março de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  71. «Filme 'Faroeste Caboclo' vai estrear em 30 de maio». D2am. 2 de janeiro de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  72. «Faroeste Caboclo tem elenco revelado». Rolling Stone. 8 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  73. «Conheça os atores confirmados para Faroeste Caboclo». Virgula. 8 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  74. Francisco Russo (8 de fevereiro de 2011). «Faroeste Caboclo define elenco principal». AdoroCinema. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  75. «Diretor cria contexto do romance entre Eduardo e Mônica para levar canção ao cinema». Folha de S.Paulo. 23 de julho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Legião Urbana