Lei da trivialidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.

A lei de Parkinson da trivialidade é o argumento de 1957 de C. Northcote Parkinson de que membros de uma organização dão peso desproporcional a questões triviais.[1] Ele fornece o exemplo de um comitê fictício cujo trabalho era aprovar os planos para uma usina nuclear gastando a maior parte de seu tempo em discussões sobre questões relativamente menores, mas fáceis de entender, como, quais materiais usar para a vaga de bicicleta do pessoal, Embora negligenciando o projeto proposto da própria fábrica, que é muito mais importante, mas também uma tarefa muito mais difícil e complexa.

A lei tem sido aplicada ao desenvolvimento de software e outras atividades.[2] O termo bike-shed effect ou bike-shedding foi inventado como uma metáfora para iluminar a lei da trivialidade; Foi popularizado na comunidade de Berkeley Software Distribution pelo desenvolvedor de computador dinamarquês Poul-Henning Kamp em 1999[3] e se espalhou de lá para toda a indústria de software.

Argumento[editar | editar código-fonte]

O conceito foi apresentado pela primeira vez como um corolário de sua mais ampla "lei de Parkinson" paródia da gestão. Ele dramatiza essa "lei da trivialidade" com o exemplo das deliberações de um comitê sobre um reator atômico, contrastando-o com deliberações sobre um galpão de bicicleta. Como ele disse: "O tempo gasto em qualquer item da agenda será em proporção inversa à soma [de dinheiro] envolvido." Um reator é tão vastamente caro e complicado que uma pessoa comum não consegue entendê-lo, então presume-se que aqueles que trabalham nele compreendem. Por outro lado, todos podem visualizar um barato, simples galpão de bicicleta, assim, planejar um pode resultar em intermináveis discussões, porque todos os envolvidos querem adicionar um toque e mostrar a contribuição pessoal.[4]

Problemas surgem após uma sugestão de construir algo novo para a comunidade, como um galpão de bicicleta, faz com que todos os envolvidos discutam sobre os detalhes. Esta é uma metáfora que indica que não é necessário argumentar sobre cada pequeno recurso baseado simplesmente no conhecimento para fazê-lo. Algumas pessoas comentaram que a quantidade de ruído gerada por uma mudança é inversamente proporcional à complexidade da mudança.[3]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

No terceiro capítulo, "High Finance, or the Point of Vanishing Interest", Parkinson escreve sobre uma reunião de um comitê de finanças fictício com uma agenda de três itens:[1] A primeira é a assinatura de um contrato de 10 milhões de libras para construir um reator, o segundo, uma proposta para construir um galpão de bicicleta de 350 libras para o pessoal clerical, e o terceiro propõe 21 libras por ano para fornecer refrescos para o Joint Welfare Committee.

  1. O número de 10 milhões de libras é muito grande e muito técnico, e passa em dois minutos e meio. Um membro do comitê propõe um plano completamente diferente, que ninguém está disposto a aceitar pois o planejamento é avançado, e outro que entende o tema tem preocupações, mas não acha que ele pode explicar suas preocupações aos outros membros da comissão.
  2. O galpão de bicicleta é um assunto entendido pelo conselho, e o valor dentro de sua experiência de vida, então, membro do comitê Sr. Softleigh diz que um telhado de alumínio é muito caro e eles devem usar amianto. Holdfast quer ferro galvanizado. O Sr. Daring questiona a necessidade do galpão. Holdfast discorda. Parkinson então escreve: "O debate é bastante aberto. Uma soma de 350 libras está bem dentro da compreensão de todos. Todo mundo consegue visualizar um galpão de bicicleta. A discussão continua, portanto, por quarenta e cinco minutos, com o possível resultado de economizar cerca de 50 libras. Os membros sentam-se por fim com um sentimento de realização."
  3. Parkinson, em seguida, descreveu o terceiro item da agenda, escrevendo: "Pode haver membros do comitê que talvez não consigam distinguir entre amianto e ferro galvanizado, mas cada homem lá sabe sobre café – o que é, como deve ser feito, onde deve ser comprado – e se de fato deve ser comprado. Este item da agenda ocupará os membros durante uma hora e um quarto e eles vão acabar pedindo o secretário para obter mais informações, deixando o assunto para ser decidido na próxima reunião."[5]

Princípios e formulações relacionados[editar | editar código-fonte]

Existem vários outros princípios, bem conhecidos em domínios problemáticos específicos, que expressam um sentimento semelhante.

  • No contexto do design de linguagem de programação, encontra-se a "lei de Wadler", nomeada para o cientista da computação Philip Wadler.[6] Este princípio afirma que a maior parte da discussão sobre a linguagem de programação centra-se na sintaxe (que, para fins do argumento, é considerado um problema resolvido), ao contrario da semântica.
  • A lei de Sayre é um princípio mais geral, que sustenta (entre outras formulações) que "Em qualquer disputa, a intensidade do sentimento é inversamente proporcional ao valor das questões em jogo"; Muitas formulações deste princípio focam-se no meio acadêmico.

Uma contramedida é a técnica do pato na programação corporativa: um programador espera que seu escritório corporativo insista em pelo menos uma mudança em cada apresentação para mostrar que eles estão participando, independentemente dos benefícios dessa mudança. Consequentemente, o programador intencionalmente adiciona um elemento que eles esperam que o corporativo irá remover. Citado do blog de Jeff Atwood, Coding Horror:[7]

Isto começou como um pedaço de lore corporativo em Interplay Entertainment. Era bem sabido que os produtores (uma posição na indústria de jogos aproximadamente equivalente ao gerente de projeto) tiveram que fazer uma mudança em tudo o que foi feito. A suposição era que subconscientemente eles sentiram que se não fizessem, não estariam agregando valor.

O artista que trabalha nas animações da rainha para Battle Chess estava ciente desta tendência, e veio com uma solução inovadora. Ele fez as animações para a rainha do jeito que achou seria melhor, com uma adição: ele deu à rainha um pato de estimação. Ele animou este pato através de todas as animações da rainha, tinha-o batendo em torno dos cantos. Ele também tomou grande cuidado para se certificar de que nunca sobrepôs a animação "real".

Eventualmente, chegou o momento para o produtor rever o conjunto de animação para a rainha. O produtor sentou-se e assistiu a todas as animações. Quando terminaram, ele se virou para o artista e disse: "Isso parece ótimo. Só uma coisa: livre-se do pato."


Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Parkinson, C. Northcote (1958). Parkinson's Law, or the Pursuit of Progress. [S.l.]: John Murray 
  2. «Why Should I Care What Color the Bikeshed Is?». bikeshed.com. Consultado em 3 de maio de 2017 
  3. a b «The Bikeshed email — PHKs Bikeshed». phk.freebsd.dk. Consultado em 3 de maio de 2017 
  4. Forsyth, Donelson R. (19 de março de 2009). Group Dynamics (em inglês). [S.l.]: Cengage Learning. p. 317. ISBN 0495599522 
  5. Parkinson, C. Northcote (1957). «Parkinson's Law – and other studies in administration» (PDF). Houghton Mifflin Company Boston: Cyril Northcote Parkinson. p. 29-30 
  6. «Wadler's Law - HaskellWiki». wiki.haskell.org (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2017 
  7. «New Programming Jargon». blog.codinghorror.com. Consultado em 3 de maio de 2017 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Karl Fogel, Producing Open Source Software: How to Run a Successful Free Software Project, O'Reilly, 2005, ISBN 0-596-00759-0, "Bikeshed Effect" pp.135, 261–268 (também online)
  • Grace Budrys, Planning for the nation's health: a study of twentieth-century developments in the United States, Greenwood Press, 1986, ISBN 0-313-25348-X, p.81 (ver extrato em Google Books)
  • Bob Burton et al., Nuclear Power, Pollution and Politics, Routledge, 1990, ISBN 0-415-03065-X, p.9 (ver extrato em Google Books)
  • Darren Chamberlain et al., Perl Template Toolkit, O'Reilly, 2004, ISBN 0-596-00476-1, p.412 (ver extrato em Google Books)
  • Donelson R. Forsyth, Group Dynamics, Brooks/Cole, 1990, ISBN 0-534-08010-3, p.289 (ver extrato em Google Books)
  • Henry Bosch, The Director at Risk: Accountability in the Boardroom, Allen & Unwin, 1995, ISBN 0-7299-0325-7, p.92 (ver extrato em Google Books)
  • Brian Clegg, Crash Course in Personal Development, Kogan Page, 2002, ISBN 0-7494-3832-0, p. 3 (ver extrato em Google Books)
  • Richard M. Hodgetts, Management: Theory, Process, and Practice, Saunders, 1979, ISBN 0-7216-4714-6, p.115 (ver extrato em Google Books)
  • Journal, v. 37–38 1975–1980, Chartered Institute of Transport, p.187 (ver extrato em Google Books)
  • Russell D. Archibald, Managing High-Technology Programs and Projects, John Wiley and Sons, 2003, ISBN 0-471-26557-8, p.37 (ver extrato em Google Books)
  • Kishor Bhagwati, Managing Safety: A Guide for Executives, Wiley-VCH, 2007, ISBN 3-527-60959-8, p.54 (ver extrato em Google Books)
  • Jan Pen, Harmony and Conflict in Modern Society, (Trans. Trevor S. Preston) McGraw–Hill, 1966 p.195 (ver extrato em Google Books)
  • Derek Salman Pugh et al., Great Writers on Organizations, Dartmouth, 1993, ISBN 1-85521-383-4, p.116 (ver extrato em Google Books)
  • The Federal Accountant v. 13 (September 1963–June 1964), Association of Government Accountants, Federal Government Accountants Association, Cornell University Graduate School of Business and Public Administration, p.16 (ver extrato em Google Books)
  • Al Kelly, How to Make Your Life Easier at Work, McGraw–Hill, 1988, ISBN 0-07-034015-3, p.127 (ver extrato em Google Books)
  • Henry Mintzberg, Power in and Around Organizations: Dynamic Techniques of Winning, Prentice–Hall, 1983, ISBN 0-13-686857-6, p.75 (ver extrato em Google Books)
  • The Building Services Engineer v.40 1972–1973, Institution of Heating and Ventilating Engineers (Great Britain), Chartered Institution of Building Services (ver extrato em Google Books)
  • Charles Hampden-Turner, Gentlemen and Tradesmen: The Values of Economic Catastrophe, Routledge, 1983, ISBN 0-7100-9579-1, p.151 (ver extrato em Google Books)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]