Lei de Murphy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

Lei de Murphy é um adágio ou epigrama da cultura ocidental que normalmente é citada como: "Qualquer coisa que possa ocorrer mal, ocorrerá mal, no pior momento possível". Ela é comumente citada (ou abreviada) por:[1]

"Se algo pode dar errado, dará."

História[editar | editar código-fonte]

Relatos sobre a Lei de Murphy existem desde o Século XIX, mas a expressão só ganhou esse nome em 1949 oriunda do resultado de um teste de tolerância à gravidade por seres humanos, feito pelo engenheiro aeroespacial norte-americano Edward A. Murphy[2].

Um dos primeiros - se não o primeiro - relato da Lei de Murphy pode ser observada no suplemento do livro "A Budget of Paradoxes" (O Orçamento dos Paradoxos), de 1866, do matemático Augustus De Morgan, que chegou a formulações bem próximas à lei de Murphy. No livro, ele dizia “Tudo o que pode acontecer irá se fizermos testes o suficiente[2].

11 anos mais tarde (1877), a minuta de uma reunião de engenheiros civis em Londres registrou um pronunciamento de Alfred Holt sobre navios a vapor que é um esboço da lei de Murphy: “Verifica-se que qualquer coisa que pode dar errado no mar, geralmente dá errado, mais cedo ou mais tarde”[2].

Em 1908, o ilusionista inglês Nevile Maskelyne escreve, em uma edição da revista para mágicos "The Magic Circular": “É uma experiência comum a todos os homens descobrir que, em um ocasião especial, tal qual a produção de um efeito mágico pela primeira vez em público, tudo o que pode dar errado dará errado”[2].

Em 1949, finalmente a Lei de Murphy ganhou a alcunha pela qual ficou famosa, oriunda do resultado de um teste de tolerância à gravidade por seres humanos, feito pelo engenheiro aeroespacial norte-americano Edward A. Murphy. Para poder realizar essa aferição, ele construiu um equipamento que registrava os batimentos cardíacos e a respiração dos pilotos. Ele deveria apresentar os resultados do teste; contudo, visto que o técnico responsável instalou o equipamento de forma errada, os sensores que deveriam registrá-lo falharam exatamente na hora. Frustrado, Murphy disse "Se este homem tem algum modo de cometer um erro, ele o fará".[3] Para tirar sarro do colega, seus amigos militares batizaram a assertiva “tudo o que puder dar errado dará” de Lei de Murphy[2].

Somente mais tarde, o teste obteve sucesso.[carece de fontes?]

Durante uma conferência de imprensa, John Stapp,[3] americano nascido no Brasil[4], que havia servido como cobaia para o teste, atribuiu ao fato de que ninguém saiu ferido dos testes por levarem em conta a Lei de Murphy e muito explicou as variáveis que integravam a assertiva, ante ao risco de erro e consequente catástrofe, e enunciou a lei como "Se alguma coisa pode dar errado, ela dará".[3]

Lei de Clark[editar | editar código-fonte]

Outra lei, mas não tão famosa quanto a de Murphy, é um ditado popular da cultura ocidental que afirma que "Murphy era otimista". Lei de cunho mais pessimista e até mais "humorística", ironizando a Lei de Murphy.[carece de fontes?]

Assertivas ligadas à Lei de Murphy[editar | editar código-fonte]

Geralmente o espírito da Lei de Murphy captura a tendência geral de enfatizar as coisas negativas que acontecem na vida. Por conta disso, a Lei de Murphy ficou conhecida como "Lei dos Azarados", e algumas assertivas acabaram sendo ligadas a Lei de Murphy[5].

A explicação disso é que a nossa memória seletiva geralmente lembra apenas dos momentos em que a Lei de Murphy funciona. Quando tudo sai da maneira como deveria ser, nós quase nunca percebemos[5].

O pão cai sempre com a manteiga para baixo[editar | editar código-fonte]

A assertiva "O pão cai sempre com a manteiga para baixo" é associada à Lei de Murphy já que, "se tudo que pode dar errado, dará errado", significa que o lado da manteiga cairá sempre para baixo. A visão tradicional, porém, diz que há uma chance de 50% para cada opção[6].

Com essa premissa em mente, o físico britânico Robert Matthews publicou, em 1995, um tratado sobre o assunto intitulado "A Torrada em Queda - A Lei de Murphy e as Constantes Fundamentais". Amparado por complexos cálculos matemáticos e experimentos científicos, Matthews demonstrou que "sim, a torrada tem de fato uma tendência inerente para cair com a manteiga para baixo". Em seus experimentos, ele verificou que, em 9.821 quedas, 6.101 foram com a manteiga para baixo[7].

Por conta desse estudo, Robert Matthews foi agraciado com um Prêmio IgNobel, que tem como objetivo recompensar as pesquisas que primeiro fazem rir e depois fazem pensar[8].

A fila do lado sempre anda mais rápido[editar | editar código-fonte]

O ser humano sempre tem a impressão de estar que a fila do lado está andando mais rápido, por isso essa assertiva é ligada á Lei de Murhy[9]. A explicação científica para isso é: 1) a fila mais lenta é, em geral, a que tem mais gente e, consequentemente, é a fila em que é mais provável que estejamos[9];
2) se só escolhermos uma fila e há, por exemplo quatro, há 75% de possibilidades de que pelo menos uma das outras filas seja mais rápida que a nossa. Portanto, a maior parte das vezes haverá pelo menos outra fila que seja mais rápida[9].

Outra explicação é por conta do chamado "Principia Marsupia", que diz que passamos mais tempo na pista lenta precisamente porque é a mais lenta e além disso passamos mais tempo sendo ultrapassados que ultrapassando[10].

A informação mais importante de qualquer mapa está na dobra ou na margem[editar | editar código-fonte]

Há uma impressão de que a informação importante de uma rota ou destino se perde em uma dobra ou na margem do mapa, o que obriga a pessoa a ficar virando a página para se orientar. Conforme o exemplo extraído do livro "Why Do Buses Come in Threes", de Rob Eastaway e Jeremy Wyndham, é possível perceber que a margem de um mapa de apenas um centímetro representa 28% da área total do mesmo[8].

Por esse motivo os bons guias rodoviários e mapas de cidades repetem pelo menos 30% da informação de cada página[8].

As meias sempre entram na máquina de lavar de duas em duas, e saem de uma em uma[editar | editar código-fonte]

Outra assertiva liga a Lei de Murphy diz que "as meias sempre entram na máquina de lavar de duas em duas, e saem de uma em uma".

Segundo o estatístico Victor Niederhoffer, se perdermos mais de uma meia de uma vez só, o mais fácil é que sejam de pares diferentes. Segundo ele: “se tiver 20 meias – 10 pares diferentes –, depois de perder a primeira meia, as possibilidades de a segunda meia perdida pertencer a outro par são de 18 em 19, frente a 1 em 19 de que seja uma meia do mesmo par”[11].

A explicação plausível para as perdas das meias foi dada em um artigo científico do cientista PhD biotecnólogo Brian J. Reardon, que afirmou que as meias somem devido à física quântica. Para ele, após a lavagem na máquina, as roupas, que possuem eletricidade estática em suas superfícies, são atraídas umas às outras e podem vir a grudar, já que os materiais mais fáceis de grudar são o poliéster e a lã[12].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BLOCH, Arthur. A completa lei de Murphy. [S.l.]: RECORD. ISBN 9788501041395 
  2. a b c d e super.abril.com.br/ O que é a lei de Murphy?
  3. a b c «NASA Marshall Propulsion Academy». propulsion.msfc.nasa.gov. Consultado em 16 de abril de 2012 
  4. «International Space Hall of Fame». nmspacemuseum.org. Consultado em 29 de dezembro de 2012 
  5. a b canaltech.com.br/ Afinal, o que é a terrível Lei de Murphy? Entenda de onde vem essa expressão
  6. folha.uol.com.br/ Lei de Murphy afeta queda das torradas
  7. gshow.globo.com/ A origem: saiba quem foi Murphy e conheça a história da descoberta da lei
  8. a b c brasil.elpais.com/ Oito leis de Murphy que têm base científica
  9. a b c verne.elpais.com/ Por qué siempre te toca la cola más lenta (em castelhano)
  10. principiamarsupia.com/ Por qué siempre elegimos el carril más lento en un atasco (em castelhano)
  11. dailyspeculations.com/ Socks, Stocks and Bundles of Trouble, by Victor Niederhoffer (em inglês)
  12. almanaquesos.com/ “Para onde vão as meias que somem?” – Finalmente revelaram o mistério!

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.