Leicester City Football Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Leicester City
LeicesterCity logo2014.png
Nome Leicester City Football Club
Alcunhas The Foxes
The Blues
City
Blue Army
Mascote Filbert Fox (Raposa)
Fundação 1884 (134 anos) como Leicester Fosse
Estádio King Power Stadium
Capacidade 32 262 pessoas
Localização Leicester, Inglaterra
Presidente Aiyawatt Srivaddhanaprabha
Treinador Claude Puel
Patrocinador King Power
Material (d)esportivo Adidas
Competição Premier League
Copa da Liga Inglesa
The FA Cup
Website [1]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Leicester City Football Club (AFI: /ˌlɛstər ˈsɪti/) é um clube de futebol inglês da cidade de Leicester, que manda seus jogos no King Power Stadium (cuja capacidade é de 32.262 pessoas).

Atualmente participa da Premier League, tendo sido promovido da Segunda Divisão na Temporada de 2013-14. O Leicester City conquistou o Campeonato Inglês na Temporada de 2015-16 com uma surpreendente campanha de 38 jogos, 23 vitórias, 12 empates e apenas 3 derrotas, após quase ter sido rebaixado na Temporada de 2014-15.

O Leicester City ainda possuí 3 conquistas da Copa da Liga Inglesa e 1 conquista da Supercopa da Inglaterra, considerando os seus títulos mais importantes.

História[editar | editar código-fonte]

O Leicester Fosse de 1892.

Fundado no ano de 1884, com o nome Leicester Fosse (Leicester City somente em 1919) pois jogava em um campo perto de Fosse Road, a equipe seria admitida na Football League apenas dez anos mais tarde, em 1894.[1]

Apesar de centenário, o Leicester City é considerado um time de média expressão na Inglaterra. Sediado na cidade de mesmo nome, o clube é apelidado de "The Foxes" (As Raposas), por conta da caça em larga escala que a região fazia ao animal no Século XIX.[2]

O clube aparece na história do Campeonato Inglês como um clube que viveu na gangorra entre as duas principais divisões. As Raposas são, ao lado do Manchester City, a equipe com mais títulos (7) e mais acessos (11) da Segunda Divisão Inglesa.[3]

Até a Temporada de 2015-16, o clube havia figurado 48 temporadas na elite do Campeonato Inglês. Destas, sem contar a própria Temporada de 2015-16, apenas em 3 oportunidades o clube figurou entre os quatro primeiros da tabela. A primeira na Temporada de 1928-29, quando a equipe terminou em 3° na Football League, cinco pontos atrás do campeão Everton. Na temporada seguinte, veio a melhor campanha de sua história com o vice-campeonato nacional, a um ponto de superar o Sheffield Wednesday (o Leicester City somou 51 pontos em 42 rodadas, sendo 21 vitórias, 9 empates e 12 derrotas). Por fim, a terceira aparição no Top 4 foi alcançada na Temporada de 1962-63, pela equipe que ficou conhecida como "Os Reis do Gelo" (por conta do inverno mais rigoroso do Século XX vivenciado pela Inglaterra).[3]

A década de ouro para o clube foram os anos 1960, com 12 participações consecutivas na elite Inglesa. Além disso, também conquistou o seu primeiro título de expressão, a Copa da Liga Inglesa de 1963-64 (que voltaria a erguer em 1997 e 2000), e chegou a três decisões da Copa da Inglaterra.[3] Grande parte deste sucesso nessa década se deve ao ídolo máximo do clube: o goleiro Gordon Banks.[1]

Desde 1962-63, com "Os Reis do Gelo", o Leicester City chegou a fazer figurações razoáveis no Campeonato Inglês, mas sem passar da sétima posição na tabela final. Só voltaria a ocupar a liderança 37 anos depois, de maneira efêmera, na 8° rodada da Premier League de 2000-01.[3]

Era Vichai Srivaddhanaprabha[editar | editar código-fonte]

Em 2010, o grupo asiático Asian Football Investments que tem como sócia a maior empresa de freeshops do mundo, a King Power, e cujo presidente é Vichai Srivaddhanaprabha, "comprou" o clube. Desde então, o Leicester City trocou de fornecedora de material desportivo, conseguiu vender os naming rights do estádio para a própria King Power e retornou à elite inglesa.[4]

Logo após a conquista da Segunda Divisão Inglesa na Temporada de 2013-14, Vichai anunciou que investiria cerca de 180 milhões de libras no clube para que, em até três anos, os Foxes terminassem entre os cinco primeiros colocados na elite inglesa.[5] Assim, ele gastou 16 milhões de libras para montar a equipe que disputou a elite na Temporada de 2014-15.[6]

Temporada de 2014-15 e a luta contra o rebaixamento[editar | editar código-fonte]

Na Temporada de 2014-15 (a primeira na elite inglesa após 10 anos nas divisões inferiores), o clube foi protagonista de uma das mais memoráveis reações já vistas na história da Premier League. No dia 21 de março de 2015, os Foxes pareciam fadados à queda após a derrota para o Tottenham Hotspur. Aquele resultado manteve a equipe na lanterna do campeonato, sem uma vitória sequer em oito jogos e a sete pontos do primeiro rival fora da zona da rebaixamento. A improvável reviravolta, no entanto, chegaria a tempo para que o clube se mantivesse na elite com uma rodada de antecipação, e isso graças às sete vitórias em seus últimos nove jogos.[7] A equipe terminou a competição na 14° posição, com 38 pontos, a quatro da zona de descida. Esta surpreendente arrancada que culminou com a saída da zona do rebaixamento ficou conhecida na Inglaterra como "The Great Escape".

Um outro destaque desta temporada foi a vitória em casa sobre o Manchester United por 5 a 3. Resultado completamente surpreendente se levarmos em conta que Ander Herrera colocou o United à frente por 3-1 restando apenas 33 minutos de partida. Foi a primeira vez na história da Premier League que o Manchester United perdeu um jogo após liderar por dois gols e evidenciou a personalidade daquele elenco do Leicester City.[7] Após o final da temporada, Esteban Cambiasso foi nomeado o Futebolista do Ano do Leicester City pelos torcedores do clube, superando seus companheiros Kasper Schmeichel e Jamie Vardy.[8]

Segundo levantamento da Delloite, famosa empresa de auditoria fiscal, o Leicester City foi o 12° time que mais faturou na liga inglesa nesta temporada: 104 milhões de libras, mais de 200 milhões a menos que a receita do campeão da lista, o Manchester United.[9]

A surpreendente Temporada de 2015-16 e o título da Premier League[editar | editar código-fonte]

Jamie Vardy foi o artilheiro do Leicester City na Premier League de 2015-16 com 24 gols em 36 jogos. Vardy conquistou o prêmio de Futebolista Inglês do Ano pela FWA e o prêmio de Melhor Jogador do Campeonato Inglês de 2015-16.
Claudio Ranieri conquistou os prêmios de Melhor Treinador do Campeonato Inglês de 2015-16 e Melhor Treinador do Mundo de 2016 pela FIFA.
Jogadores e Comissão Técnica do Leicester City celebrando a conquista da Premier League de 2015-16.

Em 2016, o Campeonato Inglês era o campeonato nacional há mais tempo sem um campeão inédito (38 anos). Na Temporada de 1976-77, o Nottingham Forest havia sido o último campeão inédito na Inglaterra.[10]

Quando começou a Temporada de 2015-16, as chances do Leicester City vencer a Premier League eram avaliadas pelas casas de apostas de Londres em 2500 para 1. Afinal, desde a Temporada de 1994-95 (vencida pelo Blackburn Rovers), nenhuma equipe além de Manchester United, Manchester City, Chelsea e Arsenal havia vencido o torneio.[11] Em todos esses casos, o time campeão havia terminado a temporada anterior no terceiro lugar do campeonato ou acima.[12] Por conta disso que os agentes de apostas britânicos definiam as chances de título do Leicester City de 5 mil para 1. Em comparação, o New York Mets de 1969, time de baseball que ficou conhecido por "Miracle Mets" por conta da histórica conquista da World Series daquele ano, ofereciam retorno de 100 para 1, e o boxeador Buster Douglas era desfavorecido de apenas 42 para 1 antes de chocar o mundo e nocautear Mike Tyson, em 1990.[12]

Para esta temporada, o elenco foi reforçado com as vindas do defensor austríaco Christian Fuchs (Schalke 04), do atacante japonês Shinji Okazaki (Mainz 05), do meio-campista francês N'Golo Kanté (Caen), do defenso franco-tunisiano Yohan Benalouane (Atalanta) e do capitão da Seleção Suíça, Gökhan İnler (Napoli). Em contrapartida, o clube perdeu os seguintes atletas: Nathan Dyer (Swansea City), Nick Powell (Manchester United), e Esteban Cambiasso (Olympiakos). Mais tarde, no mercado de inverno, chegariam ao clube Demarai Gray, (Birmingham City) e Daniel Amartey (Copenhagen).

Comandados pelo italiano Claudio Ranieri e com investimento bem abaixo dos outros times milionários ingleses (de acordo com o levantamento do site Total Sportek, o Leicester City gastou R$ 247 milhões para montar o time).[13] Ou seja, era o quarto mais barato do campeonato, superando apenas os times que vinham da Segunda Divisão.[14] Segundo o site Transfermarkt, o clube tinha o 12º maior valor de mercado da Premier League.[15] Logo na 2° rodada, o clube assumiu a ponta da Premier League.[6] Com um elenco sem estrelas, o Leicester City seguiu firme na ponta da Premier League por várias rodadas, contrariando as expectativas.[16] A essa altura alguns jogadores já começavam a chamar a atenção no campeonato, como Jamie Vardy, por exemplo, que na 14° rodada, após marcar gols em 11 jogos consecutivos, quebrou o antigo recorde de Van Nistelrooy.[17]

A façanha da equipe surpreendeu a muitos, pois a última vez que um clube foi lanterna em um ano e líder no outro aconteceu no Natal de 1988. O Norwich City havia ocupado a lanterna em 1987, um ano antes. Era líder no campeonato mais tarde vencido pelo Arsenal, com o Liverpool, papão da década de 80, segundo colocado.[18]

A histórica campanha surpreendeu até a própria diretoria do clube, que estava mesmo preocupada em não cair. É o que comprovam as premiações acordadas entre diretoria e jogadores: de acordo com o jornal inglês Daily Mail, o bônus por terminar em 12° lugar é o mesmo por ser campeão.[19] Além disso, o próprio técnico admitiu que o planejamento inicial da temporada era evitar o rebaixamento.

Segundo o jornalista Andre Rocha, "Claudio Ranieri armou a equipe com um 4-2-3-1 bem definido, organizado e dinâmico. E utilizou intensidade máxima com os ponteiros Marc Albrighton e Riyad Mahrez usando pés invertidos, cortando para dentro e finalizando. Leonardo Ulloa fazendo uma “sombra" no volante adversário e se juntando a Jamie Vardy na frente. Sem a bola, a execução básica: duas linhas de quatro, porém nem sempre tão compactas".[20] O Blog Painel Tático, do Globoesporte.com vai na mesma linha, afirmando: "O modelo de jogo do Leicester City não tem nada de novo. Claudio Ranieri acumulava trabalhos ruins. Não há uma fórmula ou segredo: apenas o entendimento do que é proposto e uma execução de forma coletiva e intensa. Ranieri propõe um modelo simples, dá a mesma importância a todos e a equipe se doa como pouco se viu antes. Nada revolucionário, muito eficiente."[21] Mauro Cezar Pereira, da ESPN, conclui ao dizer que a equipe "tem pouca posse de bola, explora os lançamentos, as bolas longas, recorre às rebatidas, aos chutões, quando sob pressão, mas apresenta inacreditável precisão".[14]

Alguns dados estatísticos comprovam exatamente isso que eles disseram. Até a 31° rodada do campeonato, o clube liderava a Premier League mesmo tendo o pior aproveitamento em percentual de passes certos, e sendo apenas o 18° em posse de bola. Por outro lado, a equipe compensava em outras estatísticas, tais como: era o primeiro em gols de contra-ataques e pênaltis.[15]

Faltando 6 rodadas para o fim do campeonato, a campanha da equipe era a mais surpreendente entre os quatro principais campeonatos do futebol europeu, já que era a equipe que estava com maior folga na liderança. Aquela altura, o Leicester City liderava o campeonato com 7 pontos de vantagem para o vice-líder Tottenham Hotspur, enquanto no Campeonato Italiano, a Juventus tinha 6 pontos de vantagem, no Campeonato Espanhol, o Barcelona de Luis Enrique também tinha 6 pontos, e no Campeonato Alemão, o Bayern de Munique de Pep Guardiola tinha 5 pontos de vantagem sobre o vice-líder.[22] Com 5 rodadas de antecedência, o Leicester City conquistou pela primeira vez a vaga para disputar a Champions League de 2016-17.[23] Faltando 4 rodadas para o fim do campeonato, a PFA divulgou a escalação dos melhores jogadores da Premier League de 2015-16, contendo 4 jogadores do Leicester City; Riyad Mahrez, Jamie Vardy, N'Golo Kanté e Wes Morgan.[24] Faltando 3 rodadas, o Leicester City venceu o Swansea City por 4-0 com gols de Riyad Mahrez, Leonardo Ulloa e Marc Albrighton.

Mais tarde, Riyad Mahrez conquistou o prêmio de Futebolista Inglês do Ano pela PFA.[25] Restando apenas 2 rodadas para o fim do campeonato, o Leicester City empatou com o Manchester United em 1-1 no Old Trafford, abrindo 8 pontos de vantagem sobre o vice-líder, Tottenham Hotspur, que tinha 1 jogo a menos.[26] Após o final do jogo, os jogadores do Leicester City foram aplaudidos pela torcida do Manchester United.[27] No dia 2 de maio de 2016, Jamie Vardy conquistou o prêmio de Futebolista Inglês do Ano pela FWA.[28] No mesmo dia, o Tottenham Hotspur tropeçou com o Chelsea em 2-2 no Stamford Bridge e o Leicester City sagrou-se Campeão Inglês pela 1° vez em sua história, com 2 rodadas de antecedência.[29] Na penúltima rodada, o Leicester City venceu o Everton por 3-1 com gols de Jamie Vardy (2) e Andy King, chegando a 80 pontos no campeonato. Após o jogo, veio a consagração e a festa; Wes Morgan e Claudio Ranieri levantaram o troféu da Premier League de 2015-16.[30][31][32] No dia 13 de maio de 2016, Jamie Vardy conquistou o prêmio de Melhor Jogador do Campeonato Inglês de 2015-16.[33] Em seu jogo de despedida da Temporada de 2015-16, empatou com o Chelsea em 1-1 no Stamford Bridge, onde foram ovacionados pela torcida adversária.[34] Ao todo, o Leicester City somou 81 pontos em 38 rodadas, sendo 23 vitórias, 12 empates e apenas 3 derrotas.[35] O time titular na conquista foi: Kasper Schmeichel, Danny Simpson, Wes Morgan, Robert Huth, Christian Fuchs, N'Golo Kanté, Daniel Drinkwater, Marc Albrighton, Riyad Mahrez, Shinji Okazaki e Jamie Vardy, comandados por Claudio Ranieri.[36] Segundo levantamento do site Transfermarkt após o título, o valor de mercado do elenco dobrou. Dos 23 atletas, 17 tiveram aumento na avaliação.[37]

Para Gian Oddi, comentarista da ESPN Brasil, esta conquista do Leicester City é "o maior feito da história do futebol mundial."[38] A própria ESPN resume o feito, com as seguintes palavras: "Mais impressionante que a conquista em si, é a forma como o clube conseguiu isso, apesar da diferença abissal para seus maiores rivais. Há seis anos, o Leicester City era rebaixado à Terceira Divisão. Há um ano e 15 dias, estava na lanterna da Premier League."[39]

Temporada de 2016-17[editar | editar código-fonte]

Depois desse grande feito na história do futebol mundial, o time já se prepara para a Temporada de 2016-17 visando fazer um bom Campeonato Inglês, e tentar surpreender o mundo novamente na Champions League. Na atual temporada o Leicester City fez boas contratações, como o atacante Ahmed Musa (CSKA Moscou), o goleiro Ron-Robert Zieler (Hannover), o bom zagueiro Luis Hernández (Sporting Gijón), o meia Nampalys Mendy (Nice) e a jovem promessa Raúl Uche, de apenas 18 anos vindo do Rayo Vallecano da Espanha. No entanto o time perdeu N'Golo Kanté, um de seus principais jogadores que acabou acertando sua transferência para o Chelsea.

Começou a Temporada de 2016-17 de forma irreconhecível ao ano anterior, chegando a ficar na zona de rebaixamento do Campeonato Inglês. Devido ao baixo rendimento na Premier League, Raniere foi demitido logo após jogo valido pela UEFA Champions League, contra o Sevilla, que terminou em derrota do time inglês por 2 a 1.

Em sua primeira participação na Liga dos Campeões da Europa, realiza uma ótima participação, terminando na primeira fase líder em um grupo com Porto, København e Brugge, e eliminando o Sevilla nas oitavas-de-final com derrota de 2 a 1 na ida (onde Ranieri foi demitido) e 2x0 na volta. Com o sorteio do dia 17 de março de 2017 realizado na Suíça, o Leicester enfrentou o Atlético de Madrid pelas quartas de finais.

No jogo de ida no Estádio Vicente Calderón, em pênalti inexistente, a equipe perdeu por 1 a 0. No jogo de volta no King Power Stadium, os Colchoneros conseguiram equilibrar muito bem o jogo no primeiro tempo, etapa no qual abriu o placar. No segundo tempo, os Foxes ditaram o ritmo da partida e aos 15 minutos o artilheiro Jamie Vardy marcou, porém o time inglês não conseguiu aproveitar as outras chances de gol e a partida ficou no 1 a 1. Era o fim da primeira participação do Leicester City na Liga dos Campeões.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

O Leicester City rivaliza principalmente com o Nottingham Forest, tendo como outras rivalidades os seus confrontos contra o Derby County, com quem disputa o Clássico da East Midlands, e contra o Coventry City, com quem disputa o M69 Derby, nome que se dá por conta da rodovia que liga por 24 milhas de distância as duas cidades.[40]

Jogadores notáveis[editar | editar código-fonte]

Jogadores famosos[editar | editar código-fonte]

Gordon Banks atuou em 293 jogos pelo Leicester City entre 1959 a 1967. Banks conquistou a Copa da Liga Inglesa de 1963-64, e foi eleito 2 vezes o Goleiro do Ano pela FIFA em 1966 e 1967, atuando pelo Leicester City.
Gary Lineker marcou 103 gols em 209 jogos pelo Leicester City entre 1978 a 1985. Lineker conquistou a Segunda Divisão Inglesa de 1979-80, e foi o artilheiro do Campeonato Inglês de 1984-85, atuando pelo Leicester City.

Jogadores lendários[editar | editar código-fonte]

  • Foi das divisões de base do clube que Gary Lineker nasceu para o mundo do futebol. Entre 1978 a 1985, ele vestiu a camisa do clube em 209 partidas oficiais, e marcou 103 gols.[1]
  • Arthur Chandler, maior goleador da história do Leicester City, com 259 gols em 393 partidas, entre 1923 a 1935.[41]
  • Graham Cross, jogador com mais presenças em campo pelo Leicester City, com 599 partidas, entre 1960 a 1976.[42][43]
  • Jamie Vardy, jogador que liderou o Leicester City ao seu primeiro título da Premier League, sendo o melhor jogador da incrível campanha da equipe no campeonato.

Football League 100 Legends[editar | editar código-fonte]

Em 1998, para celebrar os 100 anos da Football League, foram escolhidos os 100 melhores jogadores que atuaram no futebol inglês. Entre os que vestiram a camisa do clube estão:

Integrantes no Hall da Fama do Futebol Inglês[editar | editar código-fonte]

Érick Wohen (1994)

Participantes de Copa do Mundo[editar | editar código-fonte]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Nacionais
Competição Títulos
Premier league trophy icon.png Campeonato Inglês 1 2015–16
Carling.png Copa da Liga Inglesa 3 1963–64, 1996–97 e 1999–00
CommunityShield.png Supercopa da Inglaterra 1 1971
Football league championship cup.svg
Campeonato Inglês - 2ª Divisão 7 1924–25, 1936–37, 1953–54, 1956–57, 1970–71, 1979–80 e 2013–14
Flag of England.svg Campeonato Inglês - 3ª Divisão 1 2008–09
LeicesterCity logo2014.png Total (Nacionais) 13

Recordes[editar | editar código-fonte]

Uniformes e cores[editar | editar código-fonte]

Uniformes dos jogadores[editar | editar código-fonte]

  • Primeiro uniforme : Camisa azul, calção e meias azuis;
  • Segundo uniforme : Camisa cinza, calção e meias cinzas;
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Uniformes dos goleiros[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

  • 2017-18
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2016-17
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
  • 2015-16
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 11 de julho de 2017

Goleiros
Jogador
1 Dinamarca Kasper Schmeichel
17 Suíça Eldin Jakupović
12 País de Gales Danny Ward
Defensores
Jogador Pos.
5 Jamaica Wes Morgan Capitão Z
15 Inglaterra Harry Maguire Z
6 Inglaterra Jonny Evans Z
29 Tunísia Yohan Benalouane Z
4 Turquia Çağlar Söyüncü Z
2 Inglaterra Danny Simpson LD
14 Portugal Ricardo Pereira LD
18 Gana Daniel Amartey LD
3 Inglaterra Ben Chilwell LE
28 Áustria Christian Fuchs LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
23 Portugal Adrien Silva V
21 Espanha Vicente Iborra V
25 Nigéria Wilfred Ndidi V
22 Inglaterra Matty James V
24 França Nampalys Mendy V
38 Inglaterra Hamza Choudhury V
7 Inglaterra Demarai Gray M
14 Polónia Bartosz Kapustka M
11 Inglaterra Marc Albrighton M
10 Inglaterra James Maddison M
31 Argélia Rachid Ghezzal M
Atacantes
Jogador
8 Nigéria Kelechi Iheanacho
9 Inglaterra Jamie Vardy
20 Japão Shinji Okazaki
27 Mali Fousseni Diabaté
Comissão técnica
Nome Pos.
França Claude Puel T

Referências

  1. a b c d agenciaesportes.com.br/ Arquivado em 12 de março de 2016, no Wayback Machine. Leixetser City: da terceira divisão à liderança do Campeonato Inglês.
  2. esportes.estadao.com.br/ Leicester City: Clube faz história ao lider a Liga mais concorrida do mundo
  3. a b c d trivela.uol.com.br/ A última vez que o Leicester sonhou com o título inglês: A história dos Reis do Gelo
  4. espn.uol.com.br/ Entenda, pelo dinheiro no cofre, por que Barça massacra na Espanha e Leicester lidera na Inglaterra
  5. arquibancadafc.net/ Arquivado em 12 de março de 2016, no Wayback Machine. Leicester City: a mortal surpresa da Premier League
  6. a b espn.uol.com.br/ Líder do Inglês tem dono bilionário que sonha com clube no top 5 até 2017
  7. a b br.premierleague.com/ Jornalista do Leicester Mercury, Rob Tanner analisa a memorável temporada 2014/15 dos Foxes
  8. «Cambiasso eleito jogador do ano do Leicester City». O Jogo. 19 de maio de 2015. Consultado em 28 de abril de 2016 
  9. veja.abril.com.br/ Leicester City: um pequeno grande time
  10. espn.uol.com.br/ 38 anos! Saiba qual é a liga nacional há mais tempo sem um campeão inédito
  11. blogosfera.uol.com.br/ Leicester City e o caminho do Nirvana
  12. a b folha.uol.com.br/ Leicester se aproxima da temporada mais notável do futebol inglês
  13. sportv.globo.com/ No Brasil, "zebra" Leicester seria o quarto time de maior investimento
  14. a b espn.uol.com.br/ Nem tente explicar o 'roteiro' de filme do Leicester. Ele é magnífico!
  15. a b globoesporte.globo.com/ Pior aproveitamento de passe, 18º em posse... Os números do líder Leicester
  16. radarlitoral.com.br/ As surpresas do futebol
  17. trivela.uol.com.br/ Reveja todos os gols que fizeram Vardy quebrar o recorde de Van Nistelrooy
  18. pvc.blogosfera.uol.com.br/ Leicester não tem comparação com Blackburn e faz campanha inédita
  19. terceirotempo.bol.uol.com.br/ Sem bônus por título, Leicester ganhará o mesmo se for campeão ou 12º
  20. andrerocha.blogosfera.uol.com.br/ O que é que o Leicester City, líder na Inglaterra, tem?
  21. globoesporte.globo.com/ Líder do inglês, Leicester trabalha conceitos modernos com simplicidade e coletividade
  22. espn.uol.com.br/ Nem Bayern, nem Barça: nas quatro grandes ligas, Leicester é o líder com maior folga
  23. globoesporte.globo.com/ Na Champions pela 1ª vez, Leicester supera até vantagens de Barça e Juve
  24. «Leicester e Tottenham têm quatro cada em seleção da Premier League». globoesporte.com. Consultado em 25 de abril de 2016 
  25. «Riyad Mahrez é eleito o melhor da temporada na Premier League». globoesporte.com. Consultado em 25 de abril de 2016 
  26. «Leicester empata com o Manchester United e agora 'seca' Tottenham para ser campeão antecipado». O Globo. Consultado em 3 de maio de 2016 
  27. «Vídeo: Após empate, torcida do United aplaude jogadores do Leicester». Torcedores.com. 1 de maio de 2016. Consultado em 16 de maio de 2016 
  28. «Vardy recebe prêmio da imprensa de melhor da temporada no Inglês». globoesporte.com. Consultado em 3 de maio de 2016 
  29. «Tottenham empata, e Leicester é campeão inglês pela 1ª vez na história - 02/05/2016 - Esporte - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 3 de maio de 2016 
  30. «Campeão Leicester coroa título com vitória, troféu e show de Andrea Bocelli - Futebol - UOL Esporte». UOL Esporte. Consultado em 13 de maio de 2016 
  31. «Leicester carimba faixa de campeão inglês com vitória sobre o Everton | VEJA.com». VEJA.com. Consultado em 13 de maio de 2016 
  32. «Histórico! Leicester ergue taça, faz festa e atropela mais 1». Terra. Consultado em 13 de maio de 2016 
  33. «Título e briga por artilharia; Jamie Vardy é eleito o melhor do Inglês». ESPN. Consultado em 13 de maio de 2016 
  34. «Crônica de Chelsea 1 - 1 Leicester City em 15/05/16 - Barclays Premier League - Goal.com». www.goal.com. Consultado em 16 de maio de 2016 
  35. «Premier League 2015/2016 :: ogol.com.br». www.ogol.com.br. Consultado em 16 de maio de 2016 
  36. «Leicester City - Squad 2015/2016». worldfootball.net (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2016 
  37. foxsports.com.br/ Após título, Leicester dobra valor de mercado do elenco e chega a R$ 511 milhões
  38. espn.uol.com.br/ Por que o título do Leicester é o maior feito da história do futebol mundial
  39. espn.uol.com.br/ Do riso do impossível ao choro do milagre: Leicester consuma conto de fadas e é campeão
  40. MORENO, Ivané - 10 curiosidades de Leicester City, página editada em 30 de dezembro de 2015 e disponível em 7 de maio de 2016, em espanhol
  41. MORENO, Ivané - 10 curiosidades de Leicester City, página editada em 30 de dezembro de 2015 e disponível em 7 de maio de 2016, em espanhol
  42. Dave Smith & Paul Taylor (2010). Of Fossils and Foxes. [S.l.: s.n.] ISBN 1-905411-94-4 
  43. Most Appearances Arquivado em 22 de julho de 2012, no Wayback Machine. LCFC.com. Retrieved 30 March 2011
  44. «Highest Attendances». Leicester City Official. 23 de setembro de 2009. Consultado em 14 de agosto de 2010. Arquivado do original em 1 de abril de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]