Lend-Lease

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Presidente Franklin D. Roosevelt assina o projeto de lei Lend-Lease para dar ajuda à Grã-Bretanha, União Soviética e China (1941)

Lend-Lease (Direito Público 77-11)[1] foi o programa em que o Estados Unidos da América forneceu por emprestimo ao Reino Unido, a União Soviética, China, França Livre, e outras nações aliadas armas e outros suprimentos entre 1941 e 1945.

O programa foi assinado em lei em 11 de março de 1941, um ano e meio após a eclosão da Segunda Guerra Mundial na Europa em setembro de 1939, mas nove meses antes de os EUA entraram na guerra em dezembro de 1941.[2] Formalmente intitulado "Um Ato Para promover ainda mais a Defesa dos Estados Unidos", a lei terminou a "pretensão" de neutralidade dos Estados Unidos.

Um total de $ 50,1 bilhões (equivalente a 647 bilhões de dólares de hoje) no valor de suprimentos foram enviados: 31,4 bilhões dólares à Grã-Bretanha, 11,3 bilhões dólares para a União Soviética,[2] $ 3,2 bilhões para a França, e US $ 1,6 bilhões para a China. Nos termos do acordo, o material podia ser usado sem pagar nada até o momento da sua devolução ou destruição. Após a data de encerramento o material que não tinha sido destruido foi vendido à Grã-Bretanha com desconto como empréstimos de longo prazo dos Estados Unidos.

O Canadá realizou um programa semelhante que enviou US $ 4,7 bilhões em suprimentos para o Reino Unido e para a União Soviética.[3]

Este programa foi um passo decisivo se afastando da política não-intervencionista, que tinha dominado as relações externas dos Estados Unidos desde o fim da Primeira Guerra Mundial, para uma participação internacional.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Após a queda da França, a Grã-Bretanha tornou-se o único país europeu ativamente engajados na guerra contra a Alemanha nazista. Grã-Bretanha estava pagando por seu material com ouro, como exigido pelos norte-americanos no "Atos Neutralidade" assinado na década de 1930, mas em 1941 Grã-Bretanha estava com falta de dinheiro.[4]

Durante este mesmo período, o governo dos EUA começou a mobilização para uma possível guerra, instituindo pela primeira vez durante um periodo de paz o serviço militar obrigatório[5] e aumentando em cinco vezes o orçamento de defesa (de US $ 2 bilhões a US $ 10 bilhões).[6] Entretanto, como os britânicos começaram a ter falta de dinheiro, armas e outros suprimentos, o primeiro-ministro Winston Churchill pressionou o presidente Franklin D. Roosevelt para a ajuda americana. Simpático para a situação britânica, mas dificultado pelos Atos Neutralidade, que proibia a venda de armas a crédito ou o empréstimo de dinheiro para as nações beligerantes, Roosevelt finalmente teve a idéia de "Lend-Lease".

Em dezembro de 1940 o presidente Roosevelt proclamou os EUA seria o "Arsenal da Democracia" e propôs a venda de munições para a Grã-Bretanha e Canadá.[7] Isolacionistas do Partido Republicano colocaram uma forte oposição,[2] advertindo que isto causaria a participação americana na guerra, no que era visto pela maioria dos americanos como essencialmente um conflito europeu. Com o tempo, no entanto, a opinião mudou com um número crescente de americanos começando a ver a vantagem de financiar a guerra dos britânicos contra a Alemanha, enquanto permanecesse fora das hostilidades.[8]

A posição americana era ajudar os britânicos, mas não entrar na guerra. No início de fevereiro de 1941, uma pesquisa Gallup revelou que 54 por cento dos americanos eram irrestritamente a favor do Lend Lease, e apenas 22 por cento eram irrestritamente contra a proposta do Presidente. Uma pesquisa revelou uma divisão nítida política: 69 por cento dos democratas eram totalmente a favor de Lend-Lease, enquanto que apenas 38 por cento dos republicanos favorecia o projeto de lei.

Quando a Câmara dos Deputados finalmente votou em 9 de fevereiro de 1941, o voto 260-165 caiu em grande parte ao longo das linhas do partido. Os Democratas votaram 238-25 a favor e os Republicanos 24 a favor e 135 contra.[9]

A votação no Senado, que teve lugar um mês depois, e revelou uma divisão partidária semelhante, 49 democratas (79 por cento) votaram "sim", com apenas 13 democratas (21 por cento) votaram "não". Em contraste, 17 republicanos (63 por cento) votaram "não", enquanto 10 republicanos do Senado (37 por cento) ficou ao lado dos democratas para aprovar o projeto.[10]

Presidente Roosevelt assinou a lei Lend-Lease em lei em 11 de março de 1941, que permitiu-lhe "vender, transferir, trocar, alugar, emprestar ou alienar, a qualquer governo [cuja defesa o presidente considerar essencial para a defesa dos Estados Unidos] qualquer artigo de defesa". Em abril 1942, essa política foi estendida para a China e em outubro para a União Soviética.[11]

Importância[editar | editar código-fonte]

Varsóvia 1945: Jeep Willys usado por Primeiro Exército Polonês como parte do programa americano Lend-Lease.
O Memorial Lend-Lease em Fairbanks, Alaska comemora o envio de aviões dos EUA para a União Soviética ao longo da Rota Noroeste Staging

O programa Lend-Lease foi um fator crítico para o sucesso dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. [ N 1 ] Em 1943-1944, cerca de um quarto de todas as munições britânicas veio através de Lend-Lease, aeronaves constituíram cerca de um quarto dos embarques para a Grã-Bretanha, seguido por veículos, alimentos, e navios.

A URSS era altamente dependente do transporte ferroviário, mas a guerra praticamente encerrou a sua produção de equipamento ferroviário: apenas cerca de 92 locomotivas foram produzidas por eles. Duas mil locomotivas e 11 000 vagões foram fornecidos pelo programa Lend-Lease. Da mesma forma, a força aérea soviética recebeu 18.700 aeronaves, o que correspondeu a cerca de 14% da produção de aviões soviéticos (19% das aeronaves militares).[12]

Embora a maioria das unidades de tanques do Exército Vermelho foram equipados com carros de combate construídos na União Soviética, seu apoio logístico foi fornecido por centenas de milhares de caminhões fabricados nos Estados Unidos. De fato, em 1945, cerca de dois terços dos caminhões do Exército Vermelho fora construída nos EUA. Embarques americanos de cabo de telefone, alumínio e rações enlatadas também foram enormes.[13]

Citações[editar | editar código-fonte]

Joseph Stalin, durante a Conferência de Teerã, em 1943, reconheceu publicamente a importância dos esforços americanos durante um jantar na conferência:

"Sem a produção americana as Nações Unidas nunca poderiam ter vencido a guerra." [14]

Entregas dos EUA para a URSS[editar | editar código-fonte]

As entregas americanas para a União Soviética foram através dos Comboios do Ártico, o Corredor Persa, e a Rota do Pacífico.

  • A rota ártica era a rota mais curta e mais direta para a ajuda a URSS, embora fosse também a mais perigosa. Aproximadamente 3.964.000 toneladas de mercadorias foram transportadas por via dos Comboios do Ártico, sendo 7% perdida, enquanto 93% chegou em segurança.[15] Isto constituiu cerca de 23% do total da ajuda para a URSS durante a guerra.
  • O Corredor Persa era o caminho mais longo, e não foi totalmente operacional até meados de 1942. Posteriormente, viu a passagem de 4.160.000 de toneladas de mercadorias, 27% do total.[15]
  • A Rota do Pacífico inaugurado em Agosto de 1941, mas foi afetada pelo início das hostilidades entre o Japão e os EUA, depois de dezembro de 1941, e apenas os navios soviéticos poderiam ser utilizados, e, como o Japão e a URSS observaram uma estrita neutralidade para com o outro, apenas bens não militares podiam ser transportados.[16] No entanto, cerca de 8.244.000 toneladas de mercadorias passou por esta via, 50% do total.[15]

Reembolso[editar | editar código-fonte]

Os americanos esperavam o retorno de alguns bens duráveis, como navios. Após a guerra, Grã-Bretanha, quis manter alguns destes equipamentos. Em 1946, os itens foram vendidos à Grã-Bretanha em 10% do valor nominal. O pagamento deveria ser estendido por anuais, a partir de 1951, a juros de 2%.[17] O pagamento final de 83,3 milhões dólares (£ 42.500.000), com vencimento em 31 de dezembro de 2006, foi feito em 29 de dezembro de 2006 (último dia útil do ano). Após este pagamento final da Grã-Bretanha o Secretário do Tesouro, Ed Balls, formalmente agradeceu os EUA por seu apoio durante a guerra.

A Russia também preferiu manter os bens duráveis emprestados não devolvendo eles, em 18 de agosto de 1972 um tratado foi assinado com o pagamento parcial do valor.[2]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ebbert, Jean, Marie-Beth Hall and Edward Latimer Beach. "Crossed Currents." p. 28
  2. a b c d McCauley, Martin. "The Longman Companion to Russia since 1914" (em inglês). Reino Unido: Longman, 1998. p. 244. ISBN 0-582-27639-X
  3. Crowley, Leo T. "Lend-Lease" in Yust, Walter, ed. 10 Eventful Years. Chicago: E.B. Inc, 1947, 1:520, 2, pp. 858–860.
  4. Allen 1955, pp. 807–912.
  5. ”Roosevelt Signs Draft Law.” The New York Times, 17 September 1940.
  6. ”17 Billion Budget Drafted; Defense Takes 10 Billions.” The New York Times, 28 December 1940.
  7. ”Address Is Spur To British Hopes; Confirmation of American Aid in Conflict is Viewed as Heartening, A joining of interests, Discarding of Peace Talks is Regarded as a Major Point in the Speech.” The New York Times, 30 de dezembro de 1940.
  8. Kimball 1969
  9. Dorris, Henry. "No Vital Changes." The New York Times, 9 February 1941.
  10. Hinton, Harold B. "All Curbs Downed." The New York Times, 9 March 1941.
  11. Weeks 2004, p. 24.
  12. Kotelnokov B.P. "Using Anglo-American Aviation Equipment in USSR during WWII and its impact on Soviet Aviation Development." aviation.ru, 30 July 1993 report, reprinted in Iz Istorii Aviatsii i Kosmonavtiki, IIET RAN, Moscow, 1994, Issue 65, p. 58.
  13. Weeks 2004, p. 107.
  14. "One War Won." Time Magazine, 13 December 1943.
  15. a b c Kemp p235
  16. Sea routes of Soviet Lend-Lease:Voice of Russia Ruvr.ru. Retrieved: 16 December 2011
  17. Kindleberger 1984, p. 415.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Lend-Lease
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lend-Lease