Leonid Andreiev

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leonid Andreiev
em russo: Леонид Андреев
Nome completo Leonid Nicolaevitch Andreiev
Nascimento 9 de agosto de 1871
Orel, Rússia
Morte 12 de setembro de 1919 (48 anos)
Kaokkala, Finlândia
Nacionalidade Rússia Russo
Cônjuge Anna
Filho(s) Daniil Andreyev
Ocupação Romancista, contista
Movimento literário Expressionismo

Leonid Nicolaevitch Andreiev (em russo: Леонид Николаевич Андреев), nascido em 9 de agosto de 1871 na cidade de Orel, Rússia, foi um escritor do início do Século XX de origem muito humilde.

Até os 30 anos de idade, Andreiev teve uma vida muito pobre, passando dias e dias sem ter o que comer, chegando a tentar o suicídio, que não se consumou porque ele foi socorrido a tempo. Ainda no hospital, Andreiev se arrependeu do ato e começou a refletir sobre a incapacidade do homem de se sobrepor ao destino.

Apesar dos reveses, prosseguiu nos estudos e formou-se em Direito mas, não possuindo vocação para a carreira, dedicou-se inteiramente à literatura e ao jornalismo. Suas primeiras novelas alcançam relativo sucesso. Tolstoi, em plena glória, o saudou com entusiasmo. Os editores mostram-se sempre interessados em seu livros, que ele publicou continuamente até morrer em condições misteriosas em 1919 na cidade de Kaokkala, Finlândia, onde se exilara 5 anos antes.

Obra[editar | editar código-fonte]

Sua obra literária é povoada de infelizes personagens que inspiram compaixão. Andreiev nunca conseguiu se livrar das traumatizantes experiências de seu passado, e transmitia em seus textos imagens de tragédia e amargura através de seus vencidos personagens, com um estilo revoltado, impetuoso e torturantemente pessoal.

Em geral, os trabalhos de Andreiev refletem a vida sombria e atormendada dos que já perderam todas as esperanças e ilusões. Até mesmo o humor com o qual tenta impregnar alguns textos tende a soar irônico e sombrio. Andreiev sempre tenta chamar a atenção do leitor para o lado mais trágico e cruel da vida, fustigando o egoísmo, a impiedade, a covardia e a brutalidade humanas.

Colocado entre os grandes escritores pessimistas, Andreiev desce ao âmago das misérias que o rodeiam, não hesitando nem mesmo diante do mórbido, e expondo tudo com uma crueza quase selvagem.

A dúvida sempre o atormenta e, por isso mesmo, da sua numerosa bagagem literária (contos, novelas, romances, dramas e comédias), poucos trabalhos refletem tão nitidamente a sua personalidade quanto A Conversão do Diabo, uma das obras primas do conto universal, que trata com graça, sensibilidade e um amargo e irônico humor o completo fracasso das pretensões diante das contingências da vida.

Em Português[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]