Leonor Xavier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Leonor Xavier
Nascimento 1943 (76 anos)
Residência Lisboa
Nacionalidade PortugalBrasil Luso-brasileira
Cônjuge Alberto Xavier (3 filhos)
Prémios Prémio Máxima de Literatura (2010)
Género literário Biografias, romances, crónicas, ensaios
Magnum opus Portugal, tempo de paixão

Leonor Xavier (1943) é uma jornalista e escritora portuguesa e brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de um médico, foi a única rapariga na família. Frequentou um colégio interno.

Licenciada em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. No 25 de Abril de 1974 tinha 3 filhos (com 3, 5 e 8 anos) e vivia na Rua dos Remédios à Lapa casada com Alberto Xavier, um professor assistente da Faculdade de Direito especialista em Direito Fiscal, que durante os últimos 40 dias do governo de Marcello Caetano foi secretário de Estado do Planeamento[1].

Após um convite para o marido ser professor na Pontífica Universidade Católica do Rio de Janeiro, mudou-se e aí viveu no Brasil entre 1975 e 1987. Foi correspondente do Diário de Notícias no Rio de Janeiro e redactora da revista Máxima.[2]

Foi casada 19 anos com Alberto Xavier. Em Março de 1987 conheceu Raul Solnado, começando posteriormente uma relação com ele[3].

Em 2014 descobriu que sofria de um cancro no colón, a mesma doença que vitimou o seu pai.

Obras[editar | editar código-fonte]

Biografias[editar | editar código-fonte]

  • Maria Barroso, Um Olhar sobre a Vida (1995);
  • Raul Solnado, A Vida Não Se Perdeu (Oficina do Livro, 2003)

Romances[editar | editar código-fonte]

  • Ponte-Aérea (1983);
  • O Ano da Travessia (1994);
  • Botafogo (2010) - Publicado no Brasil com grande sucesso da crítica sob o título E Só Eram Verdade Os que Partiram

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • Contributo para a história dos portugueses no Brasil (1985)
  • Portugal, Tempo de Paixão (2000), sobre o processo revolucionário de 1975
  • Portugueses do Brasil e brasileiros de Portugal (2016).

Crónicas[editar | editar código-fonte]

  • Colorido a Preto e Branco (2001).

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Passageiro clandestino (2014), sobre o cancro que sofreu;
  • Há Laranjeiras em Atenas (2019).

Referências

  1. Jornal Expresso (12 de Abril de 2014). Foram e Voltaram, pág. 38.
  2. Autores e Realizadores
  3. Revista do Expresso n.º 2177 (19 de Julho de 2014). Entrevista, pág. 50

Ligações externas[editar | editar código-fonte]