Lepo Sumera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lepo Sumera (Tallinn, 8 de maio de 1950 - Tallinn, 2 de Junho de 2000) foi um compositor estoniano e soviético.

Filho de Ando, engenheiro, e Mary Sumera, designer têxtil, estudou acordeom entre os 7 e os 14 anos. Entre 1964 e 1968 estudou regência coral e composição com Veljo Tormis e, de 1968 a 1970, com o prestigiado professor Heino Eller, na Academia de Música Estoniana (então Conservatório de Tallinn). Depois da morte de Eller (1970) passou a estudar com Heino Jürisalu, graduando-se em 1973.

Em 1972, casou-se com a pianista Kersti Einasto. O casal teve duas filhas (nascidas em 1977 e 1987) e um filho (nascido em 1984).[1]

Entre 1978 e 2000 ensinou composição e orquestração na Academia de Música Estoniana. Fez pós-graduação no Conservatório de Moscou (1979-1982) com o professor Roman Ledenev.

De 1988 a 1992 foi Ministro da Cultura da Estônia, sendo que a independência da Estônia foi restaurada em 1991. A censura foi abolida. Aumentou a cooperação cultural com outros países, e a Estônia tornou-se membro de pleno da UNESCO. Apesar das dificuldades financeiras do país, durante o período em que exerceu o ministério, as instituições culturais estonianas foram totalmente reorganizadas. Sumera também foi fundamental para a organização das Jornadas Europeias Culturais em Karlsruhe, na Alemanha, de 4 abril a 31 maio de 1992, dedicadas à cultura estoniana. [2]

Sumera foi um admirado sinfonista e um pioneiro na música eletroacústica e computadorizada. Escreveu seis sinfonias, numerosos trabalhos para teatro e cinema e uma grande variedade de peças de câmara. A música de Lepo Sumera foi executada na maioria dos países europeus, assim como nos EUA, Canadá, Japão e Austrália.

O compositor morreu pouco depois de completar 50 anos,[3] em consequência de um ataque cardíaco.[4]

Discografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • Symphonies no 1, 2 & 3, Paavo Järvi (BIS)
  • Symphonie no 4, Musica Tenera, Concerto para piano, Paavo Järvi (BIS)
  • Symphonie no 5, música para orquestra de câmara, In memoriam, Paavo Järvi (BIS)
  • Symphonie no 6, Concerto para violoncelo, música profana, Paavo Järvi (BIS)
  • To Reach Yesterday, Reval Ensemble & Pille Lill, Marje Lohuaru (Megadisc Classics)
  • Mushroom Cantata e outras obras corais, Tõnu Kaljuste (BIS)
  • The piece from the year 1981[5]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]