Let There Be Rock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2017). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo(a) álbum ao vivo de 1997, veja Let There Be Rock: The Movie.
Let There Be Rock
Álbum de estúdio de AC/DC
Lançamento 21 de Março de 1977
Gravação Janeiro-Fevereiro 1977
Gênero(s) Hard rock, blues rock
Duração 40:19 (Australiana)
41:01 (Internacional)
Gravadora(s) Albert Productions
Produção Harry Vanda, George Young
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de AC/DC
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
(1976)
Powerage
(1978)
Singles de AC/DC
  1. "Dog Eat Dog"
    Lançamento: 21 de Março de 1977
  2. "Let There Be Rock"
    Lançamento: 30 de Setembro de 1977 (UK)
  3. "Whole Lotta Rosie"
    Lançamento: Junho de 1978

Let There Be Rock é o quarto álbum de estúdio da banda de rock australiana, AC/DC. Foi lançado na Austrália em Março de 1977, e relançado de forma internacional em Julho de 1977.

Foi marcado não apenas pela sua qualidade, mas também por ser a última aparição de Mark Evans no baixo.

O álbum foi lançado em DVD em 1997 com o nome de Let There Be Rock: The Movie. Antes, em julho de 1977, foi lançada a versão internacional do álbum, diferindo da original devido à retirada da música "Crabsody In Blue", sendo substituída por uma re-edição de "Problem Child", do álbum Dirty Deeds Done Dirt Cheap.

Gravação[editar | editar código-fonte]

Em 1977, a banda havia se tornado extremamente bem-sucedida na Austrália (país de origem) e também alcançaram um grau de popularidade bom no Reino Unido e na Europa, em grande parte pela força de seu show ao vivo. No entanto, a Atlantic Records nos Estados Unidos rejeitou o terceiro álbum da banda, Dirty Deeds Done Dirt Cheap, sentindo que a produção não estava à altura, e a banda, que ainda não havia feito uma turnê americana, retornou ao Albert Studios em Sydney para gravar outro álbum. Desde o início, parece que eles pretendiam fazer uma declaração, com o guitarrista Angus Young contando em Behind the Music, do VH1, em 2000, "Eu e Malcolm dissemos: 'Bem, nós realmente queremos muitas guitarras', sabe? Grandes guitarras." O primeiro álbum da banda lançado na Austrália, High Voltage, continha elementos de glam rock, enquanto os sucessivos lançamentos foram gravados aos poucos enquanto o grupo viajava incessantemente e também foram alterados para lançamento internacional. Let There Be Rock, por outro lado, foi gravado de uma só vez e representou uma grande evolução no som da banda, com muitos críticos e fãs citando-o como o primeiro álbum verdadeiro do AC/DC. Em seu livro Highway to Hell: A Vida e Tempos da Lenda do AC/DC, Bon Scott, o autor Clinton Walker observa: "Let There Be Rock foi o primeiro álbum totalmente "arredondado" do AC/DC. A banda finalmente se encontrou."

Let There Be Rock foi produzido pela equipe de produção de George Young e Harry Vanda, que estavam no comando dos álbuns anteriores da banda (George era o irmão mais velho de Angus e Malcolm). De acordo com o livro de memórias de Murray Engelheart, AC/DC: Maximum Rock & Roll, o álbum foi completado em um período de tempo de duas semanas e contou com uma nova abordagem para gravação:

Malcolm tinha notado que alguns artistas de rock, particularmente aqueles no circuito do estádio americano, tinham percebido o poder que tinham em músicas um pouco mais longas e tocando em solos prolongados e hijinks de guitarra em geral ... a tentação de mostrar a competição - os punks emergentes em primeira mão e o soft rock americano na outra - como o rock and roll foi realmente feito foi demais ... O set-up do estúdio no Albert's foi perfeito para o que foi planejado. Todos os amplificadores estavam na mesma sala que os tambores, que estavam posicionados no canto. O som da guitarra se espalhou nos microfones vocais e de bateria, então uma gravação de precisão perfeita foi difícil, mas isso fazia parte do charme.

O resultado foi muito além de qualquer coisa que a banda havia produzido antes no estúdio. A banda reproduz seu som ao vivo, com resultados literalmente explosivos; como relatado em Clifton Walker's Highway to Hell, uma das histórias mais repetidas sobre os métodos de estúdio do AC/DC emana dessas sessões: o amplificador de fumo de Angus durante a gravação da faixa final do álbum, Whole Lotta Rosie. Enquanto ele estava fazendo overdub no solo de guitarra, seu amplificador começou a se fundir e a fumaça começou a encher o estúdio. George Young gesticulou descontroladamente por trás da mesa para continuar. "Não havia jeito", Walker cita o produtor, "nós iríamos parar uma performance de merda por uma razão técnica, como amplificadores explodindo!" Em uma entrevista de 1991 com a Guitar World, Angus lembrou: "O álbum em que mais tocamos foi provavelmente Let There Be Rock. Ao longo desse álbum, há muitos solos de guitarra e muitos intervalos. Eu realmente gosto de alguns deles. A música "Let There Be Rock" era incomum para mim. Eu lembro do meu irmão, George, dizendo no estúdio: "Vamos lá Ang, vamos pegar algo diferente aqui" ... Eu me diverti muito em esse álbum inteiro. Na última faixa, eu me lembro do amplificador explodindo no final. Eu disse: 'Ei, os alto-falantes estão indo!' Você podia ver no estúdio, havia toda essa fumaça e faíscas, e as válvulas estavam brilhando. Ele continuou gritando para mim: "Continue tocando, continue tocando!"

Faixas[editar | editar código-fonte]

Composições creditadas a Angus Young, Malcolm Young e Bon Scott.

Austrália (e vinil original internacional)[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Go Down" (5:20 para vinil) 5:33
2. "Dog Eat Dog"   3:35
3. "Let There Be Rock"   6:07
4. "Bad Boy Boogie"   4:28
5. "Overdose"   6:09
6. "Crabsody in Blue"   4:45
7. "Hell Ain't a Bad Place to Be"   4:15
8. "Whole Lotta Rosie"   5:22

Internacional[editar | editar código-fonte]

Lado um
N.º Título Duração
1. "Go Down" (Dura 5:18 na versão em vinil) 5:31
2. "Dog Eat Dog"   3:34
3. "Let There Be Rock"   6:06
4. "Bad Boy Boogie"   4:27
Lado dois
N.º Título Duração
1. "Problem Child"   5:24
2. "Overdose"   6:09
3. "Hell Ain't a Bad Place to Be" (Dura 4:21 na versão em vinil) 4:14
4. "Whole Lotta Rosie"   5:24


Notas[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de AC/DC é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.