Leveraged buyout

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um leveraged buyout (LBO), também conhecido como highly-leveraged transaction, refere-se a uma transação onde um se adquire o controle acionário de empresa e uma parcela signifcativa do pagamento é financiado através de dívida.

Esta estratégia normalmente passa por criar um veículo (empresa) com relativamente pouco capital que procede à compra da empresa alvo endividando-se pelo montante da compra. De seguida, após a aquisição, o veículo e a empresa alvo são fundidos numa só empresa, pelo que na prática a empresa adquirida acaba por assumir a dívida usada para a comprar, e o investimento total dos compradores, muitas vezes firmas de Private Equity, se resume ao capital do veículo, um montante muito inferior ao custo da compra da empresa alvo; são usuais rácios de 30% equity/70% dívida, mas na prática esta distribuição pode chegar até próxima de 0% equity/100% dívida.

Leveraged buyout (ou LBO, ou highly-leveraged transaction (HLT), ou "bootstrap" transaction) ocorre quando um patrocinador financeiro adquire o controle acionário de uma empresa e onde uma significante porcentagem do preço de compra é financiado através de alavancagem (empréstimo). Os ativos da empresa adquirida são usados como colateral para garantir o pagamento do capital emprestado. Os bônus ou outros papéis emitidos para as Leveraged BuyOuts são comumente considerados como papéis Não-Graduados de investimento, por causa dos riscos significantes envolvidos.

Empresas de todos os tamanhos e indústrias têm sido alvo de transações de Leveraged BuyOut. Entretanto, por causa da importância da dívida e da capacidade da firma adquirida para fazer os pagamentos do empréstimo regularmente, até o término da operação de Leveraged BuyOut, algumas características da firma-alvo potencial buscam cadidatas a Leverage BuyOut mais atrativas, incluindo:

  • Existência de baixo carregamento de débito;
  • Um histórico multi-anual de fluxos de caixas estáveis e recorrentes;
  • Ativos tangíveis (propriedades, plantas e equipamentos, estoques, recebíveis, etc.) que sejam usados como colateral por baixo custo, assegurando assim o débito;
  • Um potencial para um novo gerenciamento operacional ou outros improvisos, para a firma impulsionar o fluxo de caixa;
  • Condições de mercado e percepções que abatam a valoração ou preço das ações...

Algumas firmas famosas neste campo[editar | editar código-fonte]

Exemplos de firmas europeias[editar | editar código-fonte]

  • 3i
  • Apax Partners
  • AXA Private Equity
  • Barclays Private Equity
  • BC Partners
  • Candover
  • Cinven
  • CVC Capital Partners
  • PAI Partners
  • Permira
  • Terra Firma Capital Partners