Liberation (álbum de Christina Aguilera)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Liberation
Álbum de estúdio de Christina Aguilera
Lançamento 15 de junho de 2018 (2018-06-15)
Gravação 2014–2017
Gênero(s)
Duração 49:19
Idioma(s) Inglês
Formato(s)
Editora(s) RCA
Produção
Cronologia de Christina Aguilera
Lotus
(2012)
Singles de Liberation
  1. "Accelerate"
    Lançamento: 3 de maio de 2018 (2018-05-03)
  2. "Fall in Line"
    Lançamento: 16 de maio de 2018 (2018-05-16)

Liberation é o oitavo álbum de estúdio da artista musical norte-americana Christina Aguilera. Lançado através da RCA Records, a sua divulgação ocorreu em 15 de junho de 2018, tornando-se o primeiro material de inéditas da cantora desde Lotus (2012). Atuando como produtora executiva, Aguilera passou quatro anos desenvolvendo o projeto, contando com a participação de uma série de produtores musicais durante esse tempo, incluindo Kanye West e Anderson Paak. O título do disco foi nomeado para se referir ao desejo da artista em se "libertar de qualquer coisa que não fosse sua verdade ou de algum lugar em que se sente sufocada", enquanto sua sonoridade é composta por faixas majoritariamente influenciadas pelo R&B e hip-hop.

O projeto marca o distanciamento da artista da música pop — presente em seus trabalhos anteriores — e após o seu lançamento, foi recebido com opiniões positivas da crítica especializada. Com a maioria dos elogios direcionados aos vocais da artista e a emoção de suas interpretações, também foi considerado como um dos projetos mais independentes de sua carreira. Além disso, foi nomeado como um dos melhores lançamentos do ano por diversas publicações, incluindo Rolling Stone e Cosmopolitan. Comercialmente, o disco chegou à sexta colocação da Billboard 200, com mais de 68 mil unidades distribuídas em sua primeira semana de vendas nos Estados Unidos, além de se posicionar entre os três mais comercializados na Espanha, Suíça e Taiwan.

"Accelerate" e "Fall in Line" foram escolhidas como as faixas para auxiliar na divulgação do projeto internacionalmente, mas ambas foram recebidas com um mínimo desempenho comercial nas tabelas musicais em todo o mundo. Além disso, Aguilera se apresentou ao vivo em diversas cerimônias, incluindo na edição anual do Billboard Music Awards, no The Today Show e embarcando em seu primeiro concerto após mais de uma década longe dos palcos, nomeada como The Liberation Tour (2018). No ano seguinte, para a 61.ª cerimônia do Grammy Awards, os temas "Fall in Line" e "Like I Do" foram honrados com indicações nas categorias de Melhor Performance em Dueto ou Grupo e Melhor Performance de Rap Cantado, respectivamente.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Com a dupla A Great Big World, Aguilera voltou ao topo das tabelas musicais, em 2013.

Em novembro de 2012, Aguilera lançou seu sétimo disco, Lotus, cujo projeto comercializou cerca de 500 mil unidades em território norte-americano e foi certificado como disco de ouro através da Recording Industry Association of America (RIAA).[1] "Your Body" e "Just a Fool" foram escolhidas como as faixas para a divulgação do álbum; ambas foram recebidas com desempenho moderado nas tabelas musicais.[2] Durante o ano de 2013, a artista participou de dois duetos que lhe renderam lugar entre as faixas mais comercializadas da Billboard Hot 100. "Feel This Moment" com o rapper Pitbull foi a primeira delas, alcançando a oitava colocação na parada; "Say Something" com a dupla A Great Big World foi lançada no final do ano, ocupando a quarta colocação e distribuindo cerca de 6 milhões de cópias nos Estados Unidos.[3][1] Com esta última, Aguilera foi honrada com o Grammy Award de Melhor Performance em Dueto ou Grupo.[4] Em 2014, a cantora se afastou do quadro de jurados do reality-show The Voice para se concentrar na música e em sua família.[5] No ano seguinte, durante uma entrevista para o programa Today, Aguilera afirmou que estava trabalhando em dois discos — um deles em espanhol, marcando como o seu primeiro projeto no idioma desde Mi Reflejo (2000).[6] No mesmo ano, para o programa Extra, ela afirmou sobre um disco específico:

No início de 2016, Aguilera retornou ao quadro de jurados da décima temporada de The Voice, onde uma de suas participantes, Alisan Porter, saiu vencedora.[8] Em 16 de junho, a cantora lançou a canção "Change" para arrecadar fundos em benefício das famílias dos assassinados no Massacre de Orlando.[9] Para compor a trilha sonora da série original da Netflix, The Get Down, a artista gravou a faixa "Telepathy", uma parceria com Nile Rodgers.[10] O tema alcançou a primeira colocação na Hot Dance Club Songs, tabela musical feita através da Billboard.[11] No final de 2017, foi reportado pela mídia que, para compor seu então próximo disco, Aguilera havia gravado secretamente um dueto com Pink – com esta confirmando a colaboração.[12] Em fevereiro de 2018, Demi Lovato confirmou os rumores de que havia gravado um dueto com a cantora.[13] Em março do mesmo ano, chegou à internet uma versão demo de faixas chamadas "Masochist" e "Fall In Line", com estas sendo associadas à Aguilera.[14]

Gravação e produção[editar | editar código-fonte]

Anderson Paak (esquerda) e Kanye West (direita) foram alguns colaboradores de Aguilera durante a produção do projeto.

O processo de gravação do disco foi iniciado no começo de 2014.[15] Nos primeiros estágios, o primeiro produtor confirmado no projeto Pharrell Williams — com a cantora afirmando que ambos haviam trabalhado em uma canção em especial que ela se apaixonou.[16] No início de 2015, Aguilera confirmou que ainda estava em processo de composição, além de reunir músicas que seriam eventualmente gravadas.[16] Além disso, confirmou que estava trabalhando com Linda Perry, sua colaboradora de longa data.[17] Em novembro de 2017, a cantora afirmou que já estava "adicionando os toques finais" do disco; no entanto, no mesmo mês, Tayla Parx confirmou que havia entrado em estúdio com a artista, Da Internz, Kanye West e PartyNextDoor.[18][19] Mais tarde, Aguilera relatou que havia conhecido West no estúdio Shangri La, propriedade de Rick Rubin, quando o mesmo estava encerrando seu disco, The Life of Pablo (2016).[20] Sobre West, ela comentou: "Eu sempre fui uma grande fã de Kanye. Fora desses, você sabe, seus aspectos controversos, eu acho que ele é um grande artista, um criador de músicas e batidas. Os artistas que ele escolhe para arrancar diferentes histórias de vida são bastante interessantes".[21] Além de produzir "Accelerate" — primeira canção de trabalho do disco —, ele produziu a faixa "Maria", escolhida por Aguilera como a sua favorita do projeto.[22]

Em setembro de 2017, Aguilera retornou ao estúdio de gravação para trabalhar com Mark Ronson e Anderson Paak.[23] A artista mencionou como foi trabalhar com Paak, cujo artista colaborou como produtor de duas faixas presentes no projeto, afirmando: "Eu e ele nos conectamos muito bem. Ele estava tipo, 'Oh, eu costumava assistir você no Total Request Live (TRL)'. Ele é um ótimo letrista, cantor de soul e rapper, além de um assassino na bateria".[24] Durante uma entrevista para a revista Billboard, Aguilera afirmou que havia trabalhado em uma composição com Julia Michaels e que seu dueto com Demi Lovato era "ardente".[20][25] Sobre a escolha de Lovato para a canção, a artista alegou: "Nós passamos por alguns nomes de cantoras. Eu precisava de uma cantora com um alto registro vocal e ela conseguiu levar a faixa para um outro nível. Eu quase chorei quando a ouvi pela primeira vez na música".[26] Jon Bellion confirmou que ele era o produtor por trás de "Fall in Line", além de revelar que Beyoncé havia demonstrado interesse na faixa anteriormente.[27] Além disso, Aguilera afirmou que durante o processo de desenvolvimento do disco havia convidado Cardi B e Childish Gambino para integrar nos trabalhos do disco; no entanto, ela foi "desencorajada" por um produtor de trabalhar com a primeira, enquanto Gambino estava ocupado com as gravações da série Atlanta e não houve tempo para materializar a colaboração.[28][24] Em junho de 2018, foi especulado que o piloto de Fórmula 1, Lewis Hamilton, seria o vocalista desconhecido presente na faixa "Pipe", mas nenhum dos artistas confirmaram.[29][30]

Música e letra[editar | editar código-fonte]

Demi Lovato (esquerda) e GoldLink (direita) são um dos artistas convidados que colaboraram com Aguilera no disco, com uma música cada.

De acordo com a revista Billboard, Liberation é um um disco "inspirado no hip-hop e R&B".[20] Aguilera comentou sobre a sonoridade do projeto, afirmando: "Para mim, não há nada mais incrível do que uma batida de hip-hop [...] No final do dia, eu sou uma cantora de soul. Quando você tira as palavras 'estrela popular' e muitas das coisas que eu fiz, cantar com a alma é onde meu núcleo, minha raíz e meu coração estão".[31] O álbum inicia-se com a faixa "Liberation", composta por uma sequência orquestral, enquanto "Searching for Maria" é uma breve introdução de Aguilera interpretando algumas linhas "How Do You Solve a Problem Like Maria?", composta por Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II para o musical The Sound of Music (1959).[32][33] A terceira faixa, "Maria", fala abertamente sobre "crise de identidade" em uma audaciosa mixagem do motown com o hip-hop, contendo vocais de Michael Jackson ao fundo.[34][35] "Sick of Sittin'" é uma canção enérgica de rock com influência do funk que se assemelha à trabalhos de Janis Joplin, onde Aguilera expressa "insatisfação sobre a relação da fama e do dinheiro".[36][37]

A quinta faixa, "Dreamers", é uma introdução onde jovens garotas expressam seus desejos futuros;[38] enquanto "Fall in Line" — em parceria com Demi Lovato — é descrita como um "hino feminista" enraizado na música soul, harmonizada por trompete e fliscorne.[39][36] Foi descrita por críticos como uma versão revitalizada de "Can't Hold Us Down" (2003), composta por Aguilera.[40] Com participação de Keida e Shenseea, "Right Moves" é um tema inclinado entre trap e dancehall, com influencias do reggae, onde as artistas cantam "sobre o sexo".[41][37][32] Com "Like I Do", uma faixa inspirada pelo hip-hop e R&B, Aguilera discursa sobre se "aventurar em um romance com um amante mais jovem e menos bem-sucedido", sendo iniciada por um verso do rapper GoldLink.[42][32] "Deserve" é uma lenta e explosiva canção de música eletrônica, onde a cantora narra "as formas como sabota seu próprio relacionamento".[37] Em "Twice", Aguilera "pondera entre o pecado, perdão e a redenção" acompanhada apenas de um piano, com inclinação para a música gospel.[37][38]

A décima primeira canção do disco, "Accelerate" — parceria com os rappers Ty Dolla Sign e 2 Chainz — é um tema moderno de hip-hop com forte energia para os clubes repleta de "letras sugestivas".[43] Inspirada ao som do trap combinada com teclados, "Pipe" é uma característica faixa de R&B que tem como narrativa convidar o amante para uma noite de sexo, recebendo comparações aos trabalhos de R. Kelly e Drake.[37][33][34] "Masochist" é uma canção de música pop dos anos 1980s acionada por sintetizadores, onde Aguilera canta sobre "as dificuldades de se recuperar e colocar fim em um relacionamento abusivo", tema que se assemelha a sua canção "Walk Away" (2002).[38][44] A última faixa do disco, "Unless It's with You", é uma memorável balada romântica ao piano sobre "se casar com a pessoa que você sempre sonhou".[32][45]

Capa, título e lançamento[editar | editar código-fonte]

No final de março de 2018, Aguilera foi fotografada por Zoey Grossman para compor a capa da revista Paper.[46] Na sessão de fotos, a artista aparecia livre de qualquer maquiagem ou manipulação fotográfica, afirmando durante a entrevista: "Eu sempre fui alguém que obviamente gosta de experimentar, adoro teatro, criar um enredo e interpretar um personagem no vídeo ou em um palco. Eu sou uma artista, é quem eu sou por natural. Mas eu estou em um lugar, mesmo musicalmente, onde é um sentimento libertador poder retirar tudo e apreciar quem você é e sua beleza crua".[47] Em 3 de maio, Aguilera disponibilizou ao público a capa de seu então próximo disco, Liberation, posando com um visual natural em frente à uma câmera, recebendo comparações por parte da mídia com a capa da revista que havia estrelado anteriormente.[48] Em um documentário lançado através de sua conta oficial no YouTube, intitulado "Where's Maria?", a intérprete discorre sobre sua nova imagem, afirmando: "Me desculpe se eu luto em aceitar a beleza que está em mim mesma. Me desculpe por cobrir [minhas] sardas. Me desculpe por esconder [minhas] cicatrizes".[49]

Sobre a escolha do título de seu novo disco, Aguilera afirmou em uma entrevista à Entertainment Weekly que "queria que o título significasse se libertar de qualquer coisa que não fosse sua verdade".[50] Além disso, usou como base o que viveu em seus anos anteriores, concluindo: "Essa constante [se libertar] é algo que eu penso sobre a vida. Toda vez que você se sente sufocado em uma situação em que você sente que não é você mesmo ou que está sendo prejudicado pelas opiniões de outras pessoas, ou quando você sente que está preso em um lugar estagnado. Eu meio que senti que estava dormindo no volante e indo para o piloto automático nos últimos anos, não cumprindo todo o meu potencial e o propósito do porquê estou vivendo nesta terra".[50] O projeto foi lançado oficialmente para todo o planeta em 15 de junho de 2018 para download digital através da iTunes Store.[51] Sua versão em disco de vinil foi disponibilizada em 16 de novembro de 2018, exclusivamente pela Target Corporation.[52]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

"Accelerate" serviu como a primeira faixa de trabalho na divulgação do projeto.[53] Lançada em 3 de maio de 2018, o tema foi recebido com opiniões polarizadas da crítica especializada, descrita como "fantasticamente estranha" pelo The New York Times[54] e como um dos "lançamentos mais experimentais de [Aguilera] até o momento" através da MTV,[55] a revista Forbes considerou a faixa como "decepcionante".[56] Comercialmente, o tema fracassou em alcançar uma posição na principal tabela musical dos Estados Unidos, a Billboard Hot 100, mas chegou ao topo da Hot Dance Club Songs na semana de 1 de setembro de 2018.[57] Sua melhor colocação foi na Hungria, ocupando o vigésimo segundo lugar.[58] Um videoclipe de acompanhamento da faixa foi dirigido por Zoey Grossman, chegando ao canal oficial da artista no YouTube no mesmo em que foi lançada.[59]

A segunda faixa de trabalho do disco foi "Fall in Line". Apresentada por Aguilera pela primeira vez em um dos quadros do programa The Late Late Show with James Corden,[60] a obra foi lançada oficialmente em 16 de maio de 2018, sendo recebida com aclamação dos críticos de música.[61][62] Considerada como um dos maiores destaques de Liberation, foi descrita ainda como um "dueto de empoderamento" pela revista Rolling Stone.[63][32] Por outro lado, assim como "Accelerate", teve um mínimo desempenho comercial nas tabelas musicais em todo o mundo, posicionando-se apenas entre as noventa mais vendidas no Canadá e no Reino Unido.[64][65] Nos Estados Unidos, alcançou a primeira posição na Bubbling Under Hot 100, extensão da Billboard Hot 100.[66] Em 23 de maio, o videoclipe relacionado à canção foi lançado, sob direção de Luke Gilford.[67]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Aguilera em uma apresentação da faixa "Unless It's with You", durante a The Liberation Tour, em 2018.

Para auxiliar na divulgação de Liberation, a artista se apresentou ao vivo em uma série de eventos. Em 29 de abril de 2018, Aguilera acompanhou o Grande Prêmio do Azerbaijão — um dos torneios de Fórmula 1 — e realizou uma apresentação especial após o evento, ocorrido no Baku Crystal Hall, localizado na cidade de Baku.[68][69] Entre as faixas presentes no repertório, a artista apresentou alguns dos maiores sucessos de sua carreira, incluíndo "Genie in a Bottle", "Beautiful" e "Ain't No Other Man", além de disponibilizar no telão do palco um vídeo promocional de introdução para seu próximo disco, ao final do concerto.[70] Em 20 de maio de 2018, durante a cerimônia anual do Billboard Music Awards, Aguilera realizou uma apresentação da faixa "Fall in Line", acompanhada por Demi Lovato.[71] Em um palco iluminado por luzes vermelhas, as artistas estavam cercadas por dançarinos vestidos como soldados, enquanto ambas trajavam um sobretudo preto e brilhante.[72] Ao final da performance, as cantoras apareciam abraçadas enquanto uma cena do videoclipe gravado para a faixa era exibido no telão do evento.[73] Nomeada como a terceira melhor apresentação daquela noite através da revista Billboard, com elogios centrados nos "vocais impressionantemente melismáticos" de ambas as intérpretes,[74] o tabloide People considerou o dueto como um dos momentos de "maior energia" da cerimônia,[75] ao passo que foi considerada pelo Idolator como a décima sexta melhor apresentação ao vivo daquele ano.[76]

Em 15 de junho de 2018, durante o programa The Tonight Show, Aguilera participou de um quadro com o apresentador Jimmy Fallon, onde ambos se disfarçavam e se apresentavam como anônimos em uma estação do Metrô de Nova Iorque.[77] O número contava com interpretações de "Fighter" e "Think" — uma faixa de Aretha Franklin.[77] No palco do programa, a artista ainda concedeu ao apresentador uma entrevista sobre o novo disco e realizou uma apresentação de "Fall in Line", sem a presença de Lovato.[78] Sobre sua atuação vocal nesta última, Lake Schatz do Consequence of Sound a chamou de "poderosa", além de elogiar a temática de "solidarização feminina" presente no espetáculo.[79] Na interpetação, Aguilera estava vestida com um sobretudo preto completo por riscas brancas e ombreiras, além de estar acompanhada por uma banda ao vivo e um quarteto de dançarinas.[80] No mesmo dia, no Rockefeller Center, a cantora compareceu ao programa Today Show para lançar oficialmente o projeto em uma entrevista com Hoda Kotb, além de realizar uma execução das canções "Fighter", "Fall in Line" e "Can't Hold Us Down" para o público presente no evento.[81] Em 7 de setembro de 2018, Aguilera atuou como o ato musical de um evento da revista Harper's Bazaar, interpretando "Fall in Line" e alguns de seus sucessos anteriores, incluindo "Lady Marmalade" e "Dirrty".[82][83]

The Liberation Tour[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Liberation Tour

Em 9 de maio de 2018, Aguilera anunciou através de sua página oficial do Instagram o pôster da turnê de suporte ao seu novo disco, nomeada como The Liberation Tour.[84][85] O espetáculo contava com 23 datas marcadas em território norte-americano, e uma especial no Canadá.[85] Além disso, foi anunciado que Big Boi — integrante da dupla OutKast — seria a atração de abertura dos concertos.[86] Os ingressos começaram a ser vendidos em 18 de maio e, em parceria com a Live Nation, uma cópia do disco era distribuída a cada ingresso adquirido.[87] Marcada como a sua primeira turnê em uma década desde a Back to Basics Tour (2006–08), Aguilera pediu a ajuda dos fãs através de suas redes sociais para montar o repertório do espetáculo.[88][89] Para a sua divulgação, a artista deu uma entrevista no programa Jimmy Kimmel Live! em 12 de setembro.[90]

O concerto teve início em 25 de setembro, em Hollywood, e foi recebido com opiniões favoráveis dos críticos.[91] Althea Legaspi do jornal Chicago Tribune elogiou a "produção do espetáculo digna de uma arena" e prezou pela qualidade "crua e terrena" de seus vocais,[92] enquanto a revista Billboard exaultou o repertório "equilibrado" entre as antigas e novas faixas da artista e destacou o ato do tema "Deserve", inspirado pelo quadro A Última Ceia de Leonardo da Vinci, como um dos melhores momentos do show.[93] Em algumas datas, o concerto contou ainda com A Great Big World e Lil' Kim como convidados da atração.[94] A apresentação da artista no Radio City Music Hall, em Nova Iorque, entre os dias 3 e 4 de outubro, atraiu um público de 11 mil espectadores, arrecadando cerca de 1.2 milhões de dólares em bilheteria.[95]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 71/100[96]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 3.5 de 5 estrelas.[97]
Consequence of Sound B–[98]
Idolator 4 de 5 estrelas.[44]
The New York Times (positiva)[37]
The Observer 4 de 5 estrelas.[99]
Pitchfork 6.7/10[33]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[32]
NME 3 de 5 estrelas.[41]
Los Angeles Times (positiva)[100]
USA Today 3 de 4 estrelas.[43]

Liberation foi recebido com opiniões positivas por parte da crítica especializada. No Metacritic, que tem como base uma classificação que pode alcançar a nota 100 dos críticos de música, o disco recebeu uma pontuação de 71, após ter sido avaliado por 17 profissionais.[96] Em uma revisão positiva, Brittany Spanos da revista Rolling Stone classificou o projeto como "uma mistura saudável de [canções] de sucesso, baladas poderosas e clássicas que enfatizam as imensas habilidades de Aguilera", considerando que a artista "se encontrava no seu auge".[32] Durante uma avaliação para o The Observer, Alim Kheraj concedeu quatro de cinco estrelas possíveis, considerando o disco como o mais "artisticamente emancipado" da cantora desde Stripped (2002).[99] Mesfin Fekadu do jornal The Washington Post reconheceu Liberation como um dos melhores álbuns do ano, elogiando sua "coesão magistral" e o comparando com The Emancipation of Mimi (2005) de Mariah Carey.[101] Trent Clark do HipHopDX atribuiu uma nota de 3.7 de 5 para o projeto, descrevendo-o como "uma oferta bem calculada de uma lenda viva cujas habilidades continuam intactas".[102]

Stephen Thomas Erlewine do AllMusic discute que embora Liberation pareça ser um projeto pessoal, Aguilera tomou a decisão de "não seguir um caminho fácil" e, mesmo assim, conseguiu "ressoar de forma emocionante".[97] Taylor Dougherty do Consequence of Sound opina que com o projeto, Aguilera "se encaixa na atual paisagem da música pop e recupera um merecido lugar no centro das atenções", além de considerar a faixa "Maria" como "um dos momentos mais introspectivos e reveladores" do álbum.[98] Ao atribuir quatro estrelas de cinco possíveis, Mike Nied do Idolator julga o lançamento como o "mais ambicioso da artista em anos", apesar de concordar que tem "momentos esquecíveis" como "Sick of Sittin'".[44] Jon Pareles do jornal The New York Times destacou que o disco "se move através de extremos" e que "os extravagantes floreios vocais de [Aguilera] se conectam com uma emoção arrebatadora".[37] Claire Lobenfeld do Pitchfork contemplou o projeto com uma nota 6.7 de 10, exaltando que o álbum possui "momentos fortes capazes de criarem um passo promissor na direção à um genuíno renascimento da música pop".[33] Além disso, Lobenfeld destacou que o trabalho tinha potencial semelhante à The Velvet Rope (1997) de Janet Jackson e My Love Is Your Love (1998) de Whitney Houston.[33]

Patrick Ryan do periódico USA Today considerou Liberation como um "álbum de retorno satisfatório", além de destacar a faixa "Unless It's with You" como a mais memorável em termos vocais.[43] Ryan encerra sua crítica afirmando que o projeto "reafirma que Aguilera é uma pioneira da música pop que nunca teve medo de se reinventar".[43] Em uma revisão menos otimista, Sal Cinquemani da Slant Magazine opina que no disco Aguilera "joga frustrantemente pelo seguro com canções suaves" como "Deserve" e "Pipe".[35] Alexis Petridis do The Guardian lamenta a falta de ousadia da artista no disco, considerando que sua reinvenção em cada um de seus trabalhos "era uma de suas facetas mais impressionantes".[34] Escrevendo para o The Daily Telegraph, Neil McCormick opina que a "variedade hiperativa da produção do álbum" o tornava incoerente.[36]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

No final de 2018, Liberation foi reconhecido como um dos melhores projetos do ano. Além disso, em 3 de dezembro, o periódico The Guardian incluiu a faixa "Accelerate" em sua lista das 100 Melhores Canções de 2018,[103] enquanto "Fall in Line" recebeu a mesma honraria em uma lista organizada por críticos da revista Cosmopolitan.[104] Em 14 de dezembro, "Unless It's with You" foi escolhida pela Rolling Stone como a vigésima terceira melhor faixa do ano.[45] Na 61.ª cerimônia do Grammy Awards, "Fall in Line" foi indicada na categoria de Melhor Performance em Dueto ou Grupo, enquanto "Like I Do" recebeu uma nomeação em Melhor Performance de Rap Cantado.[105]

Publicação Lista Pos. Ref.
Cosmopolitan 16 Melhores Álbuns de 2018 15 [106]
Idolator 25 Melhores Álbuns de 2018 14 [107]
Gulf News 15 Melhores Lançamentos de 2018 10 [108]
National Public Radio 100 Melhores Álbuns de 2018 14 [109]
Rolling Stone 20 Melhores Álbuns Pop de 2018 17 [110]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

Edição padrão[111][112]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Liberation"  Nicholas BritellBritell 1:47
2. "Searching for Maria"    0:25
3. "Maria"  
4:34
4. "Sick of Sittin'"  
4:00
5. "Dreamers"     0:36
6. "Fall in Line" (com Demi Lovato)
4:06
7. "Right Moves" (com Keida e Shenseea)
  • Nelson
  • Kosine
  • Pope[a]
3:48
8. "Like I Do" (com GoldLink)
  • Paak
  • BRLLNT[a]
  • Dumbfoundead[b]
4:49
9. "Deserve"  
MNEK 4:23
10. "Twice"  Kirby Lauryen
  • Lauryen
  • Sandy Chila[b]
4:02
11. "I Don't Need It Anymore (Interlude)"  AguileraAguilera 0:54
12. "Accelerate" (com Ty Dolla Sign e 2 Chainz)
4:03
13. "Pipe" (com XNDA)
  • Sango
  • Neenyo
  • Pope
4:05
14. "Mosochist"  
  • Aguilera
  • Tim Anderson
  • Darhyl Camper Jr.
  • Juber
  • Camper
  • Anderson
3:30
15. "Unless It's With You"  Ricky Reed 4:17
Duração total:
49:19
Notas
Créditos de demonstrações
  • "Maria" contém demonstrações de "Maria (You Were the Only One)", escrita por Lawrence Brown, Linda Glove, Horgay Gordy, Allen Story e apresentada por Michael Jackson.
  • "Sick of Sittin'" contém demonstrações de "No Registration", escrita e apresentada por Janne Schaffer.
  • "Accelerate" contém demonstrações de "I Like Funky Music" de Uncle Louie e "I Feel So Good Inside", escrita por Ronald Brown, sendo apresentada por The Techniques IV.

Créditos[editar | editar código-fonte]

Todo o processo de elaboração de Liberation atribui os seguintes créditos pessoais:[111]

  • Christina Aguileravocalista principal, produção executiva, A&R;
  • Mitch Allan – produção vocal;
  • Tim Anderson – composição, produção;
  • Jon Bellion – composição, produção
  • Bibi Bourelly – composição;
  • Vinnie Colaiuta – bateria;
  • Summer Rain Rutler – vocais;
  • XNDA – vocalista convidado, composição;
  • Ilsey Juber – vocalista de apoio, composição;
  • Charlie Heat – composição, produção;
  • Bill Malina – engenharia;
  • Neenyo – composição, produção;
  • Keida – vocalista convidada, composição;
  • Jon Bellion – vocalista de apoio, composição, produção;
  • Hudson Mohawke – composição, produção;
  • Lily Bratman – vocais;
  • Lawrence Brown – composição;
  • Roget Chahayed – piano;
  • Sandy Chila – produção adicional;
  • PartyNextDoor – composição;
  • Raul Cubina – composição, produção;
  • Eric Danchick – produção adicional;
  • Dumbfoundead – composição, produção;
  • Honorable C.N.O.T.E. – composição, produção;
  • Dylan Dresdow – mixagem;
  • Lauren Evans – vocalista de apoio;
  • Tim Fain – violino;
  • Eric Frederic – composição;
  • Chris Galland – engenharia de mixagem;
  • Linda Glover – composição;
  • Rob Moose – viola, violino;
  • 2 Chainz – vocalista convidado, composição;
  • Carlitos del Puerto – bateria;
  • Horgay Gordy – composição;
  • Dave Kutch – masterização;
  • Anderson Paak – vocalista de apoio, composição, produção;
  • Kosine – composição, produção;
  • Ronald Brown – composição;
  • MNEK – vocalista de apoio, composição, produção;
  • Janne Schaffer – composição;
  • Noah Goldstein – composição, produção, engenharia;
  • Allen Story – composição;
  • Teddy Geiger – composição;
  • Sofia Bratman – vocais;
  • Jairus Mozee – guitarra;
  • Manny Marroquin – mixagem;
  • Oscar Hammerstein II – composição;
  • Charlotte Elder Groebe – vocais;
  • Elizabeth Komba – vocalista de apoio;
  • Julia Michaels – composição;
  • Ashley Morente – vocais;
  • Aria Sage – vocais;
  • Erik Hassle – composição;
  • Shenseea – vocalista convidada, composição;
  • Melvin Henderson – composição;
  • Ty Dolla Sign – vocalista convidado, composição;
  • Rene Hill – composição;
  • Caitlin Sullivan – violoncelo;
  • Ryan Svendsen – fliscorne, trompete;
  • Ricky Reed – produção, guitarra;
  • Tom Peyton – composição;
  • Kirby Lauryen – vocalista de apoio, composição, produção;
  • Darhyl Camper Jr. – programação, composição, produção;
  • Demi Lovato – vocalista convidada;
  • Sango – composição, produção;
  • Mark Williams – composição, produção;
  • Che Pope – composição, produção
  • Tayla Parx – vocais de apoio, composição, engenharia;
  • Kanye West – composição, produção;
  • Oscar Ramirez – engenharia vocal;
  • Whitney Phillips – composição;
  • Bryan Nelson – programação, composição, produção;
  • Keith Naftaly – A&R
  • Richard Rodgers – composição;
  • GoldLink – vocalista convidado, composição;
  • Mell Beats – produção;
  • BRLLNT – produção;
  • Gamal Lewis – composição;
  • Nicholas Britell – composição, produção;

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Liberation foi recebido com desempenho comercial moderado nas tabelas musicais em todo o mundo. Nos Estados Unidos, o disco fez sua estreia na sexta colocação da Billboard 200, comercializando cerca de 68 mil exemplares — sendo que 6 mil dessas unidades são referentes à streamings —, tornando-se o sétimo projeto de Aguilera a estrear entre os dez mais vendidos em território norte-americano.[113] Além disso, foi a obra por uma artista feminina mais bem classificada na semana que se encerrou em 30 de junho de 2018.[113] Baseando-se apenas em vendas tradicionais de discos, foi o terceiro mais distribuído naquela semana através da Top Album Sales, façanha que ela não repetia desde Bionic (2010).[114] Com o lançamento de Liberation, Aguilera conseguiu retornar à publicação de Artist 100, elaborada pela revista Billboard, tornando-se a oitava artista mais comentada nas redes sociais na semana.[115] No Canadá, o álbum obteve um desempenho semelhante. Em sua semana de estreia, alcançou a quinta posição na Canadian Albums Chart, convertendo-se como a quinta obra da artista a ocupar um lugar entre os cinco mais comercializados no país.[116]

A obra experimentou desempenho semelhante ao redor da Europa. No Reino Unido, Liberation chegou à décima sétima colocação da UK Albums Chart na semana de 22 de junho,[117] tornando-se a melhor estreia da artista desde Bionic (2010), quando o mesmo estreou na primeira posição da tabela.[118] No entanto, é o segundo projeto da artista com a pior classificação desde sua introdução na música em 1999.[118] O projeto foi recebido com um desempenho superior na Espanha, onde converteu-se como o primeiro disco da artista à estrear no topo da tabela feita pela Productores de Música de España (PROMUSICAE), substituindo Prometo de Pablo Alborán.[119] Na Suíça, chegou ao terceiro lugar em sua parada oficial, tornando-se o quarto material da artista a ocupar lugar entre os cinco mais vendidos no país.[120] Na Alemanha e nos Países Baixos, o álbum teve como sua melhor colocação o décimo primeiro lugar em 23 de junho.[121][122] Na Rússia, alcançou o primeiro lugar e foi certificado como disco de ouro através da 2M.[123]

Na Coreia do Sul e Hong Kong, Liberation ocupou o primeiro lugar entre os discos internacionais mais vendidos em ambos os países.[124][125] No Japão, no entanto, alcançou apenas a quadragésima oitava colocação da tabela organizada pela Billboard Japan.[126] Em seu desempenho pela Oceania, o projeto chegou à nona posição da ARIA Albums Chart, tabela oficial da Austrália, onde converteu-se como sua melhor colocação desde Burlesque (2010).[127] Na Nova Zelândia, o álbum permaneceu por apenas uma semana na vigésima terceira posição, acabando por se tornar o segundo menos comercializado da carreira de Aguilera, atrás apenas de Lotus (2012).[128]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato(s) Gravadora Ref.
Mundo 15 de junho de 2018 RCA Records [51][146]
 Estados Unidos 16 de novembro de 2018 Disco de vinil [52]

Referências

  1. a b «Gold & Platinum» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  2. Richard S. He (4 de maio de 2018). «20 Years of Xtina: How She Found, Lost and Liberated Her Voice Again» (em inglês). Billboard. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  3. «Christina Aguilera - Chart History - Hot 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  4. August Brown (8 de fevereiro de 2015). «Grammys 2015: A Great Big World wins in Best Pop Duo/Group Recording» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  5. Jasmine Bailey (17 de setembro de 2012). «'The Voice': Shakira And Usher To Replace Christina Aguilera and Cee Lo Green As Coaches For Fourth Cycle» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  6. Mike Wass (7 de outubro de 2015). «Christina Aguilera Is Working On New Albums In English And Spanish: Watch Her 'Today' Interview» (em inglês). Idolator. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  7. Samantha Schnurr (23 de janeiro de 2018). «Christina Aguilera Promises Her New Album Is "Coming" in Response to Fan's Clever Message» (em inglês). E! News. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  8. Andrea Park (25 de maio de 2016). «Alisan Porter makes Christina Aguilera first winning female "Voice" coach» (em inglês). CBS News. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  9. Hugh McIntyre (17 de junho de 2016). «Christina Aguilera Releases New Single 'Change,' Dedicates It To Orlando Victims» (em inglês). Forbes. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  10. Sasha Geffen (11 de agosto de 2016). «Christina Aguilera Lends Some Disco To The Get Down Soundtrack With 'Telepathy'» (em inglês). MTV. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  11. Gordon Murray (3 de novembro de 2016). «Christina Aguilera & Nile Rodgers Rule Dance Club Songs Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  12. Bea Mitchell (4 de dezembro de 2017). «Pink reveals Christina Aguilera duet as she shuts down feud rumours» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  13. Sam Prance (14 de fevereiro de 2018). «Demi Lovato Appears to Confirm Christina Aguilera Duet Rumours» (em inglês). MTV UK. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  14. Mike Wass (14 de março de 2018). «Has Christina Aguilera's New Album Already Sprung A Leak?» (em inglês). Idolator. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  15. Jason Lipshutz (21 de abril de 2014). «Christina Aguilera Working On New Album» (em inglês). Billboard. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  16. a b Jason Lipshutz (30 de janeiro de 2015). «Christina Aguilera Talks Next Album, Working with Pharrell Williams on New Music» (em inglês). Billboard. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  17. Lewis Corner (16 de novembro de 2015). «Christina Aguilera is working with 'Beautiful' songwriter Linda Perry again» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  18. Mike Wass (8 de fevereiro de 2017). «Christina Aguilera Is Putting The "Finishing Touches" On Her 8th LP» (em inglês). Idolator. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  19. Joan Wallace (30 de janeiro de 2017). «Christina Aguilera New Album: Singer Tayla Reveals Possible Kanye West Collaboration, Fans React» (em inglês). Latin Times. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  20. a b c Allie Jones (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera on 'Longing for Freedom' & Her Hip-Hop-Inspired Return to Music» (em inglês). Billboard. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  21. Anna Gaca (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Talks Kanye West: "I've Always Been a Huge Fan"» (em inglês). Spin. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  22. Bobby Schuessler (13 de junho de 2018). «Exclusive: Christina Aguilera Brings Back Her Voice—And Is Ready to Be Herself» (em inglês). Out. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  23. Caitlin Kelley (28 de setembro de 2017). «Christina Aguilera, Mark Ronson & Anderson .Paak Sing 'Genie in a Bottle' in Instagram Post» (em inglês). Billboard. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  24. a b Billboard Staff (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera On How She 'Connected Big Time' to 'Liberation' Collaborators, From Kanye to Demi» (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  25. Ilana Kaplan (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera announces first album in six years» (em inglês). The Independent. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  26. Samantha Maine (16 de maio de 2018). «Christina Aguilera and Demi Lovato release new song 'Fall In Line'» (em inglês). NME. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  27. Glenn Gamboa (12 de novembro de 2018). «LI SOUND: Lake Grove's Jon Bellion keeps the focus on his music with new 'Glory Sound Prep' album» (em inglês). Newsday. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  28. Zach Johnson (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Is Done With The Voice Forever» (em inglês). E! News. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  29. Andrew Trendell (28 de junho de 2018). «Lewis Hamilton has made his secret singing debut on Christina Aguilera's new album» (em inglês). NME. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  30. Rianne Houghton (28 de junho de 2018). «Lewis Hamilton addresses speculation he's making music debut with Christina Aguilera» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  31. Cherise Johnson (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Is Dropping An R&B/Hip Hop Album With Kanye West Beats» (em inglês). HipHopDX. Consultado em 25 de março de 2018 
  32. a b c d e f g Brittany Spanos (15 de junho de 2018). «Review: Christina Aguilera Flexes Her Diva Power on the Excellent 'Liberation'». Rolling Stone. Consultado em 1 de julho de 2018 
  33. a b c d e Claire Lobenfeld (20 de junho de 2018). «Christina Aguilera: Liberation Album Review». Pitchfork. Consultado em 1 de julho de 2018 
  34. a b c Alexis Petridis (14 de junho de 2018). «Christina Aguilera: Liberation review – #MeToo makeover hits high and low notes» (em inglês). The Guardian. Consultado em 9 de julho de 2018 
  35. a b Sal Cinquemani (13 de junho de 2018). «Christina Aguilera: Liberation - Album Review» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 9 de julho de 2018 
  36. a b c Neil McCormick (16 de junho de 2018). «Christina Aguilera, Liberation review: great voice, shame about the songs» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 9 de julho de 2018 
  37. a b c d e f g Jon Pareles (13 de junho de 2018). «Christina Aguilera Exults in Her Voice on 'Liberation'». The New York Times. Consultado em 1 de julho de 2018 
  38. a b c Chris DeVille (14 de junho de 2018). «Christina Aguilera's New Album Is Pretty Good. Does Anyone Care?» (em inglês). Stereogum. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  39. Stephen Daw (16 de maio de 2018). «Twitter Reacts to Christina Aguilera and Demi Lovato's Feminist Anthem 'Fall In Line'» (em inglês). Billboard. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  40. Dave Quinn (16 de maio de 2018). «Christina Aguilera and Demi Lovato Drop Inspiring Duet of Self-Empowerment 'Fall in Line'» (em inglês). People. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  41. a b Nick Levine (19 de junho de 2018). «Christina Aguilera – 'Liberation' review». NME. Consultado em 1 de julho de 2018 
  42. Jordan Darville (7 de junho de 2018). «Christina Aguilera shares "Like I Do" featuring GoldLink and Anderson .Paak» (em inglês). The Fader. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  43. a b c d Patrick Ryan (14 de junho de 2018). «Review: Christina Aguilera's 'Liberation' is a mostly satisfying comeback album». USA Today. Consultado em 1 de julho de 2018 
  44. a b c Mike Nied (15 de junho de 2018). «Album Review: Christina Aguilera's 'Liberation'». Idolator. Consultado em 1 de julho de 2018 
  45. a b Luke Gilford (14 de dezembro de 2018). «50 Best Songs of 2018» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  46. Marie Lodi (26 de março de 2018). «Christina Aguilera Is Back With a New Transformation» (em inglês). Paper. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  47. Kerry Justich (3 de maio de 2018). «There's a deeper meaning behind Christina Aguilera's new makeup-free look» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  48. Jillian Ruffo (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera Continues New Makeup Free Vibe with Gorgeous Tour Promo Photos» (em inglês). People. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  49. Joey Nolfi (4 de maio de 2018). «Christina Aguilera teases new song, personal evolution in new video» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  50. a b Tim Stack (29 de maio de 2019). «Christina Aguilera on her new album and comeback: 'I was a little asleep at the wheel'» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 2 de janeiro de 2019 
  51. a b «Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). iTunes Store. Consultado em 30 de junho de 2018 
  52. a b «Christina Aguilera - Liberation (Vinyl) (Target Exclusive Translucent Red Vinyl)» (em inglês). Target. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  53. Rob Copsey (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera releases new single Accelerate shares the release date and tracklisting for her new album Liberation» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  54. Jon Pareles (4 de maio de 2018). «The Playlist: Christina Aguilera's Bizarre Puzzle, and 13 More New Songs» (em inglês). The New York Times. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  55. Sam Prance (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Wows with New Single 'Accelerate'» (em inglês). MTV UK. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  56. Hugh McIntyre (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Finally Kicks Off A New Era With Lackluster Single 'Accelerate'» (em inglês). Forbes. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  57. «Dance Songs: Top Dance Music Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  58. «Single (track) Top 40 Lista» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  59. Jem Aswad (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Drops Kanye West-Produced Song 'Accelerate,' Announces New Album (Video)» (em inglês). Variety. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  60. Ryan Reed (17 de maio de 2018). «Watch Christina Aguilera Sing 'Fall in Line' on 'Carpool Karaoke'» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  61. Gil Kaufman (16 de maio de 2018). «Listen to Christina Aguilera & Demi Lovato's Fiery Empowerment Anthem 'Fall in Line'» (em inglês). Billboard. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  62. Chuck Arnold (14 de junho de 2018). «With 'Liberation', Christina Aguilera proves she's still got it» (em inglês). The New York Post. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  63. Ilana Kaplan (13 de junho de 2018). «Christina Aguilera Liberation review: New album is everything diehard fans could want, but there are misses among the hits» (em inglês). The Independent. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  64. «Christina Aguilera - Chart History - Canadian Hot 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  65. «Official Singles Chart Top 100» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  66. «Bubbling Under Hot 100 : Jun 02, 2018» (em inglês). Billboard. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  67. Mike Wass (23 de maio de 2018). «Christina & Demi Reclaim Their Power In Symbolic "Fall In Line" Video» (em inglês). Idolator. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  68. Jessi Roti (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera playing two nights at Chicago Theatre in October» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  69. «Baku City Cirсuit consert with Christina Aguilera» (em inglês). Baku Crystal Hall. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  70. Bang Showbiz (30 de abril de 2018). «Christina Aguilera teases new album» (em inglês). MSN. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  71. Melissa Minton (20 de maio de 2018). «Watch Christina Aguilera and Demi Lovato Perform Together at the 2018 Billboard Music Awards» (em inglês). Glamour. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  72. Joshua Copperman (20 de maio de 2018). «Watch Christina Aguilera and Demi Lovato Perform "Fall in Line" at the 2018 Billboard Music Awards» (em inglês). Spin. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  73. Patrick Crowley (20 de maio de 2018). «Christina Aguilera & Demi Lovato Share the Stage For 'Fall In Line' at the 2018 Billboard Music Awards» (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  74. Andrew Unterberger (20 de maio de 2018). «The 10 Best Performances From the 2018 Billboard Music Awards» (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  75. Grace Gavilanes (20 de maio de 2018). «Missed the 2018 Billboard Music Awards? Here Are the Moments You Need to Know About» (em inglês). People. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  76. Mike Nied (28 de dezembro de 2018). «From Jennifer Lopez To Mariah Carey, The 24 Best Awards Show Performances Of 2018» (em inglês). Idolator. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  77. a b Daniel Kreps (15 de junho de 2018). «Watch Christina Aguilera, Jimmy Fallon Busk in Disguise in NYC Subway» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  78. Raisa Bruner (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera and Jimmy Fallon's Incognito Performance Fooled Pretty Much No One» (em inglês). Time. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  79. Lake Schatz (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera busks in the NYC subway, performs "Fall in Line" on Fallon: Watch» (em inglês). Consequence of Sound. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  80. Mike Nied (15 de junho de 2018). «Let The Promo Begin! Christina Aguilera Performs "Fall In Line" On 'The Tonight Show'» (em inglês). Idolator. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  81. Randee Dawn (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera kicks off the weekend in the best way with concert on Today plaza» (em inglês). Today Show. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  82. Harper's Bazaar Staff (26 de junho de 2018). «Christina Aguilera's Incredible Style Metamorphosis From 1993 To 2018» (em inglês). Harper's Bazaar. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  83. Shannon Barbour (13 de setembro de 2018). «Christina Aguilera Thinks Her Music Inspired Nicki Minaj and Cardi B to Pop Off» (em inglês). Cosmopolitan. Consultado em 30 de dezembro de 2018 
  84. Jenna Rennert (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera—And Her New Makeunder—Will Tour for the First Time in 10 Years» (em inglês). Vogue. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  85. a b Michelle Kim (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera Announces Tour» (em inglês). Pitchfork. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  86. Shanté Honeycutt (14 de maio de 2018). «Christina Aguilera Announces Big Boi as Special Guest for Liberation Tour» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  87. Daniel Kreps (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera Announces First North American Tour in Over 10 Years» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  88. Dave Quinn (27 de setembro de 2018). «Christina Aguilera Feels 'Fulfilled and Alive' After First Tour Stop in 10 Years» (em inglês). People. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  89. Mike Nied (26 de setembro de 2018). «Christina Aguilera Kicks Off 'The Liberation Tour': See The Setlist» (em inglês). Idolator. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  90. Elias Leight (13 de setembro de 2018). «Christina Aguilera: 'It's Not Too Late' for Britney Spears Collaboration» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  91. Marina Pedrosa (26 de setembro de 2018). «Christina Aguilera Helps Gay Fan Propose, Teases New Song at Liberation Tour Opening in Miami: Watch» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  92. Althea Legaspi (17 de outubro de 2018). «Christina Aguilera review: Hitting Chicago to reclaim her throne as vocal queen» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  93. Lyndsey Havens (4 de outubro de 2018). «Christina Aguilera's Star-Studded Radio City Show Didn't Detract From Her Shine: Recap» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  94. Lars Brandle (4 de outubro de 2018). «Lil' Kim Joined Christina Aguilera For a Performance of 'Lady Marmalade' In New York: Watch» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  95. «Current Boxscore» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  96. a b «Reviews for Liberation by Christina Aguilera». Metacritic. Consultado em 1 de julho de 2018 
  97. a b «Christina Aguilera – 'Liberation'». AllMusic. Consultado em 1 de julho de 2018 
  98. a b Taylor Dougherty (23 de junho de 2018). «Christina Aguilera Demands Our Attention on Liberation». Consequence of Sound. Consultado em 1 de julho de 2018 
  99. a b Alim Kheraj (17 de junho de 2018). «Christina Aguilera: Liberation review – pop diva grasps creative freedom». The Observer. Consultado em 1 de julho de 2018 
  100. Mikael Wood (13 de junho de 2018). «Christina Aguilera is rebuilding a cult of personality. Sophie has no use for one». Los Angeles Times. Consultado em 1 de julho de 2018 
  101. Mesfin Fekadu (15 de junho de 2018). «Review: On 'Liberation,' Christina Aguilera is resilient» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 9 de julho de 2018 
  102. Trent Clark (15 de junho de 2018). «Review: Christina Aguilera's "Liberation" Refocuses Star's R&B Capabilities» (em inglês). HipHopDX. Consultado em 9 de julho de 2018 
  103. Laura Snapes (3 de dezembro de 2018). «The Top 100 Songs of 2018» (em inglês). The Guardian. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  104. Eliza Thompson (6 de julho de 2018). «Best Songs of 2018 So Far» (em inglês). Cosmopolitan. Consultado em 29 de dezembro de 2018 
  105. Mesfin Fedaku (7 de dezembro de 2018). «61st annual Grammy Awards: Women make a comeback in nominations» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 28 de dezembro de 2018 
  106. Eliza Thompson (5 de julho de 2018). «The 16 Best Albums of 2018 So Far» (em inglês). Cosmopolitan. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  107. Mike Wass (29 de dezembro de 2018). «From 'Golden Hour' To 'Caution,' The 25 Best Albums Of 2018» (em inglês). Idolator. Consultado em 10 de janeiro de 2019 
  108. Marwa Hamad (16 de julho de 2018). «Mid-year review: Best and worst of 2018's music releases» (em inglês). Gulf News. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  109. Robin Hilton (13 de dezembro de 2018). «Listener Picks: Top 100 Albums Of 2018» (em inglês). National Public Radio. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  110. Brittany Spanos (14 de dezembro de 2018). «20 Best Pop Albums of 2018» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  111. a b (2018) Créditos do álbum Liberation por Christina Aguilera [CD]. RCA Records/Sony Music Entertainment.
  112. Allison Shoemaker (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera premieres new album Liberation: Stream» (em inglês). Consequence of Sound. Consultado em 30 de junho de 2018 
  113. a b Keith Caulfield (24 de junho de 2018). «5 Seconds of Summer Earn Third No. 1 Album on Billboard 200 Chart With 'Youngblood'» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  114. «Christina Aguilera - Chart History - Top Album Sales» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  115. «Christina Aguilera - Chart History - Artist 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  116. a b «Christina Aguilera - Chart History - Canadian Albums Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de junho de 2018 
  117. a b «Official Albums Chart Top 100» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 30 de junho de 2018 
  118. a b «Christina Aguilera - Chart History - UK Charts» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  119. a b «Top 100 Albumes Semanal» (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 30 de junho de 2018 
  120. a b «Schweizer Hitparade - Liberation by Christina Aguilera» (em alemão). Schweizer Hitparade. Consultado em 30 de junho de 2018 
  121. a b «Offizielle Top 100 - Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). Media Control Charts. Consultado em 30 de junho de 2018 
  122. a b «MegaCharts - Liberation by Christina Aguilera» (em neerlandês). MegaCharts. Consultado em 30 de junho de 2018 
  123. a b c «ИЗВЕСТИЯ: МУЗЫКА» (PDF) (em russo). Izvestia. Consultado em 30 de junho de 2018 
  124. a b «2018년 24주차 Album Chart» (em coreano). Gaon Albums Chart. Consultado em 30 de junho de 2018 
  125. a b «Hong Kong Music Chart» (em inglês). HMV. Consultado em 30 de junho de 2018 
  126. a b «Billboard Japan Hot Albums» (em japonês). Billboard Japan. Consultado em 30 de junho de 2018 
  127. a b «ARIA Albums Chart - Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 30 de junho de 2018 
  128. «Recorded Music NZ - Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 31 de dezembro de 2018 
  129. «Ö3 Austria - Liberation by Christina Aguilera» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 30 de junho de 2018 
  130. «Ultratop 50 (Flandres) - Liberation by Christina Aguilera» (em neerlandês). Ultratop 50. Consultado em 30 de junho de 2018 
  131. «Ultratop 50 (Valônia) - Liberation by Christina Aguilera» (em francês). Ultratop 50. Consultado em 30 de junho de 2018 
  132. «Official Scottish Albums Chart Top 100» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 30 de junho de 2018 
  133. «Top 100 Albums» (em eslovaco). IFPI Slovenská Republika. Consultado em 30 de junho de 2018 
    Nota: Na página, selecione a tabela correspondente ao país com o título "SK - Albums - Top 100" e escolha a data "201824", clicando então em "Zobrazit" para gerar as colocações dos discos naquela semana.
  134. «Christina Aguilera - Chart History - Billboard 200» (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de junho de 2018 
  135. «Le Top de La Semaine: Top Albums» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 30 de junho de 2018 
  136. «Top 75 Albums Sales Chart» (em gk). Association of Greek Producers of Phonograms. Consultado em 30 de junho de 2018 
  137. «Top 40 Albums - Válogatáslemez-lista» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 30 de junho de 2018 
  138. «Irish Albums Chart - Week 26, 2018» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 30 de junho de 2018 
  139. «Classifica Settimanale WK 25» (em italiano). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 30 de junho de 2018 
  140. «NZ Top 40 Albums Chart» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 30 de junho de 2018 
  141. «OLIS - Official Retail Sales Chart» (em polaco). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 30 de junho de 2018 
  142. «AFP - Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 30 de junho de 2018 
  143. «Top 100 Albums» (em eslovaco). IFPI Slovenská Republika. Consultado em 30 de junho de 2018 
    Nota: Na página, selecione a tabela correspondente ao país com o título "CZ - Albums - Top 100" e escolha a data "201824", clicando então em "Zobrazit" para gerar as colocações dos discos naquela semana.
  144. «Sverigetopplistan - Liberation by Christina Aguilera» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 30 de junho de 2018 
  145. «第25 週 統計時間» (em chinês). G-Music. Consultado em 30 de junho de 2018 
  146. Billboard Staff (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera's 'Liberation' Is Here: Stream It Now» (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de junho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]