Liberato Marcial Rojas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Liberato Marcial Rojas
Nascimento 17 de agosto de 1870
Assunção
Morte 22 de agosto de 1922
Montevidéu
Cidadania Paraguai
Ocupação jornalista, poeta, político

Liberato Marcial Rojas Cabral (1870Montevidéu, 1922) foi um jornalista e político paraguaio, presidente do país de 5 de julho de 1911 a 22 de fevereiro de 1912.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Rojas ocupou a presidência provisória da República em meio a um período de revoltas políticas. Ele havia sido designado pelo Congresso e durante seu governo a casa Patri foi adquirida para residência presidencial (atual Correio Geral); O Conselho Fiscal foi criado para emitir notas, e o ex-presidente Bernardino Caballero faleceu.

Um levante militar em 14 de janeiro de 1912 o forçou a renunciar, mas ele foi reintegrado três dias depois. O resto de seu governo passou em meio a convulsões políticas, sendo forçado novamente a renunciar pouco depois.

Casado com Susana Dolores Silva, era pai de Adolfo, Hermógenes (casado com Rosa Cubas) e Julio (casado com Celia Caligaris). Ele morreu em Montevidéu, em 22 de de Agosto de 1922.[1][2]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «paraguay». web.archive.org. 31 de julho de 2013. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  2. «Ministerio de Educación y Cultura - Paraguay » Biografías » Liberato Marcial Rojas». www.mec.gov.py. Consultado em 12 de agosto de 2021 


Precedido por
Cel. Albino Jara
Presidente do Paraguai
1911 - 1912
Sucedido por
Pedro Pablo Peña
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.