Lichinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
localização do distrito de Lichinga em Moçambique

Lichinga é a uma cidade moçambicana, capital da província do Niassa. Está situada a cerca de 2800 km de Maputo.

Administrativamente, a cidade de Lichinga é um município, com um governo local eleito, uma área de 280 km² e uma população de 142 253 habitantes em 2007; e é também um distrito, uma unidade administrativa local do Estado central moçambicano criada em 2013 e que coincide geograficamente com o município de Lichinga. [1] O antigo distrito de Lichinga tomou o nome de Chimbonila na mesma altura.[2]

O nome Lichinga deriva de N'tchinga, denominação original da zona em que actualmente se encontra localizada a cidade. Tendo originado na região de Metónia, a povoação foi para aqui transferida no início dos anos 30[3]. Em 21 de maio de 1932 a povoação recebeu o nome de Vila Cabral, como homenagem ao Governador Geral de Moçambique, José Ricardo Pereira Cabral[4]. A vila é elevada a cidade em 23 de Setembro de 1962 e renomeada Lichinga em 1976,[5] com a independência nacional.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

A principal ligação de Lichinga com o território nacional é rodoviária, sendo que a principal via é a rodovia N14, que a liga a Chimbonila e a Malanga, ao leste. Já pela N13 dá-se acesso à Massangulo e Mandimba, ao sul. Outras ligações importantes são feitas pelas rodovias N361 até as localidades de Lussimbesse e Metangula, ao norte, e; pela rodovia R727 à localidade de Meponda, no oeste, às margens do lago Niassa.[6]

A sede dispõe do Ramal de Lichinga, uma extensão do Caminho de Ferro de Nampula, de ligação com Cuamba.[7][8]

Em Lichinga também existe um aeródromo, o Aeroporto de Lichinga, que recebe voos domésticos regulares.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na cidade há um campus da Universidade Rovuma (UniRovuma), uma das instituições de ensino superior públicas do país.[9]

Notas e referências

  1. Lei nº 26/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1059-1061 (3)
  2. Lei nº 26/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1059-1061 (3)
  3. Couto, Madya. Descobrir Moçambique, Norte, Lichinga, em Índico, Série III, Nº 07 Maio/Junho 2011, página 34
  4. Couto, Madya. Descobrir Moçambique, Norte, Lichinga, em Índico, Série III, Nº 07 Maio/Junho 2011, página 35
  5. Decreto-Lei n.° 10/76, de 13 de Março de 1976, publicado no Boletim da República n.° 30, I Série
  6. Mapa Rodoviário de Moçambique. Maputo: Administração Nacional de Estradas, Março de 2012
  7. Vale, Álvaro Henriques do. Do Mapa Cor de Rosa à Europa do Estado Novo. Lisboa: Chiado Books, 2015.
  8. Fontoura, Alváro. O caminho de ferro transzambeziano. In: Lusocolonial. - nº 3 (1928), p. 36-37
  9. Reitor da UniRovuma recebido em apoteose na Extensão de Lichinga. UniRovuma. 2019.
Ícone de esboço Este artigo sobre Moçambique é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.