Like a Virgin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o álbum. Se procura pela canção de mesmo nome, veja Like a Virgin (canção).
Like a Virgin
Álbum de estúdio de Madonna
Lançamento 12 de novembro de 1984 (1984-11-12)
Gravação Abril — Setembro de 1984
Estúdio(s) Power Station Studios
(Manhattan, Nova Iorque)[1]
Gênero(s)
Duração 43:10 (edição padrão)
55:25 (edição remasterizada)
Formato(s)
Gravadora(s)
Produção
Cronologia de Madonna
Madonna
(1983)
True Blue
(1986)
Singles de Like a Virgin
  1. "Like a Virgin"
    Lançamento: 6 de novembro de 1984 (1984-11-06)
  2. "Material Girl"
    Lançamento: 30 de janeiro de 1985 (1985-01-30)
  3. "Angel"
    Lançamento: 10 de abril de 1985 (1985-04-10)
  4. "Into the Groove"
    Lançamento: 23 de julho de 1985 (1985-07-23)
    (exceto nos Estados Unidos)
  5. "Dress You Up"
    Lançamento: 24 de julho de 1985 (1985-07-24)

Like a Virgin é o segundo álbum de estúdio da artista musical estadunidense Madonna, lançado em 12 de novembro de 1984 através da editora discográfica Sire Records em parceria com a Warner Bros. Records. Foi relançado em agosto de 1985 em diversos territórios fora da América do Norte com a inclusão de "Into the Groove", creditada como faixa bônus. O álbum foi produzido por Nile Rodgers e gravado nos Power Station Studios, em Nova Iorque, com as faixas sendo produzidas em um ritmo rápido. Rodgers contou com a ajuda de Bernard Edwards, baixista, e Tony Thompson, baterista, seus ex-companheiros da banda Chic. Edwards e Thompson apareceram em várias faixas do álbum. Rodgers decidiu ser o guitarrista, quando Edwards pediu-lhe para desempenhar o papel, em troca de sua ajuda. Jason Corsaro, o engenheiro de áudio do disco, convenceu Rodgers usar a gravação digital, uma nova técnica da época. A capa do disco e as imagens de seu acompanhante encarte foram fotografadas por Steven Meisel. Madonna queria que o título do álbum e a imagem da capa fizessem uma ligação provocante entre seu próprio nome religioso Madonna, bem como o título católico romano para a mãe de Jesus, Maria, e o conceito cristão do nascimento virgem.

Like a Virgin não é derivado do estilo musical do primeiro álbum de Madonna, porém a cantora sentiu que o material era mais forte. Madonna quis que o material do álbum fosse feito ativamente, porém isso foi feito com menos da metade do registro, pois na maior parte do material original do disco, Madonna colaborou com seu ex-namorado, Stephen Bray. Musicalmente, o álbum deriva principalmente dos estilos musicais dance-pop e new wave, com temas que abordam relacionamentos, como "Like a Virgin", e coisas materiais, bem como propriamente dito, "Material Girl". Após seu lançamento, Like a Virgin recebeu críticas mistas dos especialistas, mas foi um grande sucesso comercial. O álbum se tornou o primeiro de Madonna a atingir o pódio da principal parada de álbuns dos Estados Unidos, a Billboard 200, e também alcançou o topo das paradas musicais na Alemanha, Espanha, Itália, Países Baixos, Nova Zelândia e Reino Unido. A Recording Industry Association of America (RIAA) certificou Like a Virgin como Disco de diamante por ter superado a incrível marca de dez milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos. Mundialmente, o álbum já vendeu mais de 24 milhões de cópias, sendo o primeiro álbum de Madonna a entrar para a lista dos álbuns mais vendidos do mundo.

De Like a Virgin surgiram cinco singles. A faixa homônima, juntamente com "Material Girl", atingiram sucesso mundial, sendo que a primeira citada foi a primeira de doze canções de Madonna a atingir o pico da principal parada musical dos Estados Unidos, a Billboard Hot 100. Outras canções do álbum, como "Angel" e "Dress You Up", foram lançadas como o terceiro e quarto singles do disco, respectivamente, nos meses seguintes a "Material Girl", e foram bem sucedidas em paradas musicais dos Estados Unidos e no Reino Unido, atingindo o top cinco em ambas. "Into the Groove" foi lançada como o quarto single do disco em alguns territórios, exceto nos Estados Unidos, onde foi incluído como o lado b de "Angel". A canção também foi incluída no relançamento de 1985 do álbum. "Love Don't Live Here Anymore" e "Over and Over" foram lançadas como singles promocionais no Japão e na Itália, respectivamente. Para promover o álbum, Madonna embarcou em sua primeira turnê, a The Virgin Tour, que também promoveu seu primeiro e homônimo álbum, e teve shows em apenas em cidades da América do Norte, bem como nos Estados Unidos e no Canadá.

Like a Virgin teve significado como um artefato cultural dos anos 1980. Madonna provou que ela não era uma "mulher de apenas um hit" e foi capaz de ficar permanente no mundo da música. Suas músicas receberam várias críticas tanto por conservadores e paródias por parte da população mais jovem do sexo feminino, especialmente "Material Girl" e "Like a Virgin". De acordo com o escritor J. Randy Taraborrelli, "todo artista importante tem pelo menos um álbum em sua carreira, cuja crítica e sucesso comercial se tornam momentos mágicos do artista, pois Madonna e Like a Virgin foram apenas momentos de definição".

Antecedentes e contexto[editar | editar código-fonte]

Nile Rodgers foi escolhido por Madonna como o principal produtor do disco após a cantora ouvir canções do disco Let's Dance, onde Rodgers colaborou com David Bowie.

Ex-dançarina de boates de Nova Iorque, Madonna Louise Ciccone tornou-se conhecida no mundo simplesmente como Madonna, com o lançamento de seu primeiro e homônimo álbum, lançado em julho de 1983. Com canções de sucesso como "Holiday", "Borderline" e "Lucky Star", o álbum foi um dos mais vendidos em 1983 e ajudou Madonna a se tornar uma das artistas mais interessantes dos anos 80.[3] Quando começou a trabalhar em seu segundo álbum, Madonna sentiu que seu primeiro álbum havia conseguido introduzir seu lado de "rainha elegante de dança de rua", e ela queria solidificar e construir sobre esse conceito.[4] De acordo com a cantora, "meu trabalho, minha dedicação, a teimosia para conseguir lançar Madonna acabou. Agora era o momento de solidificar o meu futuro".[4]

Para Like a Virgin, a cantora tentou se tornar uma das principais produtoras de discos, sentindo a necessidade de controlar os vários aspectos da sua música. Ela acreditava que dependendo de um produtor específico para o seu álbum, não era algo que lhe convinha.[5] A cantora também disse: "Eu aprendi a minha lição ao criar o meu álbum de estreia, e da forma como Lucas me deixou sozinha com o projeto, você não pode confiar nos homens", referindo-se ao incidente, quando, devido a certas diferenças de opinião entre o produtor Reggie Lucas e Madonna, Lucas deixou o projeto em sua metade.[4] No entanto, a Warner Bros. Records não estava pronto para dar-lhe a liberdade artística que a cantora queria.

Em última escolha, Nile Rodgers foi escolhido por Madonna como produtor do álbum, com a aprovação dos executivos da Warner Bros. Madonna escolheu Rodgers principalmente devido ao seu trabalho como membro da banda dos anos 70 Chic, e seu mais recente trabalho de produção com David Bowie, Let's Dance.[4] Ela comentou: "Quando eu estava fazendo o disco, eu estava apenas muito emocionada e feliz de estar trabalhando com Nile Rodgers, eu idolatrava Nile por causa de toda essa coisa chique. Eu não acreditava que a gravadora iria me dar o dinheiro para que eu pudesse trabalhar com ele".[3]

Por sua parte, Rodgers lembrou que ele tinha visto Madonna se apresentar em uma pequena boate em Nova York, em 1983. Em entrevista a revista Time, Rodgers explicou: "Eu fui para a boate para ver outra mulher cantar, mas quando cheguei lá, Madonna estava no palco. Eu a amava no palco, e em seguida, nos encontramos logo depois que eu fiquei pensando comigo mesmo: 'Droga, ela é uma estrela', mas ela não estava naquele momento. Eu sempre quis trabalhar com ela e em Like a Virgin parecia a oportunidade perfeita".[6]

Gravação e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O álbum foi gravado nos Power Station Studios, em Nova Iorque, com as faixas sendo produzidas em um ritmo rápido. Rodgers contou com a ajuda de seu ex-companheiros da banda Chic, que eram Bernard Edwards, que era o baixista, e Tony Thompson, que tocava bateria, que apareceu em várias faixas do álbum. Rodgers decidiu ser o guitarrista, quando Edwards pediu-lhe para desempenhar o papel de guitarrista, em troca de sua ajuda.[3]

"Madonna é muito astuta quando se trata de conseguir o que quer. Em um ponto, eu tinha ameaçado abandonar o projeto, porque ela tinha supostamente me tratado indelicadamente no estúdio, algo que eu não aceito. Eu estava no elevador e ela aproximou-se e sorriu para mim e disse: 'Nile, eu quero saber uma coisa: Será que isso significa que você não me ama mais?' ... E então começamos a rir e percebemos o quão nós estávamos sendo ridículos. Era isso. Nós não tivemos uma discussão depois disso.

—Nile Rodgers falando sobre como foi trabalhar com Madonna em Like a Vrigin.[3]

As sessões de gravação do álbum começavam apenas na tarde, pois Rodgers, que participava de festas de fim de noite, não estava acostumado a trabalhar no início da manhã. A programação também foi difícil para Madonna, que lembrou que "ia para o clube de natação no Upper West Side ir nadar e caminhar do clube até o estúdio de gravação. Era impossível para mim chegar lá de manhã".[3] Rodgers lembrou que Madonna era muito trabalhadora e incrivelmente tenaz. Ele comentou: "Fico sempre espantado por Madonna ser incrível quando se trata de fazer discos pop. Eu nunca vi ninguém fazer isso melhor, e essa é a verdade. Quando fizemos esse álbum, foi a união perfeita, e eu sabia disso desde o primeiro dia no estúdio. A coisa entre nós, o homem, que era sexual, era apaixonado, era a criatividade ... Era o pop".[5]

Jason Corsaro, o engenheiro de áudio do disco, convenceu Rodgers usar a gravação digital, uma técnica então nova usada no momento em que Corsaro acreditava que ia ser o futuro da gravação.[7] Para garantir isso, Corsaro usou um gravador com fitas digitais Sony 3324 de 24 canais e uma Sony F1 de duas faixas durante a mistura das canções. Madonna gravou as partes mais difíceis das canções em uma pequena sala de madeira, que tinha piano e teto alto na parte de trás do Studio C, também conhecida como "sala R&B dos Power Station Studios".[7] Corsaro então colocou gobos ao seu redor enquanto estava usando o top da cápsula de um aparelho de som AKG C24 com um tubo de microfones, com um microfone Schoeps pré-amplificador e um equalizador Pultec. Uma vez que as canções reuniram-se com a aprovação de todos, Robert Sabino adicionou as partes do teclado, tocando principalmente um Sequential Circuits Prophet-5, bem como algumas partes de piano Rhodes e pianos acústicos, enquanto Rodgers também desempenhou um synclavier. Madonna, embora não tenha sido obrigada, sempre estava presente nas sessões de gravação e do processo de mistura do disco. Corsaro comentou: "Nile estava lá a maior parte do tempo, mas ela estava lá o tempo todo. Ela nunca saiu".[7]

Título e capa[editar | editar código-fonte]

O vestido usado pela cantora na capa do disco, incluindo o famoso e infame cinto "Boy Toy" (imagem).

A capa do álbum e as imagens de seu acompanhante encarte foram fotografadas por Steven Meisel, que se tornaria um colaborador regular com Madonna, em uma suíte no St. Regis Hotel.[8][9] Madonna queria que o título do álbum fizesse uma ligação provocante entre seu próprio nome religioso Madonna, bem como o título católico romano para a mãe de Jesus, Maria e o conceito cristão do nascimento virgem. Com o título da canção alusiva a este conceito, Madonna queria que a capa do álbum tivesse mensagens mistas também.[8] O escritor Graham Thompson descreveu que "Madonna está reclinada sobre um lençol de cetim, com um buquê no colo e vestindo um vestido de noiva, e mais perto, revela a imagem de Madonna altamente enfatizada e sexy". Ele acrescentou que as maquiagens pesadas, fazendo lábios como selinho e cabelo despojado, junto com a apertada bustier e luvas que cobrem completamente os dedos, virou a imagem de Madonna em uma figura não de virtude, mas de desejo. Neste ponto, de acordo com Thompson, é ainda mais enfatizada pelo cinto que ela está usando, o texto em que é visível apenas como "Boy Toy". Ele acrescentou: "A imagem era ambígua e foi baseada no fato de que o apelo de Madonna nesse momento de sua carreira não estava apresentando-se apenas como um objeto de desejo, mas também como um sujeito feminino desejável".[8]

Stephen Thomas Erlewine, do portal Allmusic, comentou que "a capa de Steven Meisel ... foi como chave para sua reinvenção, como a música do álbum em si".[2] William McKeen, autor de Rock and roll is here to stay: an anthology, sentiu que "a imagem era outra trigger e um testamento ao fato de que Madonna era a última palavra em moda para mulheres e meninas daquela época, o epítome das coisas descoladas".[10] A figurinista Arianne Phillips comentou: "Like a Virgin foi um dos momentos mais chocantes, libertadores e influentes da história da cultura e da moda pop ... A moda nunca mais foi a mesma".[11] A própria Madonna declarou: "Eu sempre gostei de brincar de gato e rato com os estereótipos convencionais. A capa do álbum Like a Virgin é um exemplo clássico. As pessoas estavam pensando que eu estava fingindo ser a Virgem Maria ou uma vadia? Estas foram as duas imagens extremas de mulheres que haviam conhecido vividamente e que lembram-se da infância, e eu queria dançar com eles. Eu queria ver se eu posso fundi-las, a Virgem Maria e a vadia como um e de todos. A foto foi uma declaração de independência, se você quer ser uma virgem, você é bem-vinda. Mas se você quer ser uma vadia, é seu direito ser assim".[12]

Composição[editar | editar código-fonte]

Estilo musical e letras[editar | editar código-fonte]

"Like a Virgin é um álbum muito mais difícil, muito mais agressivo do que o meu primeiro disco. As canções eram muito fracas. Neste disco [Like a Virgin], eu escolhi todas as músicas e eu quero que os acessos a elas não sejam cheios. É por isso que eu escolhi todas as canções, bem como cinco da minha própria autoria ... Eu queria que cada canção fosse forte".

—Madonna comentando sobre as canções do disco Like a Virgin.[13]

De acordo com Taraborrelli, "Madonna e Rodgers tinham muita energia coletiva, ela querendo fazer um segundo álbum e quebrar recordes e ele querendo ser o produtor dela, que levou a produção de Like a Virgin com grande precisão".[14] Madonna também colaborou com seu ex-namorado Stephen Bray, que co-escreveu muitas das canções do álbum. Refletindo sobre o estilo musical do álbum, Bray observou: "Eu sempre fiz a caixa torácica e o esqueleto das canções, já que ela está lá fazendo as últimas coisas como as sobrancelhas e o corte de cabelo".[15] A faixa de abertura do disco é "Material Girl", que foi escrita por Peter Brown e Roberta Rans. Madonna explicou que o conceito da canção era semelhante à situação de sua vida naquele momento. Segundo ela, a música era provocante, daí ela foi atraída para ela. Madonna comentou várias vezes que se arrepende ter gravado "Material Girl".[16][17] A canção incorpora o estilo musical new wave e consiste em arranjos de sintetizadores com uma voz robótica repetindo o gancho. As letras falam sobre o materialismo, com Madonna pedindo uma vida rica e abastada, ao invés de romances e relacionamentos.[18][19] Escrita por Madonna e Stephen Bray, "Angel" é a segunda faixa do álbum. Foi uma das primeiras canções desenvolvidas para o projeto e, de acordo com Madonna, foi inspirada por uma garota que é salva por um anjo e, posteriormente, se apaixona por ele.[20] "Angel" consiste de um gancho ascendente de três acordes, que serve como o verso e refrão da canção. Tem harmonias vocais sob o refrão principal e as letras repetem a imagem do anjo como o salvador da Madonna.[21] A faixa homônima foi escrita por Billy Steinberg e Tom Kelly.[22] Steinberg disse que a canção era inspirada por suas experiências românticas. A canção foi escolhida por Madonna e por Michael Ostin, da Warner Bros. Records, após ouvir uma demo cantada por Kelly. No entanto, Rodgers inicialmente sentiu que a música não tinha um gancho bom o suficiente e que não era adequada para Madonna, mas depois mudou de opinião após ficar com o gancho preso em sua mente.[22] Ele reconheceu o potencial da música: "Eu entreguei o meu pedido de desculpas a Madonna e disse: 'Você sabe ... se é tão cativante que ficou na minha cabeça por quatro dias, deve ser alguma coisa. Então, vamos fazer a canção".[3][22] "Like a Virgin" é uma canção dance, composta por dois ganchos. A voz de Madonna é ouvido num registro elevado, enquanto um arranjo contínuo dos tambores são ouvidos ao longo da linha de baixo.[21] De acordo com o escritor Rikky Rooksby, as letras da canção são ambíguas e consistem em insinuações escondidas. Em termos sexuais, as letras podem ser interpretadas de maneiras diferentes e por pessoas diferentes.[21]

Madonna a interpretar "Into the Groove" durante um dos shows da turnê Sticky & Sweet Tour, no ano de 2009. A canção é inspirada pelas pistas de dança.

Em "Over and Over", Madonna canta sobre determinação e escolhe várias possibilidades a partir de decepções. A música é composta de instrumentos como bateria, sintetizadores e tem uma progressão de três acordes.[23] Um momento de emoção ocorreu no estúdio de gravação quando Madonna vez um cover da canção de 1978 lançada por Rose Royce, "Love Don't Live Here Anymore". O cover foi lançado como single promocional do disco no Japão.[3] Rodgers lembrou: "Madonna nunca havia se apresentado com uma orquestra ao vivo, antes eu era obrigado a fazer tudo ao vivo, então eu disse, 'Madonna, você vai lá, canta a canção e vamos segui-la'. Na primeira vez, Madonna estava hesitante, mas o cenário acabou produzindo resultados memoráveis. Madonna cantou, foi superada por suas emoções e começou a chorar, mas eu deixei ela na gravação".[3] A canção apresenta vocais de Madonna apoiados por guitarras acústicas e cordas synth, com Tony Thompson tocando o tambor no segundo verso. No final, a voz de Madonna é comparável com a de um cantor de soul.[24]

"Into the Groove" é a sexta faixa na edição do disco em 1985, a canção não aparece nas cópias iniciais do álbum, e não fez parte da lista de faixas do álbum na edição americana, sendo incluída como b-side de "Angel" nos Estados Unidos. A inspiração de Madonna para a canção foi a pista de dança, e ela escreveu enquanto observava um homem porto-riquenho da varanda de seu apartamento.[24] Inicialmente escrita por seu amigo Mark Kamins, Madonna mais tarde decidiu usar a canção na trilha sonora de seu filme de 1985, Procura-se Susan Desesperadamente.[25] Ao contrário das outras canções do disco, "Into the Groove" foi gravada no Sigma Sound Studios, e produzida por Madonna e Stephen Bray. Amiga de Madonna, Erika Belle esteve presente durante a gravação da canção e viu todo o processo de gravação.[26] Na biografia de Madonna escrita por Andrew Morton, ela observa que em uma certa altura da gravação, Bray estava enfrentando dificuldades com a ponte da canção, como pensar que não poderia sincronizar a melodia da canção com o resto da composição.[26] Sem se deixar abater por suas óbvias dificuldades, Madonna se aproximou do microfone e cantou as palavras "Live out your fantasy here with me".[nota 1] O problema de Bray foi resolvido. Belle lembrou da experiência dizendo: "[A música] parecia sair dela, fiquei apavorada".[26] A música é composta de instrumentos como bateria, percussão, congas e apitos. A voz de Madonna dobra no refrão da canção.[24] As letras são simples, e é escrita como um convite para dançar com a cantora, com insinuações sexuais e matizes do significado.[27]

"Dress You Up" foi a última canção a ser adicionada ao álbum, por ser apresentada tardiamente. Foi composta por Andrea LaRusso e Peggy Stanziale.[28] Apesar de Rodgers ter rejeitado a canção por não haver mais tempo para compor uma melodia e gravá-la para o álbum, Madonna o convenceu a canção no disco, por ter particularmente gostado de suas letras.[29] A canção é uma faixa com batidas dançantes, e possui uma instrumentação composta por guitarras e vocais de apoio. As letras da canção são uma metáfora ampliada para a moda e sexo, comparando vestir-se com paixão.[29] "Shoo-Bee-Doo" contém homenagem a música de Motown. Começando com uma lenta introdução, a música é classificada no gênero doo-wop e lembra as canções de girl groups dos anos 60, como as The Shirelles e as The Crystals. O saxofone colapso é instrumentado por Lenny Pickett.[29] As letras da canção discutem os problemas de relacionamento, e são formuladas como clichês na coda.[29] "Pretender" começa com seu refrão e, em seguida, começam seus versos. O tema da canção fala sobre sedução e a insegurança sentida por uma mulher que sente que as coisas estão se movendo muito rapidamente para ela e seu parceiro.[29] "Stay" é a última faixa do álbum. Usando ritmos triplicados e vocais controlados, a música inclui um barulho parecido com alguém batendo um microfone e de uma sequência falada que se desvanece afastada em seu final.[29]

Singles[editar | editar código-fonte]

Oficiais[editar | editar código-fonte]

A artista a interpretar "Like a Virgin" durante um dos shows da turnê The MDNA Tour, no ano de 2012.

Para promover o disco, alguns singles e canções promocionais foram retirados de seu alinhamento de faixas. O primeiro deles, a faixa homônima, foi lançada como o primeiro single do disco seis dias antes de seu lançamento, em 6 de novembro de 1984. A canção recebeu críticas positivas pela crítica musical, que frequentemente citou a canção como uma das canções de definição para Madonna.[2][30] A canção se tornou a primeira de doze canções de Madonna a converter-se no êxito de alcançar o pico de número um na principal tabela musical dos Estados Unidos, a Billboard Hot 100, além de alcançar o topo das tabelas da Austrália, Canadá e Japão, além de alcançar o top dez em outros países.[31][32][33] A canção foi certificada com certificação de ouro pela Recording Industry Association of America (RIAA) em 10 de janeiro de 1985 pelas vendas de mais de um milhão de cópias físicas nos Estados Unidos — exigência que continuou até 1989, quando o Disco de Ouro passou a representar as vendas de 500 mil unidades nos Estados Unidos.[34] Seu vídeo musical foi dirigido por Mary Lambert e retratou Madonna navegando pelos rios de Veneza em uma gôndola e dando voltas em torno de um palácio com um vestido de casamento branco, usado também na capa do single nos Estados Unidos.[35][36] Com o vídeo, os críticos musicais observaram Madonna como uma mulher sexualmente independente com o simbolismo da aparência de um homem com máscara de leão ao lado de São Marcos,[37] e compararam o erotismo do vídeo para com a vitalidade da cidade de Veneza.[38]

"Material Girl" foi lançada como o segundo single do disco, cujo lançamento ocorreu em 30 de janeiro de 1985. Os críticos musicais tem observado frequentemente que "Material Girl" e "Like a Virgin" são as canções que fizeram de Madonna um ícone da música pop.[2][39] "Material Girl" foi um grande sucesso comercial, atingindo o top cinco na Austrália, Bélgica, Canadá, Irlanda, Japão e Reino Unido,[40][41] além de chegar a posição de número dois na Billboard Hot 100.[42] Seu vídeo musical foi uma imitação da apresentação de Marilyn Monroe da canção "Diamonds Are a Girl's Best Friend", presente no filme de 1953 Os Homens Preferem as Loiras.[43] As cenas de Madonna são intercaladas com cenas de um diretor de Hollywood tentando conquistar o coração de uma atriz, interpretada pela própria Madonna. Ao descobrir que, ao contrário do que a canção diz, a jovem não estava impressionado com dinheiro e presentes caros, o rapaz finge ser pobre e consegue levá-la para um encontro.[44]

"Angel" foi lançada como o terceiro single do disco em 10 abril de 1985. A crítica musical deu a canção avaliações mistas, com uma parte dizendo que era um clássico, enquanto outra sentiu que era diferente em comparação com os outros singles da Madonna.[45][46] "Angel" tornou-se o quinto single de Madonna a atingir o top cinco na Billboard Hot 100, enquanto alcançou o topo na tabela Billboard Hot Dance Club Play.[47][48]

"Into the Groove" foi lançada como o quarto single do disco em 23 de julho de 1985. Esta faixa não havia inicialmente planejada para ser incluída no disco, porém mais tarde não foi adicionada nos lotes do disco nos Estados Unidos, sendo incluída apenas no relançamento de 1985 do álbum. A canção recebeu grande aclamação pela crítica musical e pelos escritores, que frequentemente citaram a canção como "o primeiro grande single de Madonna".[27][49] "Into the Groove" alcançou o topo das tabelas da Austrália, Bélgica, Irlanda, Itália, Japão, Países Baixos, Nova Zelândia e Reino Unido, sendo que no último país citado, a canção foi a primeira canção de Madonna a atingir o pico da UK Singles Chart.[50] Em alguns países, como nos Estados Unidos e Austrália, "Into the Groove" foi lançado apenas como o lado b no maxi single de "Angel". Portanto, a canção não conseguiu entrar nas tabelas da Billboard Hot 100 e Hot 100 Single Sales. A canção atingiu o número um na parada Hot Dance Club Play, onde foi listada como um single duplo com "Angel".[51]

"Dress You Up" foi lançada como o quinto e último single oficial do disco um dia após "Into the Groove", em 24 de julho de 1985. A crítica musical deu a canção aclamações positivas pela natureza dance-pop da faixa.[30][52] "Dress You Up" se tornou o sexto single consecutivo de Madonna a atingir o top cinco nos Estados Unidos.[53] A canção também alcançou o top dez na Austrália, Bélgica, Canadá, Irlanda, Nova Zelândia e Reino Unido.[54][55]

Promocionais[editar | editar código-fonte]

"Love Don't Live Here Anymore" foi lançada como o terceiro single do disco promocionalmente no Japão. Devido ao fato de não ter sido lançada em outros países, não conseguiu entrar em nenhuma parada oficial. A canção é um cover da versão original, feita por Rose Royce e lançada em 1978.

"Over and Over" foi lançada como o sétimo e último single do disco na Itália. Assim como "Love Don't Live Here Anymore", também não conseguiu entrar em nenhuma parada oficial devido ao fato de ter sido lançada apenas na Itália.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4.5 de 5 estrelas.[2]
Billboard (positiva)[56]
Entertainment Weekly (A)[30]
Robert Christgau (B)[57]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.[58]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.[39]
Stylus Magazine (favorável)[59]
The New York Times (positiva)[60]
Yahoo! Music (mista)[61]

Like a Virgin recebeu críticas mistas pela crítica musical. O escritor J. Randy Taraborrelli disse: "Foi Like a Virgin que refletiu Madonna como artista e com vocais mais versáteis e artísticos neste álbum que é reflexivamente mais acentuado, em contraste com os seus primeiros trabalhos na indústria da música".[4] Michael Paoletta, da revista Billboard, comentou que as músicas no álbum sustentam um "impulso febril do dance-rock".[56] Stephen Thomas Erlewine, do portal Allmusic, comentou: "No geral, o álbum acrescenta-se menos do que a soma de suas partes, em parte, os singles são muito bons, mas também no primeiro álbum ela surpreendeu todos com estilo e uma certa alegria. Aqui, o cálculo é aparente, e enquanto isso é parte da essência de Madonna, até mesmo algo que faz com que ela lance coisas engraçadas no equilíbrio do disco um pouco demais para que seja consistente, mesmo que isso justificadamente tenha feito dela uma estrela".[2] Debby Miller, da revista musical Rolling Stone, preferiu o álbum de estreia de Madonna do que Like a Virgin.[58] O crítico Robert Christgau comentou em seu guia do consumidor que "[Madonna] tão segura de si mesma, ela está pedindo homens e mulheres, tanto para obter os caras gostosos do que as vadias que vendem as fantasias, mesmo quando ela lança para o mercado fonográfico sinceridade, onde super estrelas d longo prazo dobram seu comércio. E para tornar a música menos mecânica, ela contratou Nile Rodgers, que não ganhou culpa para torná-lo menos atraente".[57]

Jim Farber, da revista Entertainment Weekly, disse que "Além de tornar Madonna como prostituta com músicas como a faixa-título, Like a Virgin embalou vários tipos de sucessos dos anos 80 ("Dress You Up"), construído para transcender a era da Dinastia".[30] Alfred Soto, da revista Stylus Magazine, lembrou da primeira vez que ouviu as músicas do álbum e comentou: "Muitos críticos pensam que algo semelhante ocorreu quando Madonna continuou sua estreia com Like a Virgin, dirigido por Nile Rodgers, com todas as canções calculadas fixamente ao lado da "paixão crua" da estreia. Isso é um absurdo, mas penso como Madonna confundiu noções de espontaneidade e cálculos, com Rodgers sendo o colaborador ideal".[59] Stephen Holden, do jornal americano The New York Times, disse: "Com uma dura voz que é ao mesmo tempo tímida e das ruas, os vocais duros de Madonna voltam para a tradição de grupos femininos de rock-and-roll que precedeu os The Beatles. Mas onde girl groups, como as The Shirelles e as The Ronettes, seus valores acabam exaltando carros, cortes de cabelo e poses rebeldes com seus namorados? Pelo ponto de vista de Madonna, isso tudo é decididamente mais auto-interessados. Em matéria de amor, ela é uma cliente em comparação com um sentido perspicaz de seu próprio valor do mercado. As palavras 'shiny and new'[nota 2] descrevem não só a forma de como a cantora se sente com seu amor ferido, mas o som do álbum".[60]

Matt Damsker, do jornal The Los Angeles Times, comentou: "A vibração forte de Madonna às vezes faz com que o seu som saia tão robótico no álbum".[62] Escrevendo para o jornal The Providence Journal, Lou Papineau disse: "Em Like a Virgin Madonna prova que ela não é superficial, e sim, corajosa".[63] Sal Cinquemani, da revista Slant Magazine, deu ao disco uma crítica positiva, dizendo: "Apesar de não ser tão inovadora quanto a sua estreia, Like a Virgin se destaca como um dos artefatos pop mais definitivos do indulgente Era Reagan. A balada mid-tempo 'Shoo-Bee-Doo' e o cover da canção 'Love Don't Live Here Anyomre', feito originalmente por Rose Royce, provou que Madonna poderia produzir mais do que apenas os sucessos da novidade, enquanto que a doce 'Angel' e a irresistível 'Dress You Up' contribuíram para a lista de recordes da cantora de hits consecutivos no top cinco (16 no total). A retro-infundida 'Stay' e a percussão de 'Over and Over' são as pérolas escondidas do álbum".[39] Ed Stevenson, da revista Pepole, sentiu que "o que Madonna faz tem um senso de humor, mas ela está enterrada sob tantas camadas de auto-paródia que é difícil dizer às vezes ... Ela é apoiada sobre isso pelo toque ritmado de confiança do veterano Nile Rodgers, cujas contribuições ajudaram a criar um tolerável buço".[64] Hugo Mistry, do jornal The Chicago Tribune, sentiu que "Like a Virgin foi a grande descoberta de Madonna, jogando fora seu lado auto-consciente, com uma série de pistas de dança legais, letras que chamam a atenção e vídeos picantes".[65]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Madonna a interpretar "Dress You Up" durante um dos shows da turnê Sticky & Sweet Tour, no ano de 2009.

Madonna estreou o single "Like a Virgin" no primeiro MTV Video Music Awards, que ocorreu em 14 de setembro de 1984, onde a cantora apareceu no palco em cima de um bolo de casamento gigante vestida com um vestido de noiva, que incluía também o infame e famoso cinto "Boy Toy" e um véu. O clímax de seu desempenho aconteceu no momento em que Madonna fez posições sexuais no palco. A apresentação é conhecida como uma das mais icônicas da história da MTV.[66][67] Em 13 de dezembro de 1984, Madonna apresentou "Like a Virgin" no programa Top of the Pops, da BBC One, vestindo calças punky rasgadas, uma peruca de cor rosa vívida, acessórios religiosos e malhas em camadas.[68] Mais tarde, foi votada como o segundo melhor desempenho de todos os tempos do programa.[69] Madonna também apareceu no concerto de caridade Live Aid no ano de 1985, onde apresentou "Into the Groove".[70]

Compilação de vídeos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Madonna (videos)

Uma compilação de vídeos, intitulado Madonna, foi lançada pela Warner Music Video em parceria com a Sire Records para promover o álbum de estreia homônimo de Madonna (1983) e Like a Virgin. O álbum de vídeo foi a primeira compilação de vídeos da cantora. Ele ganhou o prêmio de "Best Selling Video Merchandized as Music Video",[nota 3] feito pela National Association of Recording Merchandisers.[71] O vídeo também liderou a parada musical de vídeo cassetes da Billboard entre o período de 13 de abril e 9 de novembro de 1985. Jim McCullaugh, da mesma revista, atribuiu às fortes vendas do vídeo de Madonna ao então recente álbum de estúdio Like a Virgin e aos concertos da turnê The Virgin Tour.[72] O vídeo atingiu o número um na música no gráfico de fim de ano Top Music Videocasettes 1985, com Madonna se tornando a artista pop do ano.[73] Promovido pela Warner Music Video como "A Vision of Madonna", a compilação continha os vídeos musicais dos singles "Burning Up" (1983) e "Borderline" (1984), além de uma versão dançante estendida especial do vídeo musical de "Lucky Star" (1983) e o single então novo "Like a Virgin".[74] O álbum de vídeo incluía uma versão exclusiva de "Lucky Star". Quando a cantora diz: "oh yeah", é ecoada três vezes e sua imagem é repetida três vezes. Além disso, "Like a Virgin" omite a cena em que a língua do leão se move ao mesmo tempo com a batida da canção. Estes vídeos foram liberados mais tarde na primeira compilação de grandes hits da cantora, The Immaculate Collection (1990), com essas edições sendo alteradas.[74] O vídeo foi promovido na boate Cabaret Metro em Chicago, em 9 de fevereiro de 1985. Recebendo o nome de "The Virgin Party", o evento atraiu cerca de 1.200 pessoas e promoveu LPs de Madonna, fitas, CDs e videocassetes. As pessoas tiveram que vestir branco no evento, e pagando cinco dólares de ingresso, puderam ver o videocassete Madonna e a estreia do vídeo musical de seu próximo single, "Material Girl". O evento foi organizado como uma apresentação para promover vídeos musicais, que naquela época não tinham grande repercussão.[75]

The Virgin Tour[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Virgin Tour

O álbum foi promovido pela primeira turnê de Madonna, a The Virgin Tour, que passou apenas por cidades dos Estados Unidos e Canadá.[76][77] No início havia planos para agendar datas na Inglaterra e no Japão, devido à grande quantidade de fãs de Madonna em ambos os países. No entanto, acabou pelos países não serem incluídos na turnê. No final, algumas datas extras foram adicionadas e os concertos mudaram-se salas maiores, devido às vendas dos ingressos terem sidos muito mais fortes em algumas datas nos Estados Unidos.[77] O desempenho de Madonna na turnê foi descrito por J. Randy Taraborrelli como "cheia de emoção". Na turnê, Madonna apresentava canções de seu disco de estreia e do disco Like a Virgin, e perguntava ao público "Will you marry me?".[nota 4][77] Os trajes coloridos incluíam jaquetas new wave na apresentação de "Holiday" e vestidos de casamento semelhantes ao usado no vídeo musical de "Like a Virgin".[78] Referindo-se às suas influências de Detroit e Michael Jackson, Madonna cantou um verso de "Billie Jean" durante as apresentações de "Like a Virgin".[77] A turnê The Virgin Tour foi um grande sucesso e reuniu um total de mais de cinco milhões de dólares.[79][80] Durante uma entrevista feita em 2009 para a revista musical Rolling Stone, o entrevistador Austin Scaggs perguntou a Madonna sobre seus sentimentos e emoções durante a turnê, já que era a primeira vez que ela estava tocando em arenas. Ela respondeu:

Legado[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento de Like a Virgin, Stephen Holden, do jornal americano The New York Times, comentou: "Nenhum fenômeno ilustra mais claramente como a história da música pop parecendo estar correndo em ciclos que o sucesso repentino pop de 24 anos de idade, conhecida como 'Madonna um mês antes do Natal', o segundo álbum de Madonna, Like a Virgin, vendeu mais de dois milhões de cópias. Adolescentes estavam fazendo filas nas lojas para comprar o álbum, da mesma maneira que seus pais faziam filas para comprar discos dos The Beatles no final dos anos 60".[60] Madonna provou que não era uma "mulher de apenas um hit" com o lançamento do álbum, que vendeu 12 milhões de cópias em todo o mundo apenas na época de seu lançamento.[81] O escritor J. Randy Taraborrelli sentiu que "Like a Virgin é realmente um retrato dos instintos misteriosos do pop de Madonna com os poderes de seu zelo impaciente para o crescimento criativo e seu talento nato para a elaboração de um bom histórico".[4] Ele acrescentou que o sucesso do álbum deixou claro qual era o lado real de Madonna. "Ela era uma rainha da dança de rua inteligente com o fascínio sexy de Marilyn Monroe, a frieza tímida de Marlene Dietrich, os cortes e a proteção de um moderno Mae West".[4] Embora o álbum tenha recebido críticas mistas, Taraborrelli acreditava que "o mero fato de que na época de seu lançamento tantas pessoas não pudessem resistir e comentavam sobre o disco, o mesmo foi uma grande testemunha da crescente fascinação contínua com Madonna ... Cada artista importante tem pelo menos um álbum em sua carreira, cuja crítica e sucesso comercial se tornam momentos mágicos do artista, pois Madonna e Like a Virgin foram apenas momentos de definição".[25][82] Chris Smith, autor de 101 Albums That Changed Popular Music, acreditava que "com Like a Virgin, Madonna era capaz de roubar os holofotes para si mesma. Ela afirmou sua sexualidade apenas como estrelas masculinas do rock tinham feito antes, indo para muito além dos limites de ser uma artista pop, para se tornar um ponto para as discussões de âmbito nacional de relações de poder nas áreas de sexo, raça, religião e outros temas sociais".[83] Suas canções receberam muitas críticas por conservadores e tiveram grandes imitações por parte do público feminino mais jovem.[83]

A cantora a interpretar "Material Girl" durante um dos shows da turnê Rebel Heart Tour, no ano de 2015-16. Madonna comentou várias vezes que se arrepende de ter gravado esta canção.

"Like a Virgin" foi a primeira canção de Madonna a chamar atenção de organizações, que se queixavam de que seu vídeo musical e a canção promoviam sexo sem casamento e diminuíam os valores da família, dando a Madonna uma desagradável imagem de prostituta.[84] Moralistas deram criticas negativas à canção, dizendo que era "como um gatinho do sexo" e tentaram proibi-la.[12] Conservadores ficaram irritados pelo fato de Madonna ter ousado retratar o traje de casamento virgem em um contexto sexual. Enquanto uma parte da população ficou indignada com o escândalo, uma parte espalhava alegria a noção de uma Madonna virgem, que retrucou dizendo:

A influência da música foi mais profunda com a geração mais jovem. O lado público de Madonna era uma mulher sexualmente sem vergonha, extremamente confiante, indomável e atingiu um acordo com eles.[85] O biógrafo Andrew Morton observou que a maioria dos admiradores de Madonna eram do sexo feminino, que nasceram e foram educadas com uma imagem da moda velha das mulheres estereotipadas como noivas virgens ou como prostitutas, ou com valores feministas que rejeitaram o uso da aparência de uma mulher para sua autopromoção.[85] O escritor William McKeen, autor de Rock and roll is here to stay: an anthology, comentou que com a canção, Madonna misturou tais ideias da classe média feminina com exemplos do que a feminilidade significava para ela, que estava tendo oportunidades iguais.[86] Além disso, num momento em que a moda dos anos 80 estava promovendo sutiãs e tops, mulheres magras eram como ideais de beleza, com Madonna sendo mais curvilínea feito meninas médias sentindo que era bom estar na forma que eles eram.[85] Duas novas palavras, chamadas 'Madonna wannabe',[nota 5] foram introduzidas para descrever as meninas que tentavam imitar o estilo de Madonna. A loja Macy's atribuiu uma área de um andar inteiro para a venda de roupas estilizadas de acordo com a moda de Madonna. Professores de universidades, especialistas e estudiosos de gêneros feministas começaram a discutir seriamente o papel de Madonna com um estilo pós-moderno e sendo um ícone cultural. De acordo com o escritor Debbi Voller, "Like a Virgin" deu origem ao ícone de Nossa Senhora.[85]

Madonna declarou que a canção que mais se arrepende de ter gravado é "Material Girl", e que se soubesse que a canção seria ligada a ela por décadas, provavelmente nunca teria a gravado.[16] Depois de fazer o vídeo musical da canção, Madonna disse que ela nunca quis ser comparada a Marilyn Monroe, apesar de posar como ela e recriar muitas das poses de Monroe para várias sessões fotográficas, principalmente em uma edição publicada em 1991 da revista Vanity Fair.[76]

"Uma mulher no controle de sua vida sexual e sua carreira foi uma ideia nova que Madonna tornou a maior coisa para acertar o pop e a cultura popular nos últimos anos. E ela ficou assim: Sua influência sobre a maneira de como as mulheres passaram a ver o sexo e amar-se foi tão grande que algumas universidades ofereceram cursos de estudos de Madonna. E ela também continuou a fazer alguns dos singles os mais duradouros do pop".

—Caroline Sulivan, do jornal britânico The Guardian, falando sobre o impacto de Like a Virgin na indústria musical.[87]

Guilbert comentou que "Material Girl" designou um certo tipo de mulheres liberadas, desviando-se assim de sua cunhagem original, que significou uma garota que é tangível e acessível.[19] O escritor Nicholas Cook disse que o significado e o impacto de "Material Girl" não eram mais circunscritos por seu vídeo musical, ao invés de sua canção. Sua influência foi vista mais tarde entre diversos grupos como a mulher contra o homem, o homossexual contra o reto, e o acadêmico contra o adolescente.[88] Em 1993, foi realizada uma conferência na Universidade da Califórnia em Santa Barbara, com o assunto de Madonna: Feminist Icon or Material Girl?. A palestra falou sobre a dualidade de Madonna como ambas, e deduziram que a questão do feminismo de Madonna não é fácil decidir. Algumas mulheres deixaram a palestra, alegando que não as ideias discutidas na palestra não haviam sido capazes de entrar em suas mentes.[89]

A canção "Dress You Up" também gerou uma grande atenção da mídia quando foi incluído na lista "Filthy Fifteen List", feita pelos Parents Music Resource Center, devido ao conteúdo sexual percebido de suas letras. O fundador do Centro de Tipper Gore tinha ouvido sua filha ouvindo a música, e considerou que a linha "Gonna dress you up in my love"[nota 6] exemplificou a canção como 'vulgar'. O PMRC disse para a Recording Industry Association of America (RIAA) para dar aos pais um meio de interface amigável de identificação de discos de rock impróprios para menores de idade, um sistema de classificação baseado no conteúdo lírico, que mais tarde foi nomeado de Parental Advisory. "Dress You Up" recebeu uma classificação de 'S', significando "sexo e obscenidade", segundo a RIAA.[90]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo todos os profissionais envolvidos na elaboração do álbum, de acordo com seu acompanhante encarte:[1]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

O álbum apresenta nove faixas em sua edição padrão, dez faixas em sua edição relançada em 1985 e onze faixas em sua edição remasterizada em 2001.

Todas as canções produzidas por Nile Rodgers, exceto quando escrito.

Like a Virgin (edição padrão)
N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Material Girl"  
  • Peter Brown
  • Robert Rans[91]
4:00
2. "Angel"   3:56
3. "Like a Virgin"  
  • Tom Kelly
  • William Steinberg[93]
3:38
4. "Over and Over"  
4:12
5. "Love Don't Live Here Anymore"  Miles Gregory[95] 4:47
6. "Dress You Up"  
  • Andrea LaRusso
  • Peggy Stanziale[96]
4:01
7. "Shoo-Bee-Doo"  Madonna[97] 5:16
8. "Pretender"  
4:30
9. "Stay"  
4:07
Duração total:
43:10
Like a Virgin (edição relançada em 1985)
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
6. "Into the Groove"  
  • Madonna
  • Bray
4:43
7. "Dress You Up"  
  • LaRusso
  • Stanziale[96]
  4:01
8. "Shoo-Bee-Doo"  Madonna[97]  5:16
9. "Pretender"  
  4:30
10. "Stay"  
  4:07
Duração total:
47:53
Like a Virgin (edição remasterizada em 2001)
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
10. "Like a Virgin" (Extended Dance Remix)
  • Rodgers
  • John "Jellybean" Benitez[A]
6:08
11. "Material Girl" (Extended Dance Remix)
  • Rodgers
  • Benitez[A]
6:07
Duração total:
55:25
Notas
A - denota remixadores

"Into the Groove" é disponível apenas na edição de relançamento em 1985. Não foi incluída nas edições padrão e remasterizada em 2001.

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Like a Virgin havia sido inicialmente planejado para estrear em outubro de 1984, mas o lançamento do álbum foi prolongado, para grande frustração de Madonna, além da persistência das vendas de seu álbum de estreia, que estava se aproximando das vendas de dois milhões de unidades nos Estados Unidos.[13] O álbum estreou na Billboard 200 no número três em 22 de dezembro de 1984,[101] e permaneceu dentro do top dez em dezembro de 1985, antes de chegar ao número um na semana de 9 de fevereiro de 1985, liderando a tabela por três semanas.[102] Ele também chegou a um pico de número dez no Top R&B/Hip-Hop Albums.[103] Em julho de 1985, Like a Virgin tornou-se o primeiro álbum de uma artista feminina a ser certificado com um certificação de platina quíntupla, pelas vendas de cinco milhões de unidades no país.[104] Mais tarde, foi certificado com diamante pela Recording Industry Association of America (RIAA), pelas vendas de dez milhões de unidades do disco em solo estadunidense.[105] Em 1985, atingiu o pico de número três na parada anual de álbuns, fazendo de Madonna a maior artista pop do ano.[106] Após o advento da era da Nielsen SoundScan, em 1991, o disco recebeu vendas adicionais de 574 mil cópias.[107] No Canadá, o álbum estreou no número 78 na na tabela de álbuns da RPM, em 10 de novembro de 1984.[108] O disco atingiu um pico de número três na semana de 16 de fevereiro de 1985.[109] O álbum ficou presente na tabela por um total de 74 semanas, sendo certificado diamante pela Music Canada, pelas vendas de um milhão de unidades do produto no país.[110][111] Like a Virgin ficou em sexto lugar na tabela anual de álbuns de 1985.[112]

Like a Virgin estreou no número 74 na UK Albums Chart — tabela musical do Reino Unido —, na semana de 12 de janeiro de 1985.[113] No entanto, o álbum ficou na tabela por oito meses, sendo que em setembro de 1985 o álbum atingiu o topo da tabela.[114] O álbum permaneceu no topo por duas semanas, permanecendo na tabela por um total de 152 semanas.[115][116] O álbum foi certificado com três certificações pela British Phonographic Industry (BPI) pelas vendas de 900 mil unidades em solo britânico.[117] Na França, o álbum estreou no número cinco na tabela musical da Syndicat National de l'Édition Phonographique na semana de 6 de outubro de 1985, permanecendo no número por oito semanas. Mais tarde, o disco desceu diversas posições na tabela.[118] Posteriormente recebeu duas certificações de platina pela Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP) pelas vendas de 600 mil cópias do disco no país.[119] Na Oceania, nomeadamente na Austrália, o álbum estreou no número dois nos ARIA Charts, sendo certificado com um platina séptuplo pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pelas vendas de 490 mil cópias do álbum na Austrália.[120][121] Na Nova Zelândia, o disco alcançou o topo da parada de álbuns da Recording Industry Association of New Zealand e foi certificado com um platina quíntupla pela Recording Industry Association of New Zealand (RIANZ) após vender 75 mil cópias do disco.[122][123] Em outros lugares, Like a Virgin alcançou o número um nas tabelas da Alemanha, Espanha e Países Baixos,[124][125][126] enquanto atingiu o pico dentro do top cinco em muitos outros países, incluindo a Áustria, Japão, Suécia e Suíça.[122][127] O disco também se tornou o primeiro álbum de Madonna a atingir o topo da European Top 100 Albums, atingindo o pico na semana de 23 de novembro de 1985 por duas semanas.[128] Mundialmente, Like a Virgin vendeu mais de 21 milhões de unidades, sendo o primeiro álbum de Madonna a entrar para a lista dos álbuns mais vendidos de todos os tempos, de acordo com dados comprovados pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).[129]

Precessão e sucessão[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Em português: "Viva sua fantasia aqui comigo".
  2. Em português: "Brilhante e nova".
  3. Em português: "Melhor Vídeo Comercializado Como Vídeo Musical".
  4. Em português: "Você vai casar comigo?".
  5. Em português: "Quero ser Madonna".
  6. Em português: "Vou vestir você no meu amor".
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Like a Virgin».
Referências
  1. a b (1984) Créditos do álbum Like a Virgin por Madonna [CD, vinil, LP, cassete, download digital]. Sire Records/Warner Bros (925157-2).
  2. a b c d e f Erlewine, Stephen Thomas (12 de novembro de 1984). «Like a Virgin - Overview by Stephen Thomas Erlewine». Stephen Thomas Erlewine. Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 7 de dezembro de 2009 
  3. a b c d e f g h Rosen 1996, p. 283
  4. a b c d e f g h Taraborrelli 2002, p. 87
  5. a b c Taraborrelli 2002, p. 85
  6. Smith, Ubarly (1 de setembro de 1986). «Rodgers: Is He Back in 'Chic'?» 12 ed. Manhattan. Time. 71. ISSN 0040-781X 
  7. a b c Buskin, Richard (Setembro de 2007). «Classic Tracks: Madonna 'Like A Virgin'». Sound on Sound. SOS Publications Group. Consultado em 18 de fevereiro de 2010 
  8. a b c Thompson 2007, p. 130
  9. Cross, Martha (12 de outubro de 1992). «Madonna's Magician Steven Meisel». New York Media LLC. New York. 25 (40). ISSN 0028-7369. Consultado em 18 de junho de 2010 
  10. McKeen 2000, p. 231
  11. «Inside Madonna's material world: Queen of Pop's most famous costumes go on display for one night only at pop-up exhibition». Daily Mail. Associated Newspapers Ltd. 29 de abril de 2013. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  12. a b Voller 1999, p. 18
  13. a b Rooksby 2004, p. 15
  14. Taraborrelli 2002, p. 88
  15. Morton 2002, p. 768
  16. a b Feldman 2000, p. 195
  17. a b Scaggs, Austin (29 de outubro de 2009). «Madonna Looks Back: The Rolling Stone Interview» 9 ed. San Francisco: Jann Wenner. Rolling Stone. 1090. 51 páginas. ISSN 0035-791X 
  18. Rooksby 2004, p. 16
  19. a b Guilbert 2002, p. 43
  20. Bego 2000, p. 186
  21. a b c Rooksby 2004, p. 17
  22. a b c Bronson 2003, p. 600
  23. Rooksby 2004, p. 18
  24. a b c d Rooksby 2004, p. 19
  25. a b Taraborrelli 2002, p. 89
  26. a b c Morton 2002, p. 168
  27. a b Barker & Trussler 1996, p. 106
  28. Bego 2000, p. 34
  29. a b c d e f Rooksby 2004, p. 20
  30. a b c d Farber, Jim (20 de julho de 2001). «The Girl Material». Entertainment Weekly. Consultado em 21 de junho de 2010 
  31. «The Billboard Hot 100: Week Ending December 22, 1984». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 22 de dezembro de 1084. Consultado em 8 de janeiro de 2010  Verifique data em: |data= (ajuda)
  32. «Top Singles – Volume 41, No. 19, January 19, 1985». RPM. RPM Music Publications Ltd. 19 de janeiro de 1985. Consultado em 8 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  33. «Madonna – Like a Virgin (song)». Ultratop 50 (em neerlandês). Hung Medien. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  34. «Rock Music, etc., Terms». Georgetown College. 26 de outubro de 1999. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  35. Taraborrelli 2002, p. 765
  36. Plant 2002, p. 419
  37. Guilbert 2002, p. 78
  38. Plant 2002, p. 415
  39. a b c Cinquemani, Sal (9 de setembro de 2001). «Madonna – Like A Virgin (Remaster)». Slant Magazine. Consultado em 21 de junho de 2010 
  40. «Top Singles – Volume 42, No. 4, April 06 1985». RPM. RPM Music Publications Ltd. 6 de abril de 1985. Consultado em 28 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 12 de outubro de 2012 
  41. «Madonna – Material Girl (song)». Ultratop 50 (em neerlandês). Hung Medien. Consultado em 28 de janeiro de 2010 
  42. «The Billboard Hot 100: Week Ending March 16, 1985». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 9 de março de 1985. Consultado em 28 de janeiro de 2010 
  43. Metz & Benson 1999, p. 277
  44. Cook 2000, p. 169
  45. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 60
  46. Erlich, Nancy (27 de abril de 1985). «Billboard Review: Pop Singles». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (17): 60–68. ISSN 0006-2510. Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  47. Grein, Paul (29 de junho de 1985). «Chart Beat: Another Milestone For Madonna». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (26): 4 e 55. ISSN 0006-2510. Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  48. Chin, Brian (15 de junho de 1985). «Dance Trax». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (24). 58 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  49. Rettenmund 1996, p. 56
  50. «Madonna – Into the Groove (song)». Ultratop 50. Hung Medien. Consultado em 19 de fevereiro de 2010 
  51. Bronson 2003, p. 674
  52. McKeen 2000, p. 234
  53. «The Billboard Hot 100: Week Ending October 5, 1985». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 5 de outubro de 1985. Consultado em 23 de fevereiro de 2010 
  54. «Top Singles – Volume 43, No. 5, October 12, 1985». RPM. RPM Music Publications Ltd. 12 de outubro de 1985. Consultado em 23 de fevereiro de 2010 
  55. «Madonna – Dress You Up (song)». Ultratop 50. Hung Medien. Consultado em 22 de fevereiro de 2010 
  56. a b Paoletta, Michael (24 de novembro de 1984). «Album Reviews: Spotlight». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 96 (47). ISSN 0006-2510. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  57. a b Christgau, Robert (9 de setembro de 1985). «RC: Consumer Guide: Madonna». Robert Christgau. Consultado em 21 de junho de 2010 
  58. a b Miller, Debby (2 de janeiro de 1985). «Madonna: Like A Virgin». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 21 de junho de 2010 
  59. a b Soto, Alfred (23 de outubro de 2007). «Madonna – Like a Virgin/The Immaculate Collection». Stylus Magazine. Consultado em 21 de junho de 2010 
  60. a b c Holden, Stephen (6 de janeiro de 1985). «Madonna's Siren Song». The New York Times. Consultado em 21 de junho de 2010 
  61. Holdship, Bill (1 de janeiro de 1985). «Madonna – Like A Virgin». Yahoo! Music. Consultado em 21 de junho de 2010 [ligação inativa]
  62. Damsker, Matt (24 de março de 1985). «Pop Album Reviews: Madonna». Los Angeles Times. Consultado em 21 de junho de 2010 
  63. Papineau, Lou (4 de junho de 1985). «Madonna proves she's shallow, but spunky». The Providence Journal. Consultado em 21 de junho de 2010 
  64. Metz & Benson 1999, p. 3
  65. Metz & Benson 1999, p. 15
  66. a b Clerk 2002, p. 41
  67. Vena, Jocelyn (12 de agosto de 2009). «Can Lady Gaga Top These Iconic MTV VMA Performances?». MTV (MTV Networks). Consultado em 12 de janeiro de 2010 
  68. «Top of the Pops – video archive». BBC Online. 13 de dezembro de 1984. Consultado em 21 de abril de 2012 
  69. «Travis go back to school». BBC Online. 21 de março de 2002. Consultado em 28 de abril de 2012 
  70. Metz & Benson 1999, p. 319
  71. Grein, Paul (22 de março de 1986). «Bruce Tops NARM Best-Seller Awards». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 98 (12). ISSN 0006-2510. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  72. McCullaugh, Jim (23 de novembro de 1985). «Video Beat Box». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (47). 14 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  73. «Top Music Videocasettes 1985». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (52). 28 de dezembro de 1985. ISSN 0006-2510. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  74. a b «A Vision of Madonna». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 96 (50). 76 páginas. 1 de dezembro de 1984. ISSN 0006-2510. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  75. McCormick, Moira (23 de março de 1985). «Chicago Nightclub Launches Music Cross-Promotions». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (12). 64 páginas. ISSN 0006-2510 
  76. a b Metz & Benson 1999, p. 5
  77. a b c d Taraborrelli 2002, p. 222
  78. Voller 1999, p. 35
  79. Sherman, Heidi (7 de julho de 2001). «Madonna "The Virgin Tour" 1985». Spin Media LLC. Spin. 17 (7). ISSN 0886-3032. Consultado em 12 de maio de 2009 
  80. Taraborrelli 2002, p. 332
  81. Blackler, Zoë (15 de agosto de 2008). «Madonna's 50 most memorable moments». The Sunday Times. ISSN 0956-1382 
  82. Taraborrelli 2002, p. 164
  83. a b Smith 2009, p. 179
  84. Cross 2007, p. 31
  85. a b c d Morton 2002, p. 766
  86. McKeen 2000, p. 232
  87. Sullivan, Caroline (11 de junho de 2011). «Madonna releases Like a Virgin». Consultado em 13 de junho de 2012  Parâmetro desconhecido |obea= ignorado (ajuda)
  88. Cook 2000, p. 190
  89. Guilbert 2002, p. 180
  90. Fouz-Hernández & Jarman-Ivens 2004, p. 60
  91. a b «Material Girl». Peter Brown, Robert Rans. Letras.mus.br. Consultado em 17 de outubro de 2013 
  92. «Angel». Madonna, Stephen Bray. Letras.mus.br. Consultado em 19 de outubro de 2013 
  93. a b «Like a Virgin». Tom Kelly, Billy Steinberg. Letras.mus.br. Consultado em 14 de janeiro de 2010 
  94. «Over and Over». Madonna, Stephen Bray. Letras.mus.br. Consultado em 3 de setembro de 2012 
  95. «Love Don't Live Here Anymore». Miles Gregory. Letras.mus.br. Consultado em 17 de julho de 2011 
  96. a b «Dress You Up». Andrea LaRusso, Peggy Stanziale. Letras.mus.br. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  97. a b «Shoo-Bee-Doo». Madonna. Letras.mus.br. Consultado em 9 de janeiro de 2009 
  98. a b «Pretender». Madonna, Stephen Bray. Letras.mus.br. Consultado em 20 de maio de 2010 
  99. a b «Stay». Madonna, Stephen Bray. Letras.mus.br. Consultado em 18 de agosto de 2013 
  100. «Into the Groove». Madonna, Stephen Bray. Letras.mus.br. Consultado em 7 de junho de 2012 
  101. «The Billboard 200: Week Ending December 22, 1984». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 22 de dezembro de 1984. Consultado em 21 de junho de 2010 
  102. «The Billboard 200: Week Ending February 9, 1985». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 9 de fevereiro de 1985. Consultado em 21 de junho de 2010 
  103. a b «Billboard Top Black Albums: Week Ending February 9, 1985». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (6). 9 de fevereiro de 1985. ISSN 0006-2510. Consultado em 21 de junho de 2010 
  104. Grein, Paul (10 de agosto de 1985). «Hot Madonna: July Fills Her Coffers With RIAA Metal». New York: Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (32). 7 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  105. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  106. «Top Pop Albums 1985». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 97 (52). 28 de dezembro de 1985. ISSN 0006-2510 
  107. Grein, Paul (12 de agosto de 2010). «Week Ending Aug. 8, 2008: Taylor Swift Returns». Yahoo!. Consultado em 12 de agosto de 2010 
  108. «Top Albums/CDs – Volume 41, No. 10, November 10, 1984». RPM. RPM Library Archives. 10 de novembro de 1984. Consultado em 21 de junho de 2010. Arquivado do original em 6 de setembro de 2011 
  109. a b «Madonna – Like a Virgin (RPM)». RPM. RPM Library Archives. 16 de fevereiro de 1985. Consultado em 15 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2020 
  110. «Top Albums/CDs – Volume 44, No. 5, April 26, 1986». RPM. RPM Library Archives. 26 de abril de 1986. Consultado em 21 de junho de 2010. Arquivado do original em 15 de outubro de 2012 
  111. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em inglês). Music Canada. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  112. a b «RPM Top 100 Albums of 1985». RPM. RPM Library Archives. 28 de dezembro de 1985. Consultado em 21 de junho de 2010. Arquivado do original em 15 de outubro de 2012 
  113. «UK Albums Chart – Week of January 12, 1985». The Official Charts Company. 12 de janeiro de 1985. Consultado em 23 de junho de 2010 
  114. a b c d e f «Madonna – Like a Virgin (Official Charts Company)» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  115. «UK Albums Chart – Week of October 10, 1985». The Official Charts Company. 12 de outubro de 1985. Consultado em 23 de junho de 2010 
  116. «Artist Chart History: Madonna». The Official Charts Company. Consultado em 23 de junho de 2010 
  117. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  118. a b «Madonna – Like a Virgin (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  119. a b «Certificações (França) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  120. a b c Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970-1992 Illustrated ed. Sydney: Australian Chart Book. 444 páginas. ISBN 0-646-11917-6 
  121. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2000 Albums» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  122. a b c «Madonna – Like a Virgin (Ö3 Austria Top 40)» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  123. a b c d «Latest Gold / Platinum Albums – New Zealand». Recording Industry Association of New Zealand. 23 de maio de 2001. Consultado em 7 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 14 de outubro de 2008 
  124. a b c d «Madonna – Like a Virgin (GfK Entertainment Charts)» (em inglês). GfK Entertainment Charts. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  125. a b «Madonna – Like a Virgin (MegaCharts)» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  126. a b c Salaverri, Fernando (Setembro de 2005). Sólo éxitos: año a año, 1959–2002. Spain: Fundación Autor-SGAE. ISBN 84-8048-639-2 
  127. a b Okamoto, Satoshi (2006). Oricon Album Chart Book: Complete Edition 1970–2005. Roppongi, Tokyo: Oricon Entertainment. p. 372. ISBN 4-87131-077-9 
  128. a b «Europarade». Hitkrant (em neerlandês). 9 (47). Amsterdam: Nationale Hitkrant Productions. 23 de novembro de 1985. ISSN 0165-4942 
  129. a b «Contrasting fortunes as Madonna, Jacko turn 50». ABC News. 15 de agosto de 2008. Consultado em 23 de junho de 2010 
  130. «Madonna – Like a Virgin (Tracklisten)» (em inglês). Tracklisten. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  131. a b c «Madonna (Billboard 200)» (em inglês). Billboard. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  132. Pennanen, Timo (2006). Sisältää hitin. Keuruu: Otava. p. 201. ISBN 951-1-21053-X 
  133. «Madonna – Like a Virgin (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  134. «Madonna – Like a Virgin (Recording Industry Association of New Zealand)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  135. «Madonna – Like a Virgin (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  136. «Madonna – Like a Virgin (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  137. «Top 100 Album-Jahrescharts». GfK Entertainment (em alemão). offiziellecharts.de. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  138. «Jahreshitparade 1985». Austriancharts.at (em alemão). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  139. «Billboard 200 Top Albums 1985». Billboard (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  140. «Les Albums (CD) de 1985 par InfoDisc». infodisc.fr (em francês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  141. «ja:年間アルバムヒットチャート 1985年(昭和61年)». Oricon (em alemão). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  142. «Top Selling Albums of 1985». Recorded Music NZ (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  143. «Dutch charts jaaroverzichten 1985». Dutchcharts.nl (em alemão). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  144. «UK decade 80s». everyhit.com (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  145. «Schweizer Jahreshitparade 1985». Hitparade.ch (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  146. Billboard Magazine – 1986: The Year in Music & Video. Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  147. «Dutch charts jaaroverzichten 1986» (em neerlandês). Dutchcharts.nl. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  148. «Certificações (Alemanha) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  149. «European Gold & Platinum Awards 1986» (PDF). Music & Media (em inglês). 27 de dezembro de 1986. p. 33. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  150. Garcia, Sérgio (31 de outubro de 1993). «No banco com Madonna». Jornal do Brasil. Consultado em 3 de abril de 2020 
  151. a b «Kulta- ja platinalevyt – Madonna – Like a Virgin» (em finlandês). Musiikkituottajat. IFPI Finlândia. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  152. «Les Meilleures Ventes de CD / Albums "Tout Temps"» (em francês). InfoDisc. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  153. «IFPIHK Gold Disc Award − 1989» (em inglês). IFPI Hong Kong. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  154. «Gold & Platinum Awards 1987» (PDF). Music & Media (em inglês). 26 de dezembro de 1987. p. 44. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  155. Myers, Justin. «Madonna's Official biggest selling albums». Official Charts Company (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  156. «Certificações (Suíça) (álbum) – Madonna – Like a Virgin» (em inglês). IFPI Suíça. Hung Medien. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]