Limoeiro (Pernambuco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Limoeiro-PE)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Limoeiro (desambiguação).
Município de Limoeiro
"Princesa do Capibaribe"
"Califórnia Agrestina"
"Berço do Capibaribe"
"Cidade Capibarinense"
Vista aérea

Vista aérea
Bandeira desconhecida
Brasão de Limoeiro
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Aniversário 06-04-1893
Fundação 1751
Gentílico limoeirense
Prefeito(a) {{{prefeito}}} (PROS)
(2013–2016)
Localização
Localização de Limoeiro
Localização de Limoeiro em Pernambuco
Limoeiro está localizado em: Brasil
Limoeiro
Localização de Limoeiro no Brasil
07° 52' 30" S 35° 27' 00" O07° 52' 30" S 35° 27' 00" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Agreste Pernambucano IBGE/2008[1]
Microrregião Médio Capibaribe IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Feira Nova, Passira, Salgadinho, João Alfredo, Bom Jardim, Lagoa do Carro e Carpina
Distância até a capital 77 km
Características geográficas
Área 269,970 km² [2]
População 56 269 hab. estatísticas IBGE/2015[3]
Densidade 208,43 hab./km²
Altitude 138 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,663 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 537 342 mil IBGE/2013[5]
PIB per capita R$ 9 526 16 IBGE/2013[5]
Página oficial
Brasao limoeiro pe.PNG
Brasao limoeiro pe.PNG

Limoeiro é um município brasileiro situado no estado de Pernambuco.

Localizado na Mesorregião do Agreste Pernambucano e na Microrregião do Médio Capibaribe.

Possui uma área de 277,54 km².

O atual prefeito da cidade é Thiago Cavalcanti.

Sua padroeira é Nossa Senhora da Apresentação.

Seu co-padroeiro é o mártir São Sebastião.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com uma velha lenda, Limoeiro foi uma aldeia de índios Tupis, numa região com muitos limoeiros (pés de limão), o que justifica o nome da cidade. Na história da fundação de Limoeiro, a origem do seu nome foi graças a um padre com o nome de Ponciano Coelho, que teria chegado à região para catequizar os índios. Conta-se que um dia chegou para morar perto de Limoeiro, em Poço do Pau, um português que tinha por nome Alexandre Moura, trazendo consigo a imagem de Nossa Senhora da Apresentação, imagem essa que atraía os índios. Alexandre Moura construiu perto de sua residência uma igrejinha, onde colocou a imagem da referida santa, que tinha missas celebradas pelo padre Ponciano Coelho, e organizando festas, sendo isso atração para as famílias que começaram a morar na localidade, ficando mais perto do movimento religioso.

Presume-se que o padre Ponciano Coelho fizera desaparecer a imagem de Nossa Senhora da Apresentação da Capela de Poço do Pau para Limoeiro, aldeia indígena onde hoje se ergue a torre da igreja matriz, marco da fundação do povoado chamado Limoeiro de Nossa Senhora da Apresentação. Pode-se acreditar que a antiga aldeia de índios, hoje, Limoeiro, foi fundada pelos padres Manuel dos Santos e João Duarte do Sacramento, em 1711.

De acordo com o escritor limoeirense Antônio de Souza Vilaça:

Cquote1.svg “Poder-se-ia dar guarida à lenda do Pe. Ponciano anteriormente contada, contudo se sabe que antes disso, ao aldeamento já se dera o nome de Limoeiro. Talvez o Pe. João Duarte do sacramento ou o Pe. Manuel dos Santos, os primeiros que cuidaram da catequese, sejam os responsáveis pelo sugestivo nome. Entretanto, consta de velho documento que o conde Maurício de Nassau ao relacionar as aldeias de sua jurisdição, Limoeiro, encabeçava a lista”.[6] Cquote2.svg

Em 1752, o padre Ponciano Coelho recebeu a carta de Sesmaria, e Limoeiro cresceu deixando de ser aldeia de índios. A Sesmaria de Limoeiro se estendia desde o atual munícipio de Feira Nova até o munícipio Santa Cruz do Capibaribe e desde o munícipio de Macaparana até o atual munícipio de Passira. O extenso território foi perdido através de inumeras emancipações políticas, que deram origem a 16 munícipios.

Cquote1.svg “No dia 6 de abril de 1893, Limoeiro passou a cidade, e como cidade a mesma teve seu primeiro prefeito Antônio José Pestana, seu primeiro Vigário Pe. Bartolomeu da Rocha. Neste dia se comemora a Emancipação Política de Limoeiro”. [6] Cquote2.svg
Bonde de tração animal em 1951.

Geografia Física[editar | editar código-fonte]

Igreja matriz.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município é do tipo tropical sub-úmido, com chuvas concentradas nos meses de outono-inverno. A média anual de precipitações é de 1248,2 mm.[carece de fontes?].

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município está inserido na bacia do Rio Capibaribe.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação do município é do tipo mata atlântica.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O município está localizado na unidade geoambiental do Planalto da Borborema.

Localização Geográfica[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 07º52'29" sul e a uma longitude 35º27'01" oeste, estando a uma altitude de 138 metros.

Limites municipais

Política[editar | editar código-fonte]

Executivo

Seu atual prefeito é Thiago Cavalcanti (2014/2016).

Legislativo

O poder legislativo municipal é composto por 13 vereadores, que são eles:

Zé Félix - Zé de Nena - Zé Nilton - Bau da Capoeira - Beto de Washington - Manoel do Sindicato - Daniel do Mercadinho - Juarez de Convales - Eraldo do Codesul - Luiz do Matadouro - Hilton - Zélia de Ribeiro do Mel - Ciciu de Salobro.

Símbolos Municipais

Os símbolos da cidade de Limoeiro são a bandeira municipal, o brasão municipal, e o hino municipal.

O escritor paraibano Ariano Vilar Suassuna é o responsável pela criação da bandeira do município de Limoeiro.

Divisão Distrital

Distrito-sede, Urucuba e Mendes.

Povoados

Gameleira, Pitombeira e Ribeiro do Mel.

PREFEITOS DE LIMOEIRO

1-      Comendador Antônio José Pestana (1893-1895)

2-      Major Firmino José da Silva (1895-1898)

3-      Coronel Antônio Vieira de Moura Vasconcelos (1898-1902)

4-      Luiz José da Silva (1902-1905)

5-      Júlio Cassiano Pestana da Silva (1905-1910)

6-      Major Afonso de Sá e Albuquerque (1910-1913)

7-      Professor Pedro de Souza Lemos (1913-1916)

8-      Severino Marques de Queiroz Pinheiro (1916-1920)

9-      Coronel Francisco Heráclio do Rêgo (1920-1922)

10-   Coronel Manoel de Aquino e Albuquerque (1922-1925)

11-   Dr. José Heráclio do Rêgo (1925-1928)

12-   Severino Marques de Queiroz Pinheiro (1928-1930)

13-   Tenente Gerôncio Quintero (1930)

14-   Cícero Barreto Coutinho da Silveira (1930)

15-   Major Davino de Sena (1930-1931)

16-   Dr. João Paulo Barbosa Lima (1931-1933)

17-   Manoel Gomes Maranhão (1933-1934)

18-   João Marinho Falcão (1934-1935)

19-   José Braz Pereira de Lucena (1935-1936)

20-   Severino de Vasconcelos Aragão (1936)

21-   Raimundo Moura Filho (1936-1937)

22-   Francisco de Albuquerque Leal (1937-1938)

23-   Dr. José Donino da Costa Lima (1938-1944)

24-   Manoel Cândido Carneiro da Silva (1944-1945)

25-   Padre Adauto Nicolau Pimentel (1945)

26-   Major Prisciliano Pereira de Morais (1945-1946)

27-   Major Severino Mendes de Araújo Pereira (1946-1947)

28-   Dr. Argenor Maerinck Freire (1947)

29-   Francisco de Morais Heráclio (1947-1950)

30-   Professor Antônio de Souza Vilaça (1950-1951)

31-   Manuel Gonçalves de Lima (1951)

32-   Eulino Barbosa (1951-1955)

33-   Francisco de Morais Heráclio (1955-1957)

34-   Lívio Teobaldo de Vasconcelos Azevedo (1957-1959)

35-   João Heráclio Duarte (eleito em 1959)

36-   Seráfico Ricardo da Silva (1959-1963)

37-   Adauto Heráclio Duarte (1963-1969)

38-   José Antônio Correa de Paula (1969-1973)

39-   Artur Correia de Oliveira (1973-1977)

40-   Adauto Heráclio Duarte (1977-1983)

41-   José Artur Teobaldo Cavalcanti (1983-1989)

42-   José Xavier Quirino (1989-1993)

43-   José Artur Teobaldo Cavalcanti (1993-1997)

44-   Luís Heráclio do Rêgo Sobrinho (1997-2005)

45 -   Luis Raimundo Medeiros Duarte (2005-2009)

46 -   Ricardo Teobaldo Cavalcanti (2009-2014)

47 - Thiago Cavalcanti ( 2014-2016 )

Educação[editar | editar código-fonte]

No que diz respeito à educação básica, a cidade possui escolas e colégios municipais, estaduais e particulares e o GRE do Vale do Capibaribe.

Escolas Particulares

  • Colégio 3º Milênio
  • Colégio Regina Coeli
  • Colégio Santa Mônica
  • Educandário Reino Feliz
  • Escolinha do Mickey
  • Escola Cônego Fernando Passos
  • Escola Nossa Senhora de Fátima
  • Escola Luluzinha
  • Educandário Beatriz França
  • Colégio Pentágono
  • Escola Instituto Ariádnes
  • Escola Divina Sabedoria
  • Escola Maria Clara
  • Escola Érico Veríssimo

Escolas Estaduais

  • Escola Ginásio de Limoeiro Arthur Correia de Oliveira
  • Escola Profª Jandira de Andrade Lima (CERU)
  • ETE - Escola Técnica Estadual José Humberto de Moura Cavalcanti
  • Escola Austro Costa
  • Escola São Francisco
  • Escola Dr. Sebastião de Vasconcelos Galvão
  • Escola Morais e Silva
  • Escola Pe. Nicolau Pimentel
  • Escola Nossa Senhora dos Anjos
  • Escola Seráfico Ricardo
  • Escola São José
  • Centro de Educação Infantil Profª Suzel Galiza
  • Escola Salomão Ginsburg

No âmbito do ensino superior conta com a Faculdade de Ciências Aplicadas do Limoeiro (FACAL), a Universidade Aberta do Brasil (UAB), [1] que engloba quatro renomadas instituições de ensino - Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)[2], Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), [3] e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), [4], além da Escola Técnica Estadual José Humberto de Moura Cavalcanti (ETE).

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município possui - Hospital Regional José Fernandes Salsa, a Casa de Saúde e Maternidade de Limoeiro (Valimagem), Posto de Saúde Municipal, UPAE (Unidade de Pronto Atendimento de Emergência), SAMU 24H, entre outros consultórios e postos particulares.

Notável também os PSF, Programa de Saúde da Família. O Município enquadra-se no Programa mais medico do Governo Federal.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Gastronomia

Sua alimentação típica é caracterizada pela pamonha, canjica, munguzá, milho assado e cozido durante o período de junho a agosto.s Possui as típicas culinárias regionais nordestinas, assegurando sua estrutura de intensa brasilidade. Assim, encontra-se facilmente em Limoeiro vários preparos de origem afro descendente como sarapatel, buchada de bode, rabada de porco, etc. A linhagem indígena é intensa com os alimentos oriundos da mandioca como o bolo de mandioca, tapioca e beju. O consumo da população de tuberculos e raízes nativas, garantem boa nutrição há séculos: inhame, batata doce, cará, macaxeira, etc. Por estar avizinhado da historica área de produção açucareira, em Limoeiro encontra-se grande variedades de doces artesanais e industriais: cocadas, doces em calda, de leite e das mais variadas frutas, bem como grande variedades de conhecidas iguarias populares de base no açúcar: quindim, lolita, pasteis, brigadeiros, sonhos, etc. Nas últimas décadas do século XX, percebeu-se a ascensão de restaurantes na cidade, oferecendo opções degustativas inovadoras para a gastronomia local. É o caso das Pizzarias, bastante apreciadas pela população local. Música

No município há a Sociedade Musical,25 de setembro, que realiza aulas de músicas para jovense adultos, educando musicalmente na cultura popular e inserindo no mercado de trabalho, da qual já saíram vários músicos. Também grandes maestrostiveram passagem, como Caramuru, Seminha Adolfo, Levino Ferreira e o grande PEPÊ que até hoje é maestro e mestre da entidade musical na qual mantém vivos cultura de limoeiro de revelar grandes talentos na arte da música no agreste de Pernambuco

Na música local podemos destacar o cantor Toinho de Limoeiro, que cantava com suas músicas românticas num estilo seresteiro.

As tradições nordestinas de música e dança são fortíssimas na cidade, destacando o Coco de Roda, a Ciranda e o Forró. Diversos grupos de artistas dessa modalidade popular de festejo cultural fazem parte da história cultual de Limoeiro, entre eles Zé de Teté, Nikodemo, Nêgo da Caldeira (coco de roda); Belo Cirandeiro (ciranda) e muitos forrozeiros e forrozeiras a exemplo de Kàtia Rodrigues, Chicão, Plínio Rodrigues, Duão.

Representando o Rap, temos o Grupo Faculdade de Rua, fazendo um Rap responsável, diferenciado pela voz dos Mcs Wendel Silva e Willian Perterson.

Eventos

  • O segundo sábado do mês de fevereiro, desde 2006, tornou-se o dia do desfile do bloco lírico Flor do Limoeiro, bloco de pau e corda que se caracteriza pela beleza de suas fantasias e pela animação de seus integrantes.
  • No dia 10 de fevereiro de 2007, foi às ruas de Limoeiro o bloco Mais Um, da rua Otacílio Fernandes de Lima, e desde então vem se apresentando.
  • O Micaeiro (carnaval fora de época de Limoeiro), consolidado no calendário cultural de Pernambuco como o maior evento festivo do interior[carece de fontes?], traz à cidade todos os anos milhares de turistas, movimentando a economia municipal, desde hotéis e restaurantes, a bares e vendedores autônomos. O já tradicional evento sempre movimenta um fim de semana do último trimestre do ano, com infraestrutura montada na Av. Severino Pinheiro, no centro da cidade. A festa tem sido patrocinada por empresas públicas e privadas. O evento é organizado pela Prefeitura de Limoeiro.
  • Festa de São Sebastião realizada no mês de janeiro, no terceiro domingo encerra-se a com a procissão ao mártir da igreja católica, atraindo milhares de turistas e romeiros da região[carece de fontes?].

Esportes[editar | editar código-fonte]

Na recreação e desporto o município tem a AABB (Associação Atlética Banco do Brasil), o Colombo Sport Club, o Centro Limoeirense, o Clube de Campo, e o Clube dos Motoristas.

O único time de futebol profissional da cidade é o Centro Limoeirense, o 3º clube mais antigo do estado de Pernambuco, fundado no dia 15 de Setembro de 1913[carece de fontes?]. A equipe realiza os seus jogos no Estádio José Vareda, popularmente conhecido como Varedão, e atualmente disputa a Série A-2 do Campeonato Pernambucano[7] . Outro clube da cidade foi o Clube Roma de Limoeiro [8]

Limoeirenses conhecidos[editar | editar código-fonte]

Maciel Júnior - Comentarista esportivo da Rádio Jornal[editar | editar código-fonte]

Festas Tradicionais da Cidade[editar | editar código-fonte]

Festa de São Sebastião - 
Emancipação Política -  

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  1. João Batista Cavalcanti O coronelismo em Pernambuco: O exemplo de Chico Heráclio. Monografia apresentada no ano de 2002 ao Curso de Pós-Graduação em Ensino de História da Universidade Federal Rural de Pernambuco como requisito parcial para obtenção do grau de Especialização em História (licença GPL). Capítulo 3.1.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Estimativa da população 2015 » População estimada » Comparação entre os municípios: Pernambuco». Estimativa Populacional - 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). agosto de 2015. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 09 de setembro de 2013. 
  5. a b «Pernambuco » Limoeiro » Produto Interno Bruto dos municípios - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. de 2015.  Texto "limoeiro" ignorado (Ajuda); Texto "produto-interno-bruto-dos-municipios-2013 " ignorado (Ajuda)
  6. a b (VILAÇA, 1972:11).
  7. http://www.rsssfbrasil.com/tablesfq/pe1963.htm
  8. http://www.rsssfbrasil.com/tablesfq/pe1999l3.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.