Linda Batista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Linda Batista (cantora))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a atriz, veja Linda Batista (atriz).
Linda Batista
Informação geral
Nome completo Florinda Grandino de Oliveira
Também conhecido(a) como A Maioral do Samba
Nascimento 14 de junho de 1919
Local de nascimento São Paulo, SP
Brasil
Data de morte 17 de abril de 1988 (68 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
Brasil
Nacionalidade brasileira
Gênero(s) MPB
Período em atividade 1936-1971
Gravadora(s) Odeon
RCA Victor
Chantecler
Mocambo
Artemúsica
Phillips
RGE
Afiliação(ões) Batista Júnior
Dircinha Batista

Florinda Grandino de Oliveira (São Paulo, 14 de junho de 1919Rio de Janeiro, 17 de abril de 1988), mais conhecida como Linda Batista, foi uma cantora e compositora brasileira. Era filha de Batista Júnior e irmã de Dircinha Batista.[1]

Começou sua carreira acompanhando sua irmã mais nova ao violão durante suas apresentações. Em 1936, teve que substituir a irmã no programa de Francisco Alves na Rádio Cajuti, obtendo boa aceitação do público.

Linda precisou de apenas um ano para se consagrar como cantora. Em 1937, foi a primeira cantora a ser eleita Rainha do Rádio, título que manteve por onze anos consecutivos. O concurso foi realizado no Iate dos Laranjas, barco carnavalesco atracado na Esplanada do Castelo, no centro do Rio de Janeiro. Pouco depois, como contratada da então nova Rádio Nacional, fez uma excursão de grande sucesso no Norte e Nordeste que durou seis meses, começando por Recife, Pernambuco. Ali, apresentou-se no Teatro Santa Isabel, cantando músicas de Capiba acompanhada da Jazz-Band Acadêmica.

Sucessos[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Maridinho de Luxo (1938)
  • Banana da Terra (1939)
  • Céu Azul (1940)
  • Tristezas Não Pagam Dívidas (1943)
  • Samba em Berlim (1943)
  • Abacaxi Azul (1944)
  • Não Adianta Chorar (1945)
  • Caídos do Céu (1946)
  • Não Me Digas Adeus (1947)
  • Folias Cariocas (1948)
  • Esta É Fina (1948)
  • Fogo na Canjica (1948)
  • Pra Lá de Boa (1949)
  • Eu Quero É Movimento (1949)
  • Um Beijo Roubado (1950)
  • Aguenta Firme, Isidoro (1951)
  • Tudo Azul (1952)
  • Está com Tudo (1952)
  • É Fogo na Roupa (1952)
  • Carnaval em Caxias (1954)
  • O Petróleo É Nosso (1954)
  • Carnaval em Marte (1955)
  • Tira a Mão Daí (1956)
  • Depois Eu Conto (1956)
  • Metido a Bacana (1957)
  • É de Chuá (1958)
  • Mulheres à Vista (1959)
  • Virou Bagunça (1960)
  • Cantoras do Rádio, documentário de 2009 dirigido por Gil Baroni.

Referências

  1. «Linda Batista». dicionariompb.com.br. Consultado em 4 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedida por:
nova criação
Rainha do Rádio
1937 – 1948
Sucedida por:
Dircinha Batista