Lineu Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Lineu Silva
Personagem fictícia de A Grande Família
Nome original Lineu Silva
Morada Rio de Janeiro, RJ
Nascimento 11 de fevereiro de 1948
Origem Rio de Janeiro, RJ
Sexo Masculino
Cabelo Grisalho
Olhos Castanhos
Características Responsável, sisudo, íntegro e diligente
Ocupação Veterinário
Fiscal Sanitário
Baterista
Afiliações Pet Shop Silva
Os Fiscais do Ritmo
Família Horácio Silva (Pai)
D. Glória (Mãe)
Dona Nenê (Esposa)
Tuco (Filho)
Maria "Bebel" Isabel (Filha)
Agostinho Carrara (Genro)
Floriano "Florianinho" da Silva Carrara (Neto)
Amigo(s) Beiçola
Mendonça
Paulão
Pajé Murici
Inimigo(s) Dona Abigail
Criado por Oduvaldo Vianna Filho
Armando Costa
Série(s) A Grande Família
Filme(s) A Grande Família: o Filme
Gênero(s) Masculino
Primeira aparição "Meu Marido me Trata como se eu Fosse uma Geladeira" (Episódio 1)
Última aparição "Episódio Um" (Episódio 485)
Episódio(s) 426
Interpretado por Jorge Dória (1°Versão)
Marco Nanini (2°Versão)
Afiliações Pet Shop Silva
Os Fiscais do Ritmo

Lineu Silva, mais conhecido por Lineuzinho ou simplesmente Lineu (Rio de Janeiro, 11 de Fevereiro de 1948), é um personagem fictício da série A Grande Família da Rede Globo. Foi interpretado por Jorge Dória na 1° versão. é por Marco Nanini na 2° versão.[1]

História (Referente a 2° Versão)[editar | editar código-fonte]

Lineu Silva é um médico veterinário, que exerce a função de fiscal sanitário, junto com o seu amigo Mendonça (Tonico Pereira), seu chefe.

Ele é casado com Dona Nenê (Marieta Severo), uma esposa dedicada e competente. Lineu sustenta os dois filhos, Bebel (Guta Stresser) e Tuco (Lúcio Mauro Filho), e o genro Agostinho (Pedro Cardoso). Constantemente, o pai de família pede a colaboração da família, mas ele é quem sempre paga as contas.

Ele é o mais sério de todos, é politicamente correto e muito honesto. Todas essas características, faz com que todos o achem chato, mas Lineu, tenta mostrar que não é chato ser cumpridor das leis e que é recompensador ser honesto. Mesmo parecendo ser um homem turrão, Lineu tem um bom coração e apenas quer ter controle da situação dentro de sua própria casa (o que quase nunca acontece, já que Nenê tenta enganá-lo para salvar a pele de seus filhos e genro).

Lineu tem um irmão mais novo, Frank Silva (Pedro Paulo Rangel), quem ele insiste em dizer que é irresponsável. Para Lineu, o seu sobrinho Frank Silva Jr. (Latino), é mais irresponsável que o pai.

Em alguns momentos, Lineu tenta mostrar para as pessoas que pode fazer loucuras, o que nunca acaba dando certo (no final ele chega à conclusão de que pode até mudar pouco, mas não completamente).

No final das contas, ele é o ponto de equilíbrio da família.

Logo no início de 2009, uma confusão começou na vida de Lineu: ele descobriu que não era casado com sua esposa, isso porque o padre que celebrou seu casamento era casado desde o início da década de 1970 e por isso, todas as cerimônias desse período não teriam validade. Ao saber disso Nenê se desesperou, e Lineu achou graça. Com isso, Nenê começou a fazer chantagem emocional e Lineu teve que pedi-la novamente em casamento. Achando que haveria uma reunião no Paivense, a quadra do bairro, Lineu se deparou com uma despedida de solteiro, o que acabou provocando uma confusão mais tarde, tudo porque Beiçola fotografou Lineu no meio das mulheres com um celular e entregou para Nenê (ele sempre foi apaixonado por ela). Mas no final, tudo ficou esclarecido e o casamento se concretizou.[2]

Após anos, Lineu achou uma bateria no sótão, que era nada mais, nada menos pertencente à sua banda de rock no início de sua carreira na repartição: Os Fiscais do Ritmo. Formado por três componentes: Lineu (bateria), Mendonça (contra-baixo) e Pereira (guitarra), a banda acabou porque com o tempo Lineu começou a faltar aos ensaios e se ocupar no trabalho, mesmo quando estavam fazendo sucesso. Resolveram ressuscitar a banda chamando o Doutor Mesquita (Otávio Augusto), chefe de Lineu, para ficar na guitarra. Já que o Pereira estava aposentado. .[3]

Na 11° temporada, Lineu descobriu que precisava da assinatura de sua mãe para regularizar a casa onde mora. A casa pertence aos seus pais: Seu Horácio (Marco Nanini) e Dona Glória (Laura Cardoso). O problema é que, por conta de mágoas do passado, Lineu acaba não gostando da possibilidade de reencontrar sua mãe, já que a mesma o abandonou aos 10 anos. Ele não acredita que ela poderia voltar. Entretanto, Tuco faz uma manchete procurando a sua avó, e recebe o recado de uma mulher chamada Suéllen. Ao marcar um encontro na pastelaria do Beiçola, aparece uma idosa, e ele descobre que na verdade, ela é a sua avó.

Ao tentar aproximar os dois, a família inventa uma personagem para Dona Glória: Vitória, a babá do Florianinho. Mas essa farsa não durou muito tempo, e Lineu, ao descobrir a mentira, decepcionou-se com ela mais uma vez, mas ao saber que sua mãe havia repassado a parte dela da casa para Lineu, resolveu conversar com ela novamente, entretanto Lineu não conseguiu perdoá-la. Ao saber que sua mãe estava doente, um plano planejado por Agostinho, Lineu começou a tratá-la com carinho, mas a farsa foi descoberta por Lineu que se sentiu magoado com ela mais uma vez.

Lineu resolveu contar à Nenê toda a história que ele tinha vivido, e ao saber que Dona Glória não havia ido ao tribunal, resolveu perguntá-la o porquê disso. Assim, Nenê descobriu que Dona Glória resolveu abrir mão da guarda de Lineu para ele não precisar decidir se ficaria com a mãe ou com o pai. Ela também não sabia que Lineu teria escolhido ficar com ela, pois seu pai escondeu esse detalhe. Sendo assim, com o apoio de toda a família, Dona Glória e Lineu resolveram pedir perdão um ao outro, recomeçando a vida, entre mãe e filho.[4]

Na 12° temporada, uma reviravolta começou na vida da família Silva. Com planos de viagem para Buenos Aires, a viagem dos sonhos de Nenê que nunca sai do papel, Lineu e Nenê arrumavam suas malas. Entretanto, a matriarca teve o pressentimento de que alguma coisa de ruim iria acontecer, mas ela não sabia o que era. Nesse momento, um carro surgiu desgovernado indo em direção ao Florianinho, que estava soltando pipa com o pai, Agostinho. Porém Lineu percebeu a situação, e empurrou Florianinho, tornando-se então o alvo. Lineu acabou ficando em coma.[5]

Quatro anos se passam, e Nenê continua esperançosa, sempre visitando o marido no hospital. Todo o dia ela levava flores para o marido, no intervalo do seu trabalho. Ela agora é uma mulher que trabalha em uma loja de roupas do bairro para ajudar nas economias da casa, mas também tem ajuda de outros dois membros da família: o genro, que tem a frota de táxi como fonte de sustento, e o filho, que agora é um ator de um programa humorístico da TV.[5]

Ela também passou a receber ajuda do doutor Paulo Romero, médico que passou a cuidar do Lineu. A constante presença da esposa do Lineu no hospital, começou a encantar o médico, que passou a pensar na possibilidade deles ficarem juntos. As poucas chances de Lineu acordar também fizeram com que essa possibilidade aumentasse, porém Nenê não queria dar esperanças ao médico. Mas o Dr. Romero continuava a querer ir além da amizade com ela, e sugeriu uma viagem para Buenos Aires, só os dois. Mesmo não gostando dele, Nenê queria visitar esse lugar que há anos ela sempre sonhou ir. Em reunião de família, Nenê decidiu ir, mesmo que o genro fosse contra, pois ela tinha o apoio dos filhos. Dentro do táxi, indo pro aeroporto, o sentimento falou mais alto, e Nenê resolveu voltar ao hospital para visitar o marido antes de viajar, foi então, que após 4 anos, muitas rosas e um livro, que a esposa sempre lia para o marido, Lineu acordou.[5]

A festa foi grande, e ao voltar, Lineu reparou que a rua estava bastante diferente, com uma favela, com um trilho de trem e com a sua casa sem a garagem, porque Agostinho resolveu ampliar sua casa com uma área de lazer que possui churrasqueira, piscina e aparelhos de ginástica.[6] Foi então que Lineu conseguiu rever seu neto, Florianinho, que agora já é um pré-adolescente. No almoço, a presença do médico Paulo Romero, que foi convidado pelo próprio Lineu, incomodou a todos, mas principalmente ao Agostinho que resolveu contar a verdade: Romero e Nenê iriam viajar para a Argentina. Isso deixou Lineu abalado e furioso, o levando ao desmaio. Ao acordar, no hospital, Lineu acreditava tudo não ter passado de um sonho, mas ao constatar que era verdade, ele expulsou a todos do quarto e após isso, teve um ato surpreendente ao gostar do programa do Tuco, pois ele nunca concordou que seu filho fosse artista, mesmo que este sempre tentasse ser um. Mas ao ver o filho talentoso na televisão, não teve como segurar os risos.

Ao perceber a sua nova realidade, e relutar um pouco, Lineu resolveu encarar tudo de frente e correr atrás dos anos perdidos. Foi então, que ele começou a reconquistar Nenê e salvar o seu casamento, fazendo a viagem que ela sempre quis para Buenos Aires. Mas havia um problema, Lineu não tinha dinheiro, foi assim que ele pediu dinheiro emprestado ao genro, tornando essa viagem possível. Lá, Lineu descobriu o roteiro de viagem de Romero, e ao perceber que tudo era de qualidade, ele resolveu superá-lo, gastando o máximo possível, chegando ao ponto de passear de limousine e hospedar-se em um hotel caro. Isso acabou criando um mal-estar no casal, mas que passou após o Lineu perceber que precisava confiar na mulher que ele sempre amou e que sempre esteve ao lado dele. Ele lembrou que instantes antes de acordar, quando estava começando a se recuperar, Nenê tinha feito uma declaração de amor a ele. Essa loucura do Lineu, em pagar coisas caras, acabou caindo na conta do genro, Agostinho, que após anos, estava agora vendo como é ruim ter que pagar a conta de outras pessoas, uma situação que Lineu viveu durante anos.[7]

Mas o 12° ano ainda teve mais surpresas. Mesmo fazendo as pazes com a esposa, a sombra de Romero ainda estava entre os dois: eles agora tinham uma dívida com o médico. Lineu decidiu hipotecar a casa para pagá-la. Tudo ia muito bem, até o dia que eles atrasaram as contas e correram o risco de perder a casa. Foi então que surgiu a chance de Nenê participar de um programa de perguntas e respostas sobre novelas, entretanto, para o azar da família, Nenê errou a última pergunta. Mesmo gostando de novelas, ela perdeu o capítulo da pergunta em questão. Sem dinheiro, a família Silva, perdeu o lar.[8] Vivendo agora com o genro, que morava ao lado, o casal Lineu e Nenê se sentiu impotente com essa situação. Foi com a ajuda dos moradores, que a família Silva conseguiu recuperar a casa em um leilão.[9]

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Ele tem uma personalidade forte, e com isso sabe se impor. Tenta ouvir todos os lados, antes de tomar uma decisão.

Lineu é um pai de família responsável, e mesmo que não merecendo, gosta de ajudar os que precisam de sua ajuda (incluindo sua esposa Nenê). No final ele sempre tenta ensinar a todos, mostrando os seus erros.

Em alguns momentos, Lineu tenta provar para todos que a chama dos dois está acesa, o que faz com que passe por constrangimentos, como no episódio “O Tarado do Elevador” onde tentaram a mudar a rotina, ou em “A Velha Chama” onde Lineu e Nenê vão para o motel para salvar o casamento.

Para mostrar que também faz loucuras, e que não é tão certinho, Lineu se mete em confusão. Em “O Filho da Mãe”, Lineu finge estar fazendo sexo com Nenê e começa a insinuar para família que ainda tem relações com ela, no episódio “A Certinha do Lineu” Lineu compete com Nenê para provar que não é certinho, e tenta curtir a festa (provocando ela). Também tem competição entre os dois em “Os Caretas”, dessa vez Lineu coloca um piercing, enquanto Nenê tira fotos sensuais.[10]

Lineu adora regras, mas nunca funcionam. Ele já tentou colocar em alguns natais (Episódio ''A Enorme Família'' da 2 temporada e ''O Natal dos Sem-Tetos'' da 9 temporada), e de nada adiantou.

Talvez seja o único que não é enganado pelo Agostinho, tão facilmente, aliás, ele já pregou uma peça no taxista no episódio “Genro Faz Mal à Saúde!”.

Embora ele goste do Mendonça, Lineu não gosta das demonstrações públicas de carinho e afeto que seu amigo e chefe de repartição tem com ele, o que para Mendonça soa como desprezo, mas na verdade ele fica desconfortável, principalmente quando Mendonça o chama de Lineuzinho. Mesmo assim, pode-se dizer que Mendonça é seu melhor amigo.

Lineu também tem um forte senso de justiça, o que já o complicou algumas vezes, no episódio ''O Boca Livre'' da 3 temporada, ele não tinha dinheiro para pagar a conta do restaurante e exigiu que chamassem a polícia para prendê-lo, e no episódio ''Só uma injustiça não dói'' da 9 temporada aonde após Mendonça ser preso por corrupção, Lineu se recusou há ajudar o amigo por achar que ele era culpado, mas mais tarde descobriu que estava sendo injusto.

Torcedor do Fluminense Football Club.

Aniversário[editar | editar código-fonte]

Em “Lineu versus Lineu”, da 2ª Temporada, exibida em 2002 (época em que a ficção seguia o mesmo ano da realidade, diferente da 12ª temporada em frente), Lineu faz 55 anos. Logo, ele é de 1948.[11] Apesar de o mês e o dia nunca terem sido revelados de forma concreta, no episódio “Feitiço na Rua” da 12ª temporada, mais uma pista sobre a data do aniversário de Lineu foi dada. O personagem revelou ser do signo de Aquário, logo Lineu nasceu em 11 de Fevereiro

Infância[editar | editar código-fonte]

Na 11° Temporada, passamos a entender o porquê de Lineu ser tão sisudo, um homem cumpridor das leis e dos direitos, e que cobra tudo isso de sua família.

Glória Rosa conheceu Horácio Silva quando ela cantava na noite. Mesmo com uma grande diferença de idade entre os dois, quinze anos, eles acabaram se apaixonando. Mas a diferença não estava apenas aí, como também na profissão: ela, cantora, já ele, um militar. Suas personalidades também eram distintas: enquanto ela era uma mulher bastante animada e festiva, ele era durão e certinho. A relação dos dois seguia muito bem, e com muitos planos para o futuro, como uma casa que Horácio havia comprado para eles (a atual casa da família Silva). Sendo assim, resolveram se casar, e Glória passou a se chamar, como casada, Glória Rosa e Silva.

Com o nascimento de Lineu, a vida de Glória mudou. Ele cresceu em meio à música, sempre que podia, após as aulas, assistia aos ensaios de sua mãe. Passava o dia lá, fazendo os deveres do colégio e aprendendo a dançar.

Com alguns anos casados, as brigas entre Horácio e Glória começaram. Ele gostaria de ver sua mulher distante da música, queria que ela parasse de cantar. Essa situação acabou afastando os dois aos poucos e acabou acarretando em uma traição: Glória começou a ter um caso com o compositor José da Paixão, que fez um bolero em homenagem à moça. O nome da música era justamente o nome dela. Em uma noite, ao tocar na rádio, Horácio acabou descobrindo o caso de sua esposa, e ela teve que sair de casa (ele não a perdoou por isso).

Ela se despediu de Lineu (que tinha 10 anos na época) e nunca mais voltou a morar naquela casa. O menino não desconfiava do que ocorria, tanto que em uma noite, ao acordar e ver as gavetas do quarto de sua mãe vazias, perguntou sobre ela. Seu pai não respondeu, apenas chorou e pediu para seu filho ficar com ele (tinha sido a primeira vez que Lineu viu seu pai chorar). Enquanto isso, Horácio falava mal de Glória para seu filho, sem explicar exatamente o que havia ocorrido. Lineu demorava a dormir e tinha medo do escuro (sua mãe que o colocava para dormir).

Apesar disso tudo, Lineu ainda via sua mãe em algumas circunstâncias, e como de costume, eles se viam na gafieira onde ela trabalhava, o que irritava Horácio, que não queria ver o garoto naquele lugar, já que foi justamente nesse ambiente onde ela tinha encontrado o amante. Com isso, aos poucos, Glória e Lineu foram se separando. Ela até tentou lutar por ele, entrando na justiça, fazendo com que o garoto tivesse que escolher na justiça com quem ele iria ficar.

Na véspera do julgamento, Lineu ficou nervoso e não conseguia falar, e no dia em que deveria decidir com quem iria ficar, sua mãe não apareceu na sessão, o que o fez perder a confiança nela (o que Lineu não sabia, é que, ao ver seu filho pressionado por uma decisão difícil, Glória desistiu da guarda dele. Horácio também mentiu para Glória, não dizendo que Lineu teria ficado com ela).

Toda essa história foi criando em Lineu uma visão negativa de sua mãe. Desse dia em diante, seu pai começou a tratá-lo com rigidez. O menino se sentia revoltado pela mãe tê-lo abandonado para ficar com outro homem (era o que seu pai dizia) e não queria mais vê-la, o que acabou separando os dois. Mesmo após a morte do pai, a situação não melhorou (Lineu imaginava que caso voltasse a falar com sua mãe, isso seria uma traição). Lineu passou a ter a imagem de Horácio associada à de um homem correto e íntegro, o que explica bastante a personalidade dele na atualidade.

Após 40 anos de separação, mãe e filho passam a se entender novamente.

E Franklin?[editar | editar código-fonte]

Uma história que não foi muito bem explicada é quanto ao irmão de Lineu, Franklin. Nas cenas em que aparece o passado de Lineu, nada é falado sobre o irmão dele. Existe duas possibilidades: ou os autores esqueceram que o Lineu tinha um irmão ou resolveram focar apenas no drama do Lineu. Vale constar que o Lineu sempre detestou o irmão, o que também explicaria a ausência dele nos flashbacks).

Anos 70[editar | editar código-fonte]

A juventude de Lineu e Nenê já foram exploradas algumas vezes. No longa-metragem descobrimos que Lineu e Carlinhos (o então quase namorado de Nenê) disputaram a companhia dela, no tradicional baile, através da sorte (disputa de gravetos) já que enquanto um tinha o palitó, mas não tinha o convite, o outro tinha o convite, mas não tinha o palitó. Lineu trapaceou (seja qual fosse o graveto escolhido por Carlinhos, Lineu ganharia) e ganhou o palitó. Mas Nenê já estava interessada em Lineu, e queria mesmo que ele fosse ao baile.[12]

Um tempo depois, e apaixonada por Lineu, Nenê descobriu que estava grávida, mesmo com medo, contou a novidade para ele, que logo se apavorou, pois estava na faculdade, não trabalhava, morava na casa dos pais e não queria viver às custas de Seu Floriano (pai de Nenê). Para provar seu amor, Lineu começou a trabalhar na pastelaria do Seu Salvador (pai do Beiçola). Trabalhava de noite e estudava de dia. Tudo isso mostrado em “O Passado Bate A Sua Carteira”.[13]

Foi Lineu também, que teve a ideia de dar o nome de Maria Isabel para a criança (caso fosse uma menina). Ele disse que tinha uma avó com esse nome, e que achava lindo. Nenê logo aceitou. Se casou com Nenê quando ela estava grávida de 4 meses (provavelmente estavam tentando esconder a gravidez) e 5 meses depois, Bebel nasceu (em outubro).

O casal passou a morar na casa dos pais de Lineu (a casa atual da família Silva).

Religião[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que Lineu, seja cético, já que em muitos episódios o Lineu não acredita em nada que alguns religiosos dizem, principalmente quando a religiosa em questão é a sua esposa Nenê, pois ela é chega a ser fanática em algumas situações.[14]

Profissão[editar | editar código-fonte]

São 36 anos de repartição, trabalhando como fiscal sanitário. Ele começou antes de Bebel nascer e mesmo faltando em alguns momentos importantes dos seus filhos, fato que ele comentou em “A Presença de Lineu”, Lineu se orgulha bastante de seu emprego. Primeiro chefe que temos conhecimento dele, foi Almeidinha, que participou da 1ª Temporada, e que mesmo sendo ingrato e mandão com Lineu, gostava muito dele (gostava tanto que chegou a chorar pedindo a sua volta, após Lineu ter se demitido).

Na 2ª Temporada entrou na repartição o seu atual chefe José Carlos Mendonça, mais conhecido apenas como Mendonça. Os dois são muito amigos, tanto que já entraram em roubadas inúmeras vezes, e sempre que pode, Lineu salva Mendonça de situações quase impossíveis.

Na 8ª Temporada, Lineu resolveu dar uma pausa como fiscal, e encarou um outro trabalho dentro da sua profissão: o de clínico de pequenos animais. Anos após ter se formado, Lineu só havia exercido a clínica em situações extremas (um animal atropelado, por exemplo). Nesse ano, ele vendeu seu antigo carro (um Chevrolet Monza) e comprou um novo (Renault Kangoo Van) onde podia transportar seus animais.

Junto com o Tuco, ele abriu um Pet Shop em um shopping, nesse mesmo ano, onde algumas confusões passaram a acontecer. Tuco reclamava de seu salário, mas Lineu sempre dava o que podia, e o que ele merecia (já que nem sempre ele cumpria o que devia).

Mas na 9ª Temporada, tudo voltou como era antes, Lineu decidiu fechar o Pet Shop, por conta da crise econômica de 2008, voltou a ser fiscal e comprou um novo carro (Fiat Idea). Atualmente possui um Toyota Corolla, transformado em táxi por Agostinho durante os anos em que esteve em coma.

Relações[editar | editar código-fonte]

Irene de Souza Silva (Dona Nenê)[editar | editar código-fonte]

É o casal que fez nascer essa grande família, sempre teve relação de respeito com a sua esposa e a ama muito. Ela em muitas situações, tenta enganá-lo para proteger os filhos e genro, mesmo assim, ele a compreende, o que faz com que os dois fiquem juntos, mesmo após os desentendimentos.

Na temporada de 2007, os dois brigaram e ficaram alguns episódios distantes e provocando um ao outro, mas logo perceberam que não valia à pena ficar naquela situação.[15]

Eles juntos conseguem ter o equilíbrio perfeito para segurar as encrencas da família, já que enquanto ele é a razão, ela é o coração.

Maria Isabel da Silva Carrara (Bebel)[editar | editar código-fonte]

Sempre quando acontece uma briga com Agostinho, Lineu é o primeiro a ser lembrado pela filha Bebel. Mesmo que ele reclame com Nenê sobre mimar os filhos, ele protege Bebel a maioria dos fatos (o que faz parecer que ela é a preferida de Lineu).

Lineu é um ótimo pai para Bebel, dando conselhos para ela e se sente orgulhoso por ela se dedicar mais que o irmão (mesmo ela não tendo um diploma).

Artur Silva (Tuco)[editar | editar código-fonte]

Considerado um irresponsável e preguiçoso por Lineu, que sempre tenta colocar limites no filho, mas que praticamente, não consegue.

Constantemente os dois brigam, mas sempre conseguem ficar em paz. Recentemente tiveram uma grande briga porque o filho trancou a faculdade, mas essa situação logo foi revertida quando Tuco conseguiu um emprego na frota de táxi do Agostinho.

Agostinho Carrara[editar | editar código-fonte]

Esse é o genro que Lineu não imaginava ter. Sempre se desentendem (quase sempre quem tenta apartar as brigas é Nenê). Na campanha eleitoral de Agostinho, Lineu tentou ajudá-lo a entender melhor as eleições e suas responsabilidades.

Agora em 2011, mais responsável que antes e com uma frota de táxi, o taxista entrou em uma nova confusão com o sogro, já que agora com condições financeiras, em muitas situações o papel se reverteu e ele teve que ficar a frente de toda família.

Apelidos[editar | editar código-fonte]

Lineu é um dos que mais têm apelidos, já que ele é visto como chato, por ser metódico. Alguns estão abaixo:

  • Lineuzinho – Apelido carinhoso dado por Mendonça. (Às vezes, Nenê também usa).
  • Popozão – Apelido carinhoso dado por Tuco.
  • Cri cri – Apelido dado por Agostinho.
  • Lineurótico e Lineuvoso – Apelido dado pela turma de Tuco da faculdade de veterinária.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências