Linha 2 do Metrô do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

     Linha 2 do Metrô do Rio de Janeiro
Dados gerais
Tipo Metrô do Rio de Janeiro
Local Rio de Janeiro, Brasil
Terminais Botafogo/Coca-Cola
Pavuna
Estações 29
Operação
Abertura 19 de novembro de 1981 (39 anos)
Proprietário Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg Governo do Estado do Rio de Janeiro
Operador(es) Logo MetroRio.svg MetrôRio
Material circulante
Dados técnicos
Comprimento das linhas 30 km (19 mi)
Bitola 1 600 mm (5 ft 3 in)
Velocidade de operação 80 km/h (50 mph)
Mapa

Pavuna
Logo da SuperVia.svg
Engenheiro Rubens Paiva
Acari/Fazenda Botafogo
Coelho Neto
Colégio
Avenida Monsenhor Félix
Irajá
Vicente de Carvalho
BUS C.jpg
Thomaz Coelho
Estrada Velha da Pavuna
Engenho da Rainha
Inhaúma
Nova América/Del Castilho
BUS C.jpg
Maria da Graça
Jacaré River
Triagem
Logo da SuperVia.svg
Viaduto Ana Neri
Maracanã
Logo da SuperVia.svg
Viaduto Oduvaldo Cozzi
São Cristóvão
Logo da SuperVia.svg
Rua Ceará
Elev. Eng. Prof. Rufino de Almeida Pizarro
Av. Francisco Bicalho
Cidade Nova
Centro de Manutenção
Central
Vlt carioca logo.svg Logo da SuperVia.svg BSicon AETRAM.svg BUS C.jpg
Presidente Vargas
Uruguaiana
Carioca
Vlt carioca logo.svg
Cinelândia
Vlt carioca logo.svg
Glória
Catete
Largo do Machado
Icon 1 (set orange).png
Flamengo
Botafogo/Coca-Cola
BUS C.jpg

A Linha 2 - Verde: Pavuna ↔ Botafogo/ Coca-Cola ou Pavuna ↔ Estácio é uma das linhas do Metrô do Rio de Janeiro.

Histórico[editar | editar código-fonte]

As obras da Linha 2 do Metrô do Rio de Janeiro foram iniciadas em 16 de março de 1977.[1].As obras foram divididas por lotes:[2][3][4]

Lote/contrato Trecho Empresas Custo previsto Prazo contratual Prazo real
30 Estácio-São Cristóvão Mendes Junior/Cetenco Cr$ 320 milhões 600 dias 1700 dias
31 São Cristóvão-Maracanã Cetenco/Ecisa 600 dias 1700 dias
32 Maracanã-Maria da Graça Ecisa Cr$ 190 milhões 600 dias 2187 dias
60 Maria da Graça-Engenho da Rainha Queiroz Galvão Cr$ 450 milhões N/D 2187 dias (Inhaúma);

5107 dias (Engenho da Rainha)

61 Engenho da Rainha-Colégio Esusa N/D N/D
62 Colégio-Pavuna Queiroz Galvão N/D N/D 8135 dias


Por conta de atrasos, as primeiras estações foram inauguradas apenas em 19 de novembro de 1981, quando a linha 1 já estava em funcionamento há mais de dois anos. Suas primeiras viagens ligavam apenas a estação Estácio (que faz a conexão entre as linhas) com as novas estações São Cristóvão e Maracanã.[5]

A fim de permitir a conclusão da linha 2 até Irajá, em 1983, os trens da linha 2 passaram a circular das 6h às 14h. Durante um mês, após esse horário, até às 20h, foi implantado um serviço gratuito de ônibus, integrando as estações Estácio, São Cristóvão e Maracanã. Após a conclusão das obras, foram inaugurados um Pré-Metrô e as estações Maria da Graça, Del Castilho, Inhaúma e Irajá. O ano de 1984 foi marcado pelo início da operação comercial da linha 2 com 5 trens nos dias úteis, em intervalos de 5' 30 durante a semana.

Com o rompimento de uma tubulação da CEDAE na altura da futura estação Engenho da Rainha, que danificou os trilhos, o serviço do pré-metrô foi desativado, retornando somente em 1987 e apenas até a estação Inhaúma, tendo a parte restante da linha sido abandonado.

Estação intermodal Maracanã em obras. No futuro a estação servirá dois modais (o metrô e os trens urbanos).

Seguindo o cronograma de expansão, foram inauguradas estação intermediárias no trecho já existente: a estação Triagem foi inaugurada em julho de 1988, ano em que ocorreu a criação do bilhete de integração Metrô/Trem, e em 1991 foi inaugurada a estação Engenho da Rainha.

Em 1994, a linha 2 foi paralisada 7 meses por falta de material rodante, decorrente de uma falta de investimentos. Nesse período, a Linha 1 operava com intervalos de 20 minutos no pico, devido a baixa de material rodante devido à canibalização de equipamentos para a manutenção dos trens.

Em 1996, duas estações foram inauguradas: Tomás Coelho e Vicente de Carvalho.[6][7]

Em agosto e setembro de 1998, iniciaram as operações de mais 6 estações: Irajá, Colégio, Coelho Neto, Engenheiro Rubens Paiva, Acari/Fazenda Botafogo e Pavuna, na gestão do então governador Marcello Alencar.[8]

Em dezembro de 2009, foi concluído o projeto Linha 1A - Ligação direta Pavuna-Botafogo, através da duplicação de uma alça de acesso da Linha 1 até o Centro de Manutenção e à Linha 2, e a construção de uma ponte sobre a Avenida Francisco Bicalho e o Canal do Mangue. Com a nova operação, a linha ganhou as novas estações do junto da linha 1, tendo como ponto final a estação Botafogo, sendo o trecho Central - Botafogo operando de forma compartilhada (com trens alternados Saens Peña-Ipanema/General Osório e Pavuna-Botafogo), o que diminuiu o intervalo de trens nesse trecho porém aumentou o intervalo nas pontas da Linha 1.

No ano seguinte, no dia 01 de novembro de 2010, foi inaugurada a estação Cidade Nova, localizado pouco antes do Centro de Manutenção, na Avenida Presidente Vargas, em frente à sede da prefeitura e a 150 metros de distância da estação Estácio. Até o presente momento, a estação Cidade Nova só funciona nos dias de semana, e a Linha 2 continua fazendo o trajeto anterior Pavuna-Estácio nos finais de semana. Com a conclusão do período de operação assistida, a tendência é que a estação Estácio "Linha 2" seja desativada.[9]

Em 2014, é inaugurada uma expansão da estação Maracanã, possibilitando finalmente os usuários do sistema de se integrarem com os trens da SuperVia. Tal obra estava em projetos há mais de 30 anos, e entrou em prática devido a Copa do Mundo FIFA de 2014.[10]

Atualmente o metrô estuda a expansão da linha 2 ligando o Estácio a Carioca no qual seria construída a Estação Cruz Vermelha e Catumbi.

Informações técnicas[editar | editar código-fonte]

A Linha 2 conta com estações elevadas e de superfície no trecho Pavuna - Cidade Nova e estações subterrâneas no trecho Central - Botafogo/Coca-Cola (na verdade as mesmas da Linha 1, já que compartilham binários) e também na estação Estácio, usada apenas nos fins de semana e feriados.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Como o restante do sistema, opera com alimentação por terceiro trilho em 750V.

Frota[editar | editar código-fonte]

Até antes da operação do trecho compartilhado, composições com carros Mafersa eram utilizados exclusivamente na Linha 1 e as composições com carros Alstom eram utilizados na Linha 2. Hoje, essa separação não existe mais, existindo composições com carros misturados.

Projeto original[editar | editar código-fonte]

O projeto original da Linha 2 seria ligar a estação Pavuna à estação Carioca usando composições de 8 carros. Por este motivo, as estações são mais compridas que as da Linha 1, a estação Estácio era uma baldeação intermediária no trajeto (por isso a precariedade no transbordo até 2009) e as dimensões monumentais da estação Carioca.

O trecho Estácio - Carioca, chamado de Lote 29, teve suas obras postergadas diversas vezes. Compreendia a ligação entre as duas estações, contando ainda com as estações Cruz Vermelha e Catumbi no caminho. Com a construção da Linha 1A, também chamada de Ligação Direta São João de Meriti-Copacabana, a construção do trecho foi adiado indefinidamente. Hoje, a estação Carioca conta com diversos estabelecimentos (lojas, lanchonetes, bar, farmácia) e uma academia.

Há um video demonstrando o projeto da linha 1A aqui: http://diariodorio.com/video-de-projetos-do-metro-rio-para-amenizar-os-problemas-do-metro-cheio/

Estações[editar | editar código-fonte]

Trigrama Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Bairro
PVN Pavuna 1998 Integração paga com o ramal Belford Roxo da SuperVia e integração intermunicipal para Nilópolis, Mesquita e Nova Iguaçu. Laterais e Central Superfície Pavuna
ERP Engenheiro Rubens Paiva 1998 Central Superfície
AFB Acari/Fazenda Botafogo 1998 Central Superfície Entre Acari e Coelho Neto
CNT Coelho Neto 1998 Metrô Oeste Expresso 1 e Metrô Oeste Espresso 2 e integração intermunicipal para Itaguaí. Laterais Superfície Coelho Neto
CLG Colégio 1998 Central Elevado Colégio
IRJ Irajá 1998 Central Elevado Irajá
VCV Vicente de Carvalho 1996 Laterais Superfície Vicente de Carvalho
TCL Thomaz Coelho 1996 Laterais Superfície Tomás Coelho
ERN Engenho da Rainha 1991 Central Superfície Engenho da Rainha
INH Inhaúma 1983 Laterais Superfície Inhaúma
DCT Nova América/Del Castilho 1983 Integração Expressa com o Fundão e Terminal Alvorada e com o Metrô Jacarepaguá Expresso Laterais Superfície Del Castilho
MGR Maria da Graça 1983 Laterais Superfície Maria da Graça
TRG Triagem 1988 Integração paga com os ramais Belford Roxo e Saracuruna da SuperVia. Laterais Elevado Entre Benfica e Rocha
MRC Maracanã 1981 Integração paga com os ramais Deodoro, Santa Cruz, Japeri, Belford Roxo e Saracuruna da SuperVia. Central Superfície Maracanã
SCR São Cristóvão 1981 Integração paga com os ramais Deodoro, Santa Cruz, Japeri, Belford Roxo e Saracuruna da SuperVia. Laterais Superfície Entre São Cristóvão, Maracanã e Praça da Bandeira
CNV Cidade Nova 2010 Central Superfície Entre Cidade Nova e Estácio
ESA Estácio 1981 (Plataforma Linha 2) Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea Estácio
CTR Central 1979 Transferência para a Linha 1 e integração com os ramais de trem Deodoro, Santa Cruz, Japeri, Belford Roxo e Saracuruna da SuperVia Central Subterrânea Centro
PVG Presidente Vargas 1979 Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea
URG Uruguaiana - Engenheiro Fernando MacDowell 1980 Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea
CRC Carioca 1981 Transferência para a Linha 1 Laterais e Central Subterrânea
CNL Cinelândia 1979 Transferência para a Linha 1 Central Subterrânea
GLR Glória 1979 Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea Glória
CTT Catete 1981 Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea Catete
LMC Largo do Machado 1981 Transferência para a Linha 1 e Integração expressa para Cosme Velho e Rodoviária Laterais Subterrânea
FLA Flamengo 1981 Transferência para a Linha 1 Laterais Subterrânea Flamengo
BTF Botafogo/Coca-Cola 1981 Transferência para a Linha 1, integração com Metrô na Superfície para Gávea via Jardim Botânico e expressa para a Urca. Laterais e Central Subterrânea Botafogo

Histórico das terminais da Linha 2[editar | editar código-fonte]

  • 1981: Maracanã – Estácio
  • 1983: Irajá – Estácio
  • 1985: Maria da Graça – Estácio
  • 1987: Inhaúma – Estácio
  • 1991: Engenho da Rainha – Estácio
  • 1996: Vicente de Carvalho – Estácio
  • 1998: Pavuna – Estácio
  • 2009: Pavuna – Glória (das 5h às 16h, em dias úteis) / Botafogo (das 17h às 23h, em dias úteis) / Estácio (finais de semana e feriados)
  • 2010: Pavuna – Botafogo (em dias úteis) / Estácio (em finais de semana e feriados)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Governador visita metrô e pede compreensão do povo por obras». Jornal do Brasil, Ano LXXXVI, edição 337, Seção Cidade, página 12/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 16 de março de 1977. Consultado em 11 de junho de 2019 
  2. João Martins (16 de julho de 1977). «Metrô:A obra do século-Engenharia e sofisticação tecnológica Nacional à serviço do Metrô». Revista Manchete, edição 1317, páginas 134-135/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 11 de junho de 2019 
  3. «Metrô começa Linha 2 e vai desapropriar 450 imóveis». Jornal do Brasil, ano 86 edição 2, Seção Cidade, página 26/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 10 de abril de 1977. Consultado em 11 de junho de 2019 
  4. «Obras do pré metrô começam em maio com serviços para incluir sistema de Acari». Jornal do Brasil, ano 86 edição 15, Seção Cidade, página 16/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 23 de abril de 1977. Consultado em 11 de junho de 2019 
  5. «Metrô abre estações com samba e promessas». Jornal do Brasil, ano XCI edição 226, Seção Cidade, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 20 de novembro de 1981. Consultado em 11 de junho de 2019 
  6. «Estação Tomás Coelho é inaugurada sob protestos». Jornal do Brasil, Ano CVI, edição 179, página 23. 24 de setembro de 1996. Consultado em 21 de junho de 2019 
  7. Tiago Petrik. «Marcello inaugura estação Vicente de Carvalho». Jornal do Brasil, Ano CVI, edição 181, página 24. Consultado em 21 de junho de 2019 
  8. «Metrô inaugura estações de Coelho Neto e Colégio». Jornal do Brasil, Ano CVIII, edição 175, página 20. 30 de setembro de 1998. Consultado em 21 de junho de 2019 
  9. O Globo (2 de novembro de 2010). «RJ: Estação Cidade Nova começa a operar em fase de testes». Grandes Construções. Consultado em 11 de junho de 2019 
  10. «Nova estação Maracanã com cinco plataformas de trem e metrô é inaugurada no Rio». Portal R7. 2 de julho de 2014. Consultado em 11 de junho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]