Linha Azul (Salvador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Applications-development current.svg
Este artigo ou seção contém informações sobre uma construção atualmente em andamento.

É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente e frequentemente com o progresso da construção novas informações estarão disponíveis.

Linha Azul
Salvador-BA,  Brasil
Visão aérea da Avenida Pinto de Aguiar após boa parte das intervenções viárias.
Nomes anteriores Corredor Transversal I
Tipo Via alimentadora
Inauguração 27 de março de 2017; há 0 dias (prazo máximo da licitação)[1]
Extensão 12 km[2]
Orientação leste a oeste
Extremos
 • leste:
 • oeste:

Avenida Otávio Mangabeira
Avenida Suburbana
Início Orla atlântica
Cruzamentos Avenida Luís Viana Filho, Estrada do Mandu, Via Expressa Paralela-Barradão, BR-324[3]
Fim Orla interna
Lugares que atravessa Patamares, Pituaçu, São Marcos, Pau da Lima, Sussuarana, Pirajá, Capelinha, Lobato[3]

A Linha Azul é um conjunto de vias, em obras, transversais ao sistema viário expresso de Salvador, capital do estado brasileiro da Bahia. Com cerca de 12 quilômetros atravessando de leste a oeste a cidade, conecta as áreas da Orla Atlântica, do Miolo e do Subúrbio Ferroviário por meio da Avenida Pinto de Aguiar (3,3 quilômetros), Avenida Gal Costa (7,2 quilômetros) e a ligação Lobato–Pirajá (1,5 quilômetro), totalizando 12 quilômetros.[2][4][5]

Com impacto na abertura de novos vetores de desenvolvimento,[6] o corredor compõe o sistema de transporte de massa pois estará ligado a ambas as linhas metroviárias, alimentando-o, por meio das estações Pirajá (Linha 1) e Pituaçu (Linha 2),[5][7] além da Estação Lobato do que será o futuro VLT do Subúrbio de Salvador.[8] De média/alta capacidade, posteriormente será implantado sistema de ônibus (BRT) em uma das faixas.[9][10]

História[editar | editar código-fonte]

Pelo Contrato de Programa, datado de 22 de abril de 2013, celebrado entre o Município do Salvador, Município de Lauro de Freitas e o Estado da Bahia, decorrente do Convênio de Cooperação Intrafederativo n.º 01 de 2012, no contexto dos acordos sobre a transferência de controle do metrô, ficou a cargo do Estado da Bahia a construção dos dois corredores transversais e foram reservadas à capital a definição do modal a ser instalado e a sua operação.[11]

A implantação do Corredor foi dividida em duas áreas: uma restrita à Pinto de Aguiar e outra para as demais.

A Avenida Pinto de Aguiar foi a primeira a ser reformada para a implantação do corredor alimentador, com ordem de serviço assinada em 20 de maio de 2013. Por 63 milhões de reais, os três quilômetros da avenida estão sendo transformados em três faixas de rolamento em cada sentido separadas por canteiro central, com ciclovias de 1,5 metro de largura em ambos o lados e passeios entre dois e três metros de largura, bem como melhorias urbanas (drenagem, iluminação e contenção). As obras financiadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem duração fixada em 10 meses.[12] Em 11 de abril de 2014, foi entregue a primeira etapa das obras, cerca de 1,5 quilômetro, representando 50% das intervenções.[13] Já em 18 de setembro, foi entregue o restante do trecho, duplicado, sinalização adequada, além de intervenções de paisagismo.[14]

Em 17 de julho de 2013, o governo estadual lançou o edital de pré-qualificação de concorrentes para o restante das obras do Corredor 1 (intervenção na Avenida Gal Costa, construção do túnel entre a Pinto de Aguiar e a Gal Costa e da ligação Lobato–Pirajá), como também do Corredor Transversal II.[7] Meses depois, em 12 de março do ano seguinte, a vitória do consórcio Transoceânico Salvador na licitação foi homologada. O consórcio, formado pelas empresas Queiroz Galvão, TTC Engenharia, AXXO e Constran, venceu ao apresentar o menor preço, 647 milhões de reais.[15] O prazo de execução é de 36 meses, a contar da assinatura da ordem de serviço, feita em 27 de março de 2014.[16][17]

Em março de 2015, o então Corredor Transversal I foi renomeado para "Linha Azul", assim como ocorreu com o então Corredor Transversal II.[18][19] Em março de 2016, foi inaugurado o Sistema Viário Campinas de Pirajá, que incluiu construção de um viaduto de três faixas e 59 metros de extensão ao lado de um pré-existente, bem como alças de acesso, calçada, drenagem, terraplanagem e paisagismo melhorando o acesso à Estrada de Campinas e ao Terminal Pirajá.[20] Em junho foi concluído o primeiro túnel da Ligação Lobato-Pirajá, em outubro outro túnel teve a perfuração concluída, dessa vez no local onde havia o antigo ginásio da Universidade Católica do Salvador, perto do Estádio de Pituaçu[21] e em novembro os túneis de 150 metros sob a avenida Paralela foram também perfurados completamente.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Da Redação (27 de março de 2014). «Governador assina ordem de serviço de corredores transversais». Correio. Consultado em 28 de Setembro de 2014 
  2. a b Secom - Secretaria de Comunicação Social - Governo do Estado da Bahia (20 de março de 2014). «Corredores Transversais compõem as obras de mobilidade urbana de Salvador». Consultado em 20 de junho de 2014 
  3. a b Amanda Palma (28 de março de 2014). «Licitação para troca dos trens do Subúrbio sairá até junho». Consultado em 20 de junho de 2014 
  4. «O projeto da Linha Verde prevê a construção de uma via de 17,7 km (Imagem: Reprodução)». Consultado em 20 de junho de 2014 
  5. a b CONDER SEDUR (setembro de 2013). «Mobilidade: Projetos Estruturantes em Salvador e RMS» (PDF). Consultado em 21 de junho de 2014 
  6. Bahia.com.br. «Mobilidade Urbana». Consultado em 20 de junho de 2014 
  7. a b CONDER (17 de julho de 2013). «Governo lança edital de pré-qualificação para ações de mobilidade». Consultado em 20 de junho de 2014 
  8. Amanda Palma (28 de março de 2014). «Licitação para troca dos trens do Subúrbio sairá até junho». Correio. Consultado em 28 de Setembro de 2014 
  9. CONDER. «MOBILIDADE/OBRAS ESTRUTURANTES». Consultado em 20 de junho de 2014 
  10. CRISTINA, Núbia (2 de junho de 2014). «A Copa do Mundo é nossa». Revista B+. Editora Sopa de Letras. Consultado em 20 de junho de 2014 
  11. «ANEXO VII – CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO N° 01/2012 E CONTRATO DE PROGRAMA» (PDF). Consultado em 28 de Setembro de 2014 
  12. CONDER (20 de maio de 2013). «Governador autoriza duplicação da Avenida Pinto de Aguiar». Consultado em 20 de junho de 2014 
  13. SECOM (11 de abril de 2014). «SALVADOR: Primeiro trecho da nova Pinto de Aguiar será entregue hoje». Consultado em 20 de junho de 2014 
  14. SECOM (18 de setembro de 2014). «Entrega da nova Avenida Pinto de Aguiar melhora condições de tráfego em Salvador». Consultado em 18 de setembro de 2014 
  15. A Tarde (12 de março de 2014). «Governo homologa licitação dos corredores transversais». Consultado em 20 de junho de 2014 
  16. Bahia Negócios (29 de dezembro de 2013). «Wagner assinará no 1º semestre de 2014 ordens de serviço de R$ 1,2 bilhão em obras de mobilidade para Salvador». Consultado em 20 de junho de 2014 
  17. Bahia Econômica (27 de março de 2014). «WAGNER INVESTE R$ 7,7 BI EM SALVADOR E UNE A CIDADE RICA E A CIDADE POBRE». Consultado em 20 de junho de 2014 
  18. Bahia Notícias (28 de Março de 2015). «Secretario visita obras das Linhas Vermelha e Azul em Salvador». Consultado em 28 de Março de 2015 
  19. Assessoria de Comunicação - SEDUR (28 de março de 2015). «Obras das Linhas Vermelha e Azul seguem em ritmo acelerado». Ichu Notícias. Consultado em 28 de Março de 2015 
  20. Secom - Secretaria de Comunicação Social (24 de março de 2016). «Rui entrega viaduto que desafoga trânsito na região de Pirajá». Consultado em 26 de Março de 2016 
  21. «Obras da Linha Azul estão em estágio avançado». Tribuna da Bahia. 27 de outubro de 2016. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  22. «PERFURAÇÃO DE TÚNEL SOB A AVENIDA PARALELA É CONCLUÍDA». bahiaeconomica.com.br. 11 de novembro de 2016. Consultado em 12 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]