Linha Marrom (Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

A chamada Linha Marrom é uma das vias expressas previstas no Plano Doxiadis, de urbanização da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

De acordo com o projeto original, esta via ligaria o entorno do bairro do Rio Comprido, próximo a Zona Central da cidade, passando por vários bairros como Sulacap, Bangu e Campo Grande e terminando no bairro de Santa Cruz na Zona Oeste, através dos maciços montanhosos da cidade(Tijuca e Pedra Branca).

É provável que o traçado desta via expressa se iniciasse na Avenida Radial Oeste, no bairro da Praça da Bandeira, onde seria realizada a ligação com a Linha Vermelha (por meio do Viaduto Engenheiro Freyssinet), com a Avenida Presidente Vargas e com a Avenida Francisco Bicalho. A partir deste traçado a mesma continuaria pelos bairros de São Francisco Xavier, Riachuelo (onde cruzaria com a Linha Verde), Engenho Novo, Méier, Engenho de Dentro (onde cruzaria com a Linha Amarela), Quintino, Praça Seca (onde cruzaria com a Linha Azul) e a partir deste bairro convergindo para um traçado paralelo à Avenida Brasil, cruzando com a Transolímpica na altura de Jardim Sulacap, até alcançar o bairro de Santa Cruz.

Caso esta via fosse implantada, o trecho compreendido entre a Linha Amarela e o Centro, poderia se constituir como parte elementar da ligação entre a Barra da Tijuca e o centro da cidade do Rio de Janeiro, além de desafogar o trânsito na Avenida Brasil. Da mesma forma, o trecho desta via compreendido entre a Linha Amarela e/ou Praça Seca a Campo Grande/Santa Cruz poderia ser uma alternativa de conexão da baixada de Jacarepaguá com o restante da Zona Oeste carioca, desafogando provavelmente parte da Barra da Tijuca. Um possível complemento metroviário poderia aumentar a eficiência desta solução.

Essa via expressa, a mais audaciosa do Plano Doxiadis, possui identificação oficial como RJ-077, mas não possui nome.

TranSuburbana[editar | editar código-fonte]

Durante as eleições municipais de 2016, o candidato de situação, Pedro Paulo, em suas promessas de campanha, prometeu implantar mais um corredor de BRT na cidade do Rio de Janeiro, Ligando Sulacap ao Centro.[2] Surgiram então suspeitas de que este traçado seria baseado em parte da já planejada Linha Marrom, assim como ocorreu com a Linha Azul (Rio de Janeiro) e a TransCarioca.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Documentos». www.urbanismobr.org. Consultado em 20 de julho de 2018 
  2. «Candidatos a prefeito do Rio apresentam propostas para o transporte - Rio - O Dia». Consultado em 1 de outubro de 2016 


Plano Doxiadis
Linha AmarelaLinha AzulLinha LilásLinha MarromLinha VerdeLinha Vermelha


Ícone de esboço Este artigo sobre geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.