Linha Tronco (Estrada de Ferro Sorocabana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Linha Tronco da Estrada de Ferro Sorocabana
Mapa Sao Paulo Sorocabana.png
Verde: Atual malha; Roxo: Abandonado
EF EF-480 (São Paulo-Mairinque)
EF-265 (Mairinque-Botucatu)
EF-270 (Botucatu-Presidente Prudente)
EF-468 (Presidente Prudente-Presidente Epitácio)[1]
Área de operação São Paulo
Tempo de operação 1875–Presente
Bitola bitola métrica
1 000 mm (3,28 ft)
Extensão 842,2 km (523 mi)
Interconexão Ferroviária Linha Santos-Jundiaí
Variante Boa Vista-Guaianã
Linha Mairinque-Santos (Sorocabana)
Ramal de Itararé (Estrada de Ferro Sorocabana)
Ramal de Bauru (Estrada de Ferro Sorocabana)
Linha Ourinhos-Cianorte
Portos Atendidos Porto de Presidente Epitácio
Operadora Rumo Logística

A Linha Tronco da Estrada de Ferro Sorocabana é uma estrada de ferro do estado de São Paulo. Possui mais de 800 km de extensão, sendo 36 km em bitola mista (1,00 e 1,60m) sendo os demais em bitola métrica, ligando São Paulo à Presidente Epitácio.

História[editar | editar código-fonte]

Exatamente às 13 horas do dia 13 de junho de 1872 um grupo de homens munidos de pás e enxadas iniciava, no centro de Sorocaba, à margem do Córrego Supiriri, a construção da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS). A ferrovia, projetada e bancada por empresários, teve o trecho entre Sorocaba e São Paulo concluído em três anos, um feito até para os dias atuais. O Estado de S. Paulo, 13 de junho de 2002 /Memória de ferroviário resgata tempos áureos da Sorocabana - Com trens parados e estações desativadas, linha férrea completa 130 anos de existência[2]

Em 13 de junho de 1872 é iniciada a construção da linha tronco de 110 km de extensão, ligando Sorocaba à São Paulo. Em 1874 o banco Deutsch Brasilianische Bankum (que faliria pouco tempo depois[3]) concedeu um empréstimo para conclusão das obras da estrada [4] que teria o seu trecho inicial inaugurado em 10 de julho de 1875 com as seguintes estações: Sorocaba, Piragibu, Pantojo, São Roque (1ª estação que hoje está sem trilhos após uma retificação de linha), Baruery, Barra Funda e São Paulo (atual Júlio Prestes). Na estação São Paulo havia armazens de distribuição e uma linha que se conectava à ferrovia São Paulo Railway por onde escovam os produtos de Sorocaba e região até o porto de Santos.

Posteriormente a linha seria ampliada até atingir Presidente Epitácio em 1 de maio de1922.

Operação[editar | editar código-fonte]

Em 1999, a Linha Tronco da Sorocabana foi concedida pela RFFSA, como parte da Malha Paulista. Porém, o trecho entre Botucatu e Mairinque passou a fazer parte da Malha Oeste e o trecho entre Botucatu e Presidente Epitacio passou a fazer parte da Malha Sul, da RFFSA. Atualmente ambas as concessões são operadas pela concessionária Rumo Logística.

Já o trecho inicial da linha entre a estação Estação Júlio Prestes e a Estação Mairinque, está sob administração da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e tem uso compartilhado.

Eletrificação[editar | editar código-fonte]

Trecho eletrificado [5]. Data Comprimento (km)
São Paulo - Sorocaba 8 de dezembro de 1944 104,342
Sorocaba - Iperó 14 de agosto de 1945 35,130
Iperó-Cerquilho janeiro de 1947 24,718
Cerquilho-Laranjal Paulista 15 de dezembro de 1947 24,148
Laranjal Paulista-Juquiratiba 1 de maio de 1949 30,863
Iperó-Tatuí 30 de julho de 1950 18,575
Tatuí-Morro do Alto 1951 42,833
Juquiratiba-Botucatu 16 de outubro de 1951 50,707
Botucatu-Rubião Júnior 1952 5,772
Rubião Júnior-Pátio 3 (Itatinga) 1953 30,210
Pátio 3 (Itatinga)-Bernardino de Campos abril de 1954 37,444

Trechos por velocidade[editar | editar código-fonte]

Trecho Raio mínimo Velocidade Máxima[6] Rampas máximas Comprimento (km)
São Paulo (SP) - Iperó (SP) 230m[7] 62 km/h 2% ?
Iperó (SP) - Presidente Epitácio (SP) 80m[8] 37 km/h 2,25% ?
Ramal de Itararé - Iperó (SP) - Itararé (SP) 143m[8] 49 km/h 2% ?

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]