Linha de pobreza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Linha de pobreza é o termo utilizado para descrever o nível de renda anual com o qual uma pessoa ou uma família não possui condições de obter todos os recursos necessários para viver. A linha de pobreza é, geralmente, medida em termos per capita (expressão latina que significa "por cabeça") e diversos órgãos, sejam eles nacionais ou internacionais, estabelecem índices de linha de pobreza.

Índices de Linha de Pobreza[editar | editar código-fonte]

Não há consenso sobre qual critério deve ser adotado como linha de pobreza. O critério mais aceito, no tempo presente, é o do Banco Mundial, que, em seu Relatório de Desenvolvimento Mundial de 1990 estabeleceu que a linha de pobreza mundial é de menos de 1 dólar por dia.[1]

Contudo, de acordo com o Documento de Trabalho nº 4620 do Banco Mundial, estudos recentes, e mais amplos, revelam que a taxa de pobreza de menos de um dólar é um pouco imprecisa, podendo oscilar 25 centavos de dólar a mais ou a menos.

Nota: O Banco Mundial utiliza a faixa de US$ 1 dólar por dia por pessoa como linha de indigência (renda suficiente para comprar apenas os alimentos necessários para repor os gastos energéticos) e de US$ 2 dólares por dia por pessoa como linha de pobreza extrema (renda considerada suficiente para satisfazer as necessidades mínimas dos moradores de um domicílio).[2]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

O Governo Federal adota como medida de extrema pobreza familiar rendimentos mensais abaixo de R$ 70 por pessoa.[3]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal o limiar de pobreza é de 5060 euros anuais, ou seja 421 euros a 12 meses.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «On the poverty line». The Economist. 2008. Consultado em setembro de 2016. 
  2. «Dilma terá linha oficial de pobreza para medir fim da miséria». Agência Brasil. 2011. Consultado em setembro de 2016. 
  3. MDS. «Brasil Carinhoso». Consultado em 30 de setembro de 2012. 
  4. Expresso. «Há 4,5 milhões de pobres». Consultado em 18 de abril de 2013.